-

-

segunda-feira, 23 de junho de 2014

A Viagem do “Dragão Feliz” Fukuryu Maru.


            O trabalho que se segue é uma exposição clara da falta de respeito e responsabilidade das autoridades envolvidas em testes com armamentos nucleares tanto no passado, quanto no presente. E nós como historiadores não podemos deixar eventos como o ocorrido com o navio pesqueiro Fukuryu Maru (Dragão Feliz) serem esquecidos. O perigo nuclear está presente hoje tão vivo quanto estava na década de 1950, do século passado, a diferença é a aparente estabilidade das grandes nações nucleares, mas elas mesmas são cientes de quão tênue é está paz, que negam-se a desfazerem-se de seus arsenais. Sendo os Estados Unidos o líder com 13 mil ogivas (ICBM’s - intercontinental ballistic missile) em mísseis, seguido da Rússia com 10 mil ogivas em mísseis (ICBM’s). Compete agora a cada leitor do Construindo História Hoje, tirar suas próprias conclusões a respeito do perigo nuclear.

“A comovente história de um pequeno barco de pesca japonês e seus 23 tripulantes, vítimas de uma catástrofe inesperada (...) com efeitos de significação para todo o mundo em toda parte.”


            Pouco antes do alvorecer do dia 1° de março de 1954, o barco japonês de pesca de arrasto Fukuryu Maru (Dragão Feliz) vagava com os motores parados pelas águas clamas do Pacífico Central. Tinha lançado suas linhas de pesca de atum pela última vez e não tardaria a rumar para seu porto de Yaizu, 200 quilômetros ao sul de 
Tóquio.

            De repente os céus se incendiaram a oeste e um grande clarão de luz amarelo-esbranquiçada se esparramou de encontro às nuvens. Foi como se a transição gradual da noite para a aurora tivesse sido afastada bruscamente para que se inundasse de luz o oceano. A cor mudou para um vermelho-amarelo e finalmente para uma bola de chama vermelho-alaranjada no horizonte. O vistoso espetáculo parecia um sol poente, sendo, porém várias vezes mais brilhante, embora não o fosse bastante para magoar a vista.

            Na ponte, o mestre-de-pesca Yoshio Misaki fitou sem acreditar o estranho espetáculo. A tripulação subiu para o tombadilho, falando excitadamente.

            __O Sol está nascendo no ocidente! __ exclamou um dos homens.

            Disse outro:

            __Não será um pika-don?



            O termo é novo na língua japonesa. Nascido no terror em Hiroshima compõe-se das palavras “trovão” e “clarão”.

            O comandante Hisakichi Tsutsui, que dormia no seu beliche, reagiu devagar. Quando se reuniu a Misaki, na ponte, a cor a oeste mal se distinguia. A escuridão voltara. Reinava completo silêncio.

            Alguns minutos depois o barco estremeceu como se tivesse sido sacudido por baixo e um grande ruído o envolveu, parecendo vir ao mesmo tempo de cima e de baixo. Aterrorizados, alguns homens se atiraram ao chão e cobriram a cabeça.

            Os oficiais tiveram uma rápida conferência. Em seguida Misaki deu a ordem:

            __Ligar os motores e recolher as linhas.

            Os homens trabalhavam depressa ansiosos por deixar aquelas águas.

            O radiotelegrafista Aikichi Kuboyama de 39 anos era um dos mais velhos dos 23 homens da tripulação. Tinha também fama de ser o mais inteligente. Provou isso calculando a velocidade do som. Haviam transcorrido quase sete minutos desde que viram o clarão até que ouviram o estrondo. A multiplicação desse tempo pela velocidade do som daria a distancia entre o navio e a explosão.


             O resultado aproximado foram 140 quilômetros ---- e os cálculos de Misaki com o sextante indicaram que o navio se encontrava a 137 quilômetros a lés-nordeste do Atol de Biquíni, nas Ilhas Marshall. Não podia haver: dúvida: o clarão brilhante viera de Biquíni.

            Umas duas horas depois o céu começou a mudar de aspecto, como se um grande nevoeiro estivesse se formando. Os homens que estavam trabalhando no tombadilho ficaram espantados a principio quando começaram a cair minúsculas partículas de uma cinza arenosa.

