-

-

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Tutorial de solicitações para acesso as postagens

Tenho recebido diversas solicitações via formulário de contato aonde os amigos solicitantes não informam a postagem que desejam realizar o acesso. Peço desculpas por não ter informado anteriormente que o formulário de contato do blogue ao lado não está vinculado as postagens (O único vinculado as postagens é os comentários), a menos que o usuário me informe o nome ou me envie o link da mesma via formulário eu não terei como saber de qual postagem estão se referindo. Então para o melhor usufruto dos textos peço que enviem junto ao texto do formulário o link ou o título da postagem que desejam informações.

Outra questão da qual tenho sido indagado é sobre como enviar ou salvar postagens. Para tanto devem ir até o rodapé da postagem e no lado esquerdo da mesma existe um botão verde chamado "PRINT PDF" que por meio dele poderão realizar diversas funções como enviar os trabalhos para seus e-mails. Lembrando que essa atividade deve ser realizada respeitando os direitos autorais meus e das bibliografias utilizadas!

Realizei um print de tela na qual aparece o botão "Print Pdf"!


Se ainda restarem dúvidas não deixem de perguntar e para tanto utilizem o formulário de contato ou os comentários.

Obrigado!


COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com.br Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.brO link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

(CIÊNCIAS HUMANAS DA MOTIVAÇÃO)


(YOUTUBE)


(GOOGLE +)

https://plus.google.com/u/0/+LeandroClaudirPedroso/about?csrc=yt&cfem=1

(ORKUTI)


(PÁGINA NO DRIBBBLE)


(PÁGINA NO STUMBLEUPON)


(PÁGINA NO ASK FM)

(VIMEO)


(DELICIOUS)


(LINKEDIN)


(PÁGINA NO MY SPACE)


(PÁGINA NO TUMBLR)


(REDE SOCIAL VK)


(ALBUM WEB PICASA)


(ALBUM NO FLICKR)



(CANAL NO YOUTUBE)


(MICRO BLOGUE TWITTER)


(REDE SOCIAL PINTEREST)


(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)


(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)


 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)


(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 


 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 


(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)


 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)


 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)


(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 


(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 


(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 


(MARCADOR ÁFRICA)


(MARCADOR ANTIGUIDADE)


(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 


(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 


(MARCADOR FÉ) 


(MARCADOR COMUNISMO) 


segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Uma breve história da maçonaria



            A maçonaria é uma associação composta de homens de todos os países, de todas as religiões, de todas as classes, ligados entre si por convenções simbólicas, empenhados pela fé do juramento em guardar de um modo inviolável o segredo da sua existência interior, sujeitos a provas lúgubres, ocupando-se em cerimônias fantásticas, porém praticando aliás a benevolência tendo-se por iguais, ainda que estivessem divididos em três classes: aprendiz, companheiros e mestres, é nisso que consiste a maçonaria. Mistica instituição que uns ligam às antigas iniciações do Egito e que outros fazem descender de uma confraria de arquitetos formada já no terceiro século.

Nas lojas maçônicas, com efeito, as pretensões do orgulho hereditário eram proscritas e os privilégios do nascimento desviados. Quando profanos que queriam ser iniciados, entravam na sala chamada – gabinete das reflexões, lia nas paredes, cobertas de preto e de emblemas funerários, está inscrição característica:

“Se tens apego ás distinções humanas, sabe, que não são conhecidas aqui!”

Pelo discurso do orador sabia o candidato que o fim da maçonaria era apagar as distinções de cor, de condição, de pátria, aniquilar o fanatismo, extirpar os ódios nacionais, e era isso que se exprimia debaixo a alegoria de um templo material, levando ao grande Arquiteto do Universo pelos sábios de diversos climas, crer em Deus era o único dever religioso exigido ao candidato.

O ritual maçônico usado hoje afirma que o verdadeiro segredo da Ordem foi perdido há 3 mil anos e segredos substitutos foram criados até o tempo que os originais pudessem ser recuperados.

O tema da construção em pedra esta ligado a eventos astronômicos é fundamental nesses rituais e Deus é chamado pelos maçons de “Grande Arquiteto do Universo” ou “Grande Geômetra do Universo”, essa descrição do criador enfatiza a importância das medições do céu e da terra.

