-

-

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Guerra Civil Espanhola ( 17-18 de julho de 1936 a 1° de abril de1939).


Francisco Franco, 1939. Imagem: umich.edu.

Por Félix Maier (Este autor concorda com o uso dos seus textos, desde que informem a autoria e o local da divulgação). 

A Guerra Civil foi o acontecimento mais dramático e traumático que ocorreu antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial. Nela estiveram presentes, em aberto enfrentamento, todos os elementos ideológicos, políticos e militares que marcaram o século XX. A guerra civil teve início após um pronunciamento dos militares ‘rebeldes’ nacionalistas liderados por Francisco Franco, entre 17 e 18 de Julho de 1936,  e terminou em 1° de abril de 1939, com a derrota dos republicanos comunistas.

****

“A Constituição de 1931 havia feito da Espanha uma ‘república democrática dos trabalhadores de todas as classes’, com separação entre Igreja e Estado, parlamento unicameral, regime parlamentarista, autonomia regional para o País Basco e para a Catalunha, sufrágio universal extensivo às mulheres e aos soldados. Os títulos de nobreza foram abolidos e decretou-se o divórcio. Uma lei agrária, de 15-IX-1932, permitiu a expropriação dos latifúndios. As propriedades das ordens religiosas foram postas à disposição da nação. (...) Tão drásticas reformas não chegaram a efetivar-se: perderam-se na violência generalizada, em greves e motins de toda sorte” (Barsa, Encyclopaedia Britannica do Brasil, Vol. 8, pg. 390 e 391).

 Situação da frente em novembro de 1938. Imagem: umich.edu.

Uma cruzada contra o comunismo 

A violência da esquerda se intensificou a partir de 1936: “Em junho, a violência piorou. A 16 de junho, Robles, num último aviso, leu em voz alta para as Cortes uma lista de ultrajes e atrocidades: 160 igrejas queimadas, 269 assassinatos (a maioria políticos), 1.287 casos de agressão, 69 destruições de escritórios políticos, 113 ‘greves gerais’, 228 greves parciais, 10 sedes de jornal saqueadas” (Paul Johnson, in "Tempos Modernos", pg. 273).

A República espanhola foi tomada pela polícia secreta de Stalin, pois o PC espanhol era controlado pela Embaixada russa, pelas unidades da NKVD e da OGPU, sob Alexander Orlov, e por figuras do Komintern, como o francês André Marty. 

As facções em luta no início do conflito (Verão de 1936); a zona nacionalista está em azul, a republicana em vermelho, e o verde expressa os avanços dos nacionalistas. Imagem: umich.edu

A guerra civil estourou no dia 17 de julho. Tropas do general Franco, aliadas dos monarquistas, classes conservadoras e falangistas se rebelam contra o Governo republicano dominado por liberais, radicais, socialistas, anarquistas, comunistas (tanto stalinistas quanto trotskistas), separatistas bascos e catalães, ocasionando a Guerra Civil (1937-39). 

Os republicanos da “Frente Popular” receberam ajuda militar do Reino Unido, México, França, URSS e, principalmente, das “Brigadas Internacionais”, formadas por 60.000 voluntários de todo o mundo. “A URSS limitou-se a enviar técnicos e ‘conselheiros’ desarmados, pagando-se, ao fim da guerra, com o seqüestro do ouro do Tesouro espanhol” (Barsa, Vol. 8, pag. 390) – o que comprova a íntima ligação entre o Governo “republicano” e os comunistas. 

Os nacionalistas de Franco contaram, ainda, com o apoio das organizações católicas e monárquicas, e receberam ajuda da Legião Condor, da Alemanha nazista, e de várias divisões de camisas-negras, da Itália fascista e de Portugal (Viriatos foi o nome genericamente dado aos voluntários portugueses que combateram na Guerra Civil Espanhola ao lado dos nacionalistas. O seu número total de membro da “Legião Viriatos” é matéria ainda controversa. Uma estimativa cautelosa aponta para um número máximo de 6000.

