-

-

terça-feira, 27 de março de 2012

Pelo Retorno das Justas. Os Cavaleiros de Mayhem!

O que é uma Justa?
Justa é um desporto jogado por dois cavaleiros com armaduras montados em cavalos. Consiste numa competição marcial entre dois cavaleiros montados, usando uma variedade de armas, geralmente em grupos de três por arma (como a inclinação com um lança, golpes com machados, ou golpes com a espada), entre outros, muitas vezes, como parte de um torneio.
A justa foi um jogo marcial na Idade Média, sendo necessário ter uma habilidade muito grande para praticar este desporto. Embora o primeiro torneio foi feito em 1066, a justa não ganhou popularidade generalizada até o século XII. É mantido o seu estatuto como um desporto popular europeu até ao início do século XVII.
Em uma área chamada de arena, dois cavaleiros montados em cavalos combatiam. Cada cavaleiro portava uma lança de madeira com uma ponta sem corte. Cada um tentava quebrar sua lança no corpo ou na cabeça de seu oponente ou tentava derrubar seu oponente de seu cavalo. Eles recebiam pontos por quebrarem uma lança (o número de pontos dependia da parte atingida do corpo do oponente) e, geralmente, podia-se ter de uma a três investidas por rodada.Mesmo as armas não tendo cortes, muitos cavaleiros eram feridos os mortos em justas.
O vencedor da justa seguia na competição e podia desafiar outros cavaleiros. O perdedor tinha que entregar sua armadura e seu cavalo para o vitorioso. Geralmente, o vitorioso vendia a armadura e o cavalo para o perdedor. Dessa maneira, os cavaleiros poderiam juntar uma fortuna (ou perdê-la) nos torneios. Um cavaleiro, Ulrich Von Lichtenstein, fez uma grande carreira em torneios pela Europa e escreveu sobre suas aventuras. O personagem de Heath Ledger imitava Sir Ulrich no filme "Coração de Cavaleiro.
A justa foi incorporada em torneios vários séculos após a sua estreia. O torneio permitiu uma melhor exibição da habilidade individual e, embora perigosa, ofereceram grandes somas de dinheiro do prémio. Muitos cavaleiros fizeram a sua fortuna com esses eventos, enquanto muitos perderam a fortuna ou mesmo a vida. Por exemplo,Henrique II da França morreu quando uma lança do seu adversário atravessou a sua viseira e a quebrou em fragmentos, cegando o olho direito e penetrando na sua órbita direita e têmpora.
Os Cavaleiros de Mayhem
Charlie Andrews lidera os "Cavaleiros de Mayhem", um grupo de Lancelotes e Galahads dos tempos modernos. O objetivo dos cavaleiros é transformar os torneios medievais de Justa, que hoje são apenas atos encenados em feiras do Renascimento, em um fenômeno do esporte profissional que irá correr o mundo. Para os cavaleiros, os torneios não são os espetáculos que vemos em restaurantes. Segue abaixo o resumo dos episódios.
1-Tempo de Treinamento
Os Cavaleiros de Mayhem, uma trupe de dez "cavaleiros" e seus acompanhantes "escudeiros", vão à cidade de McDade, Texas, onde eles começam a treinar para sua próxima temporada de justa. O capitão Charlie Andrews colocou todo o seu tempo e dinheiro nesta trupe com as esperanças de alavancar a justa das feiras renascentistas e levá-la ao mundo dos profissionais de esportes radicais.

Mas as suas tentativas não acontecem sem desentendimentos entre Charlie e seu antigo mentor, Patrick Lambke, o chamado "Cavaleiro Negro". Enquanto isso, dois dos cavaleiros veteranos de Charlie ainda brigam por conta de um incidente passado.

Eles terão de aprender a trabalhar juntos, mesmo que isso signifique resolver suas diferenças na
ponta de uma lança. Além disso, três jovens estreantes chegaram.

