-

-

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A COMPETIÇÃO NA NATUREZA


Mariana de Senzi Zancul, Bióloga

Competição é o uso ou defesa de um recurso por um indivíduo que reduz a disponibilidade daquele recurso para os outros indivíduos. No seu sentido mais amplo a competição se refere à interação de dois organismos que estão à procura da mesma coisa, como por exemplo, alimento, território ou luminosidade. Além disso, a competição é um fator regulador da densidade populacional.

Num ecossistema, sempre se encontram casos de indivíduos que compõem a biocenose (conjunto de populações de diferentes espécies que vivem numa mesma região) e necessitam do mesmo fator. Ocorre uma verdadeira disputa, que se torna especialmente importante se esse fator não existir em quantidade satisfatória para todos.

A competição acontece quando duas ou mais espécies exploram os mesmos recursos e quando estes recursos são pouco abundantes. Por exemplo, duas espécies de pássaros, que vivem no mesmo ambiente e que se alimentam dos mesmos insetos.

Competição é um dos mais importantes mecanismos em que as atividades de um indivíduo acabam afetando o bem estar dos outros, sem levar em conta se estes indivíduos são da mesma espécie ou de espécies diferentes.

Quando a competição ocorre entre indivíduos da mesma espécie é chamada de competição intra-específica, e quando ocorre com indivíduos de espécies diferentes é conhecida por competição interespecífica.

A competição intra-específica está muito relacionada com as mudanças evolutivas, pois é este tipo de competição que regula o tamanho da população, fazendo com que os indivíduos que têm fatores genéticos mais eficientes na própria maneira de explorar recursos, possam produzir mais descendentes. Quanto mais superlotada uma população, mais forte é a competição entre os indivíduos. Um exemplo de competição intra-específica é a que ocorre com beija-flores da mesma espécie que se atacam.

A competição interespecífica é causadora de efeito mutuamente depressor nas populações de ambos os competidores, uma vez que cada espécie contribui para a sua própria regulação populacional e regulação da outra espécie também, o que pode acarretar na eliminação da alguma das espécies.

Um exemplo de competição interespecífica é o que ocorre entre espécies de trevo, Lemna gibba e Lemna polyrrhyza, cada uma das espécies cresce bem sozinha, mas Lemna gibba sempre elimina Lemna polyrrhyza, quando crescem juntas. L. gibba cresce e forma uma cobertura sobre a outra espécie, que acaba morrendo.

As populações são consumidoras de recursos e o resultado da competição depende das eficiências relativas com as quais elas exploram seus recursos comuns. A competição e seus vários resultados dependem da relação dos consumidores com seus recursos.

Recurso é qualquer substância ou fator consumido por um organismo e que pode levar a taxas de crescimento populacionais crescentes à medida que sua disponibilidade no meio ambiente aumenta. Duas observações podem ser feitas a respeito desta definição: o recurso se reduz quando consumido e o recurso é usado pelo consumidor para sua manutenção e crescimento.

Os recursos podem ser divididos em recursos renováveis e recursos não renováveis. Recursos renováveis são constantemente regenerados. Os recursos não renováveis, não podem ser regenerados.

À medida que uma população cresce, suas exigências totais de recursos também aumentam. Um fator que pode limitar o crescimento de uma população é a disponibilidade de recursos em relação à demanda.

A competição entre membros da mesma espécie e de espécies diferentes pode ser de duas formas: competição por exploração e competição por interferência. A primeira pode ocorrer entre indivíduos que não têm contato físico nenhum e ocorre quando um indivíduo consome um recurso tornando-o não disponível para os outros. A competição por interferência necessita da interação direta entre os indivíduos competidores e um deles será derrotado.

A ocorrência de cada um destes mecanismos de competição depende das capacidades dos organismos e dos habitats onde eles ocorrem.

As conseqüências da vida social não são sempre benéficas. A existência de competição é inevitável na vida dos indivíduos. Nem sempre os recursos são suficientes, e mesmo que sejam abundantes, poderá ocorrer competição em torno dos recursos de melhor qualidade.

De um modo geral, tanto o esforço despedido por um indivíduo numa situação de competição, como o risco que ele assume durante uma luta, são proporcionais à perda potencial, no caso de perder, e aos ganhos, no caso de vencer.

Existem muitas conseqüências evolutivas originadas da competição. Por exemplo, a seleção natural em ambientes saturados favorece a capacidade competitiva. O efeito evolutivo de maior alcance da competição interespecífica é a diversificação ecológica, também chamada de “separação de nichos”. O resultado da competição intra-específica e da competição interespecífica é o aumento da eficácia na utilização de recursos pouco abundantes.

Você quer saber mais?

DEAG, J. M. O Comportamento social dos animais. Temas da biologia, v.26. São Paulo, EDUSP, 1981. RICKLEFS, R. E. A Economia da Natureza. 3 o ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1996, 470p.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.