-

-

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A Vida de Edgar Allan Poe. PARTE II.



Como foi trabalhado na postagem anterior, agora darei seguimento as exposições referentes à vida deste gigante da literatura mundial. Mas para que você possa aproveitar de forma satisfatória os conhecimentos depositados nestas postagens aconselho a leitura do primeiro trabalho “A vida de Edgar Allan Poe. PARTE I”, e então de seguimento aos estudos nas próximas postagens.

Após abandonar a casa de seus pais adotivos, Edgar parte para Boston, e com o dinheiro da sua mãe adotiva apressa-se a fazer editar uma compilação de poesias compostas na Universidade: “Tamerlão e outros poemas, escritos por um Bostoniano”. Em torno do livro gera-se o mais absoluto silêncio. Decepcionado, o poeta desaparece durante algum tempo. Quando reaparece, conta a quem quer ouvi-lo que esteve na Grécia a lutar pela liberdade, como o fizera o seu ídolo, o poeta inglês Byron. Em seguida ter-se-ia dirigido a S. Petersgurgo e sucessivamente à Itália, à França e à Alemanha. Em boa verdade, nunca saíra da América. Alistara-se como simples soldado, sob o nome de Edgar A. Perry, “empregado de escritório em Boston, olhos cinzentos, cabelos escuros, pele clara, 1,70 m de altura”. Assim o identifica, sem equívoco possível, o registro militar em 26 de maio de 1827. Após um período de instrução, “Edgar Perry” é transferido para a guarnição da Ilha Sullivan, na Carolina do Sul, paisagem desolada onde alguns anos mais tarde Poe situará a ação de um dos seus primeiros contos, “O Escaravelho de Ouro”.

O serviço não é estafante, e Edgar dispõe de muito tempo livre para compor o seu poema “Al Aaraaf”. Graças à sua bela caligrafia e à sua boa conduta, o soldado “Perry” ganha os galões de primeiro-sargento. Volvidos, porém, alguns meses, já está saturado desta vida e requer o seu licenciamento. Deseja entrar na Academia Militar de West Point para se tornar oficial. Para se libertar, contudo, das obrigações que contraíra, tem que pagar a um substituto que terminará o tempo de seu serviço em seu lugar. Recorre obviamente a John Allan, que recusa de entrada enviar-lhe a soma solicitada. Decidirá, no entanto aceder ao pedido do rebelde contrito após a morte da sua mulher, Frances, ocorrida em 28 de fevereiro de 1829. Na verdade, o luto marca uma aproximação momentânea dos dois “inimigos”. A 15 de abril de 1829, Edgar parte finalmente para Washington, com algumas cartas de apresentação e empenho de seu pai adotivo.

O irmão de Edgar que foi adotado por outra família, Henry Wadsworth Longfellow.

No Ministério, porém, as formalidades arrastam-se, e o jovem decide dar um salto a Baltimore, a fim de aí travar conhecimento com seu irmão Henry, oficial da Marinha. Instala-se em casa de Maria Clemm, irmã de seu pai, e passa o tempo a escrever, a discutir literatura com Henry e a jogar com a sua priminha Virgínia. É este um dos raros períodos felizes da sua vida. A sorte sorri-lhe também no campo literário. Na sequência de uma apreciação favorável do crítico John Neal e da sua publicação na “Yankee and Boston Literary Gazette”, o seu poema “Al Aaraaf”, é editado com Tamerlão e Outros Poemas. Não é evidentemente ainda a glória, mas pelo menos Edgar já não é um desconhecido no mundo das letras.

 John Kennedy Pendleton, amigo, benfeitor e protetor de Edgar.

Pouco depois o poeta precoce entra em West Point. Nos primeiros meses declara-se “extremamente satisfeito com tudo e todos”. Mas não tarda que a falta de dinheiro e a vida dispendiosa que ele sustenta para afinar pelo diapasão dos seus camaradas mais ricos o obriguem a contrair dívidas que, como de costume, John Allan se recusa a pagar. O negociante voltara, aliás, a casar recentemente e estava finalmente à espera de um herdeiro legítimo. Não podendo mais contar com a fortuna de Allan, Edgar resolve abandonar a Academia. Começa a faltar às aulas, deserta do posto da guarda. A 28 de janeiro de 1831, o Tribunal Militar expulsa-o ignominiosamente de West Point. Edgar dirige-se sem perda de tempo a Nova Iorque, para aí fazer editar um novo livro, “Poemas”, utilizando para esse efeito dinheiro extorquido aos seus camaradas da Academia. Não logrando obter um emprego em Nova Iorque, Edgar vê-se forçado a partir para Baltimore e a instalar-se de novo em casa de sua tia Clemm. Os juízos dos biógrafos de Poe acerca desta mulher são contraditórios. Baudelaire vê nela “o anjo bom do poeta” e Slater o “vampiro do amor” que o domina. Como quer que seja, Maria Clemm ajuda-lo-á a vencer muitas crises.

A tia de Edgar, Maria Plemm.

Poe passa todo o inverno em casa da tia Clemm. Sustenta com uma jovem vizinha, Mary Devereaux, uma intriga sentimental muito séria, que, aliás, termina bruscamente quando o noivo perfeito se apresenta em casa da jovem perdido de bêbado e é posto porta fora. Enfim, em 1833 obtém o primeiro sucesso concreto. Edgar ganha o prêmio de 50 dólares num concurso organizado pelo “Saturday Visiter”, de Baltimore com o seu conto “Manuscrito encontrado numa garrafa”. O crítico Kennedy, membro eminente do júri, simpatiza fortemente com o jovem autor e recomenda-o ao diretor do “Southern Literary Messenger” de Richmond, Thomas White, que o contrata imediatamente como redator para todo o serviço. 

Thomas Willis White, diretor do jornal "Southern Literary Messeger", que contrata Edgar como redator.

É assim que Edgar volta para Richmond, onde, entretanto (27 de março de 1834) o seu pai adotivo morrera sem sequer o mencionar no seu testamento. Decidido a conquistar a glória, Poe atira-se ao trabalho com toda a gana e toda a paixão de que é capaz. “Agora sou feliz, tenho na minha frente uma excelente expectativa de triunfo” escreve ele a Kennedy. Porém, alguns meses volvidos os seus sentimentos já mudaram. “Nesta altura encontro-me num estado verdadeiramente lastimoso. Sofro de uma depressão mental como jamais experimentei. Tenho lutado em vão contra a melancolia. Encontro-me, pois, num estado miserando, e ignoro porquê.” Começa a beber e perde o gosto pela profissão. Thomas White despede-o. Mas readmite-o em 1835, sempre a pedidos reiterados de Kennedy.  Desta vez Edgar chega a Richmond acompanhado de Maria Clemm e de Virgínia, melhor, Virgínia Poe. Com efeito, a 22 de setembro a priminha tornara-se secretamente sua mulher. Tem apenas 13 anos! Edgar entrega-se a um trabalho tenaz e duro, a tiragem do jornal aumenta vertiginosamente, e White nomeia-o redator-chefe, como o ordenado mensal de 800 dólares.

A esposa de Edgar Virgínia Clemm.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.