-

-

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A vida de Edgar Allan Poe. PARTE I.


Edgar Allan Poe, em 1833.

Edgar Allan Poe nascido em Boston, Massachusetts, Estados Unidos, em 19 de Janeiro de 1809 e falecido em Baltimore, Maryland, Estados Unidos, 7 de Outubro de 1849) foi um autor, poeta, editor e crítico literário americano, integrante do movimento romântico americano. Conhecido por suas histórias que envolvem o mistério e o macabro, Poe foi um dos primeiros escritores americanos de contos e é geralmente considerado o inventor do gênero ficção policial, também recebendo crédito por sua contribuição ao emergente gênero de ficção científica. Ele foi o primeiro escritor americano conhecido por tentar ganhar a vida através da escrita por si só, resultando em uma vida e carreira financeiramente difícil. Acompanhe nas próximas linhas a vida deste homem e sua paixão pelas letras, contos e histórias.

Filho de atores ambulantes tísicos e dados à bebida, Edgar Poe vem ao mundo, começa a falar e logo a viajar nas carroças desconjuntadas das companhias teatrais que trilham pistas ainda incipientes e descem lentamente os rios a bordo de vetustos barcos fluviais. Bem cedo trava conhecimento com os escolhos da vida, no meio de bagagens em profusão e de cenários pintados à pressa e ao acaso de noites dormidas à luz das estrelas. Realidade e fantasia, vida e movimento, estão, estão constantemente para ele nas fronteiras do sonho. Assim se instilou nas suas veias esse instinto de “Grande Vagabundo” que toda a vida o impulsionará.

O pai, David Poe Junior, provém de uma família que distinguiu durante a Guerra da Independência Americana. Destinado pelos seus à magistratura, tudo abandonou para seguir no tablado uma jovem atriz europeia, Elizabeth Arnold. David, ator menos que medíocre, é, além disso, um alcoólatra. O casal vive miseravelmente. Nascem-lhe sucessivamente três filhos: William Henry, em 1807, Edgar, a 19 de janeiro de 1809, e Rosalie, a 20 de dezembro de 1810. David desaparecerá alguns escassos meses após o nascimento de Edgar, deixando à mulher, tísica e esgotada pelos partos seguidos, o esmagador encargo da família.

Elizabeth encontrava-se em Boston, cidade nada hospitaleira. Então parte à aventura para o Sul, arrastando atrás dela os dois filhos mais novos. A última etapa do seu doloroso calvário é Richmond, na Virgínia. A 7 de Dezembro de 1911, a imprensa anuncia uma récita de beneficência em favor de Elizabeth. Elizabeth Arnold Poe morre a 8 de Dezembro, com a idade de 24 anos. Os seus filhos são desde então confiados aos cuidados da companhia. Para Edgar foi o primeiro passo para uma terrível familiaridade com a morte.

Escassos dias após a morte da mãe, outro acontecimento trágico vem atingir os infelizes órfãos. Na noite de Santo Estevão o teatro de Richmond é pasto de um incêndio no qual sessenta espectadores encontraram a morte. Os atores veem-se forçados a ir procurar o pão noutras paragens. Confiam, por isso, os dois meninos Poe à caridade da burguesia citadina. Rosalie é adotada por um comerciante rico, William Mackenzie. Frances Keeling Valentine, esposa do abastado negociante John Allan, encarrega-se do rapazinho. Não tem filhos e leva o pequeno Edgar para o seu lar, um enorme edifício branco. Apesar da oposição larvada do senhor Allan, Edgar é batizado na igreja presbiteriana, e acrescentam-lhe ao nome o do seu pai adotivo. Na verdade a adoção nunca será oficialmente homologada.


A esquerda a mãe biológica de Edgar, Elizabeth Arnold e a direita a mãe adotiva Frances Allan. 

Aos 6 anos o filho dos saltimbancos sabe ler, desenhar e cantar. Frances Allan e sua irmã, Anne Moore Valentine, cercam-no de um afeto sufocante, exclusivista satisfazendo-lhe todos os seus caprichos.