Apesar de seus fortes corpos atléticos, estes novatos precisarão de horas de treinamento. Juntos, os cavaleiros percorrerão uma semana de treinamento intenso e conflitos de personalidade e luta para sobreviver, literalmente, tudo em uma tentativa de chegar ao topo do mundo mortal e perigoso da justa.

Vestindo 68kg de armaduras medievais, estes homens montam cavalos e atacam uns aos outros com lanças de madeira maciça atingindo velocidades de até 30 km/h. No momento da colisão entre os cavalos, o cavaleiro tem o desafio de controlar o seu animal e manter o raciocínio.

O impacto pode ser devastador: contusões, ossos quebrados e até mesmo a morte.

Com Charlie na liderança, os Cavaleiros de Mayhem pretendem transformar essa prática num esporte profissional da moda. Será que os Cavaleiros serão capazes de levar o seu esporte para fora do mundo do Renascimento?

2- Jogo Duro

Os novatos competem pela primeira vez e a única coisa que Charlie pode prometer a eles é a dor – e ele vai garantir que eles sintam dor quando o enfrentarem.

Os altos níveis de testosterona são visíveis, enquanto os Cavaleiros vão até Sonora, na Califórnia,
para o Campeonato da Costa Oeste, onde o sangue e as contusões estão no centro das atenções.

Charlie tem contas a acertar aqui, ele se prepara para encontrar um jovem cavaleiro que, aos 19 anos, derrubou-o do cavalo em uma competição anterior.

Determinado a defender seu título e vingar sua honra, Charlie promete derrubar qualquer um que se atreva a desafiá-lo, enviando numerosos concorrentes ao chão e um para o hospital.

Mas, com novas lesões que vêm a toda hora, a trupe vai ser capaz de enterrar o medo e seguir em frente na competição?

3- Apostas Abertas

Uma bolsa de $20.000,00 está na reta, Charlie Andrews e os Cavaleiros de Mayhem competem pela vitória na Sherwood Forest Fair em McDade, Texas, tentando fazer com que a justa torne-se um esporte profissional.

O armeiro William Brunson chegou para produzir armaduras para os Cavaleiros de Mayhem, e o
primeiro a ser atendido é o novato Joe Ambrosious.

Joe, um ex-jogador de futebol americano que treinava em casa, no Arizona, espera finalmente provar que é um competidor digno, depois de não ter passado no último torneio.

Jake “A Cobra” Paul, lutador de artes marciais e outro novato na justa, tira sua atenção do ringue e entra para a trupe. O cavaleiro veterano Brian Stephenson recupera-se de uma severa concussão sofrida no último torneio, e tem esperança de vencer no Texas.

A estrela canadense da justa, Greg Boxma, também participa. Um novo cavalo pode ser exatamente o que o Cavaleiro Negro, Patrick Lambke, precise para finalmente vencer de Charlie, mas, em se tratando do Cavaleiro Negro, nada nunca é como parece ser.

As apostas estão altas e a bolsa está recheada, os cavaleiros vão até o Texas para praticar a justa em busca do título, mas, mais importante ainda, em busca do dinheiro.

4-Ameaça ao Trono

Os Cavaleiros de Mayhem se revezam enfrentando seu líder, o campeão internacional de justa Charlie Andrews, em Ogden, Utah, para tomar decisões a respeito do Ultimate Jousting Championship, em Las Vegas, que está se aproximando.

O novato Jake “A Cobra” Paul e o veterano Brian Stevenson destacam-se e dão a Charlie seu maior teste até agora. Charlie e seu sócio Gabriel Giordano encontram-se com um agente esportivo profissional, na tentativa de avançar com a justa enquanto esporte.

Consequências do último torneio por dinheiro em Austin, no mês anterior, colocam o relacionamento de Patrick Lambke, o Cavaleiro Negro, e dos Cavaleiros de Mayhem em perigo.

