-

-

sexta-feira, 19 de junho de 2020

IMHOTEP, O HOMEM DE MÚLTIPLAS FACETAS



C
onsiderado o fundador da medicina egípcia, seu nome em grego significa “aquele que vem em paz”. Personagem emblemática, viveu entre 2800 a.jC. e 2700 a.C. e foi um homem  de múltiplas facetas. Vizir e arquiteto do rei Djeser (III dinastia), era também filósofo. No pedesral de uma estátua do rei Dejeser, ele é apresentado como “o chanceler do rei do Baixo Egito, o primeiro após o rei do Alto Egito, administrador do palácio, nobre herdeiro, grande sacerdote de Heliópolis, Imhotep, o construtor, o escultor.

Djeser faraó da III dinastia, obteve um oficial extraordinário, o primeiro indivíduo revelado por registros humanos: Imhotep. Esse homem parece ter vindo originalmente do templo de Rá, o deus-Sol, em Heliópolis. Djeser o transformou no segundo homem do reino, concedeu-lhe a prestigiosa situação de participar da família régia e o divinizou virtualmente, permitindo que suas distinções fossem inscritas em sua própria estátua no complexo funeral régio de Sakkara, que Imhotep construíra para ele: “O Ministro do Rei do Baixo Egito, o primeiro depois do Rei do Alto Egito, administrador do grande palácio, chefe hereditário, o Sumo Sacerdote de Heliópolis, Imhotep, o construtor, o escultor, o realizador de vasos de pedra”.

Pode  ele ter sido todas essas coisas? A imagem de Imhotep transmitida a gerações posteriores foi a de um gênio universal, mas principalmente, a de um médico fundador do sistema egípcio de medicina considerado por muitos o mais importante do mundo antigo.

Divinizaram-no como o próprio deus da cura no tempo de ptolomeu, os gregos o igualaram a Asclépio. O que podemos assegurar é que ele foi um arquiteto de originalidade e visão incomparáveis. Seu próprio tempo o chamou, curiosamente, de “o realizador de vasos de pedra”. O vaso de pedra se tornou a primeira grande conquista da cultura egípcia. Nos dias de Imhotep, eles eram feitos em quantidades surpreendentes; mais de 40 mil deles foram encontrados no complexo de Djeser, ainda que muitos possam ter sido trazidos por ele de tumbas dinásticas anteriores, tentando anular a ação dos saqueadores. Vale lembrar que, para confeccionar e polir todos esses objetos, milhares de horas e homens eram necessários. Imhotep foi o primeiro a fazer uso integral das técnicas dos pedreiros em monumentos arquitetônicos. Tradicionalmente, os egípcios construíam com adobes oblongos compostos da lama do Nilo, areia e pedaços de palha.

Imhotep concebeu, a primeira construção inteiramente pétrea da história, mas não parou por aí: ele ousou rematar a obra com uma Pirâmide em Degraus – e circundá-la com um enorme complexo de pedra constituído por um grupo de templos, altares e dependências afins. Toda a disposição desse projeto foi baseada no grande palácio real de Mênfis com seus muros e ameias.

Predemos a respiração ao pensar na audácia de Imlhotep e no rigor com que levou seu projeto adiante. Grande parte do que ele erigiu tem sido reconstruída, tal qual originalmente, com blocos de silar, fazendo-nos compreender suas reais dimensões e tamanho. Imhotep instaurou a glória arquitetônica mais marcante não só do Antigo Império mas dea civilização egípcia como um todo. Igualmente surpreendente é a coragem e aoriginalidade de cada detalhe. A partir de uma criativa petrificação das plantas de papiros, tradicionalmente utilizadas na construções com lama e colmo , Imhotep inventou o pilar de pedra e a arquitrave. Ele também se utilizou de caneluras abstratas em suas colunas. Em meados de 1920, quando o complexo foi amplamente escavado pela primeira vez, os arqueólogos ficaram atônitos ao ver o que aparentemente eram colunas dóricas emergindo das areias e detritos. Como elas podiam ter sido construídas 2 mil anos antes dos gregos? Mas as pedras não mentiam: Imhotep, o Leonrado de Mênfis, ofuscara os tempos clássicos.

O gigantesco complexo é um exercício de compreeensão teológica superior, cujo propósito era ser constrruído para a eternidade. Imhotep foi o primeiro a pensar na associação entre a pedra e imortalidade. Ele não tornou a tumba de Sjeser apenas dum espaçoso empório de vasos de pedra, mas reproduziu em pedras cada elemento material do cotidiano egípcio do segundo quarto do terceiro milênio. Portas de madeira, dobradiças de cobre, esteiras e ferrolhos de metal foram todos imitados, fidedigna e exatamente, em pedra. De fato, ele petrificou um ativo palácio egípcio de mais ou menos 2650 a.C. em uma tumba que durasse para sempre, assegurando, assim, a imortalidade do rei e de seus dependentes (ele próprio incluíndo). Ele também abasteceu o palácio tumbal com bens petrificados: de cestos de palha a tecelagens, de potes de metal a rebites...tudo reproduzido em pedra.

Imhotep coroou sua obra-prima com a compacta abstração da Pirâmide em Degraus, ela própria uma petrificação osimbólica da realeza perene. Ninguém jamais havia visto uma construção como essa no mundo. Tanto da capital, MNênfis, quanto do deserto e do vale, mesmo a muitos quilômetros de distância, ela se fazia plenamente visível, mas era muito mais do que um ponto de referência espetacular. Pela primeira vez, espaços imensos não foram organizados com fins utilitários, mas pela procura consciente de um objetivo artístico inspirado por concepções religisosas. A realização desse projeto apoteótico de pedra demonstrou, como nunca até então, a capacidade e a habilidade da humanidade organizada. Construções de pedra ainda eram uma novidade; memso em direçaõ ao fim da Segunda Dinastia, quando os anos de reinado eram caractereizdos antes por eventos do que por números, um deles foi descrito como “O ano em que o prédio ‘A deusa Robustece’ foi construído em pedra”. O complexo pétreo e triunfal de Imhotep parece ter inspirado, nos egípcios e no faraó, uma paixão pela construção em pedra, que se transformou talvez na mais estranha obsessõa his´toriaca. Ainda é difícil compreend~e-la inteiramente, mas para que isso possa acontecer temos de alcançar o sentido da própria função faraônica e de sua importância para o povo egípcio.

 Você quer saber mais?

JOHNSON, Paul. Coleção História Ilustrada: Egito Antigo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2010.

CHAKA ZULU, UM REI AFRICANO



“Em torno da cabeça raspada ele usava uma faixa de pele de lontra, que tinha em toda a circunferência feixes de magníficas plumas de um tom vermelho-escuro, bem na frente, uma pluma resplandecente de garça-azul, de 60 centímetros de comprimento.”

The Annals of Natal: 1495-1845, de Henry Fynn (Compilação de John Bird, 1966).

A
lém de respeitado como grande guerreiro, graças aos seus méritos, Chaka Zulu treinou e disciplinou rigorosamente os seus homens e formou um exército formidável. Conhecido em todo o reino zulu como um, guerreiro feroz que matou um leopardo aos dezenove anos, que construiu um exército invencível com base num núcleo de menos de quinhentos anos e, ao longo de um reinado de doze, foi responspável pela morte de mai de um milhão de pessoas, Chaka Zjulu, ou “rei Chaka”, como é conhecido também, foi um governante implacável que exerceu um poder inacreditável.

Uma infância dificil

Chaka Zulu nasceu por volta de 1789, filho ilegítimo de uma mulher chamada Nandi (membro da tribo langeni) e de Senzangacona, que era um chefe Zulu. Em consequência desse adverso começo de vida, Chaka cresceu num ambiente pouco acolhedor, pois sua mãe era malvista pela tribo, e, segundo conta a lenda, Chaka era humilhado e ridicularizado por causa da origem bastarda.

Em tenra idade, Chaka foi obrigado a trabalhar com pastor nas terras dos langenis, mas mesmo quando cuidava do gado as outras  crianças gostavam de intimidá-lo. Dizem que durante toda  a infância foi uma criatura extremamente solitária.