            __Parece o começo de uma tempestade de neve --- disse um deles.

            De repente vários tripulantes começaram a sentir dor nos olhos. O guincheiro Sanjiro passou a mão pelo cabelo e esfregou os olhos ardidos. Alguns dos homens provaram os flocos cinzentos-esbranquiçados. Uns disseram que era sal, outros que era areia. Todos concordaram em que era uma coisa muito desagradável.

            Pouco depois do meio-dia, todas as linhas tinham sido recolhidas. A estranha poeira branca havia, afinal, parado de cair, e Misaki ordenou ao timoneiro que rumasse para o norte. Os tripulantes que estavam limpando o convés principal verificaram que havia algo de esquisito naquelas areias brancas: não era fácil removê-las com água. A hora do almoço vários dos tripulantes manifestaram pouco apetite --- coisa rara, porque eles estavam sempre famintos depois de trabalhar tantas horas.


Queimaduras, efeitos da Bomba de Hidrogênio nos marinheiros.

            Após o almoço os tripulantes foram limpar o equipamento de pesca. Os quilômetros de corda molhada pareciam absorver especialmente bem a poeira branca. A corda foi guardada em caixas de madeira e estas empilhadas na popa, logo atrás da cozinha.

            Na manhã seguinte a tripulação acordou estranhamente indolente. O guincheiro Masuda verificou, consternado, que não podia abrir os olhos, pois tinha as pálpebras grudadas por um grosso corrimento amarelo. O chefe de máquinas Todashi Yamamoto teve dificuldade em enxergar, quando quis verificar os manômetros na casa de máquinas. Vários homens tinham enjoado durante a noite, mas apenas um, cujo beliche ficava na cabina de ré, passara tão mal que não aguentara o quarto de serviço da meia-noite. Os homens que tinham pegado nas cordas se queixavam de coceira e ardor na palma das mãos.

            Um dos marinheiros deu um pouco daquela cinza branca, embrulhada num papel, a Kuboyama. O radiotelegrafista, tencionando examiná-la depois, colocou a cinza debaixo do travesseiro em sua cabina. Ali ficou ela durante os 14 dias que o Dragão Feliz levou para chegar ao porto. Outros tripulantes também recolheram um pouco da estranha cinza; um deles pensou que poderia ser um símbolo de sorte.

            No dia 1° de março foi divulgada a seguinte comunicação, em Washington: “Lewis L. Strauss, Presidente da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos comunicou hoje que a Sétima Força Mista Especial detonou um dispositivo atômico no Campo de Provas da C.E.A. , nas Ilhas Marshall. Esta detonação foi a primeira de uma série de experiências”.


Perda de cabelo e queimaduras, resultantes da exposição a radiação.

            Não fora noticiado antes que a C.E.A. levaria a efeito uma experiência nuclear na data em questão. A Junta Japonesa de Segurança Marítima havia recebido uma comunicação no dia 10 de outubro de 1953, aumentando a área interditada em torno do Atol de Eniwetok, que fora isolada para a experiência da primeira bomba de hidrogênio no dia 1° de novembro de 1952. Essa área acrescida incluía o Atol de Biquíni, mas nem o Comandante Tsutsui nem o mestre-de-pesca Misaki sabiam que Biquíni ia ser o local dessas novas experiências. Na realidade, o Dragão Feliz, no ponto em que mais se aproximara da zona perigosa, ainda ficara mais de 30 quilômetros para além de seu limite oriental. Ao que tudo indica, ventos de grande altitude arrastaram a nuvem da bomba na direção oposta à que esperavam os técnicos das provas.

            Aconteceram coisas curiosas durante a viagem de volta daquele pequeno barco de pesca ao seu porto. A tripulação da casa de máquinas subia constantemente ao tombadilho, queixando-se de estar passando mal. Todos os homens ficaram com um aspecto terroso, como se estivessem seriamente queimados de sol. O guincheiro Masuda disse aos companheiros de cabina que seu sentia febril. Quando o contramestre Masayoshi Kawashima coçava a cabeça, seu cabelo caía. Espantado, puxou o cabelo e um punhado dele ficou-lhe na mão.


Marinheiro Sangiro Masuda, do Fukuryu Maru.

            Isso fez soar uma campainha na mente de Kuboyama. Sua tia estava em Hiroshima quando a bomba atômica foi lançada, e ele se lembrava de que a queda de cabelo era um efeito ulterior da “doença da bomba atômica”. Kuboyama e Misaki conversaram sobre a possiblidade de uma relação entre a doença da tripulação e a estranha cinza que tombara do céu.

