-

-

domingo, 22 de novembro de 2015

Teoria da História: um breve resumo.


Autor: Construtor CHH

Na segunda metade do século XIX o historicismo e positivismo eram a base dos estudos históricos por meio dos acontecimentos políticos, guerras e heróis nacionais. Vista como uma história ‘positiva’, pois seus estudos eram voltados para fontes documentais oficiais e negavam a importância das questões econômicas e sociais.

A História Empírica do século XIX voltava-se para uma postura imparcial e de submissão aos documentos. A intuição e dados orais eram deixados de lado. No inicio do século XX, o historiador cientifico volta-se para a história como pedagogia social com metas para uma história clássica, nacionalista e positivista. Sendo o fazer histórico em meados de 1900 um ato nada neutro. No positivismo o aluno era orientado na metodologia, técnica e erudição, ou seja, no principio da história ciência.

Durante ao Iluminismo a narrativa histórica política foi contestada pela primeira vez com sua preocupação com a história da sociedade. No início do século XX o historicismo e positivismo perdem espaço para uma história mais voltada para as questões econômicas e políticas. Surgindo os primeiros estudos interdisciplinares, a controvérsia de Lamprechet (opondo história política, cultura e econômica).

O crescimento do movimento operário na Europa aumentou a influência marxista nas ciências humanas, supostamente como o verdadeiro modelo interpretativo para investigação histórica. O marxismo influenciou grandemente à historiografia com a fixação da história econômica, política e social. Após a I Guerra Mundial e a Grande Depressão de 1929, a história sofre várias críticas por estimular o nacionalismo. Em meio a esses acontecimentos surge na França a Escola de historiadores da economia da qual Marc Bloch em 1936 cria-se a primeira cadeira de história  econômica na Sorbonne.

Um antecessor da Escola de Annales foi Henry Berr, fundou a Revista de Síntese Histórica, provocando os positivistas ao diversificar seus instrumentos de análises e desperta o interesse de colaboradores de várias áreas das ciências. Berr confere a história o papel de coordenar todas as outras ciências sociais. Foi também precursor com sua síntese de que seria a Escola de Annales, contrariando a história historicizante por uma história explicativa e interdisciplinar.

Henri Pirenne, pensava a história como uma narrativa explicativa da evolução das sociedades humanas no passado. Sendo um dos primeiros a trabalhar a história das mentalidades. Sua tese de Pirenne marca o inicio do trabalhar a história das mentalidades. Em sua tese, Pirenne marca o inicio da Idade Média em 711d.C com a conquista árabe na Península Ibérica, pois segundo ele em 476 d.C com a queda do Império Romana nas mãos dos bárbaros germânicos houve uma absorção da cultura Romana pelos bárbaros e não como ocorreu em 711 onde os árabes impuseram sua cultura e costumes. Johan Huizinga, dedicou a pesquisar a Baixa Idade Média, Renascimento e a Reforma. É visto como um  historiador da cultura e combateu o totalitarismo, foi pioneiro na interdisciplinaridade e historiador de mentalidades.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.