-

-

domingo, 23 de fevereiro de 2014

O fim da civilização Maia.


Guerras, conflitos internos, destruição de ecossistemas, administração ineficaz, agricultura improdutiva e mudanças ambientais. A maior civilização pré-colombiana desapareceu de forma misteriosa.

Longa decadência

Por mil anos, a cidade de Tikal irradiou cultura e poder econômico-militar na região do Petén, na Guatemala. Sua pujança ficou talhada em templos de 70 m de altura, acrópoles, palácios e pirâmides. Mas a partir do século 8 Tikal foi abandonada. O mesmo aconteceu com outras cidades-estado. A causa divide os pesquisadores. "Hoje, a historiografia considera que não houve uma causa única. E está revendo a ideia de um colapso", diz o historiador Eduardo Natalino dos Santos, da USP. "Não existiu uma queda brusca, e sim um processo de abandono lento e gradual entre os séculos 8 e 12." Natalino lembra que a queda se restringiu a uma região: as terras baixas da Península de Yucatán (sul do México, Belize e Guatemala), na região do Petén. "Houve uma realocação da população nas regiões do norte de Yucatán e nas terras altas de Chiapas", diz o historiador. "Os maias continuaram a existir. Eles prosseguiram com cidades menos monumentais e menos populosas. Inclusive habitam hoje o México e a América Central."

Em muitos casos, o "colapso" foi mero rearranjo político. Centros de poder emergiam e declinavam - para então ressurgir e conquistar os vizinhos. Tikal foi derrotada pelas cidades de Caracol e Calakmul em 562, mas se reergueu e subjugou as rivais em 695. Copán, na atual Honduras, foi arruinada por Quirigua em 738, mas voltou a florescer meio século depois. Chichén Itzá, no norte da península, cresceu depois de 850 e floresceu ao redor do ano 1000, até ser destruída em 1250.

O geógrafo americano Jared Diamond reconhece que fatos como esses tornam a história maia bastante complexa. Ainda assim, ele sustenta que houve um, ou melhor, vários colapsos. "Entre 90% e 99% da população maia desapareceu depois do ano 800, sobretudo nas terras do sul", escreveu em Colapso. Ele afirma que a população de Petén Central no auge do Período Clássico era de 3 a 14 milhões de pessoas, mas só restavam cerca de 30 mil no século 16, quando os espanhóis chegaram. E não há evidências de que toda essa gente tenha migrado para o norte. Mais: cidades-estado desapareceram e o Conta Longa deixou de ser usado. "É por isso que falamos de um colapso que precisa ser explicado", diz Diamond.

Agricultura insustentável

Decadência, colapso, declínio... Seja qual for o nome, o certo é que o destino maia foi selado por uma conjunção de fatores. O primeiro: a péssima gestão ambiental. "Os maias danificaram o ambiente, especialmente com o desmatamento e a erosão do solo", diz Diamond.

Para entender isso, basta um pouco de geografia. O território maia tinha duas estações principais: a chuvosa, entre maio e outubro, e a seca, de janeiro a abril. O sul recebia mais chuva, mas sofria pior escassez de água. Isso porque o relevo de Yucatán se eleva em direção ao sul, tornando o lençol freático cada vez mais distante. No norte, mais baixo, os maias alcançavam a camada de água por meio de depressões naturais, os cenotes. Mas no sul o relevo era alto demais para que os cenotes atingissem o lençol freático. Pior: a maior parte da Península de Yucatán é formada pelo karst, uma formação rochosa porosa como esponja, que faz com que a água escoe pelas fendas.

"Para solucionar a falta de água, os maias selaram os vazamentos do karst. Também escavaram e engessaram o fundo das depressões a fim de criar reservatórios que estocavam a água da chuva para usar na estação seca", diz o geógrafo. "Os diques da cidade de Tikal continham água suficiente para satisfazer a necessidade de cerca de 10 mil pessoas por 18 meses."

Os moradores enfrentavam problemas quando a estiagem durava muito. E partiam para a barbeiragem. Foi o caso de Copán. No século 7, 27 mil pessoas se espremiam num vale de 16 km2 - 1 687 habitantes por km2 (como comparação, Bangladesh, o país mais denso do mundo, tem mil habitantes por km2). Para driblar a superpopulação, 40% das pessoas saíram do vale de Copán para ocupar as colinas. Derrubaram árvores e provocaram erosão nas encostas. O solo ácido das colinas desceu até o vale, prejudicando sua fertilidade. E como o solo das colinas era pobre, os desmatadores retornaram ao vale em busca de melhores terras.

Os maias tentaram aumentar a produção agrícola, usando sistemas de irrigação, campos drenados e terraceamento (rampas niveladas para prevenir erosão). Mas áreas como Copán e Tikal mostram pouca evidência dessas ações. "Devem ter usado meios arqueologicamente invisíveis para aumentar a produção de comida, como irrigação por inundação - em casos extremos, ignorando o descanso do solo", diz Diamond.

Tudo isso minou a eficiência da agricultura. Pelo menos 70% da sociedade era formada por camponeses. Cada um deles produzia duas vezes a necessidade de comida de sua família, um excedente muito pequeno. A estação de chuvas, muito úmida, estimulava a proliferação de fungos, impedindo a estocagem de milho por mais de um ano. Em suma: gente demais, comida de menos... mas o pior ainda estava por vir.

