-

-

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Hitler teria tido filho com jovem francesa de 16 anos


Comparação entre as fotos de Adolf Hitler e as de seu suposto filho Jean-Marie Loret.

O líder nazista Hitler teria tido um filho fruto de um relacionamento com uma jovem francesa de apenas 16 anos, de acordo com matéria divulgada pela revista "Le Point". Ele teria engravidado Charlotte Lobjoie durante a Primeira Guerra, em 1917, e deste breve relacionamento nasceu Jean-Marie Loret, em 1918. Ele morreu em 1985, aos 67 anos, com a certeza de que era filho de Adolf Hitler.

Quando ainda não sabia quem era seu pai, o jovem defendeu a França contra as forças alemãs durante Segunda Guerra, em 1940. A mãe sempre evitou falar sobre o pai e entregou o filho para a adoção no início dos anos 30. Hitler teve pouco contato com a criança, mas se comunicava com a mãe. Charlotte só revelou a verdade ao filho pouco antes de sua morte, nos anos 50.

Movido pela curiosidade de descobrir suas raízes, Jean-Marie realizou exames e verificou que tinha o mesmo tipo sanguíneo e uma caligrafia semelhante à de Hitler. No sótão da casa da mãe, ele encontrou quadros assinados por Hitler. Na Alemanha, foi descoberto um retrato de uma mulher bastante parecida com Charlotte. Além disso, documentos oficiais do exército alemão indicam que foram

enviados envelopes com dinheiro a Charlotte durante a Segunda Guerra.

 Jean-Marie Loret (Suposto filho de Adolf Hitler).

Durante a I Guerra Mundial, em 1914 Hitler servia no exército alemão, e estavam em uma batalha contra as tropas francesas perto de Seboncourt na Picardie. Ocasionalmente, os soldados são enviados de volta para se recuperar, recuperar a força e às vezes se diivertir. Em Fournes-in-Weppe, uma pequena cidade a oeste de Lille, Hitler encontrou Charlotte Lobjoie, uma jovem de apenas 16 anos.

"Um dia eu estava arrumando o feno, com outras mulheres, quando vimos um soldado alemão, localizado do outro lado da rua, revela a seu filho Jean-Marie  muitos anos depois. Ele tinha uma espécie papelão e parecia desenhar. Todas as mulheres acharam este soldado interessante e mostraram-se curiosas para saber o que ele estava desenhando."

O desconhecido é atencioso e simpático, e até amigável com as jovens camponêsas. Assim começou um relacionamento com Charlotte Lobjoie que vai durar várias semanas.

"Quando seu pai estava comigo muito raramente  ele gostava de me levar para passear no campo, seu pai ficava muito inspirado com a natureza.” 

Uma noite, em junho de 1917, Hitler voltou um pouco bêbado para se encontrar com Charlotte, e nessa noite ficamos juntos. Em Março do ano seguinte nasceu um filho. Nos olhos das crianças locais, Jean-Marie era um "bastardo." Muitas vezes ele dava um soco em seus colegas  para lavar essa infâmia. Os anos passam, e Charlotte se recusa a comentar sobre as misteriosas circunstâncias do nascimento de seu filho. Com grandes dificuldades financeiras Charlotte, desistiu do seu filho e o entregou  sob a custódia de um casal com melhores condições financeiras. Esta "nova família" acabará por adotar um filho de Hilter, o homem que levaria o mundo a guerra. Seu "pai real" não o reconhece, se recusa a vê-lo, mas continuou a procurar notícias de sua mãe.
 
Poucas semanas antes de morrer no início dos anos cinquenta, Charlotte confessa ao filho a verdadeira identidade de seu pai. O choque é terrível. "Para não cair na ansiedade, eu trabalhei incansavelmente, sem tirar férias, sim distração: 20 anos sem entrar em uma sala de cinema", disse Jean-Marie Loret contada em seu livro que ele publicou na indiferença geral, em 1981, publicado pela Universidade ea Educação Moderna.

Desde meados dos anos setenta, já adulto e pai, Jean-Marie Loret deseja formalizar a sua descoberta triste.
 
Contratou
os serviços de um historiador, para descobrir as cenas de sua infância, poucas testemunhas interrogadas e uma diligente uma série de pesquisas: um método para identificar conhecimentos no aspecto comparativo, outra do Instituto de antropologia e Genética da Universidade de Heidelberg, que mostra em particular que pai e filho têm o mesmo tipo de sangue, uma comparação entre Adolf Hitler e Jean-Marie psychographologique Loret e uma comparação dos escritos de caligrafia de ambos. Todos chegam à mesma conclusão. Jean-Marie Loret é provavelmente o filho de Adolf Hitler.
 
Esta tese tem sido sempre uma grande disputa entre os historiadores. No entanto, outros aspectos preocupantes emergem: ficou estabelecido que, durante a ocupação, os oficiais da Wehrmacht trouxeram envelopes de dinheiro para Charlotte. Com a morte de sua mãe, Marie Jean Loret descobriu no sótão da casa da mãe pinturas assinadas "Adolf Hitler", enquanto na Alemanha encontraram uma mulher em uma pintura que parecia com sua mãe.

"Quando se trata de mim em 1979, lembra mestre Gibault, tenho diante de mim um pouco perdido um homem que não sabe se quer ser reconhecido como o filho de Adolf Hitler ou quer tirar o assunto a limpo somente . Este golpe de uma caneta Ele experimenta os sentimentos de muitos filhos ilegítimos.O desejo de encontrar um passado tão pesado quanto for, mas o medo de voltar as vezes é grande. Certamente, ele poderia reclamar uma parte dos royalties de Mein Kampf, e porque não, contas bancárias de que o Führer tinha talvez abertas na Suíça, mas 60 anos era razoável? Alguns meses mais tarde, Jean-Marie Loret publica um livro que vai passar despercebida.

Ironicamente, Jean-Marie Loret alistou-se em 1939  no batalhão que lutou na frente da Linha Maginot. No ano seguinte, sua unidade liderou uma violenta batalha contra as tropas alemãs nas Ardenas, em 1940. Durante a ocupação foi ainda contactado pela rede de Resistência OCM (organização civil e militar), na qual ele carregava o nome de "Clemente". Ignorando suas origens, transforma-se naturalmente em parte da resistência contra os exércitos de Hitler.

 
COPYRIGHT – DIREITOS AUTORAIS.

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Você quer saber mais? 










LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.