-

-

quarta-feira, 16 de março de 2011

A ciência no caminho da espiritualidade.

A humanidade, desde os primórdios, procura entender os seguintes questionamentos: de onde viemos? O que estamos fazendo aqui? Para essas questões. No início das civilizações, a prática religiosa e, de certa forma, a “investigação científica” caminhavam juntas, tais características podem ser notadas nos mesopotâmicos, egípcios, indianos, chineses e, inclusive, nos gregos.

Com o passar dos tempos, essas duas vertentes de conhecimento foram tomando rumos opostos, principalmente durante a Idade Média, quando o ato de fazer ciência era considerado uma heresia. Ao defender a real compreensão da natureza, muitos pagaram com a própria vida.

Crer apenas naquilo que se pode ver e tocar acabou sendo o princípio da ciência após a ruptura com a Igreja, a partir do século XVI. Isso caracterizou as bases do empirismo, para o qual somente é importante o experimento, e não mais o executor da experiência. Nesse período, deixou-se de lado o abstrato, substância fundamental para o entendimento da natureza. O abstrato ficou para a Igreja, e a ciência seguiu o caminho do concreto.

Apenas no início do século XX o concreto e o abstrato voltaram a andar juntos novamente. E o pensamento da ciência concreta acabou tornando-se o próprio pensamento científico. Todavia, se embasarmos a compreensão da natureza apenas nos nossos sentidos, não conseguiremos entender o que realmente está acontecendo. Se ficarmos parados observando o Sol, por exemplo, sentiremos que ele se move ao redor da Terra, mas a ciência já comprovou que na verdade é a Terra que gira em volta do Sol.

A ruptura do concreto com o abstrato, na área da ciência, acabou criando um modelo de interpretação da realidade deficitário. Tal modelo, todavia, acabou confundindo-se com o próprio funcionamento da natureza. Por isso, estamos até hoje imersos numa grande crise existencial.

Imaginar a vida apenas no concreto é como ter um corpo sem espírito. Foi por isso que se acabou criando a idéia de que, para ser cientista, é preciso ser ateu.

Foi no início do século XX, com os fundamentos da Física Moderna, que o concreto e o abstrato começaram a permear novamente o campo das ciências. A dualidade partícula-onda do elétron demonstra bem essas duas realidades.

A idéia do fluxo contínuo dos fenômenos da natureza foi rompida quando Planck observou que a energia emitida por um corpo negro processava-se através de pacotes de energia, que ele batizou de quanta, ou seja, a Física das Quantidades.

Até então, imaginava-se que o comportamento da matéria em nível atômico era idêntico ao comportamento macroscópico.

Quando Niels Bohr resolveu aprofundar-se no estudo sobre a estrutura atômica, já desenvolvida inicialmente por Rutherford, postulou algumas idéias que mais tarde viriam a mudar todo o pensamento científico.

Bohr descobriu que os elétrons, podem se comportar ora como partícula, ou ora como onda. A dúvida ainda pairava no ar: para onde o elétron vai quando desaparece em um nível e reaparece em outro? Como pode ora ser partícula e ora ser onda?

A Física, então, deveria ser probabilística e não realista. Foi por isso que Einstein disse que Deus não joga dados. Mas, na verdade, o que descobriu é que o observador, que até então era descartado da ciência e considerado um mero espectador do fenômeno, atua sobre este, alterando-o.

Mas algo ainda estava por acontecer. Os cientistas, durante muito tempo, procuraram saber se a consciência realmente existe. Nós a sentimos temos a sensação de que ela esta do nosso lado, mas não conseguimos defini-la. Foram realizadas tomografias e ressonâncias, mas nunca se encontrou nada. Não foi encontrado porque ainda procuramos o concreto.

Em 1995, um importante experiência laboratorial de interação não-local, ou seja, sem troca de sinais,foi realizada pelo neurofisiologista Jacobo Grinberg-Zylberbaun, da Universidade do México, e sua equipe. Esses pesquisadores estavam procurando um caminho para demonstrar a conexão quântica não-local entre cérebros, demonstrando que a consciência é um objeto quântico, ou seja, desloca-se em níveis quânticos instantaneamente.

O experimento foi executado da seguinte forma:

Um meditador foi colocado dentro de uma gaiola de Farady (ambientes isolados eletromagneticamente) e seu cérebro foi conectado a uma máquina de EEG (eletroencefalograma).

Quando iniciou o experimento, nenhuma das dez pessoas sabia o horário exato do teste. O meditador recebeu então uma foto, escolhida ao acaso, de uma das dez pessoas que estavam na outra gaiola de Farady. O meditador concentrou-se, e imediatamente a máquina EEG capturou um sinal, também capturado pela outra máquina EEG a 220 Km de distância, sem nenhuma troca de sinal. O experimento foi repetido inúmeras vezes, comprovando, portanto, que a consciência é um objeto quântico.