            Logo que o “Dragão Feliz” atracou em Yaizu, no dia 14 de março, seu proprietário notou que a tripulação estava escura. E, quando o mestre-de-pesca lhe falou na doença dos homens, concordou que deviam ir imediatamente para o Hospital.

            O Dr. T. Ooi, médico do hospital não conseguiu explicar o aspecto dos homens. Masuda, o mais gravemente afetado, apresentava queimaduras no rosto e nas mãos, mas todos estavam com boa disposição. Um dos pescadores opinou que haviam sido atingidos pelo que lhes pareceu uma explosão de uma bomba atômica. Mas como a luz não fora ofuscante, o médico concluiu que deviam estar a uma distância segura; se assim não fosse, alguns dos homens já teriam morrido. Alarmado, e com razão, concordou, não obstante, em mandar dois dos tripulantes para Tóquio a fim de serem examinados por um especialista em doenças provocadas por emanações radioativas. Foram escolhidos Masuda, por causa de suas graves queimaduras, e o maquinista Yamamoto, que apresentava a contagem de glóbulos brancos mais baixa.


             Na manhã de 16 de março, terça-feira, o Yomiuri Shimbun, um dos maiores jornais do Japão, dava este furo, em manchete, de um lado a outro de sua primeira página:

TESTE DE BOMBA ATÔMICA EM BIQUÍNI ATINGE PESCADORES JAPONÊSES.
23 Homens Sofrendo de Doença Atômica
BOMBA DE HIDROGÊNIO?

            Alertada pela notícia do jornal (cujo ponto de partida fora a indicação de um estudante de 17 anos que tinha parentes em Yaizu), a Divisão Sanitária da Prefeitura de Yaizu pediu ao Dr. Takanobu Hiokawa que fosse ao hospital e ao cais da cidade e verificasse se havia radioatividade. No hospital, o Dr. Shiokawa colocou o contador Geiger perto da cabeça de um dos tripulantes. O homem estava radioativo! Como não devia estar então o barco de pesca?

            O Dr. Shiokawa correu para o cais. Estava ainda a 30 metros do Dragão Feliz e já o contador Geiger começara a tiquetaquear aceleradamente. Nunca o Dr. Shiokawa encontrara radioatividade tão forte. O navio se encontrava superlotado de jornalistas, e, quando o Dr. Shiokaw abriu caminho através do tumulto, ficou evidenciado que a principal fonte de radioatividade estava localizada em algum ponto acima do compartimento de ré da tripulação. Era ali que os rolos de corda se achavam empilhados. Estavam intensamente radioativos. Durante toda a longa viagem de volta os homens da cabina de ré tinham dormido debaixo de uma poderosa fonte de irradiação.


Atum contaminado com radiação.

            Yaizu não foi à única cidade japonêsa a ser presa de nervosismo por causa da radioatividade. Em Osaka, o Dr. Yasushi Nishiwaki, professor de Biofísica na universidade local, foi chamado ao mercado central para ver se tinham sido mandados peixes de Yaizu para lá. Encontrou um atum que fez seu contador Geiger chocalhar com uma contagem alta. Os presentes murmuraram, com espanto: “Os peixes estão chorando!” --- e dali por diante o peixe radioativo passou a ser chamado “peixe chorão”. As autoridades descobriram que umas cem pessoas haviam comido  peixes contaminados. O medo invadiu a cidade e todos deixaram imediatamente de comprar peixe. Ao saber-se que o peixe fora eliminado do regime alimentar do Imperador, a história espalhou-se por todo o Japão. Alguns industriais do pescado foram levados à falência.

            Entrementes, os médicos que cuidavam dos marinheiros lutavam contra o tempo para descobrir o conteúdo da cinza. Podiam recorrer a dados médicos oriundo do estudo de milhares de sobreviventes de Hiroshima e Nagasaqui. Mas o que tornava então confusa a situação era a presença de radioatividade residual. O cabelo do guincheiro Masuda, por exemplo, estava ainda tão radioativo que um pouco dele colocado sobre um filme fotográfico reproduzia no filme revelado uma imagem perfeita, como se tivesse sido fotografado com luz comum. Mesmo depois de se terem lavado e esfregado bem, os pescadores conservavam certa radioatividade na pele. Isso era algo sem precedentes na Ciência Médica.


