-

-

domingo, 21 de novembro de 2010

Líder da Revolta da Chibata afirma “ter participado da Ação Integralista Brasileira (1932-1937)”

Líder da Revolta da Chibata afirma “ter participado da Ação Integralista Brasileira (1932-1937)” em depoimento presente no Museu da Imagem do Som – MIS, no Rio de Janeiro.

Imagem do Jornal do Brasil relatando a Revolta da Chibata ocorrida no Rio de Janeiro em 1910. Imagem: Acervo CPDocJB
CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Autor: Jorge Figueira*


No dia 28 de março de 1968, através do ciclo de História Contemporânea do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, foi registrado um depoimento de João Candido, líder da Revolta da Chibata, com o objetivo de resgatar a memória histórica do líder negro salvando-o da extinção e o consagrando como uma das principais fontes de informação sobre o assunto.

Participaram da entrevista o historiador Helio Silva, a jornalista Dulce Alves, o superintendente, Sergio Junqueira e o diretor executivo do museu Ricardo Cravo Albim, além do filho caçula de João Candido.

A entrevista que deveria ocorrer de forma organizada, se transformou em um verdadeiro interrogatório promovido pelo historiador Helio Silva, (figura critica da Ação Integralista Brasileira). As perguntas foram feitas de forma anacrônica, em diversos momentos foram interrompidas por outras perguntas causando confusão deixando perguntas (algumas relevantes) sem respostas. Até os dias de hoje, nenhum pesquisador veio a publico criticar a forma em que foi administrada esta entrevista.
Algo, porém surpreendeu o pesquisador Helio Silva durante a entrevista: a afirmação emblemática do líder negro João Candido que pertenceu às fileiras da Ação Integralista Brasileira – AIB e que até hoje se considera Integralista, demonstrando que as afirmações feitas pelo próprio Helio Silva em seus trabalhos sobre Integralismo, onde afirma que o Integralismo é racista e autoritário não condizem com a verdade, uma vez que a presença do principal integrante da Revolta da Chibata é negro e defensor da democracia.
Em 1933, João Candido, ingressou na Ação Integralista Brasileira, tornando-se um dos principais lideres do movimento no Rio de Janeiro. Em julho de 1937, passou a fazer parte da Câmara dos Quatrocentos, importante órgão da AIB que congregava diversas personalidades do movimento, demonstrando desta forma o caráter democrático e diferenciado de outros movimentos políticos brasileiros da sua época.

Aos que desejarem ter acesso ao depoimento na integra, poderão se encaminhar ao MIS-RJ, localizado na Praça Luiz Souza Dantas (antiga Praça Rui Barbosa), 01, Praça XV, Rio de Janeiro.

Você quer saber mais?

http://cafehistoria.ning.com/profile/JorgeFigueira

http://www.integralismorio.org

Rússia cooperará com escudo antimísseis, diz Otan.

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) anunciou neste sábado que a Rússia concordou em cooperar com o sistema de defesa antimísseis da aliança.

O secretário-geral da organização, Anders Fogh Rasmussen, disse na cúpula do grupo, em Lisboa, que os dois lados concordaram em assinar um documento dizendo que não representavam mais uma ameaça um ao outro.

Segundo Rasmussen, é a primeira vez que os dois lados cooperarão para se defenderem. Integrada por Estados Unidos, Canadá e por grande parte dos países europeus, a Otan rivalizou com a aliança militar liderada pela União Soviética durante a Guerra Fria (1945-1991).

Presente ao encontro, o presidente russo, Dmitry Medvedev, disse que “um período de relações muito tensas e difíceis foi superado”. A cúpula da Otan foi a primeira com presença russa desde a guerra da Rússia contra a Geórgia, há dois anos.

Segundo o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a Otan e a Rússia “transformaram uma antiga fonte de tensão numa fonte de cooperação”.

Em discurso, Obama voltou a pedir ao Senado americano que aprove um tratado, negociado com a Rússia, que prevê a redução de estoques nucleares dos dois países e inspeções mútuas.

Escudo antimísseis

Na cúpula, membros da Otan já haviam concordado em desenvolver um programa conjunto de defesa contra ataques de mísseis balísticos em seus territórios.

O sistema visa alertar os países membros sobre ataques de mísseis para que possam ser interceptados.

Rasmussem disse ter pedido à Rússia que cooperasse com o programa e ter ficado “muito satisfeito que Medvedev tenha aceitado a oferta”.

Ele classificou o acordo de “uma verdadeira reviravolta”.