A despeito disso, aos dezenove anos, Chaka já era um lutador formidável, fato corroborado pela história de que ele matou um leopardo. O animal tinha sido acuado numa árvore. Chaka arremessou a primeira lança contra a fera, mas não lhe acertou o coração; o animal saltou da árvore e avançou contra chaka, que em vez de fugir, esperou o animal chegar bem perto e matou-o a porretadas.

Talvez por causa dessa demonstração de força, talvez por ter chegado a ser querido e respeitado, aos vinte e três anos Chaka foi chamado a servir como soldado da tribo mtetwa.

Nasce um guerreiro

Durante os seis anos seguintes, portou-se de forma admirável em sua unidade. Ao mesmo tempo, começou a procurar táticas e armas melhores e mais eficientes para matar o inimigo. Com essa finalidade, dizem que Chaka criou um novo tipo de lâmina para sua lança, mais resistente que a leve assegais. Chaka queria usar ferro fojado, ou ferro virgem, para que a nova lança pudesse ser moldada com a forma que ele desejava.  Dizem que o ferreiro que ele procurou teve de fabricar novos foles e uma nova fornalha para atendê-lo. O resultado foi exatamente o que Chaka havia sonhado: uma lança de grande beleza e eficiência. Na verdade, tão letal era a nova arma, que Chaka lhe deu seu próprio nome, Íxua; embora não exista nenhuma tradução literal ou livre dessa palavra, algumas pessoas se perguntam se não era onomatopéia: o som sibilante da lâmina quando penetrava na carne.

Chaka Zulu também introduziu escudos mais pesados de couro de boi, dentre outras novas armas. As novas armas  e as novas táticas de Chaka devem ter sido eficientes, pois em várias escaramuças com tribos rivais sua reputação de guerreiro não perdia para ninguém. 

Em 1810, numa batalha contra a tribo dos butelezis, dizem que Chaka derrubou e matou sozinho vários adversários com a nova lança de lâmina larga, fazendo que os butelezis remanescentes fugissem aterrorizados.

Quando começaram as discussões  sobre a sucessão do pai dele Senzangacona, na chefia dos zulus, Chaka foi apresentado como um dos candidatos mais fortes. Enquanto isso, ele havia recebido o controle total sobre o exército zulu, uma posição que lhe permitiu refinar as táticas de guerra e capacidade de liderança.

O pai de Chaka Zulu morreu em 1816. Após as cerimônias fúnebres, o pai de Chaka Zulu foi enterrado no vale Mpembeni (Macosini – O Lugar dos Chefes).

De bastardo à Rei

Chaka tinha sido escolhido para suceder ao pai na chefia da tribo. Mas, depois da cerimônia fúnebre, soube que não seria o novo líder. Sigujana, um dos meios-irmãos de Chaka, assumiu o poder. Chaka ficou furioso, assim como seus homens, mas coube a outro dos meios-irmãos de Chaka, Nguadi (filho de Nandi e de Gendeiana) por fim a usurpação de Sigujana. Finalmente Chaka Zulu assumiu a liderança da tribo e sem mais tardança, entrou na craal do pai. Começou a reestruturar todo o clã zulu. Construiu um novo craal para cada unidade, que funcionava de maneira muito parecida com uma guarnição militar ou com um quartel de nossos dias.

O primeiro ato real de agressão instigado por Chaka Zulu no novo cargo de chefe de clã foi contra os e-langenis – a mesma tribo na qual ele havia crescido e, por conseguinte, contra os memos homens, mulheres e crianças que o haviam humilhado. Chaka nunca se esqueceu de seus torturadores, e agora, como chefe por mérito próprio, resolvera se vingar.

Ao alvorecer, Chaka e seus homens tinham cercado não só a craal de Esiueni, nas terras dos e-langeris, como também o chefe da tribo. Aos primeiros raios de sol, Chaka ordenou aos e-langenis que se rendessem, o que eles fizeram imediatamente, sem esboçar a menor reação. Chaka levou a julgamento todas as pessoas contra as quais guardava rancor. Citou uma lista de crimes cometidos desde a época de sua infância, responsabilizando-as por eles. Depois Chaka, dividiu o grupo em dois, aqueles que perdoaria e aqueles que haviam cometido crimes imperdoáveis. Matou brutalmente os membros do segundo grupo, empalando-os em longas estacas e queimando-os.

Após as execuções, o chefe e-langeni submeteu-se a todas as exigências de Chaka. Chaka voltou à sua craal natal com uma fama muitíssimo maior do que a que tinha ao partir. Clãs vizinhos começaram a mandar seus jovens para entrar no exército de Chaka onde passavam por um treinamento intensivo.

Um grande número de pessoas de outros territórios começaram a chegar à terra dos zulus para se beneficiarem da proteção das leis do sábio rei guerreiro. Os homens juntavam-se ao exército cada vez mais numeroso de Chaka. Por vez Chaka já contava com um exército de 3.600 homens armados até os dentes e bem treinados.

O implacavel rei guerreiro

Durante a batalha do Quocli, contra a tribo nduandues, os zulus tiveram sua primeira grande vitória, na qual perderam 1.500 homens e mataram 7.500 guerreiros nduandues.

No inverno de 1818, liderados por Chaka, os zulus entraram em guerra contra a tribo de quabe, cujo chefe, um homem chamado Pacatuaio, o havia ofendido. Os zulus venceram em mesmo de uma hora, capturaram Pacatuaio, que logo depois sofreu um ataque qualquer e morreu.

O território de Chaka tinha então cerca de 11.000 quilômetros quadrados. Chaka também começou também a revolucionar a produção agrícloa para que seu povo não sofresse escassez de comida; introduziu um ramo de aspirantes em seu exército, destinado a meninos adolescentes que não tinham idade para se tornarem guerreiros começaram o treinamento a fim  de servir a comunidade ao mesmo tempo.

Em 1819, os guerreiros nduandues liderados por Zuide entraram em confronto com os zulus de Chaka. Zuide enviou 18.000 homens para o confronto. Como sempre, a luta não demorou muito: Chaka derrotou as tropas nduandues em poucas horas. Mas a guerra não terminará ali, pois Chaka estava resolvido a perseguir e matar todos os guerreiros nduandues que tinham fugido do campo de batalha, assim como homens, mulheres e crianças que haviam ficado na craal de Zuide. Assim que mataram todos os que tinham alguma ligação com os nduandues capturaram o gado e queimaram as craals, que viraram cinzas. Porém para a frustação de Chaka, Zuide escapou mais uma vez, embora sua mãe, Ntombazi, tivesse sido aprisionada e levada a julgamento em lugar do filho. Chaka condenou Ntombazi a morte, colocou ela em uma tenda junto com uma hiena selvagem que a matou e devorou partes de seu corpo.

Depois da morte de Ntombazi, Chaka e seus guerreiros celebraram a grande vitória sobre os nduandues com banquetes e bebidas.

Após derrotar uma grande poderosa tribo, os tembus,
Chaka decidiu contruir uma nova capital para o povo Zulu, na parte sul do vale do Umhlatuze, a que deu o nome de Bulauaio. Também instituiu um tribunal de justilça, cuja sede foi construída no quintal do Grande Conselho de Chaka. O tribunal era presidido pelo próprio chaka, que distribuia justiça com a ajuda de alguns conselheiros de confiança. Ali era decidida a vida ou a morte dos acusados de diversos crimes, Chaka era considerado um monarca absoluto de todos e a palavra dele era lei. Todo cidadão Zulu jurava-lhe obediência; além disso, todos percebiam que ele construía uma poderosa nação, na qual só se falava a língua zulu, e, a despeito do medo e do sangue derramado, apoiavam seu líder.

Tenente Farewall, membro da expedição comercial de Henry Fynn, de 1824, negocia a troca de mercadorias com Chaka Zulu.

