-

-

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Apresentação do Ritual de Exorcismo Romano e outras Súplicas



Cristo enviou os apóstolos para pregar a proximidade do Reino com esta instrução: “Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios” (Mt 10,8). Numa outra oportunidade, contestando seus adversários, apresenta sua vitória sobre o demônio como sinal da presença do Reino (cf. Lc 11,20). Segundo o Novo Testamento, anúncio da chegada do Reino de Deus e expulsão do demônio se confundem. Uma é efeito imediato e argumento irrefutável do outro (cf. Mt 12,22-32).

Inspirada na prática e mandamento de seu Fundador, a Igreja, desde os primórdios, fez orações em favor dos fiéis, visando protegê-los contra a influência do maligno e subtraí-los de seu domínio (Hipólito de Roma, Tradição Apostólica, 42).

A ciência, no entanto, tem demonstrado que , dos casos tidos como possessão diabólica, no passado, apenas 3% podem ser levados a sério. Daí a cautela da Igreja, nos últimos tempos, com relação à prática do exorcismo. O Catecismo da Igreja Católica lembra que é necessário proceder com prudência, assegurando-se, antes de celebrá-lo, se de fato se trata da presença do maligno ou de uma doença (CIC 1673).

O Ritual de Exorcismo e outras súplicas (...) é fruto de quinze anos de estudos e trabalhos. Na esteira de toda a reforma preconizada pelo concilio do Vaticano II, apresenta o exorcismo como celebração litúrgica, com participação ativa e consciente dos fiéis. Pede que seja celebrado de tal forma que “manifeste a fé da Igreja e ninguém possa considera-lo uma ação mágica e supersticiosa”. Atento aos avanços da teologia que coloca as verdades dentro de uma hierarquia, o ritual põe em primeiro plano a ação do Espírito Santo e celebra a vitória de Cristo sobre as potências do mal. Alertado pelas conquistas ciência, pede circunspecção por parte de quem vai exercer o ministério de exorcista, orienta para transformar a celebração em espetáculo, proíbe a divulgação através dos meios de comunicação e exorta a consultar “peritos em ciência médica e psiquiátrica, que tenham senso das coisas espirituais”.

Do uso criterioso do* Ritual espera-se, portanto, a superação de duas tendências opostas, ambas errôneas e muito frequentes entre nossos fiéis.

A primeira consiste num certo satanismo que vê presença do maligno em toda parte, submetendo as pessoas à psicose do medo irracional do demônio.

A segunda tende a considerar o Diabo como personificação simbólica do mal e não como indivíduo, agente pessoal e responsável por grande parte deste mesmo mal.

O Espírito Santo de Deus nos ajude a compreender cada vez melhor que toda ação litúrgica da Igreja é celebração do mistério pascal da paixão, morte e ressurreição de Cristo, expressão máxima da vitória sobre o demônio e desmoronamento de todo o seu poder.

Brasília, 17 de novembro de 2004

Dom Manoel João Francisco
Bispo de Chapecó
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia, da CNBB



­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­*deste

João XXIII


Filho de um pobre camponês do norte da Itália, João XXIII nasceu em 1881 como Angelo Giuseppe Roncalli, na aldeia de Sotto il Monte. Iniciou seus estudos para o sacerdócio quando era ainda criança e foi ordenado em 1904. Depois de servir como capelão em um hospital durante a Primeira Guerra Mundial, começou sua carreira diplomática em 1925, quando foi elevado a arcebispo e nomeado núncio apostólico na Bulgária. Após dez anos nesse país dos Bálcãs, continuou representando o Vaticano na Turquia, Grécia e França.
Quando o terror e a destruição nazista se espalhavam pela Europa, após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, o arcebispo Roncalli ajudou refugiados, especialmente judeus, a escapar dos territórios ocupados pelos alemães.

Eleito papa em 1958, Angelo Roncalli escolheu o nome de João XXIII para realizar o mais inovador apostolado do século XX. Seu pontificado caracterizou-se por duas importantes  encíclicas – Mater et Magistra (1961) e Pacem in Terris (1963) - , mediante as quais renovou a posição da Igreja Católica perante os problemas do mundo, enfatizando sua função social e orientando-a em favor dos desprotegidos, mesmo aqueles que não compartilhassem de sua fé.

Espírito ecumênico e pacificador, João XXIII convocou o Concílio Vaticano II, num esforço incomum para modernizar a antiquadas estruturas da Igreja Católica e para promover a harmonia internacional e inter-religiosa.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.