Um candidato a membro deve representar um trabalhador em pedra e no importantíssimo terceiro grau da maçonaria. Ele ou ela é ritualmente “assassinado” e ressuscitar na escuridão quase total enquanto o planeta Vênus simbolicamente se ergue a Leste, antes do Sol.

Na Escócia havia a família de Grão-mestre maçons hereditários a STICLAIR, outrora dominante, que preservava esse conhecimento, até que se tornou segura criar uma nova ordem, que hoje conhecemos como maçonaria. Isso aconteceu em 1601, quando um maçom escocês JaimeVI se torna Rei James I da Inglaterra.

domingo, 26 de agosto de 2018

Lançamento do "Foguete Queenteta" pelos alunos do Ensino Médio do Colégio Sesi


Vídeo 1 - Lançamento do Queenteta no campo de futebol do Colégio Sesi.


Vídeo 2 - Foguete Queenteta realizando a parábola pré definida como objetivo do projeto!

Parabéns a todos pelo excelente trabalho!

A mãe do saber da antiguidade, a gloriosa Biblioteca de Alexandria.




Autor: Leandro Claudir Pedroso

           Dedico esse trabalho a minha esposa Camila, uma leitora dedicada aos estudos dos saberes antigos, um pequeno trabalho sobre aquela que era a luz do saber da antiguidade e que ainda hoje inspira mentes como a sua!

A cidade de Alexandria foi construída a pedido de Alexandre o Grande da Macedônia que começou a ser construída em 331 a.C. Cleomenes se encarregou de edificar a cidade que foi projetada pelo arquiteto Dinócrates de Rodas. Alexandre nunca conheceu sua cidade.

Os faraós Ptolomeu I, Sóter e Ptolomeu II, Filadelfo trabalharam para converter Alexandria em um centro de saber. Eles próprios eram homens do saber, Ptolomeu I era escritor e elaborou uma biografia de Alexandre Magno. Ptolomeu I herdou a biblioteca do filosofo grego Aristóteles e não mediu esforços para amplia-la. Contratou um erudito ateniense para supervisionar a organização de uma grande biblioteca que com o tempo se tornou a maior e mais famosa biblioteca do mundo antigo. Sua grandeza só foi superada 17 séculos depois com a invenção da imprensa que generalizou o uso do livro. Junto a biblioteca havia um templo dedicado as musas (Mouseion em grego, Museum em latim, que conhecemos por museu) aonde os sábios podiam trabalhar em paz e sem incômodos, livre de impostos e mantidos pelo Estado. Havia 14.000 estudantes no museu, era como uma universidade. Foi em Alexandria que Euclídes elaborou sua geometria, Eratostenes mediu a circunferência da Terra, Herófito e Erasístrato realizaram enormes progressos em anatomia, Ctesibio aperfeiçoou o relógio mais engenhoso dos tempos antigos, que funcionava a água. A ciência alexandrina era de inspiração grega, mas a tecnologia era egípcia que a influenciava. Foi graças a Ptolomeu II, que trouxe da Judeia os estudiosos para assessorar a tradução das escrituras ao grego. A tradução grega da Biblia é conhecida como a dos setenta, pois segundo a tradição foi traduzida por 70 sábios.

O primeiro grande incêndio ocorreu em 48 a.C que tomou conta da Biblioteca de Alexandria do qual encontramos a narração dos fatos graças a Plutarco: “Quando o inimigo se esforçou para interromper sua comunicação pelo mar, ele foi forçado a desviar esse perigo, incendiando seus próprios navios, que, depois de queimarem as docas, se espalharam e destruíram a grande biblioteca." (Plutarco, Vida de César, 49.6). Segundo todas as fontes a tragédia do grande incêndio se deu dentro do cenário da perseguição de Júlio César ao seu rivalPompeu.

Durante o governo do imperador romano Caracalla (211-217 d.C), foi posto fim aos investimentos estatais do Império Romano para a biblioteca de Alexandria, nesses cortes incluíram as verbas para os estudiosos que ali desenvolviam vários trabalhos voltados para as mais variadas áreas do pensamento à medicina. Mas esse não foi um golpe isolado para a nossa mãe guerreira e guardiã dos saberes antigos, pois já fazia um século que a biblioteca estava em decadência e desde o ano 100 d.C havia contribuído pouco ao conhecimento do mundo. Ptolomeu foi o ultimo cientista de renome que trabalhou nela, realizando o resumo das principais obras dos primeiros astrônomos, uma obra de grande referencia na antiguidade a julgar pela escassez que informação e complexidade desigual para seus pares ou letrados de outras áreas. Os estudiosos de todo mundo ficaram ofendidos com a decisão do imperador que custaria a vida da biblioteca e impediria os estudiosos de continuarem com seus trabalhos devido a ausência de verba para seus trabalhos e ajuda de custo para sua subsistência enquanto pesquisavam e desenvolviam trabalhos junto a biblioteca.