Mas o modo de vida zulu estava prestes a mudar. Em 1824, um aventureiro branco da Inglaterra colonialista, chamado Henry
Francis Fynn, foi enviado, junto com vários outros, a bordo do navio jula para conhecer o rei zulu e fechar com ele um acordo comercial.  Temos na palavras de Fynn as seguintes frases:

“Ficamos abismados com a ordem e disciplina mantidos no país pelo qual viajámos. As craals regimentais, especialmente as suas partes superiores, assim como as craals dos chefes, mostravam que a higiene era um costume corrente, e não só dentro das cabanas, mas fora também, pois havia espaços consideráveis nos quais não se via sujeira nem cinzas.”

Henry Fynn estava presente quando em outubro de 1827, Nandi, a mãe de Chaka, ao lado de quem ficara durante todos aqueles anos, adoeceu e morreu. Fynn disse que Chaka ficou inconsolável e começou a ordenar a execução de cidadãos. Calcula-se que não menos de 7.000 pessoas foram mortas, Chaka ainda ordenou que seus guerreiros saíssem pelo interior e executassem todos que não haviam lamentado devidamente a morte de sua mãe, sepultada na presença de 12.000 guerreiros.

Na verdade o comportamento violento de Chaka chegou a tal ponto durante essa época que ninguém estava a salvo. Por ser um rei muito respeitado, Chaka Zulu, então com mais de quarenta anos, não passava de um déspota cruel que não conseguia controlar as emoções mais sombrias.

O fim do grande rei Chaka Zulu

Até que, em setembro de 1828, dois dos meios-irmãos de Chaka, Mlangana e Dingane, com a ajuda de uma tia, Mcabaii, que achavam que as guerras incessanes de Chaka estavam enfraquecendo o reino, começaram a trama a queda dele.

Finalmente em 22 de setembro de 1828, puseram o plano em ação. Enquanto Chaka conversava com seus conselheiros, os dois assassinos esconderam-se atrás de uma cerca de juncos, à espera de uma oportunidade. Quando os conselheiros saíram da sala, Mlangana disparou um lança contra Chaka, imediatamente seguida pela lança de Dingane. Foi uma visão terrível; mesmo assim, depois do atentado eles rapidamente espalharam o boato de que um grupo de mensageiros que trazia presentes a Chaka tinha, na verdade, assassinado o irmão.  Em seguida o corpo de Chaka foi envolvido na pele de um touro negro e enterrado.

Durante toda a vida, Chaka Zulu lutou para obter o poder com o qual sonhava quando menino. Em doze curtos anos, conseguiu criar, com abse no que tinha sido um pequeno núcleo, um imenso reino. No começo, Chaka foi rei de apenas 160 quilômetros quadrados, mas, no final, reinava sobre mais de 32 milhões de quilômetros quadrados. Suas tropas tinham passado de um grupo de 500 homens para um exército fomidável de 50.000 soldados bem armados e extremamente disciplinados.

Foi uma façanha impressionante, mas uma façanha realizada infelizmente com a morte de milhares de homens, mulheres e crianças. Quanto aos assassinos de Chaka, Dingane resolveu que o melhor seria matar o cumplice. Mlangana, depois do que assumiu o trono zulu, mas seus súditos nunca mais constituíram a mesma potência militar que haviam sido sob a liderança de Chaka, o rei e o guerreiro da África mais feroz de todos os tempos.

Você quer saber mais? 

KLEIN, Shelley. Os ditadores mais perversos da História. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2004.


sábado, 13 de junho de 2020

Uma breve reflexão crítica sobre o capitalismo



A instantes ouvia Yo-YoMa (arte 1) interpretando a Sarabanda em Ré maior, BWV 1011 , de Bach, era o "extra" de uma apresentação junto a Filarmônica de Berlim; ao fundo dava-se para notar a satisfação dos violinistas, dos violonistas, dos cellistas, dos baixistas, homens dos naipes das cordas. Nossos iguais nos causam uma maior simpatia. Yo-YoMa é um violoncelista! Ayn Rand, e tomarei como verdadeiro o seu depoimento, é uma pessoa que viu uma utopia de igualdade, sofrer todo o tipo de percalços, justamente nós que buscamos a igualdade e a justiça social sobre outro prisma econômico. Seu relato é de quem viu a utopia na prática, e o que ela viu não foi bom, tentar negá-lo é pueril, buscar extrair disto uma reflexão é o melhor, para quem acredita não refutar (até por que há exemplos notórios uma vergonha para socialistas ) é o exemplo de coisas que não devem acontecer (mas infelizmente aconteciam e acontecem...)

E qual seria a reação de Ayn sobre os crimes de Al Capone? Que sob a tutela da corrupção dos poderes de Estado (E.U.A.) cometia seus crimes. Mas isso não se compara ao relato de um general americano. Lotado em um porta aviões dizia ele que sua atuação mundo afora em prol das companhias americanas (na América Central, Fruit Company, República de Bananas; na África e Ásia ) não se comparava a atuação de Al Capone! Al, dizia ele, tocava horror em dois, três quarteirão comprava alguns juízes e policiais; ele, o general, representava os interesses destas empresas mundo afora. Perguntava ele: quem era o verdadeiro gângster? O capitalismo está aí triunfante, prometendo -e não dando a todos o que promete- felicidade que não vem fartura para alguns, vive de crises que o fortalecem enormemente o capital, e fazem negócios com a China! Duas grandes guerras entre potências capitalistas: 70 milhões de mortos! Exceção: URSS (Ah! Se não fosse Stalingrado...).

Vemos as coisas na perspectiva do que acreditamos. Mas é coerente ver o todo. Como os músicos da Filarmônica, que após a satisfação de Yo-YoMa, interpretaram a Sinfonia n 6 de Tchaikovsky - a Patética. E, como aviso casual, encerram a sinfonia com o seu movimento final: o Adágio Lamentoso.

Autor: Prof. Luiz Modesto da Cunha, professor de História e colaborador do Construindo História Hoje.

O HINO A ÁTON E O SALMO 104

O HINO A ATON

"Apareces cheio de beleza no horizonte do céu, disco vivo que iniciaste a vida.
Enquanto te levantaste no horizonte oriental, encheste cada país da tua perfeição. És formoso, grande, brilhante, alto em cima do teu universo.
Teus raios alcançam os países até ao extremo de tudo o que criaste.
Porque és Sol, conquistaste-os até aos seus extremos, atando-os para teu filho amado. Por longe que estejas, teus raios tocam a terra.

Estás diante dos nossos olhos, mas o teu caminho continua a ser-nos desconhecido. Quando te pões, no horizonte ocidental, o universo fica submerso nas trevas, como morto. Os homens dormem nos quartos, com a cabeça envolta, nenhum deles podendo ver seu írmão...

Mas na aurora, enquanto te levantas sobre o horizonte, e brilhas, disco solar, ao longo da tua jornada, rompes as trevas emitindo teus raios...
Se te levantas, vive-se; se te pões, morre-se. Tu és a duração da própria vida; vive-se de ti.

Os olhos contemplam, sem cessar, tua perfeição, até o acaso; todo o trabalho pára quanto te pões no Ocidente.

Enquanto te levantas, fazes crescer todas as coisas para o rei, e a pressa apodera-se de todos desde que organizaste o universo, e fizeste com que surgisse para teu filho, saído da tua pessoa, o rei do Alto e do Baixo Egito, que vive de verdade, o Senhor do Duplo País, Neferkheperuré Uaenré, filho de Rá, que vive de verdade, Senhor das coroas, Akhenaton.


