-

-

domingo, 7 de dezembro de 2014

Maconha prejudica tratamento de dependentes de crack


“As áreas de recompensa sofrem modificações com o uso das drogas que facilitam a adição no futuro. O cérebro fica pronto para a dependência.”

Rodrigo Grassi de Oliveira

GRUPO DE mulheres que usaram Cannabis sativa antes dos 15 anos tem 3,97 vezes mais chance de sofrerem sintomas de abstinência que as demais.

Por Ana Paula Acauan

          
 Ampla pesquisa sobre a vulnerabilidade de mulheres dependentes de crack e sua exposição ao trauma na infância rendeu publicações de artigos e defesas de teses e dissertações de integrantes do Grupo de Pesquisa Neurociência Cognitiva do Desenvolvimento, do Núcleo de Pesquisa em Trauma e Estresse, dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia e Pediatria. Dois anos depois de finalizado o estudo, novas revelações vêm mostrar que a maconha prejudica o tratamento dessas mulheres. Das 93 investigadas, as que começaram a usar Cannabis sativa antes dos 15 anos têm 3,97 vezes mais chance de sofrerem com sintomas de abstinência durante a desintoxicação de crack do que as demais. Para aquelas que, nos últimos cinco anos, fumavam maconha regularmente (três vezes por semana, pelo menos), a chance de piorar aumentava para 2,84 vezes.

          Os pesquisadores, liderados pelo psiquiatra Rodrigo Grassi de Oliveira, procuraram saber se as mulheres precisaram voltar à Unidade Psiquiátrica São Rafael, do Sistema de Saúde Mãe de Deus, em Porto Alegre, dois anos e meio depois de completado o estudo. Oitenta por cento de todas as entrevistas (146 no estudo geral) fizeram novamente o tratamento no local, que dura no máximo, 21 dias (coberto pelo Sistema Único de Saúde). A média de reinternações foi maior entre as usuárias com histórico de abuso de maconha (5,29 vezes) em relação àquelas sem essa trajetória (4,41).

              Para Grassi de Oliveira, esses resultados evidenciam a necessidade de repensar o discurso defendido por alguns profissionais de que uma droga seria um substituto ao crack. “Na balança científica, ponderamos fatores que poderiam alterar os resultados, como uso de álcool e tabaco e idade, testamos todas as hipóteses e nos surpreendemos com o resultado.” O psiquiatra destaca que a dependência não começa de uma hora para outra; vai  se consolidando ao longo da vida. “As áreas de recompensa sofrem modificações com o uso das drogas que facilitam a adição no futuro. O cérebro fica pronto para a dependência.” Virá para a PUCRS, somar-se aos estudos, o professor Timothy Bredy, das Universidades da Califórnia (EUA) e de Queensland (Austrália), pelo programa Pesquisador Visitante Especial, do Ciência sem Fronteira (CNPq). Ele estuda em modelos animais como o ambiente altera o DNA.

           Os próximos passos do Núcleo são buscar alvos de proteção á mulher usuária, incluindo a realização de um manual de políticas e cuidado dirigido a profissionais da saúde. Os pesquisadores pretendem ainda entender o ciclo de vulnerabilidade. Noventa por cento das mulheres do estudo relataram histórico de algum tipo de abuso ou negligência na infância. Grande parte delas têm filhos e há preocupação de que os maus-tratos possam se repetir na relação com as novas gerações. Na amostra, grande parcela de mulheres morava na rua e todas haviam procurado tratamento voluntariamente. A maioria desejava largar o crack.


              Curiosidade científica

            Vasculhando o banco de dados, o psicólogo Thiago Viola, aluno do Programa de Pós-Graduação em Pediatria e Saúde da Criança, e seus colegas, notaram que as entrevistadas, em geral, reduziam os sintomas de abstinência do crack durante a desintoxicação. Mas um bom número não obteve efeitos positivos no tratamento, às vezes até piorando.

          Em debates com Grassi de Oliveira e atento a artigos recentemente veiculados, Viola deu-se conta de que o uso de maconha poderia ter implicações com esse resultado. Essa curiosidade científica rendeu uma conclusão inédita para a área de pesquisa em crack e uma publicação na revista científica Drug and Alcohol Dependence, uma das mais importantes da área.

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com.br Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

ACAUAN, Ana Paula. Maconha prejudica tratamento de dependentes de crack. Revista PURS, n.172, p.12-3, nov/dez, 2014.

(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(COMUNIDADE DE NOTÍCIAS DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL STUMBLEUPON)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(REDE SOCIAL INSTAGRAM)

(ALBUM WEB PICASA)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL BEHANCE)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(REDE SOCIAL MYSPACE)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)

(BLOGUE LIVE JOURNAL LEANDRO CLAUDIR)

(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.