O sistema deverá entrar em vigor até 2020 e terá custo previsto de 1 bilhão de euros (R$ 2,34 bilhões).

Segundo uma fonte da área técnica da aliança, deverão ser integrados vários sistemas que estão sendo montados pelos membros da aliança.

O anúncio de cooperação ocorre após Barack Obama suspender, neste ano, planos de seu antecessor, George W. Bush, de construir um escudo antimísseis que teria bases na Polônia e na República Tcheca.

Moscou considerava o plano americano uma ameaça à soberania russa.

Troca de informações

Segundo o secretário-geral da Otan, russos e membros a aliança trocarão informações sobre ameaças ao território europeu provenientes do céu e poderão eventualmente cooperar para derrubar algum míssel.

Apesar do acordo, o presidente russo disse que muitos detalhes do escudo ainda eram incertos e que o esquema “só será pacífico quando for universal”.

Rasmussem afirmou também que a Rússia concordou em permitir a passagem por seu território de mais suprimentos para as tropas da Otan no Afeganistão.

Ele disse que também haverá cooperação com Moscou em áreas como terrorismo, armas de destuição em massa, pirataria e narcotráfico.

*Com reportagem de Jair Rattner, de Lisboa para a BBC Brasil

Você quer saber mais?

http://www.bbc.co.uk/

O que é Aristarquia?

O Conceito de Aristarquia.



Aristarquia representa a moderna releitura do conceito grego de aristocracia democrática. Significa, literalmente, governo dos melhores, dos sábios, daqueles, dentre a população, que apresentam superioridade não só intelectual, mas também moral. A maioria dos ideais políticos modernos – justiça, liberdade, governo constitucional – surgiu na Grécia antiga. Foram os gregos, em especial Platão (427-347 a.C.) e Aristóteles (384-322 a.C.), os primeiros a lançar as sementes da filosofia política.

Na República platônica vamos encontrar dois problemas fundamentais: descobrir um meio eficaz de impedir que os inaptos e os aventureiros tomem o poder; e selecionar os melhores para o governo da comunidade. Para Platão, o termo aristocracia se funda na virtude, na sabedoria, e na seleção dos mais aptos para dirigir o Estado rumo ao verdadeiro Bem. Democracia, por sua vez, significa igualdade de oportunidades para o exercício da política. Assim, os governantes não serão eleitos graças às artimanhas políticas daqueles que controlam as eleições, mas em virtude de sua própria aptidão. Com efeito, ninguém poderá exercer cargos públicos sem prévia educação especializada, nem ocupar os postos mais elevados sem ter, antes disso, exercido com dignidade os inferiores. A comunidade deve, assim, ser dirigida pelos seus melhores, dentro do princípio da aristocracia democrática.

Aristóteles, que era conservador, corrobora o pensamento de seu mestre, Platão. Afirmava que, na verdade, como o povo é facilmente iludido e vacilante em suas posições, o direito de sufrágio deve ser atribuído somente aos mais capazes, sem distinções de nascimento ou riqueza. O poder deve ser confiado aos cidadãos mais esclarecidos. A corrupção da democracia acarreta a demagogia, que é o império do desgoverno das massas, levadas à deriva pelos demagogos, que a utilizam a bel-prazer. Não há, nas massas, vontade organizada, isto é, vontade expressa por órgãos legítimos. Por isso, Aristóteles igualmente considera que teoricamente a forma ideal de governo seria a mescla da Aristocracia com a Politéia.

Definimos como aristárquico qualquer sistema de governo suficientemente democrático, para que qualquer cidadão possa vir a ocupar as funções públicas superiores, participando da gestão do Estado; e suficientemente aristocrático, para que o acesso a tais funções seja vedado àqueles despreparados para a vida pública.

Você quer saber mais?

http://www.cruzada.ws/

Contato:

E-mail: viirgilio@gmail.com

Telefone: (61) 8122-1848

Psicologia das massas, Parte III.

Manipulações Ocultas.

Quando queremos algo, o mais fácil é pedir o que queremos. A outra pessoa pode ou não nos proporcionar o que desejamos, porém a comunicação permanece limpa e visível. No entanto, há muitas pessoas que consideram que pedir algo diretamente vai contra os seus princípios, que não tem o direito de fazê-lo ou que é uma falta de educação; já outras acreditam que não se deva pedir, porque se a outra pessoa gosta dela, adivinhará suas necessidades. Nestes casos, o que geralmente se faz é manipular os outros.