 Situação da frente em outubro de 1937. Imagem: umich.edu

Nessa Guerra, em 1937, foi feito o primeiro emprego maciço de bombas, pelos nazistas, contra
um alvo não-militar, a cidade de Guernica, a histórica capital dos Bascos, ocasião em que morreram mais de 1.000 pessoas. A tragédia serviu de inspiração para Pablo Picasso pintar uma obra-prima, a tela “Guernica”. Isso é o que diz a propaganda comunista. Na verdade, havia sido encomendado a Picasso uma tela para uma exposição em Paris. Essa tela, originalmente, apresentava a ação de um toureiro na arena e foi depois capciosamente chamada de "Guernica" para encobrir os crimes contra anarquistas e poumistas (veja verbete "Guernica", abaixo). “Os comunistas deveriam lembrar-se de que falar a verdade é preconceito pequeno-burguês. Uma mentira, por outro lado, é muitas vezes justificada pelo fim” (Lenin). Como se vê, para os comunistas, nada se cria, tudo se transforma.

 Cadaveres profanados por comunistas. Imagem: alaricotrombeta.

A técnica militar utilizada, de bombardeio em mergulho, em Guernica, foi um ensaio para os nazistas, que começariam a II Guerra Mundial no último ano da Guerra na Espanha. Durante a Guerra, foram inúmeras as atrocidades feitas pelos comunistas contra os católicos, especialmente frades e freiras, muitos deles canonizados pelo Papa João Paulo II. O clero era numeroso: 20.000 monges, 60.000 freiras, 35.000 padres, numa população de 24,5 milhões de pessoas. 

Estandarte da Legião Condor. Imagem: alaricotrombeta.

“Onze bispos, um quinto do total, foram assassinados, 12% dos monges, 13% dos padres também. Os chacinados foram reverenciados no famoso poema de Paul Claudel, ‘Aux martyrs espagnols’:
 
‘Soeur Espagne, sainte Espagne, tu as choisi!
Onze évêques, seize mille prêtres massacrés et pas une apostasie!’.

“Cerca de 283 freiras foram mortas, algumas estrupradas antes da execução. (...) Na provínvia de Ciudad Real, a mãe de dois jesuítas foi assassinada com um crucifixo empurrado garganta abaixo. O pároco do Torrijos foi açoitado, coroado de espinhos, forçado a beber vinagre; colocaram-lhe um pedaço de madeira amarrado às costas e foi então fuzilado, mas não crucificado. O bispo de Jaén foi assassinado juntamente com sua irmã, na frente de 2.000 pessoas; seu carrasco era uma mulher da milícia, a feroz ‘La Pecosa’ (A Sardenta). Alguns padres foram queimados vivos; alguns tiveram sua orelhas decepadas” (Paul Johnson, op. cit., pg. 273-4). 

 "Execução" do Sagrado Coração de Jesus por milicianos comunistas. A fotografia foi publicada no jornal londrino Daily Mail, com a legenda: "Vermelhos espanhóis em guerra sobre a religião". Imagem: Daily Mail.

Os republicanos (comunistas aliados a Moscow) atiraram 512 nacionalistas  num desfiladeiro, em Ronda, episódio utilizado por Ernest Hemingway em seu romance “Por quem dobram os sinos”. A vítima mais famosa foi o poeta comunista espanhol García Lorca, fuzilado provavelmente em 18 de agosto de 1936 (seu túmulo nunca foi encontrado). Salvador Dalí reagiu à notícia com um sonoro “olé!” de praça de touros. 