A comunidade científica atual é extremamente conservadora, concreta e não admite nada que não esteja dentro das bases por ela definidas. A própria equação de Einstein (E=mc2) foi durante muito tempo rejeitada por essa mesma comunidade científica, a qual segue mantendo-se voltada meramente aos interesses econômicos. Isso pode ser identificado quando olhamos para os Estados Unidos: mais da metade dos valores investidos em pesquisa no país é financiamento do Pentágono.

Se na grande explosão (Big Bang) todos os elétrons, prótons e nêutrons estavam correlacionados e depois se separaram, isso significa que ainda estamos todos ligados uns aos outros. Então meu pensamento é sentido pelo Universo inteiro.

Aplicar na ciência a lei de São Tomé, ou seja, ver para crer, mas essa lei não funciona para a natureza. O conhecimento está dentro de cada indivíduo. Ele está esperando que cada um de nós tome consciência e passe a buscá-lo. Sócrates já dizia: “CONHEÇA-TE A TI MESMO”.

As revoluções científicas não são absorvidas pela sociedade de uma maneia instantânea.

Já se sabe que, para a ciência, o observador altera o resultado do experimento, mas ainda vivemos em uma sociedade dominada pelo empirismo, em que o ser humano é descartável, apenas um número perdido na multidão. As emoções, a teimosia, a irracionalidade são requisitos necessários para a redescoberta do abstrato.

A ciência e a espiritualidade estão apontando para a mesma direção. As religiões sempre trabalharam com o abstrato, mas a ciência, por questão histórica, acabou ficando apenas com o material.

As respostas para as questões “De onde viemos?”, “O que estamos fazendo aqui?”, “Para onde vamos?” então dentro de cada um, e esse caminho é feito com amorosidade, paz no coração, tanto pela religiosidade-espiritualidade como pela ciência, mesmo que tais idéias não sejam aceitas pela comunidade científica, pois ainda estão em conflito as questões econômicas – apenas de grandes estudiosos, como Einstein e Hawking, apontarem para uma direção mais espiritual.

Você quer saber mais?

BIEHL, Luciano Volcanoglo. A Ciência Ontem, Hoje e Sempre. Canoas: Editora da Ulbra, 2008.

BIEHL, Luciano Volcanoglo. O Mundo Quântico. Porto Alegre: Razão Bureau Editoral, 2005.

GOSWAMI, Amit. O Universo Autoconsciente. 4.ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2001.

BACHELARDA, Gaston. O Novo Espírito Científico. 2.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix, 1997.

CAPRA, Fritjof. O Tao da Física. São Paulo: Cultrix, 1997.

GROFE, Stanislav. Além do Cérebro. São Paulo: McGraw Hill, 1998.

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/PESSOAL

2 comentários:

  1. "Se na grande explosão (Big Bang) todos os elétrons, prótons e nêutrons estavam correlacionados e depois se separaram, isso significa que ainda estamos todos ligados uns aos outros. Então meu pensamento é sentido pelo Universo inteiro."

    Leandro, não vejo motivo pra chegar a essa conjclusão. Seria o mesmo que afirmar que pelo leite vir da vaca, quando o bebemos ele continua conectado à vaca mesmo estando na nossa barriga.

    E sobre a consciência humana influenciando nos experimentos...Isso vem de um erro na interpretação do Princípio de Heisenberg, que diz que não podemos saber a posição e a velocidade de uma partícula ao mesmo tempo. Mas isso se deve ao fato de os fótons esbarrarem nos elétrons, interferindo em seus estados e não porque a consciência humana afeta esses elétrons.

    Percebi pela sua bibliografia que vc indica bastante os livros desses físicos-filósofos-místicos que falam esse tipo de coisa....inclusive, tentam explicar fenômenos sobrenaturais pela física quântica. É bom que eles saibam que os fenômenos quânticos tem esse nome por um motivo: só ocorrem em escala quântica, não no mundo macroscópico.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Felipe.
    Obrigado pelo complemento, pois avaliarmos esses assuntos por outras oticas é deverás importante, pois nos permite mantermos uma visão mais aberta dos fatos, mas sem fugirmos do foco. O Por que?

    ResponderExcluir

Para você que visitou o meu blogue, e compartilhou de seu conhecimento nesse espaço. Contribuindo com o crescimento do Construindo História Hoje. O meu muito obrigado, por fazer parte desse humilde projeto, que busca levar de forma simples e objetiva o entendimento dos acontecimentos historicos.
Cordialmente,
Leandro Claudir

Para usted que ha visitado mi blog, y compartió sus conocimientos en esta área. Contribuir al crecimiento de la construcción de la Historia de Hoy. Mi gracias por ser parte de este proyecto humilde, que trata de tener una comprensión simple y objetiva de los acontecimientos históricos.
Atentamente,
Leandro Claudir

For you who visited my blog, and shared his knowledge in this area. Contributing to the growth of the Building History Today. My thank you for being part of this humble project, which seeks to take a simple and objective understanding of historical events.
Sincerely,
Leandro Claudir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...