-

-

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Notre-Dame: 850 anos


Catedral testemunhou as mudanças na vida de Paris e o avanço das técnicas de arquitetura para chegar a 2013 em clima de celebração.

As comemorações do 850º aniversário da catedral de Notre-Dame de Paris ocorrerão até 24 de novembro. A atração principal foi o Dia Mundial do Órgão, em 6 de maio. Mais de 850 concertos ecoaram as obras do repertório de Notre-Dame nos locais de culto e nas salas de concerto do mundo todo. Em razão dos diferentes fusos horários, o evento se estendeu por 24 horas, passando, inclusive, por São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

A catedral está em festa. Os novos sinos – oito na torre norte, fabricados em Valledieu-les-Poêles, no Manche, e um novo bordão, batizado Marie, na torre sul, fundido na Holanda – tocaram pela primeira vez em 23 de março para a solenidade do Domingo de Ramos. Notre-Dame reencontrou sua “paisagem sonora” – termo empregado pelos especialistas em sinos–, essa musicalidade que a caracterizava no final do século XVIII e que contribuiu para seu renome. Um espaço de cerca de 1.200m2, batizado Caminho do Jubileu, foi construído na esplanada. Essa estrutura gigante, dominada por uma torre provisória de 13 metros de altura, que inclui uma arquibancada, estende-se até os portais, onde o público pode assistir aos espetáculos e aos jogos de luz da fachada. Na esplanada, estandes acolhem exposições que ressaltam as diferentes corporações de ofício necessárias à construção e à manutenção de Notre-Dame, dos canteiros aos fabricantes de órgãos, mas também ações de solidariedade em favor dos mais necessitados. A esplanada, ampliada no século XVII, foi, depois das reformas empreendidas no Segundo Império pelo barão Haussmann, liberada de qualquer habitação. A cripta arqueológica, recentemente renovada, mostra, por meio de uma nova cenografia interativa, os vestígios descobertos quando das escavações realizadas nos anos 1960 e a construção, em 3D, da catedral.

TEMPLO DE JÚPITER Mas voltemos no tempo... Na época galo-romana, um templo pagão dedicado a Júpiter foi erguido no local. Em seguida, foi substituído por uma basílica paleocristã com cinco naves. Teria sido construída no século IV, depois modificada, ou dataria do século VI, tendo sido reparoveitadas as pedras de outras construções. Os especialistas nada sabem com exatidão. Seja como for, para construir essa catedral dedicada a Santo Estêvão, a maior da Gália Franca, com 70 metros de comprimento e 36 metros de largura – dimensões excepcionais para a época –, foi preciso nivelar o trecho sudeste da muralha, erguida no Baixo Império (século III). Sua fachada ocidental se encontrava então mais a oeste que a atual Notre-Dame.

O conjunto episcopal dos tempos merovíngios, do qual Saint-Étienne é a igreja principal, compreende também a basílica de Notre-Dame (sob a Notre-Dame de Paris), o batistério Saint-Jean-le-Rond, na rua Cloître-Notre-Dame – que hoje não existe mais – e a basílica Saint-Germain-le-Vieux, no canto sudeste do atual Comissariado de Polícia.

Em meados do século XII, a igreja de Saint-Étienne foi demolida. O bispo Maurice de Sully (por volta de 1120-1196) e o capítulo decidiram construir uma outra, mais comprida, mais alta, mais iluminada, possível graças às recentes técnicas de cruzamento de ogivas e de arcobotantes. Uma arte nova que os italianos do Renascimento chamaram “gótica” em referência aos godos, esses bárbaros!

Vários grandes edifícios religiosos já haviam sido construídos: a abadia Saint-Denis, por iniciativa do abade Suger (por volta de 1140), depois as catedrais de Noyon (a partir de 1145), de Senlis (1153), de Laon e de Sens (1160). Mas esse projeto implicava outras transformações, um verdadeiro canteiro urbano, que acarretaria a destruição de várias residências e a expropriação dos habitantes. O bispo, amigo de Luís VII, que apoiava seu projeto, desejava construir uma esplanada, passarela entre os mundos profano e sagrado, e traçar uma nova via através do labirinto de ruelas margeadas por casas com estruturas de madeira: a rua Neuve-Notre-Dame, com 6 metros de largura, por meio da qual os materiais de construção, depois os peregrinos e as procissões, teriam acesso ao edifício. Durante os 36 anos de seu episcopado, o bispo de Paris não recuaria diante de nenhum obstáculo para concluir sua obra-prima monumental.

Em 1163, a primeira pedra de Notre-Dame de Paris foi colocada na presença do papa Alexandre III. Quatro campanhas de edificação se sucederiam, conduzidas por quatro arquitetos diferentes cujos nomes não chegaram até nós. Os 20 primeiros anos foram dedicados à construção do coro e de seus dois deambulatórios. Em 11 de maio de 1182, o altar-mor foi enfim consagrado. Foram necessários oito anos, de 1182 a 1190, para serem erguidas as três estruturas da nave, as naves laterais e as tribunas. Em 1190, o bispo Maurice de Sully pôde celebrar em sua catedral os funerais de uma jovem rainha da França, Isabel de Hainaut, esposa de Filipe Augusto, morta aos 20 anos ao dar à luz. Foi enterrada no coro de Notre-Dame. Sua sepultura – uma das raras que escaparam do vandalismo revolucionário – foi redescoberta em 1858 pelos operários de Viollet-le-Duc.