Além disso, um vírus equino altamente contagioso e mortal ameaça toda a empreitada.


5- Batalha em Las Vegas

O Ultimate Jousting Championship começa na South Point Arena e no Equestrian Center em Las Vegas, e dá início a uma nova era da justa.

O evento traz o sucesso do sonho do líder dos Cavaleiros de Mayhem Charlie Andrew –
transformar a justa em um esporte profissional.

Com a sua perseverança, Charlie e seu sócio Gabe Giordano levaram este esporte ao próximo nível. A estreia do UJC chamou a atenção de praticantes veteranos de fora da trupe dos Cavaleiros de Mayhem.

Estes competidores se recusam a perder o maior torneio dos dias de hoje. O veterano Talon MacKenna está deixando sua aposentadoria para participar do evento.

O veterano Dustin Stephens vem praticando a justa desde criança e participará do torneio com esperanças de vencer. Membros dos Cavaleiros de Mayhem também estarão lá, incluindo o veterano Brian Stephenson, que aparece no torneio após ter vencido Charlie Andrews pela primeira vez.

O veterano Jason Armstrong vai até Las Vegas com sua esposa e família. O novato Joe Ambrosius está orgulhoso de praticar a justa e junta-se ao também novato Jake Paul e ao mais novo praticante do grupo, Greg Boxma. Estes três jovens atletas esperam vencer em Vegas.


Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Você quer saber mais?

http://www.natgeo.com.br/br/especiais/os-cavaleiros-de-mayhem/

http://www.natgeo.com.br/br/especiais/os-cavaleiros-de-mayhem/episodios/

http://www.natgeo.com.br/br/especiais/os-cavaleiros-de-mayhem/fotos/

http://www.medievalfair.org/

http://www.royalmedievalfaire.org/

http://pessoas.hsw.uol.com.br/cavaleiros4.htm

sábado, 24 de março de 2012

Puma Punku: A Misteriosa Porta do Puma do Lago Titicaca.

Autor: Leandro CHH do Blog Construindo História Hoje.

Mais de um milênio antes dos Incas criarem um império nas vastas montanhas dos Andes, na América do Sul na Bolívia, Tiahuanaco surgiu como um importante centro da vida política, econômica, religiosa na margem Sul do Lago Titicaca.

As ruínas de Puma Punku, próximas de Tiahuanaco, (América do Sul) estão entre as mais interessantes e misteriosas do Mundo, superam até mesmo as Pirâmides de Gizé, se levarmos em conta o nível de especialidade e refino no tratamento de pedra altamente resistente verificas ali.

Parece ser o resto de um grande cais no Lago Titicaca e parte de um de um grande edifício que desmoronou a pouco.

Puma Punku, também chamada Pumapunku ouPuma Puncu, é um sítio arqueológico composto de um grande complexo de templos e monumentos localizado em Tiwanaku, na Bolílvia . O nome Puma Punku é originário da língua Aymara e significa "A Porta do Puma". O complexo de Puma Punku consiste de esplanadas, templos, monumentos formados com pedras do estilo megalítico.

Um dos blocos de sua construção pesa cerca de 440 toneladas (o equivalente a cerca de 600 carros) e vários outros blocos, pesam entre 100 e 150 toneladas.

O sítio principal, possui 167 metros de comprimento e 116 metros de largura. A borda leste de Pumapunku é ocupada pela “Plataforma Lítica”, um terraço de pedra de 6,75 por 38,72 metros de dimensão. Este terraço é pavimentado com múltiplos blocos de pedra enormes. A Plataforma Lítica contém a maior pedra encontrada em todo o sítio arqueológico de Puma punku e Tiahuanaco. Baseada nas propriedades da rocha cuja qual foi extraída, e estimada que essa única pedra possua 131 toneladas.

Bloco de pedra esculpido em Puma Punku. Filete preciso de 6 mm de largura com furos eqüidistantes.