Que seja grande a duração de sua vida! e à sua grande esposa que o ama, a dama do Duplo País, Neferneferuaton Nefertiti, que lhe seja dado viver e rejuvenescer para sempre, eternamente.”
SALMO 104

1 Bendize, ó minha alma, ao SENHOR! SENHOR Deus meu, tu és magnificentíssimo; estás vestido de glória e de majestade.
2 Ele se cobre de luz como de um vestido, estende os céus como uma cortina.
3 Põe nas águas as vigas das suas câmaras; faz das nuvens o seu carro, anda sobre as asas do vento.
4 Faz dos seus anjos espíritos, dos seus ministros um fogo abrasador.
5 Lançou os fundamentos da terra; ela não vacilará em tempo algum.
6 Tu a cobriste com o abismo, como com um vestido; as águas estavam sobre os montes.
7 Å tua repreensão fugiram; à voz do teu trovão se apressaram.
8 Subiram aos montes, desceram aos vales, até ao lugar que para elas fundaste.
9 Termo lhes puseste, que não ultrapassarão, para que não tornem mais a cobrir a terra.
10 Tu, que fazes sair as fontes nos vales, as quais correm entre os montes.
11 Dão de beber a todo o animal do campo; os jumentos monteses matam a sua sede.
12 Junto delas as aves do céu terão a sua habitação, cantando entre os ramos.
13 Ele rega os montes desde as suas câmaras; a terra farta-se do fruto das suas obras.
14 Faz crescer a erva para o gado, e a verdura para o serviço do homem, para fazer sair da terra o pão,
15 E o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que fortalece o coração do homem.
16 As árvores do SENHOR fartam-se de seiva, os cedros do Líbano que ele plantou,
17 Onde as aves se aninham; quanto à cegonha, a sua casa é nas faias.
18 Os altos montes são para as cabras monteses, e os rochedos são refúgio para os coelhos.
19 Designou a lua para as estações; o sol conhece o seu ocaso.
20 Ordenas a escuridão, e faz-se noite, na qual saem todos os animais da selva.
21 Os leõezinhos bramam pela presa, e de Deus buscam o seu sustento.
22 Nasce o sol e logo se acolhem, e se deitam nos seus covis.
23 Então sai o homem à sua obra e ao seu trabalho, até à tarde.
24 O SENHOR, quão variadas são as tuas obras! Todas as coisas fizeste com sabedoria; cheia está a terra das tuas riquezas.
25 Assim é este mar grande e muito espaçoso, onde há seres sem número, animais pequenos e grandes.
26 Ali andam os navios; e o leviatã que formaste para nele folgar.
27 Todos esperam de ti, que lhes dês o seu sustento em tempo oportuno.
28 Dando-lho tu, eles o recolhem; abres a tua mão, e se enchem de bens.
29 Escondes o teu rosto, e ficam perturbados; se lhes tiras o fôlego, morrem, e voltam para o seu pó.
30 Envias o teu Espírito, e são criados, e assim renovas a face da terra.
31 A glória do SENHOR durará para sempre; o SENHOR se alegrará nas suas obras.
32 Olhando ele para a terra, ela treme; tocando nos montes, logo fumegam.
33 Cantarei ao SENHOR enquanto eu viver; cantarei louvores ao meu Deus, enquanto eu tiver existência.
34 A minha meditação acerca dele será suave; eu me alegrarei no SENHOR.
35 Desapareçam da terra os pecadores, e os ímpios não sejam mais. Bendize, ó minha alma, ao SENHOR. Louvai ao SENHOR.



Pré-história? Era da Agricultura!



Apesar de necessária para a compreensão e o estudo da história, há muitas críticas quanto à periodização clássica utilizada. Uma dessas críticas, diz sobre o período da vida humana anterior à chamada Idade Antiga, que corresponde, aliás, a milhões de anos. Dentro de uma concepção estreitamente relacionada ao positivismo ou à história-relato, esse enorme período é denominado, nos livros, Pré-história. Define-se que a História só tem inicio com a invenção da escrita. Mas, então – pode-se questionar, povos sem escrita (ágrafos) não têm história? É evidente que possuem História, pois não apenas documentos escritos dispõe o historiador. Se determinado grupo humano não chegou a criar símbolos reconhecidos como forma de escrita para registrar os acontecimentos de sua vida, isso não impede que tenhamos condições de compreendê-la. Afinal, esse grupo deixou uma infinidade de outros documentos: instrumentos de trabalho, joias, brinquedos, entre outros, com os quais o historiador pode elaborar a sua pesquisa.­


No seguinte texto será justificada a nova nomenclatura dada a Pré-história a partir do olhar da teoria histórica da Escola de Annales.

Baseados nos dados analisados teremos como nome ao período “Era da Agricultura”, devido a grande importância que a agricultura teve para a evolução humana desde seu descobrimento no período Neolítico, a mesma permitiu ao ser humano andar em grupos mais numerosos, já que no período Paleolítico nós simplesmente comíamos oque encontrávamos o que impedia que andássemos em grandes grupos, pois a comida acabava muito rápido se houvesse muitas pessoas juntas no mesmo lugar. A agricultura também permitiu termos moradias fixas e a criação de animais, pois agora plantávamos oque comíamos, impedindo que houvesse falta de alimentos. O que mais tarde desencadeou na Idade dos Metais, as organizações sociais, sendo mais numerosas ainda, dando início também à fabricação de ferramentas e armas de metais.

Ao fim concluímos que a agricultura levou o ser humano a capacidade de inúmeras evoluções e descobrimentos que levaram a sociedade ao que é hoje, sendo um grande marco para nossa espécie, está mais do que justificado chamarmos esse período de “Era da Agricultura”.

Autora: Isabel Cristina S. Pedroso, colaborada do Construindo História Hoje.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

ÁTILA, O REI DOS HUNOS. “EGO SUM FLAGELLUM DEI”



O
 relato da vida e morte de Átila, o Rei dos Hunos, como consta nos texto do historiador romano Priscus.

Apesar de ser um individuo com uma personalidade agressiva e desconfiada, Átila permitiu-se acompanhar por romanos durante os períodos de paz entre ambos os povos. Foi nesses períodos que Priscus pode conhecer melhor o homem por detrás do “flagelo de Deus” (Flagellum Dei), era dessa forma que Átila se autointitulava.

Os hunos moravam em complexos murados semelhantes a povoados muito grandes. Como observou Priscus: “dentro da muralhas haviam um numeroso grupo de prédios, alguns feitos de tábuas e construídos  próximos para fins decorativos, outros eram feitos de troncos de madeira cuja casca havia sido arrancada, e haviam sido planejados em seguida. Eram dispostos em colunas circulares feitas de pedra, que começavam no chão e chegavam a uma altura moderada”.

Átila morava na maior residência, que era embelezada com torres para diferenciá-la das demais. Os aposentos eram acarpetados com tapetes que pareciam ser de lã e as mulheres hunas faziam bordados coloridos e delicadas roupas de cama e mesa. Os hunos jantavam em sofás, no mesmo estilo dos romanos. Tapeçarias e trabalhos ornamentais multicoloridos eram pendurados para decorar os quartos. Embora os guerreiros hunos praticassem a poligamia, estima-se que as mulheres tivessem um status superior entre os hunos em comparação com a maioria das sociedades nômades, das estepes ou orientais.
Apesar de uma sociedade guerreira, o caráter masculino era superior e algumas das descrições de Priscus mostram que as mulheres desempenhavam um papel de “embelezar” os rituais e trabalhos nas casas.

A entrada de Átila na sua sala de jantar é assim descrita:

“Quando Átila estava entrando, as moças vieram vê-lo e se perfilaram diante dele caminhando sob estreitas tiras de tecidos de linho branco, sustentadas pelas mãos de mulheres dos dois lados. Essas faixas de tecido eram esticadas de tal forma que sob cada uma delas caminhavam pelo menos sete moças. Havia muitas fileiras de moças sob os tecidos e elas cantavam canções citas.”

O próprio Átila não impressionou tanto Priscus à primeira vista: Baixo, de peito largo, rosto desmedido e corpo atarracado, tinha olhos pequenos e profundos, um nariz achatado e uma barba rala levemente grisalha. Caminhou ao longo da parede com um arrogante modo de andar, obsevando com altivez de um lado para o outro. Inconstante, melancólico, desconfiado, Átila parecia ser abstêmio em relação ao vinho e sem senso de humor: os bufões faziam os outros hunos rirem, mas Átila sentava lá, remoendo, taciturno e com a cara amarrada.