EM 1225, FACHADA JÁ ERGUIDA De 1190 a 1225, as fundações da fachada e as duas primeiras estruturas da nave foram erguidas. Até a metade do século XIII, as obras compreendiam a galeria alta, as duas torres, as janelas altas, que foram modificadas e ampliadas, e as capelas laterais da nave entre os contrafortes dos arcobotantes. Estes últimos foram concebidos para permitir o escoamento das águas de chuva na parte superior da catedral. Em 1240, sob o reino de São Luís, a torre sul já estava concluída e, dez anos mais tarde, a torre norte. A catedral foi considerada pronta. As reformas posteriores seriam trabalhos de embelezamento, manutenção ou restauração. Do fim do século XIII ao início do XIV, os nomes dos arquitetos, dessa vez, chegaram até nós. Jean de Chelles executou o prolongamento do transepto: ao norte, com a criação do portal do claustro e da rosácea norte, e ao sul com o portal Saint-Étienne e a rosácea sul. Oferecida por São Luís, ela representa o Cristo triunfante no céu. Dez anos separam as duas rosáceas, que têm o mesmo diâmetro: 12,9 metros.

Seu sucessor, Pierre de Montreuil, reformou as capelas do coro e da abside, e iniciou a substituição dos grandes arcobotantes de 15 metros de vão. Por seu lado, Pierre de Chelles edificou o púlpito e as primeiras capelas da abside. Elas foram concluídas por Jean Ravy, que deu início à construção do claustro de pedra historiado, em torno do coro e do santuário. Seu sobrinho Jean le Bouteiller e depois Raymond du Temple deram continuidade aos trabalhos. Estamos na segunda metade do século XIV.

Foi preciso esperar o reino de Luís XIV para que importantes renovações fossem realizadas. Em 1699, a fim de satisfazer o desejo de Luís XIII, foram efetuadas modificações no santuário e no coro, e o púlpito foi, infelizmente, demolido. Dos dois lados do novo altar-mor de Nicolas Coustou foram colocadas as estátuas do Rei-Sol e de seu pai.

NO SÉCULO DAS LUZES Em 1756, o interior foi considerado muito escuro e os vitrais da Idade Média foram substituídos por vidro branco. As rosáceas felizmente escaparam desse frenesi de transformação. Mas 1789 não poupou Notre-Dame, que sofreu as depredações do vandalismo revolucionário: as estátuas dos reis da galeria da fachada foram decapitadas. Reencontradas quase em sua totalidade em 1977, essas cabeças estão expostas no Museu Nacional da Idade Média, em Paris.

Depois de ter sido transformada em Templo da Razão, um acordo assinado em julho de 1801 devolveu Notre-Dame ao culto católico romano, o que ocorreria no ano seguinte. O edifício estava em um estado lamentável. Um grande pórtico efêmero de estilo neogótico foi construído diante da fachada para a coroação de Napoleão em dezembro de 1804, tanto para mascarar a degradação do edifício como para dissimular os estragos causados pelos revolucionários.

No decorrer das décadas seguintes, a destruição pura e simples do monumento foi cogitada. Mas Victor Hugo publicou, em 1831, Notre-Dame de Paris. O sucesso fenomenal de seu romance teve um papel essencial para sua salvação. Em 1844, sob Luís Filipe, a restauração foi decidida. Ela foi confiada a Eugène Viollet-le-Duc e a Jean-Baptiste Lassus, mas a morte do segundo em 1857 deixou o primeiro como o único arquiteto. “Restaurar um edifício”, escreveu Viollet-le-Duc, “não é fazer uma manutenção, uma reparação ou refazê-lo, é restabelecê-lo em seu estado completo, que pode nunca ter existido em um dado momento.”

Foi exatamente a isso que se dedicou o arquiteto com denodo e talento. Viollet-le-Duc conseguiu principalmente refazer o projeto de esculturas da catedral, inspirando-se em outras obras conservadas em Amiens ou em Chartres. Graças a ele, o pórtico central, ornamentado com o Juízo Final, retomou o estado original. Sua ampliação havia sido realizada por Soufflot no século XVIII. Assim, Viollet-le-Duc se inscreveu na linhagem dos construtores medievais. Aliás, ele se retratou como São Tomás, patrono dos arquitetos, no teto da catedral, contemplando “sua” flecha. As gárgulas, indissociáveis do universo de Notre-Dame, e cujas reproduções made in China são vendidas aos turistas, jamais existiram na Idade Média e foram acrescentadas pelo arquiteto. Uma delas é conhecida no mundo inteiro: a Stryge continua contemplando, do alto de sua galeria, os 14 milhões de pessoas que, todo ano, visitam a catedral.

Texto: Véronique Dumas.

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 


(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(COMUNIDADE DE NOTÍCIAS DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL ASK)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL STUMBLEUPON)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(REDE SOCIAL INSTAGRAM)

(ALBUM WEB PICASA)

(REDE SOCIAL FOURSQUARE)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL BEHANCE)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(REDE SOCIAL MYSPACE)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)

(BLOGUE LIVE JOURNAL LEANDRO CLAUDIR)

(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(BLOGUE BLOSPOT CONTATO)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL FACEBOOK LEANDRO HISTORIADOR)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR GERAL) 

(MARCADOR PESSOAL) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.