O núcleo das construções em Puma Punku consiste de argila enquanto o acabamento consiste de areia e pedregulhos. Escavações no sítio de Puma Punku documentaram a existência de três épocas distintas de construção além de pequenas reformas e remodelagens ocorridas em outras épocas.

Durante seu apogeu, acredita-se que Puma Punku era um local "incrivelmente maravilhoso" adornado com placas de metal polido, cerâmicas de cores brilhantes e ornamentado com quadros e peles, frequentado por sarcedotes e pela elite, que se vestiam com roupas cerimoniais e joias exóticas. A compreensão da natureza deste complexo arqueológico ainda é limitada, devido à sua antiguidade, a falta de provas escritas, e o atual estado de elevada deterioração, tanto pelo desgaste natural mas também devida a depredação causada por visitantes e saqueadores.

A chamada Porta do Sol, vista na parte de trás. Esculpida em rocha extremamente dura.Possivelmente era uma parte de um grande muro.

Determinar a idade do complexo de Puma Punku tem sido o foco de pesquisadores desde a descoberta deste sítio arqueológico. Como notado pelo especialista Andino, o professor de Antropologia W. H. Isbell, determinou através do teste com rádio carbono que a camada mais antiga de construção ocorreu entre os anos de 536 a 600 D.C.

No entanto, olhando-se melhor estes blocos de pedra observa-se que foram fabricados com uma precisam magnifica para época.

Porém é em Puma Punku que é possível ver o avançado sistema de corte de blocos. Analisem nas fotos a qualidade e a perfeição dos cortes. Alguns cientistas acreditam que as ferramentas básicas daquela época, estes tipos de cortes são praticamente impossíveis de se fazer. Por isso existe uma forte hipótese de que realmente esse povo já usava algum tipo de ferramenta avançada de corte, ou algum método que infelizmente ficou perdido no tempo....Será?

A primeira vista Puma Punku não imprenssiona. Parece apenas um monte de ruínas de uma velha pirâmide e um grande número de blocos megalíticos de pedras no chão, aparentemente derrubados por um terremoto devastador.

Concepção artística de Puma Punku em AutoCad por Alexei Vranich. (arqueólogo da Universidade da Pensilvânia, que está escavando um templo chamado Puma punku). “O templo era um local de importância religiosa e um centro de peregrinação. Vranich acredita que os arquitetos tiwanakus sabiam exatamente o que estavam fazendo quando ergueram o templo num local onde ele encobria a vista da montanha. “Eles sabiam que efeito isso teria”, diz ele. “Fazer o Illimani desaparecer! Essa foi uma das ilusões de ótica criadas aqui.”

Nas margens do lago Titicaca encontram-se ruínas de antigos templos e santuários, remontando a até 700 a.C. Os pesquisadores crêem que Tihanuaco foi um desses centros religiosos. Mas, no século 6, talvez devido à importância do lago Titicaca na mitologia andina ou ao poder político do povo local, a cidade tornou-se um centro de peregrinação. Para chegar ali muitos viajavam longas distâncias, atravessando as águas verdes do lago em jangadas de bambu.
~Monte Illimani ao fundo na foto atinge seus 6.462 m de altitude e parece pequeno diante do Lago Titicaca que já está ha 4.000 m do nível do mar.

Depois, de rumar para o leste, caminhando pelas planícies relvadas do altiplano rumo aos picos azulados dos Andes, sempre cobertos de neve. “Durante essa jornada, o mais alto desses picos, o monte Illimani, devia atraí-los como um farol”, diz Vranich. “O Illimani era a montanha mais sagrada para essas populações. Segundo sua religião, para lá iam seus antepassados depois da morte.”

Só quando se sobe o último lance de escada e se chega ao alto do templo, um teto plano, é que a montanha reaparece, toda azul e branca, com seu brilho esplendoroso. "Agora olhe em volta", diz Vranich. "O Illimani está bem a nossa frente; o lago Titicaca, atrás de nós. Na cosmologia andina, estamos realmente num local entre o céu e a terra."