O único momento em que revelava um lado humano era quando seu filho caçula, Ernac, entrava no salão de banquetes. Priscus notou que os olhos rijos de Átila se enterneciam imediatamente; ele chamava o menino e acariciava sua bochecha. Por que ele era o preferido, perguntou-se Priscus? Parecia que um vidente lhe dissera certa vez que sua família entraria em decadência após sua morte, mas que Ernac restabeleceria a riqueza dos hunos. Profundamente supersticioso, habituado a presságios, oráculos, xamãs e curandeiros, Átila levou isso muito a sério.
No entanto, a despeito da sua figura, quanto mais Priscus o observava, mais ficava impressionado. Ele não era apenas um assassino brutal e um tirano cruel, mas revelava sagacidade e até sabedoria:

“Embora um amante da guerra, não era propenso à violência. Era um conselheiro muito sábio, misericordioso para com  quem o aceitava como amigo”.

Não tinha a riqueza como objetivo, exceto como um meio de controle político e social, e seus próprios gostos tendiam à austeridade em vez do visível consumo. Novamente nas palavras de Priscus:

“Enquanto para os outros bárbaros e para nós, só havia pratos preparados generosamente servidos em travessas de prata, para Átila havia somente carne em um prato de madeira...Copos de ouro e prata eram entregues para os homens no banquete, enquanto o dele era de madeira. Sua roupa era simples e não era nada diferente das demais, com exceção do fato de ser limpa. Nem a espada que ficava pendurada na lateral de seu corpo, nem as fivelas de suas botas bárbaras e nem as rédeas de seu cavalo eram decorados com ouro ou pedras preciosas, como aqueles de outros citas.”

Átila estava assim enviando uma mensagem sutil. Não precisava das manifestações externas e ornamentos do poder, tendo em vista que estava muito seguro de seu próprio destino. Também estava dizendo para aqueles que o apoiavam que ele nunca poderia ser comprado com o ouro romano, e que só a austeridade dava origem a grandes guerreiros. Átila era cruel e liquidava inimigos conhecidos num abrir e fechar de olhos, mas também era inteligente e percebeu que a simples brutalidade acabava afastando até os discípulos próximos: conhecia suficientemente a história de Roma para se lembrar dos imperadores que tinham sucumbido por causa de sua crueldade insensata: Calígula, Nero, Domiciano, Commodus, Elagabulus. Seus seguidores tinham de saber que ele era duro, e ele lhes dava muitas provas disso; mas eles também precisavam perceber que ele era capaz de moderação, conciliação e respeito por parte de seus subordinados, o que faria valer a pena estabelecer uma parceria com ele para a vida toda.

Foi por volta do ano de 451 d.C, quando em sua campanha na França, Átila invadiu a cidade de Troyes. O bispo Lupus de Troyes foi pedir rendição conciliatória a Átila e disse-lhe ser um homem de Deus. Átila então respondeu EGO SUM FLAGELLUM DEI (eu sou a cólera de Deus), e isso se tornou parte das duradouras histórias de luta dos reinos cristãos sobre Átila.

No retorno para a Hungria de sua campanha na Itália por volta de 452-453d.C, Átila planejava outra guerra de conquista, agora contra os bizantinos. Foi nesse contexto que o polígamo Átila fez outro casamento político, acrescentando uma princesa alemã chamada Ildico a seu pequeno grupo de esposas. Os hunos davam muito valor à posse de mulheres bem-nascidas, considerando-as como um acréscimo essencial para seu prestígio e exigindo frequentemente princesas e “damas” como parte do tributo pagos pelos inimigos conquistados. Uma requintada festa de casamento foi realizada no início de 453d.C.

Segundo o historiador romano Priscus foi durante essa festa de casamento que Átila morreu subitamente e de forma estranha. Segue o relato de Priscus:

“Pouco antes de morrer, ele (Átila), se casou com uma moça muito bonita chamada Ildico, depois de outras inúmeras esposas, como era o costume de seu povo. Ele se entregou ao regozijo excessivo na festa de casamento, e quando se deitou de costas, cheio de vinho e de sono, um fluxo de sangue superficial, que deve ter saído de seu nariz, desceu pela garganta e o matou, uma vez que foi impedido de passar pelas vias normais. No dia seguinte , de manhã, os criados reias suspeitaram de algum mal,e, depois de grande alvoroço, irromperam nos aposentos. Descobriram que a morte de Átila estava consumada por um derramamento de sangue, sem nenhum ferimento, e a moça com o rosto abatido, chorando por detrás do véu.”

Essa é a versão convencional sobre a morte de Átila, geralmente aceita pelos historiadores. Os sintomas descritos sugerem ou a ruptura de uma úlcera do aparelho digestivo, possivelmente provocada pelo profundo estresse pelo qual Átila estava passando, ou hipertensão em uma veia importante do corpo – varizes na garganta provocadas pelo excesso de alcoolismo. Se uma dessas veias se rompe, o sangue vai direto para os pulmões, no caso dele, que estava deitado de costas; se ele estivesse de pé ou sóbrio, o ataque não teria sido fatal.

Os hunos prantearam seu grande líder. É assim que Priscus descreve os ritos fúnebres:

“No meio de uma planície seu corpo ficou deitado em uma tenda de seda, e um espetáculo extraordinário foi apresentado solenemente. Os melhores cavaleiros de todo o povo huno fizeram um círculo em torno do local onde seu corpo jazia, como nos jogos circenses, e recitaram suas façanhas em um canto fúnebre...Quando eles prantearam com tais lamentos, com grande folguedo celebraram no seu túmulo o que eles chamam strava, e deixaram-se abandonar em uma mistura de alegria e luto...Entregaram seu corpo à terra no sigilo da noite...Acrescentaram as armas dos inimigos conquistadas em combate, adornos para cavalos brilhando com várias pedras preciosas e ornamentos de tipos variados, as marcas da glória real. Além disso, para que essas grandes riquezas fossem mantidas a salvo da curiosidade humana, aqueles que tiveram a tarefa de arrumar tudo foram recompensados com a morte.”

Alguns detectaram “demasiados protestos” no hino funeral, ao se declamar as conquistas de Átila, depois prosseguindo: “ quando ele tinha conquistado tudo isso favorecido pela sorte, caiu não por causa do adversário, nem  em virtude da traição de seus amigos, mas no meio de seu povo em paz, alegre em seu regozijo e sem nenhuma sensação de dor. Há até quem chame isso de morte e ninguém acredita que seja uma vingança”.

Todavia, a versão oficial da morte de Átila é problemática em vários níveis. Véus, noivas chorosas, nenhum grito, portas fechadas à chave –tudo isso se parece demais com um mistério; a descrição preparada não convence. A versão recebida pode ser criticada em vários níveis diferentes. Priscus, o historiador em quem devemos confiar para tudo o que diz respeito a Átila, nem estava na Europa quando o grande líder huno morreu, uma vez que se encontrava em missão diplomática no Egito. Seu relato é de segunda mão ou até de terceira. Não traz nenhuma relação com aquele feito em primeira mão por Priscus, a respeito do banquete em 449 d.C. na sua descrição, o historiador fala que os outros hunos estavam bebendo e se divertindo, mas afirma que Átila estava distante, abstêmio, bebendo aos pouquinhos, enquanto os outros davam grandes goles. Em poucas palavras o caráter de Átila apresentado por Priscus na qualidade de observador é muito distante da personalidade revelada na última descrição de sua morte. Naturalmente, era do interesse dos filhos de Átila e dos logades conspirar para dar a ideia de uma morte repentina e natural; a última coisa de que eles precisavam para poder ter uma sucessão pacífica era uma investigação lenta sobre um plano de assassinato. Se essa versão é suspeita, quais são as prováveis circunstâncias da morte de Átila?  Aqui a suspeita se volta contra o imperador bizantino Marciano, um inimigo implacável, subestimado por Átila. Os bizantinos estavam bem preparados para usar o assassinato como um instrumento político. O segundo motivo diz que o germano Edeco, pai de Odoacro, era um seguidor leal de Bleda, irmão de Átila, assassinado pelo mesmo. Edeco teria planejado uma vingança a longo prazo. Assim sendo, a morte de Átila, em 453 a.C, estaria relacionada ao assassinato de Bleda, em 445 d.C. Edeco poderia ter sido um autêntico agente duplo, ou pode ter sido “transformado” pelos bizantinos em algum momento.