Médico verifica o nível de contaminação em marinheiro do Fukuryu Maru.

            Por esse tempo foram divulgadas informações semi-oficiais sobre a tremenda explosão. O Deputado James Van Zandt, do Comitê Misto Sobre Energia Atômica do Congresso dos Estados Unidos, declarou que a bomba de hidrogênio que explodira em Biquíni possuía um incrível poder de destruição. A explosão equivalera ao rebentar de 12 a 14 milhões de toneladas de TNT --- era mil vezes mais forte do que a bomba atômica de Hiroshima.

            Aquela altura, todos os pescadores tinham sido transferidos para dois hospitais de Tóquio. Verificou-se que estavam sofrendo de uma redução do nível de glóbulos brancos e vermelhos do sangue e, para combater a anemia, fizeram-se repetidas transfusões. Ministraram-lhes antibióticos para aumentar sua resistência. Como as células sexuais são muito sensíveis à radiação, durante os meses de abril e maio os pescadores ficaram completamente estéreis.

            Ao chegar à primavera, os doentes se sentiram mais animados com cicatrização das lesões da pele e o renascimento dos pelos do corpo. Isso foi um bom sinal, porque com doses quase letais de radiação pode ocorrer perturbação permanente do crescimento do pelo. Parecia que os homens estavam sarando. O Japão inteiro respirou mais aliviado, também, quando os Estados Unidos comunicaram, em meados de maio, que as experiências de 1954 com as bombas, em Biquíni, haviam terminado.

            Mas o enigma persistia: que eram as “cinzas da morte”, as shi no hai que tinham caído sobre o Dragão Feliz? Duas vezes foi feita esta pergunta por cientistas japoneses a representantes norte-americanos, e duas vezes, por motivos de “segurança nacional”, ela deixou de ter resposta. Na terceira vez, Merril Eisenbud, Diretor do Laboratório de Saúde e Segurança e perito em poeira atômica, deu esta enigmática resposta.

            __Perguntem ao Dr. Kimura.

            O Dr. Kenjiro Kimura, brilhante radioquímico da Universidade de Tóquio, havia trabalhado em 1939 com o físico japonês Yoshio Nishina na desintegração do átomo de urânio e na produção de um tipo até então desconhecido, que denominaram urânio-237. O Dr. Kimura e uma equipe de 16 membros, juntamente com outros grupos de cientistas japoneses, passaram a trabalhar dia e noite na análise da cinza de Biquíni. Não tinham dúvida quanto ao fato de que o grosso da radioatividade da cinza era causada por átomos de urânio desintegrados. Era inevitável que o Dr. Kimura e os outros cientistas descobrissem a verdade sobre a bomba. Não se poderia esperar que o homem que descobriria o urânio-237 deixasse de nota-lo quando fosse posto diante dos seus olhos.

            Pela primavera de 1954 os cientistas japoneses tinham decifrado o enigma: a bomba de Biquíni era uma superarma numa embalagem de três em um. Primeiro estágio consistia numa espoleta comum de bomba atômica, que por sua vez fazia detonar um segundo estágio e provocava a fusão de átomos de hidrogênio. Essa reação da bomba de hidrogênio liberava então um dilúvio de nêutrons de alta energia que provocava o rompimento de uma camisa de urânio. No processo, produzia-se o urânio-237 como denunciador subproduto.

            Uma vez conhecida a natureza da cinza radioativa, puderam os cientistas japoneses avaliar a quantidade de radiação a que os pescadores tinham estado expostos. Calcularam que os tripulantes que estavam trabalhando no convés durante a manhã do dia 1º de março podiam ter, até ao meio-dia, recebido até 100 roentgens (medida de radiação ionizante) de radiação. (Uma dose letal vai de 300 a 700 roentgens.) Dali por diante a exposição devia ter diminuído de dia para dia.