Autor: Leandro CHH

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Você quer saber mais?

http://www.archaeology.org/interactive/tiwanaku/project/pumapunku1.html

http://repository.upenn.edu/dissertations/AAI9926211/

http://repository.upenn.edu/dissertations/AAI9926211

http://proquest.umi.com/pqdlink?Ver=1&Exp=03-23-2017&FMT=7&DID=733961491&RQT=309&attempt=1&cfc=1


segunda-feira, 19 de março de 2012

Os mais perversos da história: Pol Pot, o arquiteto de um genocídio.

Pol Pot em uma das poucas fotografias.

Autor: Leandro CHH do Blog Construindo História Hoje.

 
Pol Pot foi um líder que não mostrou misericórdia para com seu povo. Foi responsável pela morte de 2 milhões de pessoas, um terço da população de seu país, o Camboja. Durante quatro anos, torturou e matou cambojanos de fome. Homens, mulheres, crianças e bebês muitas vezes foram brutalmente agredidos com martelos e enterrados vivos.

Nascido em Saloth Sar em 1925, foi criado numa próspera fazenda de arroz ao norte de Phnom Penh, num Camboja governado pelos franceses. Nunca trabalhou em um campo de arroz, nem conhecia bem a vida na aldeia, pois aos seis anos de idade foi mandado para a capital para se tornar monge.

Em 1949 Pol Pot foi estudar em Paris depois de ganhar uma bolsa para aprender radioeletricidade. Ali seu racismo inato encontraria expressão no comunismo extremista. 

Durante os anos que Pol Pot estudou em Paris , o Partido Comunista era o partido stalinista mais linha-dura da Europa Ocidental. Também absorveu a filosofia de outro estudante cambojano de esquerda, Khieu Samphan, segundo o qual, para fazer uma verdadeira revolução rural, o Camboja precisava regredir à economia camponesa – sem cidades, indústrias, moeda ou educação.

Depois da faculdade em Paris, Pol Pot voltou ao Camboja cheio de ideais revolucionários e entrou para o Partido Comunista clandestino, que fazia oposição ao monarca apoiado pelos franceses, o rei Sihanouk, e ao presidente Lon Nol. Em dois anos ele foi nomeado secretário-geral do partido e, para não ser capturado pelas forças governamentais, fugiu para as montanhas, com seus quadros agora fortemente armados, e pregou sua doutrina revolucionária para as tribos enquanto travava uma feroz guerrilha. Desde o início da década de 1970, Pol Pot e seu grupo, conhecido

sexta-feira, 16 de março de 2012

“Frankenstein”: Cientistas da Inglaterra alertam sobre pesquisas secretas de híbridos de seres humanos com animais

Imagem ilustrativa, acrescentada por Construindo História Hoje.

Thaddeus Baklinski de LONDRES, Inglaterra, 25 de julho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Num cenário que um grupo de cientistas da Academia de Ciências Médicas avisou se assemelha ao “Frankenstein” de Mary Shelley, cientistas britânicos criaram mais de 150 embriões híbridos de seres humanos com animais em pesquisas secretas conduzidas em laboratórios britânicos.

De acordo com o jornal Daily Mail, 155 embriões “mesclados”, contendo material genético tanto humano quanto animal, foram criados durante os passados três anos por cientistas que disseram que dava para se colher células-tronco para serem usadas em pesquisas com a finalidade de alcançar possíveis curas para uma grande variedade de doenças.

As pesquisas secretas foram reveladas depois que uma comissão de cientistas alertou sobre um cenário de pesadelo em que a criação de híbridos de seres humanos com animais poderia ir longe demais.

