-

-

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Julgamento da História. Alessandro Pavolini, herói ou vilão?



Alessandro Pavolini, em 1938. Imagem: Metapedia.

Alessandro Pavolini (27 Setembro 1903, 28 Abril 1945) foi um político italiano, jornalista e ensaísta, conhecido principalmente pela sua relação com o regime Fascista durante a Segunda Guerra Mundial.  Nascido em Florença, Pavolini era filho de Paolo Emilio Pavolini, grande especialista em Sanscrito e outras línguas indo-europeias. Estudante brilhante, formou-se ao mesmo tempo em Direito pela Universidade de Florença e em Ciências Políticas na Univerisade de Roma La Sapienza, viajando constantemente entre as duas cidades.

Depois de se juntar ao movimento de Benito Mussolini em Florença, tomou parte em diversas ações dos Camisas-Negras, dirigindo uma esquadra durante a Marcha sobre Roma de 1922, o momento em que o Fascismo tomou o poder em Itália. A Pavolini foram confiadas tarefas no Campo Cultural, incluindo programas para a juventude lançados pelos fascistas, enquanto contribuia para várias públicações fascistas como Battaglie fasciste, Rivoluzione fascista e Critica fascista. 

 Pavolini aos 21 anos. Imagem: Isses.

Graças à sua amizade com o líder fascista de Florença, Luigi Ridolfi, iniciou uma carreira política como deputado de Ridolfi em 1927. De 1929 a 1934 foi líder local do Partido Nacional Fascista (PNF) em Florença, assim como editor da publicação fascista Bargello, para onde convidou vários intelectuais a contribuir.

Pavolini pretendia que o Fascismo fosse um regime cultural e aristocrático, tendo por isso iniciado uma série de eventos culturais que sobreviveram à queda do regime e à sua morte, incluindo a representação anual do tradicional Calcio Fiorentino (uma espécie de futebol da era renascentista), o Maggio Musicale Fiorentino e a Feira de Artesanato de Ponte Vecchio. Entre 1934 e 1942 foi colaborador regular
do jornal Corriere della Sera como convidado especial.

Depois de se tornar membro da direção do PNF em 1932, trocou a política local pela presidência da Confederação Fascista de Artistas, o que o levou até a uma posição de liderança no Conselho das Corporações. É nesse período que institui a Littoriali, uma espécie de olimpíadas culturais. Tomou parte na Segunda Guerra Italo-Abissínia como tenente inspector do esquadrão liderado por Galeazzo Ciano (grupo que foi chamado La Disperata) e como correspondente para o Corriere della Sera. Ao mesmo tempo, Pavolini publicava ensaios culturais e literários, tais como Disperata (1937) e Scomparsa d’Angela (1940). Em 1939 foi nomeado Ministro da Cultura Popular por Mussolini, ocupando esse cargo até 1943.

 Pavolini quando Secretário Geral do Partido Fascista Republicano. Imagem: Isses.

O desembarque dos Aliados na Sicília e a proclamação da República Sociale Italiana no Norte de Itália fizeram com que Pavolini fosse integrado no governo do novo Estado. Foi imediatamente promovido a secretário geral do reformado PNF, agora Partido Fascista Republicano (a primeira e única pessoa a ocupar esse cargo). 

É de sua a autoria os principais documentos da nova República assim como a responsabilidade da criação das Brigadas Negras. Nos últimos meses da RSI, foi um dos partidários do plano Ridotto alpino repubblicano, que defendia a retirada de todas as tropas fascistas para tentar uma resistência desesperada contra os Aliados. 

Alessandro Pavolini foi diversas vezes condecorado com as medalhas de:

·         Medaglia d'argento al valor militare (Guerra d'Etiopia).

·         Valor militare silver medal BAR.svg Medaglia d'argento al valor militare (Campagna di Grecia).

·         VolontarioAOI.png Medaglia di benemerenza per i volontari della campagna in Africa Orientale 1935-36.

·         FronteNord+.png Medaglia commemorativa delle operazioni militari in Africa Orientale (ruolo combattenti).

·         MarciaSuRoma.png Medaglia commemorativa della Marcia su Roma.

·         AnzianitaMVSN.png Croce di anzianità di servizio nella Milizia Volontaria Sicurezza Nazionale.

·         Croce di Ferro.png Croce di Ferro (Germania).

Alessandro Pavolini esteve presente em Portugal, por ocasião da inauguração da nova sede do Instituto Italiano de Cultura, instituído em 1936 no palacete,onde Pavolini (futuro ministro da cultura popular em 1939) apresentou duas conferências: uma sobre a organização corporativa italiana e outra sobre a arte fascista. Pavolini sempre viu na cultura um meio de interação entre as nações. 

A função primária do Instituto era efetivamente a de acompanhar as diretivas da conhecida Accademia Reale, órgão de cultura do governo fascista onde pertenciam muitos dos intelectuais e escritores da época como L. Pirandello, G. D’Anunzio, F. T. Marinetti. 

Ao final da II Guerra Mundial, Pavolini, foi capturado e executado por partisans (guerrilheiros formados em sua maioria por comunistas, anarquistas e socialistas de diversas vertentes políticas) em Abril de 1945, acabando o seu cadáver exposto na Piazzale Loreto, em Milão, ao lado de Mussolini e outros fascistas.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 
 





LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.