Quanto ao meio usado para o assassinato, é mais provável que o envenenamento lento tenha sido fatal para Átila, possivelmente até a ingestão de bebidas em pequenos goles durante o banquete do casamento.

Você quer saber mais?

McLYNN, Frank. Heróis e Vilões: Por dentro da Mente dos Maiores Guerreiros da História. São Paulo: Larousse do Brasil, 2008.

“De origine actibusque Getarum” do Historiador romano Jordanes, traduzido para o espanhol por: MARTÍN, José, María Sánhez. Origen y gestas de los godos Madri, Cátedra, 2001.




sexta-feira, 15 de maio de 2020

CRO-MAGNON DAS ILHAS CANÁRIAS




O
 Museu das Canárias, na Ilha Grã-Canária, se orgulha de possuir a maior coleção do mundo de crânios do homem de Cro-Magnon.  Interessante também é o terraceamento para agricultura em torno de elevações arredondadas pela erosão, de origem desconhecida, que se encontra por todas as ilhas.
Na Ilha Tenerife existe um complexo piramidal feito de pedra negra vulcânica. As técnicas de arquitetura e engenharia empregadas na construção dessas pirâmides de seis “degraus” são similares àquelas encontradas no México, no Peru e na antiga Mesopotâmia.
Os arqueólogos da Universidade de La Laguna e o Dr. Thor Heyerdahl provaram que as estruturas são obra humana. A escavação revelou que elas foram erguidas sistematicamente com blocos de pedra, cascalho e terra. Escadas construídas cuidadosamente no lado oeste de cada pirâmide levam ao cume, uma plataforma perfeitamente plana, coberta de cascalho. Descobriu-se que o principal complexo piramidal, inclusive as esplanadas diante delas, é astronomicamente orientado para o poente no solstício de verão da mesma maneira que as pirâmides do Egito foram orientadas segundo os pontos cardeais.
Quem as construiu é um mistério, e nenhuma teoria é empurrada à força aos visitantes da cidade de Guimar e suas pirâmides. Um cartaz com um único ponto de interrogação rotula a exposição:
“OS HABITANTES CONHECIDOS MAIS ANTIGOS DE TENERIFE SÃO OS GUANCHES (hoje em dia extintos como cultura), QUE NÃO SABIAM DIZER QUANDO AS PIRÂMIDES FORAM CONSTRUÍDAS NEM POR QUEM”.
Entretanto, como veremos, os guanches provaram ser um elo cultural entre sociedades antigas e modernas. Quando os primeiros europeus modernos chegaram às Ilhas Canárias durante o início do século XIV, ficaram surpresos com as características físicas de seus habitantes guanches, que não eram muito diferentes daquelas das populações brancas nas regiões ao sul do Mediterrâneo. Investigadores do século XX ficaram ainda mais surpresos pela similaridade entre os esqueleto do homem de Cro-Magnon de 40 mil anos encontrado na Dordonha, França, e os restos mortais dos guanches.  Alguns pesquisadores acreditam que as similaridades não eram apenas físicas, mas também culturais como evidenciam as pinturas nas cavernas em Gáldar, Belmaco, Parque Cultural La Zarza e Los Letreros, por exemplo. Assim como as culturas Cro-Magnon, os guanches adornaram as cavernas com zigue-zagues, quadrados e símbolos espirais usando tinta vermelha ou preta. Os guanches continuaram pintando cavernas até o século XIV.

De acordo com a antropóloga alemã Ilse Schwidetzky, as Ilhas Canárias oferecem um extraordinário campo para investigações antropológicas. A população pré-histórica que vivia lá enterrava seus mortos em cavernas, o que proporcionou um material extraordinariamente abundante no que diz respeito a esqueletos. A despeito do fato de que os guanches não existem mais como cultura, grupos pré-hispânicos sobreviveram até o presente, mesmo depois do processo de cristianização e aculturação. Vários estudiosos dedicaram-se a identificá-los nos séculos XVIII, XIX e XX.

Em um estudo de 1984, o professor Gabriel Camps, da Universidade de Provença, foi bastante explícito quando à questão de identificar corretamente os naturais das Ilhas Canárias e seus predecessores. Nessa pesquisa, ele concentrou-se na antiga população Cro-Magnon da África do Norte, à qual ele se referia especificamente como iberomaurusianos. Esses iberomaurisianos eram uma cultura de 16 mil anos de idade do noroeste da África, que habitavam a planície costeira e o interior do que são hoje a Tunísia e o Marrocos. Viviam da caça do gado selvagem, gazelas, antílopes e carneiros-da-Barbária, e da coleta de moluscos. Hoje em dia, características físicas Cro-Magnono são raras nas populações da África do Norte. As características gerais ali pertencem a diferentes variedades de tipos mediterrâneos. No máximo, o grupo com características semelhantes às do homem de Cro-Magnon representa 3% da atual população do Magreb (Marrocos, Argélia e Tunísia). Mas são muito mais numerosos nas Ilhas Canárias.

O termo “iberomaurusiano” se refere à fabricação de implementos no final da Idade do Gelo caracterizados por ferramentas e armas de pedra menores, se comparadas às das culturas anteriores, e que apresentam pequenas lâminas com uma das extremidades sem corte, para que fosse possível segurar o instrumento daquele dão, ao manuseá-lo.  Os fabricantes dessas ferramentas estavam presentes em muitos pontos do Magreb africano, como AfalouBou-Rhummel, La Mouillah, Caverna Taza I e Taraforalt, entre 20 e 10 mil anos atrás. Muitos desses sítios encontram-se aglomerados em cavernas e abrigos rochosos ao longo do litoral do Magreb. Tinham esqueletos fortes que se pareciam como do Cro-Magnon europeu, embora tivessem as feições mais duras e outros tipos de diferenças. As origens do Cro-Magnon da África do Norte são desconhecidas. Estudiosos sugerem que eles tenham vindo da Europa, oeste da Ásia, ou de outro ponto da África, ou que tenham se desenvolvido na própria África do Norte. Eram relativamente altos (1,73 m para os homens e 1,62 m para as mulheres), e possuíam feições muito marcantes, rosto largo e forte, e um crânio alongado e estreito. Esse tipo de conformação craniana é referida como dolicocéfalo.

Você quer saber mais?

MALKOWSKI, Edward F. O Egito Antes dos Faraós: e suas misteriosas origens pré-históricas. São Paulo: Editora Cultrix, 2010.





domingo, 3 de maio de 2020

CIVILIZAÇÕES ESQUECIDAS: HARAPPA


A
 primeira civilização da Índia e uma das maiores da Antiguidade, foi tão desenvolvida quanto o Egito e a Mesopotâmia. Mas sua história está apenas começando a ser desvendada.

O vaivém de peregrinos é intenso, frenético, louco. Eles chegam aos montes, vindos de pequenos vilarejos vizinhos, nos vales ao leste do Paquistão. As ruas, tomadas por mercadores itinerantes, ganham, aos poucos, o colorido dos artistas performáticos e das trupes de circo. Músicos ajudam a entreter as multidões. Luzes e sons misturam-se. Mulheres gazeteando pelas vias procuram peregrinos mais experientes, para dar a eles as oferendas religiosas que serão repassadas a divindades de lugares distantes – tudo para garantir que, no futuro, seus filhos sejam saudáveis e – preferencialmente – do sexo masculino. À primeira vista, este é apenas mais um tradicional ritual de cultura popular, desses que o tempo insiste em manter vivos.