Viriatos, grupo de soldados portugueses voluntários que combateram na Guerra Civil Espanhola. Usavam o símbolo da Legião Portuguesa, pelo fato de servirem em diversas Legiões, sendo a realidade nunca ter havido uma "Legião Viriatos"

“Os assassinatos em Majorca (atrocidades fascistas) foram descritos pelo escritor católico Georges Bernanos em seu romance ‘Les grands cimetières sous la lune’. Mas Arthur Koestler, em seu ‘The Invisible Weiting’, também descreveu como as atrocidades fascistas foram produzidas na fábrica do Comintern, em Paris” (Paul Johnson, op. cit., pg. 275). 

 Bandeira da Espanha sob o regime franquista. Imagem: umich.edu

“Do lado nacionalista, 90.000 foram mortos em ação; do lado republicano, também 110.000 soldados morreram; havia 1 milhão de aleijados; 10.000 sucumbiram em conseqüência de ataques aéreos; 25.000 de desnutrição; 130.000, assassinados ou mortos atrás das linhas; e os restantes 500.000 estavam no exílio. (...) A destruição de tesouros foi imensa, desde a famosa biblioteca de Cuenca, até os primeiros quadros de Goya em seu lugar de nascimento, Fuentodos” (Paul Johnson, op. cit., pg. 284). 

Francisco Franco, Janeiro de 1971. Imagem: History.com.

Franco vence a Guerra e instala um governo nacionalista na Espanha, que volta à monarquia palarmentar somente em 1976.

Glossário:

Os verbetes abaixo foram extraídos de “Arquivos ‘I’ – uma história da intolerância”, de minha autoria, disponível em Usina de Letras, link “Artigos”.

GPU - Gossudarstviênnoie Politítcheskoie Upravliênie (Administração Política do Estado): designação da polícia secreta soviética, que substituiu a Tcheká, de fevereiro a dezembro de 1922, quando foi mudada para OGPU. No entanto, continuou sendo conhecida por GPU. Após a II Guerra Mundial, foi substituída pela NKVD. 

Guernica - Cidade santa basca, bombardeada pela Legião Condor, de Hitler, durante a Guerra Civil Espanhola (1936-39). Os nazistas forneceram um total de 10.000 homens, incluindo 5.000 da Legião do Condor, uma unidade experimental de tanques e aviões, e tiveram uma baixa de 300 homens. No dia 26 de abril de 1937, 43 aviões da Legião Condor bomardearam a cidade santa basca de Guernica, matando cerca de 1.000 pessoas e destruindo 70% dos edifícios. “Para os propagandistas do Comintern – os melhores do mundo – foi um golpe de sorte surpreendente, e eles transformaram esse episódio no mais celebrado de toda a guerra. Picasso, a quem já tinham encomendado um grande painel para o Pavilhão da Espanha, na Feira Mundial de Paris, se aproveitou do episódio: o resultado, mais tarde, foi levado para o Metropolitan de Nova Iorque. Guernica ajudou a levar todo um segmento da opinião ocidental, inclusive as revistas Time e Newsweek, para o lado dos republicanos. Seguiu-se uma confusão cujos ecos ainda puderam ser ouvidos nos anos 80, mas quando o quadro foi solenemente pendurado no Prado, os sons das chacinas de Barcelona passaram depercebidos. A maneira como usaram Guernica para encobrir a destruição do POUM era típica do brilhantismo da propaganda do Comintern, conduzida por dois inspirados mentirosos profissionais, Willi Muenzenberg e Otto Katz, ambos assassinados, mais tarde, por ordem de Stalin” (Paul Johnson, op. cit., pg. 281). 

KGB - Komitiét Gosudárstviennoy Bezopásnosti (Comitê Estatal de Investigação): criada por Felix Dzerzhinski, a KGB foi o órgão da polícia secreta soviética, ligado ao Conselho de Ministros. Foi a última transformação dos “Órgãos”, depois de 1953, e chegou a ter 1,5 milhão de agentes. Sucedeu ao MGB e foi substituído pelos Serviços Russos de Segurança (FSB).

