-

-

sábado, 8 de setembro de 2012

Julgamento da História. Juan Domingo Perón, herói ou vilão?



Juan Domingo Perón. Imagem: Enciclopédia Delta Larousse.

Juan Domingo Perón nasceu na cidade de Lobos em 8 de outubro de 1895, faleceu na Capital da Argentina, Buenos Aires em 1° de julho de 1974, foi um militar e político argentino. Foi presidente de seu país de 1946 a 1955 e de 1973 a 1974. Filho de Mario Tomás Perón, pequeno fazendeiro e Juana Sosa, e neto de um dos médicos mais famosos do seu tempo, Professor Thomas L. Peron, Juan Domingo Perón provém de família parte sarda, parte espanhola. Sua infância e juventude viveu nos pampas de Buenos Aires e as planícies do sul da Patagônia Argentina, onde seus pais se mudaram em 1899 para encontrar trabalho. Perón quis ser um médico como seu avô, mas, finalmente, em 1911, ingressou no Colégio Militar Nacional, localizado perto da cidade de Buenos Aires, graduando-se com a patente de segundo tenente da arma de infantaria em 1913.

Como um jovem oficial que ocupou várias atribuições militar no país, quando se levantou em sua carreira. Dada a patente de Capitão escreveu artigos sobre "Militar Moral" Higiene "Militar", "Campanha de Alto Peru", "A Frente Leste da Segunda Guerra Mundial de 1914. Estudos Estratégicos", que foram adotados como livros didáticos nas escolas do Exército. Em 1929 casou-se com Aurelia Tizon na Igreja de Nossa Senhora de Luján militar, mas sua esposa morreu jovem, em setembro de 1938, sem filhos. Em 1930 ele era um membro do pessoal do Exército e Professor de "História Militar" na Escola Superior de Guerra. Ele continuou a publicar textos militares e escreveu um estudo sobre a língua dos índios araucano originários da região da Patagônia em "Etimologia da Patagônia Toponímia Araucana" (1935). Em 1936, com patente de major do Exército, foi nomeado adido militar na Embaixada da Argentina na República do Chile e no mesmo ano subiu para o posto de tenente-coronel. Em 1937 ele publicou o estudo "pensamento estratégico e operacional da idéia de St. Martin na campanha da Cordilheira dos Andes." Em 1939 ele se juntou a Missão de estudo no estrangeiro de que o Exército argentino enviou para a Europa, com sede em Itália. Ele se especializou em Mountain Infantaria (montanhismo e esquismo) de volta em 1940 logo após a turnê Espanha, Alemanha, Hungria, França, Iugoslávia e Albânia. Ele foi designado para o Centro de Treinamento Mountain (Mendoza) e em 1941 subiu para a patente de Coronel. Desde 1943, a vida militar começaram a convergir sobre a vida política ele estava indo para absorver totalmente até sua morte.

 Juan Domgo Perón em 1943. Imagem: Latin American History.

Em 1943, uma conspiração militar derrubou o governo civil da Argentina. O regime militar que tomou o poder nos três anos seguintes foi fortemente influenciado por Perón que prudentemente procurou uma posição secundária como Secretário do Trabalho e Segurança Social. Em 1945, Perón tornou-se vice-presidente e Ministro da Defesa. Aos poucos, ganhou respeito e notoriedade, aumentando a dua popularidade e autoridade no exército, especialmente pelo apoio que recebeu de trabalhadores precários chamados "descamisados".

No dia 9 de outubro de 1945, Perón foi destituído do seu cargo por um golpe civil e militar que o pôs na cadeia, provocando uma crise no governo. Eva Duarte e líderes sindicalistas reuniram os trabalhadores da grande Buenos Aires e exigiram a sua libertação. Diante da enorme multidão, os militares não tiveram outra opção senão libertar Perón no dia 17 de outubro do mesmo ano. Neste dia, Perón discursou para 300.000 pessoas e as suas palavras foram retransmitidas pelo rádio para todo o país. No seu discurso prometeu ao povo argentino a realização de eleições que estavam pendentes e construir uma nação forte e justa. Dias depois, casou-se com Evita (como era popularmente chamada Eva Duarte), que o ajudou a dirigir o país nos anos que se seguiram.

Após uma campanha violenta e repressiva, a candidatura formada por Perón e Quijano ganhou as eleições de 1946 com 52,4% dos votos. Com a posse da presidência, Péron aplicou o seu plano económico chamado "nação em armas", sendo que o país deveria estar preparado para a guerra no limite da sua capacidade. Consequentemente,
o orçamento em materiais bélicos sobe de 27% em 1942, para 50% em 1946. Perón exerceu o seu mandato durante 6 anos. Durante esse período, nacionalizou a rede ferroviária, a produção de gás, o Banco Central, a rádio e algumas companhias de eletricidade. Assim como Getúlio Vargas e outros líderes, deu aos trabalhadores vários benefícios como, por exemplo, 13 salários por ano, folgas semanais, reduziu a jornada de trabalho e aumentou de salário mínimo.

No entanto, com o controlo abusivo da economia nacional e benefícios desmedidos ao proletariado a economia do país entrou num ciclo recessivo. O aumento do salário mínimo em 33%, adicionado aos restantes benefícios atribuídos, tal implicou um aumento de custos com os trabalhadores em 70%. Desta forma, Perón causou muita pressão sobre os empresários. Com medo das demissões em massa pelo aumento do salário, Perón fez alteração à lei do trabalho, dificultando as demissões. Os funcionários passaram a sentir-se imunes à perda do emprego, fazendo disparar a taxa de absentismo e, até mesmo, arranjando outros empregos que desempenhavam no mesmo hórario do primeiro. De 1946 a 1950, o total de fábricas diminuiu em 3.316 e o número de operários em 14.500. Com o aumento no salário houve um grande aumento no consumo e sem capacidade para abastecer a procura, a inflação disparou e o custo de vida cresceu em 68% num único ano. Perón foi reeleito em 1951, momento em que modificou algumas de suas políticas. Em 1952, Evita morre e Perón foi afastado do seu cargo por um golpe militar.

Em 19 de setembro de 1955, Perón é deposto e é exilado no Paraguai, depois de uma revolta do exército e da marinha, que foram justificados pelo descontentamento popular face à corrupção, inflação e opressão.

Em seguida, Perón se estabelece em Madrid, onde, em 1961, se casou novamente com Maria Estela Martinez. Durante seu 18 anos de exílio, Perón manteve sua influência política na Argentina.

O regime militar do General Alejandro Lanusse (que tomou o poder em março de 1971) proclamou sua intenção de restaurar a democracia (no final de 1973) e permitir o restabelecimento dos partidos políticos, incluindo o partido peronista. Depois de um convite do governo militar, Perón regressa à Argentina, em 1973.

O governo militar liderado pelo general Lanusse convocou eleições presidenciais para 11 de março de 1973, mas Perón proibiu. O movimento peronista ganhou as eleições com 49,59 por cento dos votos com a fórmula-Solano Lima Campora designado por Peron[1]. Uma vez no gabinete do presidente Campora renunciou e pediu novas eleições presidenciais, sem proibições para 21 de setembro de 1973. A fórmula Movimento Peronista proposta Perón-Perón (Juan Domingo Perón e sua esposa Isabel Martínez de Perón) ficando a vitória com mais de 60 por cento dos votos.

Sua terceira gestão foi curta, Perón faleceu no dia 1º de julho de 1974. Isabel Perón - a quem os argentinos não tinham afeição - assumiu a presidência, mas foi destituída pelos militares em 1976.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 









LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.