1. Culpar e julgar. Há pessoas que se dedicam a culpar a quem não responde imediatamente a suas necessidades. Baseiam a sua estratégia em atacar o sentimento e o pensamento que as pessoas tem sobre eles. Sabem o seu ponto fraco e é ai onde atacam. Para isso utilizam diferentes estratégias, que vão das suaves, delicadas, irônicas e divertidas, passando por aquelas que giram ao redor de interrogações irracionais, e que depois de rejeitadas, aparecem de maneira “lógica”. A efetividade de ambas estratégias é temporal, já que uma vez que as pessoas envolvidas começam a percebe-las claramente, deixam de responder aos ataques.

2. Fomentar a culpa. Os que se utilizam desta estratégia fazem que os outros se sintam culpados por não ajuda-los, pois tratam de despertar esse sentimento que as pessoas tem de ser boas com os outros e serem úteis à sociedade. Desta forma, as pessoas que não respondem a essas necessidades se sentem culpadas por isso e em falta com os demais. O que eles buscam é que ainda se tenha uma certa atitude de rejeição interior com respeito a quem ele fomenta a culpabilidade, para que elas façam o que ele deseja.

3. Fomentar a pena. Mediante uma atitude de pena e abandono buscam chamar a atenção e a simpatia das pessoas; fazem isso com diferentes táticas, ainda que com o passar do tempo essa estratégia deixe de funcionar, já que para as pessoas que estão à sua volta, a situação começa a se tornar insuportável.

4. Chantagem. Utilizando diferentes estratégias de ameaça, o chantagista busca não liberar algo útil para os demais. Se as técnicas não são as corretas, pouco a pouco elas irão perdendo a efetividade e terminarão por não funcionar mais. Quem se utiliza desta técnica terá que levar em conta que ela pode ser prejudicial a ele mesmo, já que pode criar uma situação de rejeição nas pessoas que ele tenta chantagear.

5. Suborno. O manipulador que se utiliza desta técnica tem um falso interesse pela outra pessoa, somente porque deseja algo dela. O tempo de efetividade também é escasso, mas caso ela prossiga, pode acarretar uma situação de rejeição pelas demais pessoas.

6. Apaziguar. Quem se utiliza desta técnica tem uma atitude muito diferente das anteriores, já que busca conseguir uma atitude positiva dos demais com respeito a ele. Não gosta nada do conflito e por isso trata de evitá-lo de qualquer maneira. São pessoas agradáveis, com uma atitude positiva para o fato de ter que pedir desculpas e acreditam que devam fazê-lo, buscando com isso serem aprovados; com essas táticas conseguem dos outros o que querem, já que elas “devem” isso a ele, porque ele já fez algo semelhante anteriormente por eles. Com essa estratégia, buscam que os demais sejam como eles. O problema desta estratégia reside no fato de que em muitas ocasiões, depois de haver realizado coisas pelos demais, estes não respondem à altura, cumprindo sua parte no trato.

7. Ser frio. O manipulador que tem uma atitude fria com respeito aos demais, quer deixar claro que não conseguirão nada dele; trata de intimida-los; o que ele consegue no final das contas é que as pessoas não confiem nele.

8. Desenvolvendo doenças. Esta técnica é utilizada quando as estratégias mencionadas anteriormente não surtem os efeitos desejados, ou seja, conseguir o que se estava buscando.

Você quer saber mais?

http://www.pnlnet.com/chasq/a/2483

http://site.suamente.com.br/

Psicologia das massas, Parte II.

A Manipulação-Agressividade: Ativa e Passiva.

Os MC são muito imaturos. Não sabem se comportar assertivamente, e resolvem seus problemas recorrendo a condutas agressivas.

Há duas formas de agressividade:

Ativa: empregam ameaça ou violência.

Passiva: Mediante sabotagem, ou a inibição e crítica/ameaça posterior.

Os manipuladores são pessoas imaturas. Não tem alcançado o desenvolvimento intelectual suficiente para resolver os problemas de uma forma criativa, não são capazes de sentir amor maduro por nada nem ninguém, e ainda que são muito capazes em amplas reuniões, tem um alto déficit de habilidade social básica para o desempenho cotidiano: A assertividade.

Uma Pessoa se comporta assertivamente quando define seus direitos de uma forma ativa, porém sem pisotear aos demais. Isto requer uma ascensão de responsabilidade pelo próprio bem estar, com tolerância e respeito pelos pontos de vista e metas dos demais, além de uma luta ativa para não ser pisoteado por quem não é assertivo.