Em 1815, no dia imediato ao da derrota de Napoleão, John Allan resolve ir instalar-se na Inglaterra para dar um novo impulso aos seus negócios, seriamente comprometidos pela Segunda Guerra da Independência Americana e pelos efeitos do bloqueio naval das costas americanas pelos ingleses. Os Allan desembarcam em Liverpool após uma travessia de trinta e seis dias. Edgar vai primeiro a Irvine, na Escócia, a casa de uma tia do seu pai adotivo, a piedosa e severa Mary Allan, depois a Londres, onde frequentava a escola das meninas Dubourg. Em seguida é transferido para o Colégio do Reverendo Bransby, em Stoke Newington, uma aldeia .


John Allan, pai adotivo de Edgar.

Em 1820 John Allan decide regressar à América. Os negócios não lhe correm como ele esperava. Edgar entretanto aprendeu algumas noções de francês, de latim, de história e literatura. É pouco. Mas, em compensação, a sua imaginação febril foi impressionada pelos velhos castelos misteriosos, pelas casas decrépitas, pelas caves úmidas e escuras.

É às suas experiências de criança emotiva e medrosa que é necessário remontar para compreender verdadeiramente certos passos da sua obra: o gosto do macabro e misterioso, a atmosfera medievalista de seus contos.

De volta a Richmond, Edgar frequenta a Escola Clássica Inglesa, do latinista Clark, e apaixona-se pela mãe de um de seus camaradas, Jane Stanard, que morrerá alguns meses mais tarde tuberculosa e louca. É o começo de uma interminável série de dedicações, de exaltações amorosas platônicas, que se seguirão e encadearão desordenadamente através de toda a existência do poeta. Pouco depois, com efeito, Edgar apaixona-se por uma jovem vizinha, Sarah Elmira Royster. Papá Royster apressa-se a casar a filha com um rico e velho comerciante, um tal Shelton. Em fevereiro de 1826, John Allan inscreve o filho na Faculdade de Línguas Mortas e Vivas da Universidade da Virgínia. Ali precisamente como nos colégios ingleses da época, os jogos de azar, o álcool, o ópio, o láudano, as mulheres e os duelos são as principais distrações dos estudantes.

Na sua sede insaciável de brilhar e impressionar, Edgar depressa esgota os dólares com que John Allan o presenteou, mas nem por tal razão abandona os seus vícios. Começa a contrair dívidas de jogo, e não paga nem aos seus alfaiates nem seus outros fornecedores. Pelo Natal do mesmo ano, Edgar trava uma discussão tempestuosa com o pai. John Allan recusa-se a pagar-lhe as dívidas, retira-o da Universidade e tenta fazê-lo imiscuir nos negócios. Em vão. As perpétuas discussões entre pai e filho só terminam em 24 de março de 1827, quando Edgar abandona com desdém a casa dos Allan para se refugiar num sórdido hotel, a ‘Taberna de Richardson’. Para ele é o adeus definitivo à riqueza e ao sólido ambiente burguês. Doravante será forçado a lutar para sobreviver. Dirige ao pai adotivo uma carta cheia de indignidade, mas Allan nem sequer lhe responde. Frances Allan intercede inutilmente  em seu favor, mas apenas logra fazer-lhe chegar à taberna as suas bagagens e algum dinheiro.

Não deixe de acompanhar as próximas postagens e conhecer mais sobre a vida deste gigante da literatura universal, Edgar Allan Poe.
CONTINUA NA PRÓXIMA POSTAGEM!

Referência:

ORLANDI, Enzo (Org.). Gigantes da Literatura Universal: Edgar Poe. Lisboa: Editora Verbo, 1972, pg.9-13.

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com.br Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.brO link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

(YOUTUBE)
(GOOGLE +)
https://plus.google.com/u/0/+LeandroClaudirPedroso/about?csrc=yt&cfem=1

(ORKUTI)


(PÁGINA NO DRIBBBLE)


(PÁGINA NO STUMBLEUPON)


(PÁGINA NO ASK FM)

(VIMEO)


(DELICIOUS)


(LINKEDIN)


(PÁGINA NO MY SPACE)


(PÁGINA NO TUMBLR)


(REDE SOCIAL VK)


(ALBUM WEB PICASA)


(ALBUM NO FLICKR)



(CANAL NO YOUTUBE)


(MICRO BLOGUE TWITTER)


(REDE SOCIAL PINTEREST)


(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)


(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)


 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)


(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 


 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 


(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)


 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)


 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)


(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 


(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 


(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 


(MARCADOR ÁFRICA)


(MARCADOR ANTIGUIDADE)


(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 


(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 


(MARCADOR FÉ) 


(MARCADOR COMUNISMO) 





LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.