-

-

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Os Kami criam a Via Láctea



Após terem criado a Estrela Polar, as Maravilhas e os Tesouros Celestes, as Três Veneráveis divindades criadoras deram as costas a Takaamahara, o céu japonês, que ficou pleno de vida, mas deserto de deuses. Pouco, no entanto, foi o tempo em que as coisas assim permaneceram.

Certa noite surgiu na floresta de bambuzais um diferente broto de bambu (takenoko), que foi se tronando mais brilhante que a própria face iluminada da Lua. Partiu-se, num repente, como se tivesse levado, internamente, um golpe de uma afiadíssima katana (espada samurai), e dois pares de olhos, de órbitas finas e horizontais, piscaram vivamente entre as trincadas taquaras. Eram dois deuses. Deram vigorosas arremetidas, ao modo dos pintos quando saem da casca, e, após se livrarem das lascas fibrosas, colocaram os pés no Mundo das Nuvens, olhando curiosamente em volta de si, à procura de subsídios, inspiração e ideias para fazer o que vieram fazer: criar. Mas as suas mentes estavam vazias de imaginação e fantasia.

Puseram-se, então, a meditar profundamente, em silencioso agradecimento, e foi neste cenário plácido e sagrado que atingiram o alfa. De olhos fechado, músculos relaxados e com as mãos em formato de concha, postas afetivamente em frente aos respectivos sagrados abdomens, concentraram a energia vital e divina de seus ki. Esta poderosa força criada em seus íntimos físicos – que os fazia entender o mundo e a si mesmos emanou para suas sagradas palmas, que, encaixadas harmoniosamente, moldavam minúsculas esferas de luz que explodiam no ar. De tal intensidade era o seu brilho e cor que tudo o mais se tornou contrastante; aquilo que a luz atingia se traduzia em branco absoluto e a sua ausência desenhava ilimitadas tonalidades negríssimas, num forte contraste luz-e-escuridão ao modo Rembrandt.

Ao fim e ao cabo, bilhões e bilhões de multicoloridas estrelas: amarelas, azuis, verdes e brancas, de flamejante luz, emanaram, com facilidade, das mãos dos divinos irmãos com uma perfeição e naturalidade de fazer suspirar de inveja os mais dedicados magos das bolas de fogo. Toda escuridão da noite se dissipou com a fantástica explosão de tons e brilhos faiscando em toda aquela negra imensidão desvirginada: asteroides, cometas, enxames estrelares, galáxias, nuvens, nuvens de pó cósmico, nebulosas e milhões de outras espécies de corpos celestes. No afã do movimento, deixavam atrás de si rastros de pó brilhante no denso negrume que mexiam com a imaginação criadora de qualquer um que os visse. Recebeu o nome de Via Láctea.

- Acho que exageramos. – exclamou um deles, de olhos postos no excesso  de luzes e cores que resultara da brincadeira.

- Ficou tão luminoso que acabou por clarear até a sombria Terra lá embaixo – respondeu o outro deus pousando os olhos amendoados na baixa Terra.

Foram saindo de fininho e desapareceram dos céus, deixando atrás de si o céu semeado de estrelas e mais luminoso do que um incomensurável cesto virado de fundo para o Sol.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.