-

-

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

OS SENHORES DE ROMA: CÉSAR, DE ALLAN MASSIE.



“A doença da República não reside em suas instituições... que com tanta glória resistiram ao teste do tempo... mas nos homens que as povoam. O egoísmo reina hoje onde o zelo pelo bem público florescia. Estamos sofrendo, por assim dizer, do que eu chamaria de ‘individualismo’. O que eu quero dizer com isto? Simplesmente isto: a presteza do homem em defrontar qualquer assunto público com a pergunta: “O que tenho a ganhar com isso? Onde posso obter vantagens pessoais?”, em vez da pergunta que tão nobremente alimentava as mentes dos nossos avós, “o que Roma exige de mim?”

Marco Túlio Cícero (MASSIE, Allan. Os senhores de Roma: César. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000, pg.100 – Romance histórico, licença poética).



“(...) a República morreu. Não se pode dar vida a um cadáver. O que resta é um simulacro, um simulacro perigoso! É preciso mudar as coisas. Mas a mudança será gradual, à medida que os homens se acostumarem a novas realidades.”

Caio Júlio César (MASSIE, Allan. Os senhores de Roma: César. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000, pg.201 – Romance histórico, licença poética).

“A ação é que põe o homem à prova. É a pura verdade. Afinal, qualquer um é capaz de falar virtuosamente, até os maiores hipócritas quando quer, mas agir virtuosamente, conforme o exemplo dos nossos ancestrais e de acordo com os deveres impostos pelos ‘deuses’, é outra coisa.”


Marco Pórcio Cato (MASSIE, Allan. Os senhores de Roma: César. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000, pg.227 – Romance histórico, licença poética).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.