E é mesmo. Conhecido por sang – algo como “feira de encontro” –, é realizado até hoje nas grandes cidades do vale do rio Indo, perto da fronteira entre o Paquistão e a Índia. Mas esconde uma curiosidade. Remete a uma das civilizações mais desenvolvidas de toda a Antigüidade, um povo que viveu ali, na mesma região, há milhares de anos. Não eram egípcios, nem mesopotâmios, tampouco chineses. Esse povo esquecido atingiu um surpreendente grau de desenvolvimento, comparável inclusive ao dos célebres vizinhos. A diferença é que não ficaram tão conhecidos – pelo menos nos dias de hoje –, embora tenham interagido profundamente com algumas dessas culturas avançadas. Eles eram a civilização do Vale do Indo, ou civilização harappiana, nome derivado de sua principal cidade, a capital Harappa.

Por volta de 3000 a.C., numa época em que Egito, Mesopotâmia e China começavam a esbanjar desenvolvimento e a ocupar o centro do mundo, os harapiannos floresciam no vale do rio Indo. Como as potências vizinhas, também dominavam técnicas e conhecimentos inimagináveis para aquele período da história. No seu auge, entre 2600 a.C. e 1900 a.C., espalharam-se por mais de 1500 vilas e estenderam-se por uma área duas vezes maior que o próprio Egito antigo e a Mesopotâmia. Ergueram cidades amplas e muito bem planejadas, com sistemas de drenagem sofisticados e prédios muitos complexos, e já conheciam as técnicas de fundição a mais de 930°C. Eram artesãos habilidosos que se destacavam principalmente por seus trabalhos com cerâmica e argila.

O conhecimento traçou os rumos de Harappa. Seus habitantes abriram rotas comerciais que os levaram ao Golfo Pérsico, à Ásia Central e à Mesopotâmia. Por outro lado, as cidades harappianas viraram centros de comércio do mundo antigo. O artesanato local espalhou-se, tendo sido encontrado até nos sítios arqueológicos mesopotâmios. Textos antigos desta civilização, as inscrições cuneiformes, também comprovam o contato entre as duas culturas. Falam sobre o comércio com povos originários da distante Índia, que costumavam chamar de Meluha e Makkan. Assim como ainda acontece atualmente, naquela época os moradores dos pequenos vilarejos harappianos iam para as grandes cidades em dias de festivais – ou feiras de encontro, para comprar, vender ou trocar produtos, participar de cerimônias e até para rever familiares.
Democracia e Religião
Apesar de ser a maior das quatro civilizações da Antigüidade, o Vale do Indo só foi descoberto em 1920, quando arqueólogos escavaram parte das ruínas de Harappa e Mohenjo-daro, as duas maiores cidades da região, áreas que hoje correspondem às províncias paquistanesas de Punjab e Sindh, respectivamente. Mesmo assim, ainda há muito a ser escavado e, principalmente, desvendado. Questões básicas sobre estes povos continuam sem respostas. Vários sítios arqueológicos permanecem intocados, incluindo grandes cidades, e sua escrita está longe de ser decifrada. Alguns pontos, porém, são dados como certos.

A semelhança entre as plantas e a arquitetura das cidades harappianas, por exemplo, mostram que o Vale do Indo mantinha uma estrutura social e econômica uniforme. A economia era baseada na produção agrícola e nas atividades comerciais. Ou seja, comerciantes e artífices tinham grande influência na sociedade e, muito provavelmente, compunham a elite dominante. O povo era pacífico e não apresentava uma cultura belicosa, embora possuísse armas como lanças e espadas. Não havia reis nem teocratas – prova disso é a inexistência de palácios e templos suntuosos, mesmo nas ruínas das grandes cidades. As maiores construções eram mercados e prédios de banhos públicos, algo tão sofisticado para época que nem mesmo no Império Romano, dois mil anos depois, este tipo de facilidade chegava às classes mais baixas. “As principais edificações não são voltadas para os líderes, mas sim para a população. Isso sugere, inclusive, que havia um possível exercício arcaico de democracia, baseado principalmente em valores econômicos”, comenta o professor de cultura da Índia e língua sânscrita Carlos Eduardo Barbosa, do Instituto Narayana, de São Paulo.

Essa organização social não exclui, no entanto, a participação e a influência de líderes religiosos na sociedade. É provável que eles tenham sido a chave para manter unida uma civilização tão abrangente, que não tinha como característica usar a força para subjugar outros povos. Apesar de não haver provas arqueológicas da existência destes líderes, existem estudos que indicam que eles formavam uma elite dominante, que manteve a hegemonia por meio da religião e de rituais sagrados. “É o que aconteceu mais tarde com o hinduísmo, em que milhões de pessoas permaneceram unidas não pelo uso da força, mas sim da persuasão”, pondera Iravatham Mahadevan, do Conselho de Pesquisa Histórica da Índia, que há mais de 30 anos estuda a escrita do Vale do Indo. “Além disso, existem selos encontrados nos sítios arqueológicos que mostram a prática de rituais sagrados, com adorações a deuses nus, sentados em posição de yoga”, acrescenta Mahadevan.

Apogeu e decadência

Embora não se saiba muito da cultura do povo harappiano, sabe-se que a cidade de Harappa viveu seu boom econômico entre os séculos 2800 a.C. e 2600 a.C. Foi nesse período que os artesãos desenvolveram técnicas avançadas de manipulação de argila e outras matérias-primas, criando tijolos simétricos de barro e objetos refinados de cerâmica cobertos por uma espécie de esmalte. A fabricação de produtos têxteis também decolou aí. Enquanto os egípcios notabilizavam-se pela manufatura de peças de linho, os harappianos teciam com algodão. Surgiu nessa época ainda o sistema formal de escrita local, estampada em vários vasos e selos de argila encontrados nos sítios arqueológicos. Estes objetos, ilustrados com figuras geométricas ou representações de animais, parecem ter tido uso comercial ou administrativo. Seriam usados basicamente pela elite dominante e funcionavam como um mecanismo de controle econômico e demonstração de poder político.
Alguns pesquisadores, como Mahadevan, acreditam que eles também indicavam os títulos de seus usuários e até nomes e profissões. Para os harappianos, seria algo útil numa cidade que chegou a ter cerca de 80 mil habitantes, segundo as estimativas do arqueólogo Jonathan Mark Kenoyer, professor de antropologia da Universidade de Wisconsin e um dos líderes dos grupos de escavações dos sítios arqueológicos. Esses e outros segredos de Harappa, no entanto, continuam escondidos atrás de um enigma: a indecifrável escrita do Vale do Indo.

Depois de quase dois mil anos de existência, a civilização do Vale do Indo começou a entrar em declínio. Várias teorias explicam esta fase, mas nenhuma é unânime. A mais aceita combina uma série de motivos. O primeiro deles seria a incapacidade da elite em manter a ordem num território tão vasto e povoado, que por volta de 1900 a.C. já se estendia para além das planícies do rio Ganges. “Essa falta de autoridade levou a uma reorganização da sociedade, não apenas em Harappa mas em toda a região do Vale do Indo”, escreveu Kenoyer em artigo publicado na revista Scientific American. Prova disso é o desaparecimento gradual de símbolos característicos da região, como os selos, vasos e pesos usados na taxação e comércio de produtos.
Outro fator importante para a queda da civilização harappiana foram as alterações climáticas que ocorreram ao longo dos séculos, possivelmente causadas pelo crescente desflorestamento para obtenção de matérias-primas. Em 2000 a.C., um dos mais importantes rios da região, o Sarasvati, começou a secar e deixou várias cidades sem uma base viável de subsistência. Estas populações teriam migrado para áreas agrícolas e cidades como Harappa e Mohenjo-daro, superpovoando lugares que não tinham estrutura para receber mais pessoas. Por conseqüência, os mecanismos de manutenção das rotas comerciais acabaram comprometidos.

Uma das teorias mais antigas, porém, conta outra história. Teria havido uma simples dispersão da população para outras regiões. Mas esta é uma hipótese pouco considerada pelos estudiosos atualmente. “Vestígios arqueológicos encontrados em escavações recentes mostram que as cidades continuavam habitadas entre 1900 a.C. e 1300 a.C.”, escreveu Kenoyer. Uma terceira tese atesta ainda que os harappianos foram aniquilados pelos indo-arianos a partir do segundo milênio antes de Cristo. De fato, o período entre o ano 2000 a.C e o ano 1300 a.C. foi bastante conturbado, com guerras eclodindo em várias partes do mundo. Além disso, existem indícios de batalhas nos sítios arqueológicos do Vale do Indo.