Em 273 d.C as tropas do imperador romano Aureliano invadem o Egito para expulsar a rainha Zenobia de Palmira que havia à  3 anos ocupando o pais que era uma província romana. Aureliano persegue as tropas de Zenobia até Palmira aonde as destrói. Enquanto isso nesse inteirem no Egito um homem rico, chamado Firmo aproveitou-se da confusão e se declarou imperador. Aureliano ao retornar de Palmira e ficar sabendo do ocorrido, invade Alexandria (então capital da província do Egito) e crucifica Firmo. Mas a gloriosa biblioteca de Alexandria sofreu um abalo com isso tudo, pois no decorrer dessas contendas entre Firmo e Aureliano foram destruídos alguns edifícios da biblioteca de Alexandria, a pérola da dinastia Ptolomaica que havia perdurado por 600 e sobrevivido á 300 anos o fim da dinastia.  E sem dúvida em tudo se perdeu inumeráveis rolos de papiro que existiam na biblioteca e com eles o seu conhecimento e sabedoria acumulados de 1000 anos de cultura grega.

domingo, 19 de agosto de 2018

A maçonaria e a jarda megalítica. Parte II: entendendo a jarda megalítica!




“As coisas devem ser como são, ou nós humanos nunca teríamos nos desenvolvido para testemunha-las. Nosso ambiente existe em sua forma atual porque o observamos!”
Principio Antrópico
Autor: Leandro Claudir Pedroso

Segundo o autor Christopher Knight, houve uma civilização primaria que criou a “Jarda Megalítica” e difundiu entre os povos com sua variante Egípcia e Suméria. Uma civilização mais avançada que suas contemporâneas, denominada pelo autor como “Civilização Um”, civilização está que difundiu seus conhecimentos avançados de matemática e geometria aos outros povos.

A jarda megalítica foi redescoberta pelo professor Thom. Acreditava-se que todas as unidades de medida da antiguidade eram baseadas em partes do corpo humano (braço, mão, dedo), mas a jarda megalítica que equivale a 82,966 centímetros nos mostrou que as coisas não são bem como todos pensavam.

Essa unidade de medida aparece desde a Grã-Bretanha até França durante as primeiras descobertas do professor Thom.

Segundo o professor a jarda megalítica deve ter dito um centro de difusão, pois não foi encontrada variação perceptível na mesma que justificasse uma variação por aprendizado com culturas vizinhas. Mas pelo contrario ela mantem uma exatidão tremenda em sua medida, e a única maneira de justificar isso é um centro difusor do conhecimento! Um centro difusor de conhecimento não é uma ideia nova, muitos linguistas acreditam que havia uma única língua global a aproximadamente 15 mil anos e do mesmo modo foi descoberto que muitas culturas compartilham um método de medição e geometria vindo de uma fonte aparentemente única à 15 mil anos.

Acreditava-se que todas as unidades de medidas da antiguidade eram baseadas em partes do corpo humano (braço, mão, dedos), mas a Jarda Megalítica (82.966 cm) mostrou-se que não, aparecendo em uma região que vai da Inglaterra à França. A mesma teve que ter um centro difusor para que não houvesse variação perceptível em sua medida. Todas as varas de medida eram feitas em um só lugar e distribuídas para as comunidades, achava Thom até descobrir que a Jarda Megalítica era usada também no atual território francês. 


segunda-feira, 6 de agosto de 2018

A maçonaria e a jarda megalítica. Parte I.




Autor: Leandro Claudir Pedroso

O autor do livro Civilização Um, Christopher Knight entrou para maçonaria em 1976 e em seu livro ele relata que um dos seus objetivos ao entrar para a ordem era saber oque eles faziam e ensinavam por trás de suas portas e janelas fechadas! Mas depois de algum tempo iniciado na ordem o próprio autor afirma que nem mesmo os mais antigos membros sabiam ou tinham ideia de onde vinham seus antigos e alguns um tanto esquisitos rituais e principalmente oque significavam.