O Prof. Robin Lovell-Badge do Instituto Nacional de Pesquisas Médicas e coautor de um relatório feito pela comissão de cientistas, avisou sobre os experimentos e pediu uma vigilância mais rigorosa desse tipo de pesquisa. De forma especial ele concentrou a atenção em material genético humano que vem sendo implantado em embriões animais, e tentativas de dar atributos humanos aos animais de laboratórios injetando células-tronco nos cérebros de macacos.

Revelou-se que os laboratórios da Universidade King’s College de Londres, da Universidade de Newcastle e da Universidade de Warwick receberam autorizações para realizar as pesquisas após a introdução da Lei de Embriologia e Fertilização Humana de 2008 que legalizou a criação de híbridos de seres humanos com animais, bem como “cíbridos”, em que um núcleo humano é implantado numa célula animal, e “quimeras”, em que células humanas são misturadas com embriões animais.

Entretanto, os cientistas não pediram nenhuma lei adicional para regulamentar tais pesquisas polêmicas, mas pediram, em vez disso, uma comissão de especialistas para supervisioná-las. O Prof. Martin Bobrow, presidente do grupo de trabalho da Academia que produziu o relatório, disse: “A vasta maioria dos experimentos não apresenta questões além do uso geral de animais em pesquisas e esses experimentos devem prosseguir sob os regulamentos atuais. Um número limitado de experimentos deveria ser permitido e sujeito a análises por parte do órgão de especialistas que recomendamos; e só um número muito pequeno de experimentos deveria ser empreendido, até que pelo menos as consequências potenciais sejam mais plenamente compreendidas”.

Peter Saunders, presidente da Federação Médica Cristã, uma organização com sede na Inglaterra com 4.500 médicos ingleses, expressou ceticismo acerca de tal órgão regulador.

“Cientistas regulando cientistas é preocupante porque os cientistas geralmente não são especialistas em teologia, filosofia e ética e muitas vezes têm interesses especiais de natureza ideológica ou financeira em suas pesquisas. Além disso, eles não gostam que coloquem restrições em seu trabalho”, observou Saunders.

Numa sessão de perguntas e respostas no Parlamento sob a direção do Lorde David Alton depois da divulgação do relatório, revelou-se que as pesquisas envolvendo híbridos de seres humanos com animais pararam devido à falta de financiamento.

“Argumentei no Parlamento contra a criação de seres meio humanos e meio animais como assunto de princípio”, disse lorde Alton. “Nenhum dos cientistas que apareceu diante de nós conseguiu nos dar qualquer justificativa em termos de tratamento. Em toda fase a justificação dos cientistas foi: se tão somente vocês nos derem permissão para fazer isso, encontraremos curas para todas as doenças que a humanidade conhece. Isso é chantagem emocional”.

“Eticamente, nunca dá para justificar isso — isso nos tira o crédito como um país. É envolver-se com coisas bizarras”, acrescentou lorde Alton. “Dos 80 tratamentos e curas que ocorreram a partir das células-tronco, todos vieram das células-tronco adultas, não das embrionárias. Na base da ética e moralidade, [os experimentos com células-tronco embrionárias] fracassam; e na base da ciência e medicina também”.

Josephine Quintavalle, da organização pró-vida Comment on Reproductive Ethics (Corethics), disse para o Daily Mail, “Estou horrorizada com o fato de que isso esteja ocorrendo e não sabíamos nada disso. Por que eles guardaram isso como segredo? Se eles têm orgulho do que estão fazendo, por que precisamos fazer ao Parlamento perguntas para que isso seja trazido à luz?”

“O problema com muitos cientistas é que eles querem fazer coisas porque querem fazer experiências. Essa não é uma justificativa boa o suficiente”, concluiu Quintavalle.