            O Dragão Feliz não foi o único navio pulverizado com chuva atômica. Dez navios de guerra norte-americanos encontravam-se nas imediações, a 50 quilômetros de Biquíni, para observar a detonação, numa área que se considerava segura. Cerca de uma hora após se ter espalhado a enorme nuvem em forma de cogumelo, os oficiais notaram que o vento estava arrastando para o lado deles resto de nuvem. Os contadores Geiger do tombadilho começaram a funcionar. Na mesma hora os navios foram “abotoados”, isto é, todos os marinheiros desceram, depois de prenderem as escotilhas e vigias e cobrirem os respiradouros de bordo. Grandes quantidades de água foram espalhadas sobre os navios por meio de mangueiras e esguichos especiais para lavar a contaminação radioativa. Durante metade de um dia as tripulações suaram lá embaixo. Afinal, decidiu-se que já se podia “desabotoar” os navios sem perigo, e homens com roupas de borracha, capuzes e máscaras foram limpar a poeira caída que a cortina protetora de água não tinha lavado. Assim a C.E.A. e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos ficaram conhecendo, poucas horas depois da experiência, as dimensões e a intensidade da chuva atômica. Mas nenhum aviso foi irradiado para os navios que se achavam nas imediações, provavelmente porque os lábios das pessoas participaram da experiência estavam selados por motivos de segurança.


 Aikichi Kuboyama, a vítima fatal da atrocidade com o Fukuryu Maru.

            Em setembro, os tripulantes japoneses sofreram um choque terrível; morreu o seu querido companheiro, o radiotelegrafista Kuboyama. Com tantas transfusões de sangue tinham aumentado as probabilidades de hepatite infecciosa. Embora os outros não tardassem a sarar dos ataques de icterícia, a de Kuboyama persistira. Na noite de 20 de setembro ele parecia estar sofrendo muito; foi chamada a sua família. Em dado momento gritou:

“Sinto como se meu corpo estivesse sendo queimado com eletricidade.”
            Kuboyama morreu no dia 23.

            Ao saberem de sua morte, as tripulações de inúmeros barcos de pesca e navios, no mar, enviaram mensagens de pêsames para o hospital. No dia seguinte o Embaixador dos Estados Unidos enviou uma nota ao Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, com um cheque de um milhão de ienes em favor da Sr.ª Kuboyama, “como prova de solidariedade do povo e do governo norte-americano”. (mais tarde foi-lhe acrescentado um milhão e meio).


Familiares de Aikichi Kuboyama. 

            No dia 20 de maio de 1955, os 22 tripulantes tiveram altas dos dois hospitais de Tóquio onde haviam passado mais de um ano. Tinham pela frente um futuro incerto: já não aguentariam o pesado trabalho de um barco de pesca.  Dedicaram-se, então, a ocupações como agricultura e comércio; apenas dois voltaram ao mar, e assim mesmo em navios de treinamento. Pouco depois, os Estados Unidos ofereceram ao Governo Japonês dois milhões de dólares --- ex gratia, isto é, sem que o oferecimento importasse no reconhecimento de qualquer culpa --- dos quais cada membro da tripulação recebeu cerca de 5.000; o restante se destinou ao pagamento de suas despesas de hospitalização e tratamento e dos prejuízos causados à indústria do atum pela chuva atômica.

            O que aconteceu aos 23 pescadores a bordo do Dragão Feliz, naquela fatídica manhã de março, foi um pequeno exemplo do perigo radioativo que seria desencadeado por uma guerra nuclear. Quando homens que se encontram a uma distância de 160 quilômetros da explosão podem ser mortos pelo silencioso toque de uma bomba, revela-se o terrível poder de destruição do átomo desintegrado. A bomba que explodiu em Biquíni foi uma arma nova e revolucionária. Mas se não fosse o acidente do Dragão Feliz, o mundo poderia encontrar-se ainda na ignorância quanto à natureza dessa arma e à sua significação para todos os homens.

Adaptação: Leandro Claudir. Criador e administrador do Projeto Construindo História Hoje e Acadêmico de História.

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com.br Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

LAPP, E. Ralph. Catástrofes, Desastres e Aventuras que Comoveram o Mundo. Seleções do Reader’s Digest: A Viagem do “Dragão Feliz”. Rio de Janeiro: Editora Ypiranga S.A, 1965.

(E-BOOKS PARA DOWNLOAD)

(REDE SOCIAL BADOO)

(AGREGADOR DELICIOUS)

(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(COMUNIDADE DE NOTÍCIAS DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL ASK)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL STUMBLEUPON)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(REDE SOCIAL INSTAGRAM)

(ALBUM WEB PICASA)

(REDE SOCIAL FOURSQUARE)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL BEHANCE)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(REDE SOCIAL MYSPACE)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)

(BLOGUE LIVE JOURNAL LEANDRO CLAUDIR)

(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(BLOGUE BLOSPOT CONTATO)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL FACEBOOK LEANDRO HISTORIADOR)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.