Komintern - Kommunistítcheski Internatsional (Internacional Comunista - IC): órgão executivo da Internacional Comunista, criado por Lênin em 1919, no Congresso da Terceira Internacional. Seu primeiro chefe foi Zinoviev. Em seu segundo encontro, em 1920, participaram 37 países e Lênin estabeleceu os vinte e um pontos, que exigiam que todos os Partidos Comunistas modelassem suas estruturas em linhas disciplinares de acordo com o modelo soviético e excluíssem ideologias moderadas. Em 1943 Stálin dissolveu o Komintern, para atrair os democratas ocidentais para lutar em comum contra os nazistas, ocasião em que o controle dos PC passou diretamente para o CC/PCUS. Em 1947, ele foi reativado e reformado para Kominform, a fim de coordenar as atividades do comunismo europeu. Este, por sua vez, foi dissolvido em 1956. O Komintern teve participação na Intentona Comunista, no Brasil, em 1935, quando enviou agentes para o levante, incluindo o brasileiro Luís Carlos Prestes. Leia o livro “Camaradas”, de William Waack, e acesse http://www.ternuma.com.br/historia.htm para conhecer "Alguns crimes do PCB".

La Pasionaria - Apelido de Dolores Ibarruri, famosa líder comunista, originária de Bilbao, região basca da Espanha. “Os comunistas haviam conseguido eleger apenas 17 deputados – incluindo Dolores Ibarruri, ‘La Pasionaria’, que, segundo se dizia, teria cortado a garganta de um padre com os próprios dentes” (Paul Johnson, op. cit., pg. 272). Após a derrota dos “republicanos” (comunistas e anarquistas), na Guerra Civil Espanhola, “La Pasionaria” mudou-se para Moscou e assumiu o Secretariado Latino-Americano do Komintern (BSA). 

La Pecosa - “A Sardenta”: mulher feroz, pertencente à milícia comunista, atuante na Guerra Civil Espanhola, que foi o carrasco que assassinou o bispo de Jaén e sua irmã, na frente de 2.000 pessoas.

NKVD - Naródni Kommissariat Vnutriênnikh Diel (Comissariado Popular do Interior): órgão da polícia secreta russa, de 1934 a 1943, que substituiu o GPU. 

OGPU - Obiediniónnoie Gossudarstviênnoie Politítcheskoie Upravliênie (Administração da Polícia Política do Estado - GPU Unificada): nome da polícia política russa, também conhecida como “Os Órgãos”, em atuação de 1922 a 1934; unificados ao nível da URSS (a polícia política foi fundada por Lênin e Trotsky, em 1917). 

Patrulha da madrugada - Gangue assassina, atuante na Guerra Civil Espanhola, dirigida pelo chefão da juventude comunista, García Attadell, que acumulou pilhagens para fugir para a América do Sul, mas foi garroteado na prisão de Sevilha. Muitos desses assassinos se aperfeiçoaram com a polícia secreta soviética mandada a Barcelona. “No total, a esquerda parece ter assassinado cerca de 55.000 civis (o Santuário Nacional, em Valladolid, possui uma lista de 54.594), incluindo cerca de 4.000 mulheres e várias centenas de crianças” (Paul Johnson, op. cit., pg. 274). Havia outras gangues assassinas da esquerda, conhecidas como ‘checas’: Linces da República, Leões Vermelhos, Fúrias, Spartacus, Força e Liberdade. Só em Madri havia dúzias dessas gangues – a pior de todas sendo a Patrulha da madrugada.