Então decidiu ele mesmo procurar os significados de tudo que cercava a maçonaria e seus rituais e origens. Chegou a algumas conclusões bem interessantes de que outrora ciência e religião foram dois lados da mesma moeda, estando o estudo e o culto ao planeta Vênus ligados a nomeação de reis e as construção em pedras. Desde os sítios megalíticos da Grã-Bretanha até o templo de Jerusalém encontramos indícios de observações cuidadosas do planeta Vênus, associado ao nascimento e ressurreição.

Nos templos maçônicos encontramos plantas astronômicas em sua construção, com os três ofícios principais a Leste, Sul e Oeste para marcar o sol nascente, o meio-dia e o poente. Existem presentes no templo dois grandes pilares designados de Boaz e Joaz que marcam o extremo Norte do Sol nascente solsticial no templo original de Salomão.

Para ser um candidato a membro o individuo deve representar um trabalhador da pedra e é ele deverá ser ritualmente “assassinado” e ressuscitado na escuridão quase total enquanto o planeta Vênus simbolicamente se ergue a Leste, antes do Sol.

O fato do tema da construção em pedra estar ligado a eventos astronômicos é crucial  nesses rituais e Deus é chamado pelos maçons de “Grande Arquiteto do Universo” ou “Grande Geômetra do Universo”. Essa descrição do criador enfatiza a importância das medições do céu e da Terra.

O ritual maçônico que é usado hoje afirma que o verdadeiro segredo da ordem foi perdido há 3 mil anos e segredos substitutos foram criados até o tempo que os originais pudessem ser recuperados.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

As Origens das Mil e Uma Noites



Eternas, as histórias das Mil e Uma Noites se espalharam por todo o mundo, sendo contadas para crianças e adultos através dos séculos. A trama é sobre o sultão Shariar, que, após descobrir a traição da mulher, decide casar-se cada noite com uma jovem diferente, mantando-a ao amanhecer. Tal condenação só é desfeita quando Sherazade, a impetuosa filha do grão-vizir, se oferece como noiva do sultão e faz com que as noites se multipliquem ao inebriar o marido com suas histórias envolventes.

É problema altamente controvertido a origem das Mil e Uma Noites. Massudi, que viveu no século XI e foi um dos escritores mais viajados do seu tempo, afirmou que as Mil e Uma Noites foram tiradas do persa HEZAR AFSANEH [mil histórias].
Está última obra, segundo se afere de uma referência que a ela faz Firduzzi, no prefácio de SCHANAMEH [livro dos reis], é atribuída a um poeta persa, Rasti, que teria vivido na segunda metade do século X. E, assim, o erudito Massudi parece estar com a razão, pois as duas heroínas principais das Mil e uma Noites, Sherazade e Dinazade estão com seus nomes persas nas páginas famosas de HEZAR AFSANEH.
Mas os persas, de acordo com a opinião de Clemente Huart, foram colher na Índia, o enredo dos principais contos que figuram no famoso Hezar Afsaneh.
O orientalista e historiador alemão Gustavo Weill (1808-1889), que professor de línguas orientais em Heidelberg, afirma que os contos árabes das Mil e uma Noites diferem totalmente das primitivas  formas indiana e persa.
A difusão extrema desses contos no espaço e no tempo – universidade – imortalidade – decorrem de condições que merecem ser frisadas. São fundamentalmente obra de imaginação e inocência.

OQUE CONTÉM AS MIL E UMA NOITES


O verdadeiro livro das Mil e Um Noites, na sua forma completa, não é obra cuja leitura possa ser aconselhada para crianças ou adolescentes. É um livro profundamente contraindicado sobre vários aspectos, pois muitos dos seus contos foram imaginados com a finalidade exclusiva de divertir adultos.
Este livro, que a saudosa poetisa Cecília Meireles considerava glorioso, encerra em suas páginas sermões bem graves: erros e anacronismos.
Quando observado numa tradução, não escoimada da parte obscena, vamos encontrar na imensa cadeia das Mil e uma noites:

Ø  Contos maravilhosos e de aventuras;
Ø  Contos de amor e intrigas de namorados;
Ø  Romances de viagens;
Ø  Aventuras de cavalaria e guerra;
Ø  Lendas fantásticas cheias de crueldades;
Ø  Cenas de zombaria contra judeus e cristãos;
Ø  Contos do gênero policial;
Ø  Anedotas brejeiras e pornográficas;
Ø  Episódios fantásticos e obscenos;
Ø  Lutas religiosas;
Ø  Parábolas e apólogos;
Ø  Fábulas;
Ø  História de erudição (até com problemas de matemática).

