-

-

sábado, 19 de setembro de 2015

ZepTepi, ‘os primeiros tempos’ ou mito da criação egípcio.


O deus Aker, significa o horizonte, o ponto onde a noite vira dia, onde o dia vira noite - Ponto Zero ou Zep Tepi.


Em egípcio, Zep significa primeiro, Tepi meio tempo. Juntos, Zep Tepi refere-se ao "First Time" ou "um novo começo" e é simbolizada por uma ampulheta. Hieróglifos Zep Tepi estão presentes na Esfinge de Gizé e explica o mito da criação, uma explicação de como os antigos deuses egípcios existiam.  Enfim, Zep Tepi é o Gênesis da Terra.

Zep Tepi foi uma idade de ouro durante a qual as águas do abismo recuaram, a escuridão primordial foi banida, e a humanidade foi banhada em luz, consagrando a dádiva de uma nova civilização. Zep Tepi o início e o final de cada ciclo de tempo de 13.000 anos - de meio ponto do nosso sistema solar - 26 mil anos órbita zodiacal em torno do centro galáctico.

Devido às condições de nossa órbita galáctica, estes intervalos de 13.000 anos, ou mundos, parecem estar separados por uma revolução cataclísmica, como a história ensina.

Este é o símbolo do deus Aker. Significa o horizonte, o ponto onde a noite vira dia, onde o dia vira noite - Ponto Zero ou Zep Tepi.

Ele é descrito como dois leões sentados de costas. Eles também são chamados ontem e amanhã, um leão está voltado para o leste onde o sol nasce e começa o novo dia, o outro leão enfrenta o oeste, onde o sol se põe e desce ao Submundo. Representantes da dualidade.

A área entre as costas dos leões, muitas vezes mostra o círculo do sol como se estivesse subindo entre dois montes. Isto também significa viagem do sol pelo céu durante o dia, bem como que seja efetuada com segurança na parte traseira do Aker durante a sua viagem noturna perigosa do submundo cada noite. Aker também guarda o portão para outros mundos.

“Logo após o Dilúvio, no início do presente ciclo de tempo, os egípcios deram o nome a esse evento de ZEP TEPI, e um grupo misterioso de "deuses apareceu”, para conduzir os sobreviventes da catástrofe para as terras que margeavam o Vale do Nilo procurando refazer suas vidas, uma nova forma de vida, nos rudimentos de uma nova civilização.”

A esfinge esta situada num ponto muito especial na Terra, na planície de Gizé, também conhecida como Rostau no antiquíssimo livro dos mortos.

Diferentes Cosmogonias

Um dos mitos mais importantes, senão o mais importante, de toda a mitologia egípcia é aquele referente à criação do Universo. Porém, grande parte dos mitos egípcios conta com duas ou mais versões e há vários detalhes que se tornam confusos devido à variedade de formas de se contar a mesma história. Quando se fala de cosmogonia egípcia, há quatro versões principais que eram correntes em quatro importantes cidades do antigo Egito: Hermópolis, Heliópolis, Tebas e Mênfis.

Essas versões, apesar de diversas, são, na verdade, focadas em diferentes aspectos do mesmo evento e podem ser vistas, algumas vezes como conflitantes, mas também são complementares. Isso se deve ao fato de que tanto os mitos quantas entidades neles descritos, os neteru (os chamados deuses), são intercambiáveis. Às vezes um grupo de neteru descrito num certo mito difundido numa determinada época e lugar pode ser substituído por uma outra entidade única que represente todos eles de uma vez só quando esse mito é contado em outra versão numa outra época e outro lugar. para que essa característica da "intercambialidade" não torne o entendimento da mitologia total um tanto confusa à, deve se pensar nos diferentes mitos como diferentes maneiras de se contar uma mesma história ou diferentes formas de se explicar a mesma coisa e que, dependendo da época e do lugar, as pessoas preferiam uma forma ou outra.

Heliópolis

A maior fonte pela qual é conhecida a chamada "Cosmogonia de Heliópolis" são os Textos  das Pirâmides que são considerados os escritos religiosos mais antigos já encontrados. São escrituras cravadas nas pedras das pirâmides de Saqqara por volta de 2400 AC.