Artigos relacionados:

“Frankenstein” ou grande avanço científico?: Biólogo americano cria polêmica com DNA artificial

Governo dos EUA infectou centenas de guatemaltecos com DSTs na década de 1940

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/news/frankenstein-uk-scientists-warn-about-secret-human-animal-hybrid-research

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para NoticiasProFamilia.blogspot.com. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Você quer saber mais?

http://juliosevero.blogspot.com/2011/07/frankenstein-cientistas-da-inglaterra.html

http://noticiasprofamilia.blogspot.com/

http://www.lifesitenews.com/news/frankenstein-uk-scientists-warn-about-secret-human-animal-hybrid-research

quarta-feira, 14 de março de 2012

“Estamos desperdiçando talentos”, diz especialista em superdotados!

Psicóloga alerta que muitas crianças com altas habilidades são diagnosticadas erroneamente. Estudantes precisam de atenção especial.

Cristina Paulino Colavite cresceu vendo a mãe, professora de escola pública, quebrar a cabeça para estimular os alunos mais inteligentes de suas turmas. “Ela contava que alguns aprendiam mais rápido do que outros e sentia que precisava oferecer algo a mais a eles”, lembra. E por que alguns alunos aprendiam mais rápido do que outros? Em busca da resposta e fascinada pelos diferentes níveis e graus de aprendizagem dos seres humanos, Cristina resolveu se especializar em crianças com altas habilidades, os superdotados.

Psicóloga com pós-graduação em Psicologia Clínica, especializada em Educação Especial para alunos com capacidade acima da média, ela atuou na educação básica durante 20 anos. “Na minha concepção, deveria haver professores e psicólogos nas escolas. Educar significa dar amparo emocional também”, afirma.

Apesar de terem o rótulo de “gênias” e “superhomem”, Cristina destaca que as crianças superdotadas são em geral incompreendidas e sofrem. Muitas recebem diagnóstico errado de hiperatividade, déficit de atenção e são medicadas sem necessidade. Para orientar professores a trabalhar com esses alunos em sala de aula, Cristina dará um curso a partir do dia 15 de março no Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP).

Hoje, Cristina é membro do Conselho Brasileiro para Superdotação (CONBRASD), da Associação Brasileira para Altas Habilidades/superdotação (ABAHSD) e atende crianças, jovens e adultos em uma clínica particular. “Tenho recebido muitos pacientes com diagnóstico errado de hiperatividade e TDA (Transtorno do Déficit de Atenção). Crianças que estão tomando Ritalina aos 8 anos de idade, sem necessidade”, alerta.

***Leia a entrevista concedida ao iG:

iG: Como identificar a criança com superdotação? A quais sinais os pais e professores devem estar atentos?

Cristina Colavite: É muito complexo, porque são crianças heterogêneas. Geralmente elas têm uma facilidade muito grande de aprendizado em diversas áreas do conhecimento, profundidade na percepção de mundo, nas sensações, nas observações, nos detalhes e um senso de justiça, ética e moral muito aguçado. São crianças que ficam indignadas com a injustiça e têm uma necessidade absurda de conhecimento, de desafio. Tem facilidade para fazer analogias, associar desde muito cedo o que veem, leem e ouvem. A memória é maravilhosa e elas conseguem organizar as informações. Uma criança comum passa por um menino de rua passando fome e repara. Mas, se logo na sequência há uma vitrine de brinquedos, ela esquece o menino. O superdotado não, ele quer saber por que a criança está lá, quem vai cuidar dela, se ela vai à escola, se ela tem família, e não para de fazer perguntas. Eles se envolvem com os assuntos.
Na sala de aula, elas acabam ficando com rótulos negativos. Porque o que o professor fala, para elas não é o suficiente e às vezes completamente banal. Então elas não prestam atenção e fazem bagunça, ou se fecham no seu mundo interno. São crianças desde muito cedo incompreendidas.

Esses sintomas podem ser confundidos com distúrbios emocionais?