Mesmo assim, é pouco provável que os indo-europeus tenham destruído toda a civilização. A maioria dos especialistas acredita que a imigração ariana aconteceu depois que os harappianos entraram em declínio – e a relação entre estes povos foi muito provavelmente pacífica. “Quando chegaram à região, os indo-europeus tornaram-se sedentários e seus rebanhos ajudaram a fertilizar os campos agrícolas. Em troca, seus cavalos alimentavam-se da palha da cevada que era produzida pelos agricultores”, argumenta Barbosa. E por fim há uma hipótese indiana ultra-nacionalista, que acredita no caminho inverso ao ensinado pelo etnocentrismo europeu. Ela defende a idéia de que a civilização do Vale do Indo deu origem aos védicos, povos que surgiram logo em seguida aos harappianos e formularam o Rig Veda, a mais antiga escritura sagrada hindu. De acordo com a tese, eles conquistaram os sumérios e teriam expandido seus domínios para o oeste, influenciando também os povos do Ocidente. Ufanismo? Pode ser. Mas esta também é mais uma pergunta que continua sem resposta.

Altos e baixos no Vale do Indo

Os harappianos deixaram uma herança para a Índia

3300 a.C. – 2800 a.C.
É a primeira fase da civilização harappiana, chamada de Ravi. No começo deste período, plantam trigo, cevada e leguminosas. Técnicas especializadas de artesanato avançam pelo vale do rio Indo e as primeiras rotas comerciais começam a se desenvolver, com pequenos vilarejos formando-se ao seu redor. Na mesma época, sumérios construíam os primeiros zigurates e egípcios enterravam seus mortos junto com suas riquezas em túmulos de tijolos de barro.
2800 a.C. – 2600 a.C.
Período conhecido como Kot Diji. Harappa torna-se um próspero centro econômico, dando início à urbanização. Artesãos aprimoram suas técnicas e produzem peças refinadas de cerâmica esmaltada, trabalhando com fornos em altas temperaturas. Aumenta a quantidade de matérias-primas que chegam à cidade, em carroças e barcos. Rodas feitas de terracota surgem neste período.

2600 a.C. – 1900 a.C.
É o apogeu da civilização do Vale do Indo, com mais de 1.500 vilas espalhadas por uma área muito maior do que a de todas as antigas civilizações juntas, com exceção da China. As rotas comerciais chegam até o Golfo Pérsico, à Ásia Central e à Mesopotâmia. Cidades amplas e bem planejadas multiplicam-se, com sistemas de drenagem e prédios sofisticados.

1900. a.C. – 1300 a.C.
Uma série de fatores ocasiona a queda de Harappa. Entre os motivos estão até variações climáticas, que provocaram a seca do rio Sarasvati. Há indícios de batalhas nos restos arqueológicos, mas pesquisadores não acreditam que a civilização tenha sido aniquilada por outros povos. A cultura em torno do Ganges assume a hegemonia.

1300 a.C. – 1000 a.C.
Uma nova ordem social entra em vigor. Seguidores da religião védica, que falam línguas indo-arianas, como o sânscrito, povoam o subcontinente indiano. O urbanismo e a arte harappiana, no entanto, sobrevivem. Artesanatos continuam sendo produzidos na regiãodo Vale do Indo, embora adaptados a novas exigências. Surgem garrafas e contasde vidro. Mais tarde, desenvolvem, paralelamente ao Ocidente, o aço.

 A sociedade das castas

Com o fim de Harappa, a Índia foi retalhada. Surgiu em cena o modelo que bagunça a estrutura social do país até hoje.

A divisão da sociedade indiana em castas surgiu da turbulência social e das invasões do subcontinente, logo após o declínio de Harappa. Foram criadas pelos védicos (hindus), na tentativa de instaurar a ordem e acalmar os ânimos das diferentes lideranças. A idéia era instituir territórios culturais das linhagens familiares. No início, quatro castas foram estabelecidas a partir da observação das aptidões naturais de cada grupo: brâhmanes, a classe dos sábios, sacerdotes e professores, incumbidos da orientação espiritual e aconselhamento dos governantes; kshatrias, a casta guerreira, encarregada de manter a ordem política e garantir a proteção social; vayshias, composta por comerciantes, artesãos e grandes proprietários de terras, responsáveis pela economia da sociedade; e shudras,ou trabalhadores braçais,que deveriam seguir os desígnios das outras três classes. De acordo com a teoria da invasão indo-ariana, esta era a casta dos harappianos, depois que foram assimilados pelos védicos. Com o passar dos anos, as castas multiplicaram-se e, hoje, estima-se que haja mais de 2000. Surgiram, por exemplo, os párias, cujo grau mais baixo é o dos chantalas – ou intocáveis, pessoas sem função social, como mendigos e andarilhos. O sistema das castas durou com relativa organização até o século 17, quando foram declaradas hereditárias. Até então, havia alguma mobilidade e pessoas de uma determinada classe poderiam ascender socialmente. Com a nova medida, a bagunça foi geral. Chegou a tal ponto que, no século 19, o guru hindu Sri Ramakrishna declarou o fim das estratificações. Oficialmente, porém, a estranha divisão da sociedade perdurou até 1960, quando as castas foram finalmente banidas por lei. Mas, na prática, a história é diferente. Até hoje elas são mantidas vivas pelo preconceito e por iniciativas do próprio governo indiano, que cria empregos, por exemplo, apenas para castas menos privilegiadas.

Que língua é essa?

Como ninguém consegue decifrar o harappiano, a civilização do Vale do Indo permanece envolta em mistérios que estão longe de serem desvendados.

O povo de Harappa deixou ruínas de grandes cidades como herança arqueológica, mas a única forma de escrita encontrada pelos pesquisadores são as pictografias dos selos e outros ornamentos artesanais. Decifrá-las segue sendo o desafio de estudiosos mundo afora. Primeiro, porque não existe – ou, pelo menos, não foi descoberta – uma Pedra de Roseta que contenha inscrições em duas línguas para ajudá-los a quebrar o código. Além disso, a variação de sinais dos milhares de selos achados pelos arqueólogos é muito pequena – há uma média de cinco por objeto, apenas, repetidos em outras peças. "Tudo indica que a disposição é totalmente aleatória. Se alguém encontrar uma placa de automóvel daqui a milhares de anos, por exemplo, dificilmente vai dizer que se trata de uma forma de escrita", compara o professor Carlos Eduardo Barbosa.

É certo que estes sinais foram amplamente difundidos na maioria das cidades da civilização harappiana, por causa da unidade cultural e das necessidades econômicas desses povos. A maior parte dos selos reproduz, também, figuras de animais e objetos usados em rituais. A imagem de unicórnios é a mais comum (aparece em 65% das peças), mas há desenhos de elefantes, búfalos, tigres, rinocerontes e outros animais.

Uma possibilidade sustentada por pesquisadores é a de a escrita harappiana ser a forma arcaica de alguma língua dos dravidianos, que habitaram o norte e noroeste do subcontinente. Como o balúchi por exemplo, que ainda é falado no Baluchistão e em algumas partes do Irã. "Mas isso é apenas uma teoria. A única coisa que podemos dizer é que são sinais escritos da direita para a esquerda, assim como o árabe e ao contrário do sânscrito", avalia o estudioso indiano, Iravatham Mahadevan. Mas ele ainda tem esperança de encontrar a chave da antiga civilização. "Sempre existe a possibilidade de se descobrir algo novo, um objeto ou mesmo uma tábua de argila bilíngue, em lugares como o Oriente Próximo. Os harappianos fundaram espécies de colônias por lá e é bem capaz de terem fabricado objetos com traduções na língua local".


Você quer saber mais?

(HARAPPA)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...