-

-

quarta-feira, 2 de março de 2011

O que pensamos das conspirações e da politicagem pessoal de grupos e facções.

Conspiration of the Beasts de Olivia Beaumont

Declaramo-nos inimigos de todas as conspirações de todas as tramas, conjurações, conclaves de bastidores, confabulações secretas, sedições. Nossa campanha é cultural, moral, educacional, social ás claras em campo raso, de peito aberto, de cabeça erguida.

Quem se bate por princípios não precisa combinar coisa alguma nas trevas. Quem marcha em nome de idéias nítidas, definidas, não precisa de mascaras. Nossa Pátria está miseravelmente lacerada de conspiradores. Políticos e governos tratam de interesses imediatos, por isso é que conspiram. Nós pregamos a lealdade, a franqueza, a opinião a descoberto, a luta no campo das ideias. As confabulações dos políticos estão desfibrando o caráter do povo brasileiro. Civis e militares giram em torno de pessoas, por falta de nitidez de programas. Todos os seus programas são os mesmos e esses homens estão separados por motivos de interesses pessoais e de grupos. Por isso, uns tramam contra os outros. E, enquanto isso, o comunismo trama contra todos. Nos pregamos a franqueza e a coragem mental. Somos pelo Brasil Unido, pela Família, pela Propriedade, pela organização e representação legitima e única de classes: pela participação direta dos intelectuais no governo da República; pela influência benéfica do Brasil na América do Sul; por uma campanha nacionalista, contra a influencia dos países capitalistas e sem tréguas contra o comunismo. Nós somos a Revolução em marcha. Mas a Revolução com programas. Por isso, franca, leal e corajosa.

Você quer saber mais?

Salgado, Plínio; Reale, Miguel; Mello, Olbiano de. Estudo Integralista, 1933, PP. 51-52.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/INTEGRALISMO

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

http://www.integralismo.blogspot.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.