E todos os enriquecidos por delicados trechos poéticos nos quais transparece a beleza, a suavidade e o encantamento dos versos árabes.

FONTES DAS MIL E UMA NOITES
Em muitos livros de histórias em séries os árabes foram buscar inspiração para os seus contos maravilhosos. Poderíamos citar os seguintes:

v  Mahabharata: poema escrito em sânscrito.
v  Ramayana: poema indiano de origem muito remota.
v  Dasa-Koundra: (Aventura de dois adolescentes). Livro muito popular na Índia.
v  Katha-Sarit-Sagara: (Oceano infindável de histórias). Contos copilados por Samodéva.
v  Tutinamesh: (Contos de um papagaio). Pequenos apólogos que se afastam muito dos bons princípios morais.
v  Contos de Nang-Trantrai: (Contos da jovem rendeira). Histórias da Índia antiga escritas sob influência das religiões bramânica.
v  Fábulas de Kalila e Dina: que foi traduzido para o português pelo professor Ragy Basile.
v  Hitopadexa: (introdução útil), coleção de fábulas e apólogos morais da Índia. Para este livro há uma excelente tradução de monsenhor Sebastião Salgado.


DIVULGAÇÃO DAS MIL E UMA NOITES
O orientalista francês ANTOINE GALLAND, tendo tomado conhecimento, em suas viagens a Constantinopla dos contos das Mil e Uma Noites fez deste uma tradução que se tornou obra clássica da literatura francesa. Como agiu Galland para tornar sua tradução interessante e viva?

a)    Aproveitou apenas uma quarta parte dos contos originais. A sua escolha foi recair sobre as lendas mais curiosas e de enredo mais palpitante.
b)    Teve o cuidado de abolir todas as cenas que pudessem ferir os princípios cristãos.
c)    Suprimiu do enredo dos contos todos os versos, poemas e citações poéticas.
d)    Procurou fazer uma tradução que fosse isenta de expressões chulas ou pouco edificantes.

A obra de Galland alcançou, na Europa, um êxito extraordinário, sendo traduzida para vários idiomas. Foi Galland quem teve a glória de tornar o livro das Mil e Uma Noites conhecido no Ocidente. Ele faleceu aos 69 anos, em 17 de fevereiro de 1715.  Além da tradução das Mil e Uma Noites, Galland deixou cerca de 15 obras, algumas das quais de grande valor literário.

IMITAÇÕES DAS MIL E UMA NOITES
Seguindo a trilha gloriosa de Galland, muitos escritores tentaram imitar a obra do grande orientalista.
Além do livro intitulado Mil e Um Dias, traduzido por Petis de La Croix,  poderíamos citar os seguintes:

ü  Mil e Um Quartos de Hora (contos tártaros).
ü  Aventuras Maravilhosas do Mandarim Fum-Hoan (contos chineses).
ü  As Sultanas de Gazarate (Contos mongóis)
ü  Aventuras de Abdallah, filho de Hanif.

Todos esses livros, e cerca de outros 30 de mesmo gênero, não passavam de ridículas mistificações literárias que o público não levou a sério.


COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com.br Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.brO link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

Referências:

Referencias:
GALLAND, Antoine (versão). As Mil e Uma Noites. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.


(YOUTUBE)

(GOOGLE +)

(ORKUTI)


(PÁGINA NO DRIBBBLE)


(PÁGINA NO STUMBLEUPON)


(PÁGINA NO ASK FM)

(VIMEO)


(DELICIOUS)


(LINKEDIN)


(PÁGINA NO MY SPACE)


(PÁGINA NO TUMBLR)


(REDE SOCIAL VK)


(ALBUM WEB PICASA)


(ALBUM NO FLICKR)



(CANAL NO YOUTUBE)


(MICRO BLOGUE TWITTER)


(REDE SOCIAL PINTEREST)


(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)


(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)


 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)


(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 


 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 


(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)


 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)


 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)


(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 


(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 


(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 


(MARCADOR ÁFRICA)


(MARCADOR ANTIGUIDADE)


(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 


(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 


(MARCADOR FÉ) 


(MARCADOR COMUNISMO) 








LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.