Não vivemos em meio assertivo. Nossa sociedade se caracteriza por uma competitividade feroz em que se fala em direitos que não se respeitam.

Ser assertivo custa trabalho, e nem sempre se consegue que se flua como pensávamos. Para triunfar nessa sociedade é indiscutivelmente mais fácil ser agressivo.

As pessoas agressivas impõe seu ponto de vista, sua definição do problema, seus direitos ou a satisfação de suas necessidades, empregando estratégias que geram medo, culpa ou vergonha, pode ser de forma “relativamente” sutil através do enfado, mas também mediante violência física ou verbal. É uma estratégia muito efetiva, porém se é demasiada explícita pode se ver severamente castigado pela sociedade.

A agressividade pode se exercer de duas formas: Ativa ou Passiva. A Ativa é o que todo mundo entende por conduta violenta. Se caracteriza por uma atitude de pisoteio constante e sem escrúpulos em relação aos direitos de outras pessoas involucradas no problema. Aqui o fim justifica os meios e se pode recorrer a instrumentos como o taco de beisebol, também se pode fazer “com um sorriso nos lábios” como acontece nas relações empresariais. Se não há violência física, é bem tolerada pelo meio social.

A agressividade Passiva é muito mais difícil detectar. Tradicionalmente se considerou que se produzia em forma se sabotagem. Os trabalhadores passivo-agressivos eram aqueles que punham todo tipo de trava nas atividades da empresa. Há outra concepção, e é a seqüencial: Pessoas que se comportam primeiro passivamente, aparentando renunciar seus direitos, e que percebem que o resultado não é favorável, tratam de se comportar agressivamente. Empregam, primeiramente a estratégia de “passar”, e posteriormente ameaçam ou criticam.

Você quer saber mais?

http://www.pnlnet.com/chasq/a/2483

http://site.suamente.com.br/

Psicologia das massas, Parte I.

Manipulação!

Não se pode sobreviver a um conjunto de manipuladores cotidianos sem saber em que consiste isso de manipulação.

É o mesmo Manipulação e chantagem emocional, o assédio moral e o tão traído e atualmente chamado mobbing? Não, porém quase.

Podemos dizer que há um conjunto entre todas as formas de abuso interpessoal. Em principio podemos encontrar a manipulação como algo sutil, as vezes imperceptível.
Quando a manipulação é insuficiente se recorre à chantagem emocional: Fazer sentir medo, culpa, ou vergonha, e exercer um grau variável de poder sobre essa pessoa. Se a chantagem tampouco funciona, começa a possibilidade de empregar a agressão física. O assédio moral, especialmente quando se exerce no meio laboral(mobbing) supõe um grau elevado de poder por parte da pessoa que o exerce.

No fundo, é tudo a mesma coisa: Inseguridade do manipulador, que emprega técnicas para resolver seus problemas baseados na agressividade ativa ou passiva. Este indivíduo tem um importante déficit de habilidades sociais, especialmente no plano da conduta assertiva, que o leva a empregar primeiro meios sutis para conseguir que os demais façam o que ele quer, e depois cada vez mais agressivos até chegar à violência pura e dura.

Não acredite que o mundo está dividido entre manipuladores e não manipuladores. Melhor façamos a distinção entre “quem neste momento emprega estratégias de manipulação” e “quem neste momento não está podendo resistir às estratégias de manipulação dos outros”. Que eu saiba, ainda em nenhum manual de critérios diagnósticos aparece tipificado algo como “Manipulador Cotidiano” (o dia em que apareça fecho meu quiosque, tenha certeza)

Ainda que não se possa dizer de alguém que “é um manipulador cotidiano” assim como definir sé alguém é alto ou baixo, sei que há pessoas que tem mais motivos para se comportar desta forma. Aqui vamos conhecer algo mais sobre quem soa atuar assim.
Comecemos conhecendo suas pautas comunicativas mais habituais. Essa frases ou expressões que devem te por automaticamente sobre aviso que está sofrendo uma tentativa de aproveitamento sobre você.

Continuaremos conhecendo suas estratégias um pouco mais profundas, seus princípios ou esquemas, o que tenho chamado “seus recursos”
E, para terminar, que melhor que seus pontos débeis? Este ponto quase não haveria o que dizer, porque bastaria em escutar o que eles dizem. Como projetam suas falhas nos demais…

Você quer saber mais?

http://www.pnlnet.com/chasq/a/2483

http://site.suamente.com.br/

Agradecimento:

TRADUTORA: DANIELA BITNER – CONTATO: dani_bitner@hotmail.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.