Cristina Colavite: Sim. Erroneamente muitas crianças com altas habilidades são classificadas ou como apáticas, ou hiperativas e déficit de atenção. Elas sofrem e ficam com uma sensação de impotência fora do comum diante das injustiças, dos problemas sociais e políticos do País, por exemplo. Se não são orientadas, se fecham em uma redoma e muitas vezes não conseguem lidar com a frustração. Seu desenvolvimento cognitivo não é compatível com seu desenvolvimento emocional. Os superdotados têm ideais e profundidade no fazer acontecer, mas muitas vezes acabam sendo desestimulados pelos pais e professores, que dizem coisas do tipo “isso não é para a sua idade”, “quando você ficar mais velho vai entender”, “chega de tantas perguntas”, etc. Tenho recebido muitas crianças com diagnóstico errado de hiperatividade e TDA (Transtorno do Déficit de Atenção), que estão tomando Ritalina aos 8 anos de idade.

Como eles devem ser tratados na escola?

Cristina Colavite: Não se deve segregar. Eles devem conviver com as diferenças e devem ser geradas oportunidades para que eles encontrem seus pares. O ideal é ter um espaço extraclasse, com profissionais capacitados, no qual eles possam ter acesso a tudo o que necessitam para seu desenvolvimento pleno, inclusive cursos. Na minha concepção, deveria haver professores e psicólogos nas escolas. Educar significa dar amparo emocional também. O ideal é ter essa parceria, porque os psicólogos vão orientar como as crianças lidam com a aquisição do conhecimento, como se relacionam enquanto os professores vão transmitindo o conhecimento.

Mas são poucas escolas com esses profissionais. O que os professores podem fazer para estimular esses alunos?

Cristina Colavite: Não é uma coisa fácil e é por isso que estou dando este curso. Os professores precisam ter estratégias na elaboração de projetos para esses alunos. Cada uma vem com uma demanda. Eles têm que estar preparados para não minar essas crianças, e sim para estimulá-las. O papel é orientar essa demanda. Não pode falar “não” o tempo todo. “Agora não pode perguntar”, “isso você vai ver o ano que vem”. É direito da criança portadora de necessidades especiais ter um trabalho específico para seu desenvolvimento. Os superdotados também estão nesta classificação, pois a lei de diretrizes e bases diz que é necessário dar amparo específico.

Estima-se que 5% a 10% da população seja superdotada. Isso significa que em praticamente toda classe há cerca de dois alunos superdotados. Estamos desperdiçando talentos?

Cristina Colavite: A Organização Mundial de Saúde fala em 12% da população. Eu acho que este índice varia de 5 a 8% e acredito que em cada sala a gente tenha pelo menos um estudante com alta habilidade perceptível. Sem dúvida, estamos deixando de despertar nossos melhores políticos, administradores, matemáticos, cientistas, artistas, pesquisadores.

Os superdotados tem um perfil emocional distinto? São tímidos, sofrem bullying, tem problemas emocionais, dificuldades de expressão ou isso varia muito de criança para criança?

Cristina Colavite: Depende de cada criança. A maturidade significa desenvolver os recursos internos emocionais para lidar com as situações adversas do mundo. A criança não sabe fazer isso. Mediante a uma percepção de mundo muito aguçada, o desenvolvimento emocional estará sempre aquém. O desenvolvimento emocional tem que estar muito bem amparado para segurar essa percepção de mundo intensa. Educadores e pais têm que ouvir a criança, entender a demanda dela e não minar. Tentar entender suas necessidades. Olhar para a criança sem preconceito, sem a ideia de que todas são iguais. E procurar supri-las.

Marina Morena Costa, iG São Paulo

Você quer saber mais?

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/estamos-desperdicando-talentos-diz-especialista-em-superdotados/n1597689953678.html

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/superdotados+uma+minoria+invisivel/n1237785575247.html

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/ate-hoje-nao-achei-nada-dificil-eu-consigo-diz-superdotada/n1597368887052.html

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/cacadores-de-superdotados-investem-em-criancas-carentes-no-rio/n1597368790506.html

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/novo-decreto-e-pne-assustam-defensores-de-educacao-inclusiva/n1597408058657.html

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...