-

-

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Núbia (TA-SETI), a terra do arco. Parte II: Aspectos Defensivos e econômicos dos Povos Núbios.



Resto da fortaleza em Buhen, na Núbia, mandada erigir por Senusret III. Imagem: http://www.touregypt.net/

Desde cedo o Vale do Nilo estimulou o contato do Egito com a Núbia pela sua posição geográfica. Sob o Médio Império, ocupada pelos egípcios por razões econômicas e defensivas. Nossos conhecimentos a respeito da Núbia e do país de Punt baseiam-se unicamente em material arqueológico e epigráfico (desenhos murais em particular), não se tendo encontrado fontes escritas até o presente momento.

Aspectos Defensivos: Proteger a fronteira meridional contra os povos do deserto, a leste. Foram construídas fortalezas sob a XII Dinastia. A ocupação da Núbia foi concluída pelo Faraó Amósis da XVIII Dinastia. Ainda na XVIII Dinastia Tutmés III, ampliou seu domínio até a Quinta Catarata e colocou a região sob a autoridade de um Vice-Rei, “O Filho Real de Cux”. 

No Novo Império Ramsés II da XIX Dinastia inicia intensa atividade construtiva na Núbia. Constrói o Templo de Abu-Símbel.... Fortalece o sistema de Vice-Reino que agora está organizada segundo os padrões egípcios. Montou-se um sistema administrativo egípcio com escribas, sacerdotes, soldados e artesãos. Essa nova ordem resultou na completa egipcianização do país.


Ruínas das Muralhas de Buhen na Núbia. Imagem: http://www.touregypt.net/

Aspectos Econômicos: Garantir a importação dos produtos do Sul (penas de avestruz, peles de leopardo, marfim, ébano [madeira preta e resistente] e a exploração das riquezas minerais da Núbia como o ouro e outros metais preciosos. Ainda em relação aos aspectos econômicos a Núbia e o Egito demonstravam laços estreitos de intercâmbio de produtos. Um exemplo é a Argila Fóssil Amarela Núbia que os egípcios transformavam em Cerâmica Qena.

Na Núbia foram encontrados diversos produtos de origem egípcia como perolas, amuletos de ébano e marfim, incenso e objetos de obsidiana. Curiosidade: O ouro amarelo (NOUB, em egípcio); a esse respeito convém observar que pode o topônimo Núbia tem sua origem nessa palavra egípcia, mas não se sabe ao certo.



Produtos exportados para o Egito provenientes da Núbia: Penas de Avestruz, Incenso, Pele de Leopardo e Marfim. Imagem: http://www.picasaweb.google.com/


Produtos exportados para o Egito provenientes da Núbia: Ouro, Obsidiana e Madeira de Ébano. Imagem: http://www.picasaweb.google.com/

01/04/2013

Leandro Claudir é Acadêmico de História pela Universidade Luterana do Brasil, Técnico em Informática pela QI Escolas e Faculdades. Habilitado em Liderança de Círculos de Controle de Qualidade Empresarial pelo Sesi. Criador e Administrador do Projeto Construindo História Hoje. IBSN- 7837-12-38-10.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial©construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a“Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo parahttp:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 

MELLA, Federico A. Arborio. O Egito dos Faraós: história, civilização e cultura. São Paulo: Editora Hemus, 1981. pp. 218-219, 263, 270-271, 299, 411, 417, 442.

MOKHTAR, Gamal (Org.). História Geral da África. Vol. II: A África Antiga. São Paulo: Ática/Unesco, 1983. pp. 227-229, 232-233, 243, 257, 267, 277, 340.

Grande Enciclopédia Larousse Cultural.São Paulo: Enciclopédia Nova Cultura, 1999. pg. 2030.

SILVA, Alberto Costa e. A Enxada e a Lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1985.

KI-ZERBO, Joseph. História Geral da África Vol. 1: metodologia e pré-história da África. Brasília: Unesco, 2010. pp. 88, 830.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para você que visitou o meu blogue, e compartilhou de seu conhecimento nesse espaço. Contribuindo com o crescimento do Construindo História Hoje. O meu muito obrigado, por fazer parte desse humilde projeto, que busca levar de forma simples e objetiva o entendimento dos acontecimentos historicos.
Cordialmente,
Leandro Claudir

Para usted que ha visitado mi blog, y compartió sus conocimientos en esta área. Contribuir al crecimiento de la construcción de la Historia de Hoy. Mi gracias por ser parte de este proyecto humilde, que trata de tener una comprensión simple y objetiva de los acontecimientos históricos.
Atentamente,
Leandro Claudir

For you who visited my blog, and shared his knowledge in this area. Contributing to the growth of the Building History Today. My thank you for being part of this humble project, which seeks to take a simple and objective understanding of historical events.
Sincerely,
Leandro Claudir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...