De acordo cosmogonia Heliopolitana, “no início havia apenas o caos indiferenciável conhecido como Nun (abismo). Nun é descrito como um oceano inerte, infinito e escuro. O primeiro evento ocorrido neste oceano foi o surgimento de um monte em forma de pirâmide chamado benben, também conhecido como Ovo Cósmico. Quando o Sol, representado pela figura de Rá, nasceu pela primeira vez e tocou o benben a entidade conhecida como Atum passou a existir. Atum-Rá "criou a si mesmo", "tonou-se a si mesmo". Logo que surgiu, Atum, a partir de si mesmo, criou seus quatro descendentes, Shu, Tefnut, Geb e Nut. Este momento ficou conhecido como Zep Tepi, A Primeira Ocasião, ou o Primeiro Evento. De Geb e Nut nasceram quatro filhos Osíris, Ísis, Set e Néftis. O grupo formado por oito neteru era chamado de a Enéade de Heliópolis. Eles eram Atum-Rá, Shu, Tefnut, Geb, Nut, Osíris, Ísis, Set e Néftis. Atum e Rá são uma entidade dupla que segue o princípio místico numérico de que o Um deve se tornar Dois. Eles são um só ser, mas possuem dois nomes pois devem ser entendidos como dois aspectos opostos desse ser: sujeito e objeto, isto é, aquele que conhece e aquele é conhecido.”

Rá é o Sol. Ele  surgiu pela primeira vez mundo quando saiu do monte benben e subiu para espalhar a Luz no mundo. Neste contexto, a Luz deve ser entendida como a Quintessência da existência, ou seja, Consciência. Rá era representado como um ser com cabeça de falcão carregando o Disco Solar rodeado pela serpente Ouroborus como coroa, sendo que o Ouroboros, neste caso, representa exatamente a natureza cíclica ou fechada do ser que conhece a si mesmo e o sol, sendo a fonte definitiva da Luz/Consciência.

Se Rá é o sujeito, Atum é o objeto (Atum surgiu quando a luz de Rá tocou o benben, ou seja, quando se Rá se tornou consciente dele). Às vezes se usa o nome de Atum, às vezes se usa o nome de Rá, dependendo do contexto do acontecimento narrado.

Atum-Rá é a forma pessoal do universo em oposição à forma impessoal e inconsciente que era Nun. Ele representa o início da consciência e da existência. Ele é transformação do Um em Dois.

Hermópolis

Alguns traços da cosmogonia de Hermópolis são encontradas nas mesmas fontes daquelas da de Heliópolis. Esta cosmogonia dava especial atenção ao que aconteceu antes da criação, na natureza do Oceano Primordial de Nun.  Seu panteão de criadores era um grupo de oito entidades chamados de a Ogdóade.

Os oito princípios da Ogdóade firmavam quatro casais. Os seres masculinos são representados com cabeças de sapo e as femininas com cabeça de serpente. Cada casal representa um diferente aspecto daquele estado primordial do ser: Huh e Hauhet representam as extensões infinitas de Nun; Kuk e, Kauket, personificam a escuridão completa e a inconsciência daquele estado do ser; Amon e Amonet representam a natureza oculta e inescrutável de Nun em contraste com o mundo tangível dos vivos; Por último havia o próprio Nun e Naunet que representavam o oceano em si. Mas o principal neter cultuado na cidade era Thot.

Thot era chamado e o "vizir de Rá". O oceano de Nun era a alma de Toth e ele, usando seus dons da sabedoria ele criou as palavras e deu voz à vontade de que foi o que permitiu ao Universo tomar existência. Rá era o criador, mas ele só podia criar através de Thot que era quem "traduzia" sua vontade em "palavras" propiciando uma existência objetiva. Segundo algumas fontes, Thoth é um ser que gerou a si mesmo, como Atum-Rá, segundo outras ele era filho de Rá. Ele foi aquele que, posteriormente, criou as artes, a matemática, as linguagens humana, arquitetura, engenharia e as ciências além de exercer papel preponderante das mediações de conflitos entre o neteru e seres humanos. Ele era também associado À lua e à marcação do tempo sendo representado como um homem com cabeça de Íbis (uma ave nativa do Egito) ou, mais raramente, como um babuíno. Sua contraparte feminina era Seshat e sua esposa era Maat. O monte benben, segundo a cosmogonia de Hermópolis, surgiu quando as oito divindades da Ogdóade. Ou, em outra versão no oceano de Nun boiava uma solitária flor de lótus. Os membros masculinos da Ogdóade ejacularam nela e ela se fechou. Quando se abriu novamente de dentro dela nasceu Rá na forma de uma criança criadora de tudo.”