POUM - Partido Obrero de Unificación Marxista (Partido Operário de Unificação Marxista), Espanha: comunistas anti-stalinistas. Na Guerra Civil Espanhola (1936-39), integrantes do POUM e anarquistas foram massacrados por comunistas pró-Stalin. “Mais cedo ou mais tarde a Espanha teria de suportar uma guerra civil entre os da esquerda. Esta guerra explodiu em Barcelona, na primavera de 1937, com os comunistas combatendo do POUM e os anarquistas. O pretexto imediato, como na Guerra Civil total, foi o assassinato político de um comunista importante, Roldán Cortada, possivelmente por ‘uma patrulha de controle’ anarquista, e mais possivelmente ainda pelo agente Ernö Gerö, do Comintern. Ambos os lados tinham exércitos particulares, forças da polícia secreta, gangues de bandidos assassinos. O slogan do POUM era ‘Antes de renunciar à revolução, nós morreremos nas barricadas’. Os comunistas entoavam: ‘Antes de capturar Saragossa, nós temos que tomar Barcelona’. (...) Durante o resto do ano de 1937 e al longo de 1938, vários milhares de membros do POUM e outros esquerdistas de diversas denominações foram executados ou torturados até a morte nas prisões comunistas. Incluía-se aí um grande número de estrangeiros, tais como o ex-secretário de Trotsky, Erwin Wolff, o socialista austríaco Kurt Landau, o jornalista britânico ‘Bob” Smilie e um professor da Universidade John Hopkins, José Robles. Entre aqueles que conseguiram escapar estavam Orwell e Willy Brandt, o futuro chanceler alemão” (Paul Johnson, op. cit., pg. 279- 80). Orwell é o autor do livro “Nineteen Eighty-Four” (1984), em que o modelo de herói, Goldstein, preferiu morrer sob tortura a confessar (Há um filme homônimo, “1984”). Os católicos também foram perseguidos pelos comunistas, que mataram 25% dos padres do país (o Papa João Paulo II beatificou 471 mártires). 

Quinta-coluna - Criado durante a Guerra Civil Espanhola (1936-39) para designar os que, dentro de Madri, apoiavam as quatro colunas rebeldes que marchavam contra aquela cidade. Pessoa (estrangeira ou nacional) que atua sub-repticiamente num país em guerra ou em via de entrar em guerra com outro, preparando ajuda em caso de invasão ou fazendo espionagem ou propaganda subversiva.

Tcheká - Tch. K.: Tchezvitchainaia Kommíssio (Comissão Extraordinária de Luta contra a Contra-Revolução e a Sabotagem): o mais antigo nome da Polícia Secreta soviética, funcionou de 1917 a 1922, quando foi substituída pela GPU. Criada em 12 Nov 1917 por decreto do Sovnarkom, ficou sob comando de Félix Dzerzhinsky, polonês fanático, e tinha por objetivo “combater a contra-revolução e a sabotagem”. Esse decreto só veio a público 10 anos depois (Pravda, 18 Dez 1927); “portanto, a força de segurança permaneceu uma polícia secreta no sentido mais puro, já que sua verdadeira existência não foi oficialmente reconhecida” (Paul Johnson, op. cit., pg. 54). A Tcheká ocupou um grande edifício de uma companhia de seguros, na Praça Lubyanka, em Moscou; dentro havia uma “prisão secreta” para suspeitos políticos. “Nos primeiros 6 meses de 1918, de acordo com os registro oficiais, a Tcheká executou somente 22 prisioneiros. Na segunda metade do ano ocorreram 6.000 execuções e nos 12 meses de 1919, mais ou menos 10.000. W.H. Chamberlain, o primeiro historiador da Revolução, uma testemunha ocular, calculou que por volta de 1920 a Tcheká tinha aplicado 50.000 sentenças de morte” (Paul Johson, op. cit., pg. 55-6). 









Você quer saber mais?

BARSA. Encyclopaedia Britannica do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, 1992.

JOHNSON, Paul. "Tempos Modernos - O mundo dos anos 20 aos 80", Biblioteca do Exército e Instituto Liberal, Rio de Janeiro, 1994. Tradução de Gilda de Brito Mac-Dowell e Sérgio Maranhão da Matta.

MAIER, Félix. "Arquivos I - uma história da intolerância", obra em andamento, já disponível em Usina de Letras.











LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.