Guerras permanentes

Os maias nunca formaram um império, como aconteceu com os incas e os astecas. Cada cidade tinha autonomia e buscava cooptar ou submeter as vizinhas para formar confederações - que também competiam entre si. Os reis se orgulhavam de torturar os inimigos. Graças à decifração da escrita maia, sabemos que os monarcas mandavam arrancar os dedos e os dentes dos prisioneiros. Ou amarravam seus braços e pernas para jogá-los escada abaixo feito bolas humanas. Os conflitos não ocorriam só entre as cidades, mas dentro delas.

Como acontecia com os demais povos da Mesoamérica, a sociedade maia era extremamente hierarquizada. O rei funcionava como sumo sacerdote, alegando ter poderes sobrenaturais. Era responsável por trazer chuva à população, que em troca o apoiava. Bastava uma seca forte para romper o acordo. Isso talvez explique por que o palácio real de Copán foi incendiado por volta de 850, durante uma forte seca. Os reis também cobravam altos tributos para financiar suas batalhas, o que motivava guerras civis, rebeliões e a debandada de parte da população rumo a outra cidade.

Outro problema: era difícil formar um império porque os maias não possuíam animais de tração. O transporte era feito nas costas dos humanos. Assim, se um sujeito saía com um saco de milho para suprir um exército, iria comer parte da carga. Sobrava pouco para as tropas. Com a barriga vazia, os soldados não suportavam longas campanhas. "Isso ajuda a explicar por que a sociedade maia permaneceu dividida entre reinos pequenos, com guerras entre si, sem se unificar", diz o geógrafo.

Mudança climática

Guerras, conflitos internos, destruição dos ecossistemas, administração ineficaz, agricultura improdutiva... sob esse prisma, os maias foram culpados pelo próprio fim. Mas alguns autores sugerem uma explicação diferente. "O colapso resultou de circunstâncias naturais externas, que os maias não controlaram nem causaram. Eles foram as vítimas, não os perpetradores", afirma o arqueólogo americano Richardson Gill no livro The Great Maya Droughts ("As Grandes Secas Maias", inédito no Brasil). "O Período Clássico terminou devido a uma série de secas entre os séculos 9 e 10, gerando não só escassez de comida, mas principalmente de água."

As secas não eram novidade. Durante o Período Clássico, porém, teriam ficado mais intensas. A maior evidência vem de um estudo feito pelos pesquisadores David Hodell, Jason Curtis e Mark Brenner, da Universidade da Flórida. Ao analisar sedimentos de lagos das terras baixas, constataram que uma grave seca atingiu o local entre 800 e 1000 - a estiagem mais séria dos últimos 7 mil anos. "Parte da população declinou de fome e sede durante as secas, ou matando-se na disputa por recursos naturais cada vez mais escassos", diz Diamond. "Outra parte do declínio populacional se reflete na maior taxa de mortalidade infantil e numa taxa de nascimento baixa ao longo de décadas."

"Há cada vez mais evidências de que a escala do desmatamento moderno reduz as precipitações regionais", diz o geógrafo americano Billy Turner, da Universidade do Arizona. Em Copán, o desmatamento nas encostas pode ter agravado as secas no vale, pois as florestas têm papel importante no ciclo das águas.

Múltiplos fatores se alinharam para produzir o ocaso da civilização. Mas os maias seguem vivos. "Existem 6 milhões de pessoas capazes de falar uma das 30 línguas maias", diz Carlos Pallán, do Instituto de Antropologia e História do México. Uma delas é Rigoberta Menchú, Prêmio Nobel da Paz em 1992, por denunciar a opressão aos indígenas da Guatemala. Menchú é a maior prova de que o fim dos maias está longe. E (ao menos é nossa aposta ao editar esta revista) o fim do mundo também.

A falta que a roda faz

Como uma civilização capaz de calcular as órbitas dos planetas não utilizava a roda nem ferramentas de metais? Perguntas assim são frequentes sobre os maias. E fazem parte de uma noção bem comum que temos sobre a história dos povos antigos: a de que um grupo só é avançado se utiliza certo pacote de coisas, como arquitetura monumental, escrita, roda e metalurgia. "Essa ideia hoje é bastante questionável. Não há um caminho único para as populações humanas seguirem", diz o historiador Eduardo Natalino dos Santos, da USP. "Cada uma desenvolve coisas que foram necessárias naquele momento histórico. Portanto, não é recomendável analisar uma população por aquilo que ela não tem. Porque, na verdade, ela não tem aquilo que a gente quer listar."

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.com. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.com. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 

(AVENTURAS NA HISTÓRIA)

(E-BOOKS PARA DOWNLOAD)

(REDE SOCIAL BADOO)

(AGREGADOR DELICIOUS)

(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(COMUNIDADE DE NOTÍCIAS DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL ASK)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL STUMBLEUPON)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(REDE SOCIAL INSTAGRAM)

(ALBUM WEB PICASA)

(REDE SOCIAL FOURSQUARE)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL BEHANCE)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(REDE SOCIAL MYSPACE)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)

(BLOGUE LIVE JOURNAL LEANDRO CLAUDIR)

(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(BLOGUE BLOSPOT CONTATO)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL FACEBOOK LEANDRO HISTORIADOR)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.