Os oito membros da Ogdóade com cabeças de rã e serpente seguidos da imagem de Atum-Rá nascido da flor de lótus simbolizando o nascimento a partir do caos.

Mênfis

A chamada Teologia de Mênfis chegou até nós através de uma inscrição na Pedra de Shabaka que é uma laje de granito com escritos hieróglifos.

“Esta cosmogonia idolatra a figura criadora de Ptah. Ele era o patrono dos artistas e artesãos e teria criado o universo com suas habilidades artísticas. Era chamado de pai dos neteru da pré-criação (Ogdóade), ou seja, ele era o criador de Nun. Aos mesmo tempo ele foi aquele que quebrou o ovo primordial do benben e de lá surgiu para criar o mundo como o conhecemos. O processo do zep tepi seria a "metamorfose de Ptah" de um ser inexistente para um ser existente que criou a si mesmo. Ele, então, com uma palavra, criou a Enéade (Atum, Shu, Tefnut, Geb, Nut, Osíris, Ísis, Set e Néftis). A palavra falada foi o que deu origem a tudo. O que surgia em seu coração ele criava através da língua. Sua esposa era Sekhmet e seu filho era Nefertem.”

Essa cosmogonia engloba as outras duas. Sua diferença é que ela acrescenta "um grau" na hierarquia dos acontecimentos, isto, é tudo que aconteceu foi comandado por Ptah. Ele é Num, Atum e Rá.

Em suas representações, Ptah é mostrado como um homem de pele verde envolto num tecido branco, como se estivesse mumificado, mas, na verdade ele está aprisionado.. Em suas mãos ele segura três símbolos combinados em um só: o bastão Was, o Ankh e o pilar Djed (estabilidade, vida e poder). Ele fica em pé sobre um objeto na forma do hieróglifo que significa Maat que é a ordem, ou a Lei universal em oposição ao Caos primordial. Assim como os ferreiros, que são seus representantes na terra, Ptah moldou o universo utilizando os quatro elementos para criar tudo que existe.”

Tebas
A cosmogonia mais tardia entre as quatro citas é a de Tebas onde Amon, uma entidade presente na Ogdóade original, toma o lugar de Atum-Rá como entidade criadora.

Seu nome faz referência ao desconhecido e ao impenetrável. Era dito que ele transcendia todos os outros deuses e que "existia além dos céus" e era "mais profundo que o submundo". Sua verdadeira natureza era mistério até mesmo para os outros neteru. Era representado como um homem usando um barrete (capuz sarcedotal) grandes plumas na cabeça. Mut é a contraparte feminina de Amon. Seu símbolo é uma mulher com a coroa dupla e um abutre na cabeça. O nome"mut" significa "mãe". Essa palavra foi a percursora do inglês "mother", do alemão "mutter", etc.

Na época da XVIII, a cidade de Tebas assumiu grande importância político-religiosa e por isso os sacerdotes daquela cidade, usando do poder que haviam adquirido, elevaram o neter patrono da cidade ao status de criador de todas as coisas e o nome de Amon (os Amen), começou a ser adicionado ao nome do faraó. Com o tempo, o poder religioso do culto a Amon acabou adquirindo mais poder do que o próprio faraó na sociedade egípcia e, pela primeira vez, começaram a ser desenvolvidos conceitos dogmáticos e monoteístas. Antes os todos os neteru eram considerados como representantes de propriedades e características de única entidade inominável. Agora essa entidade tinha nome: Amon, o deus de um milhão de faces.”


COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com.br Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.brO link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

(ZEP TEPI) 

(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(ALBUM WEB PICASA)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)


(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.