-

-

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Psicopatia e a mentira


Texto: Sergio Senna

Quando ministro aulas sobre a mentira, muitas pessoas me perguntam sobre os psicopatas e suas artimanhas para enganar.

Nesse artigo, apresentarei algumas características da psicopatia e introduzirei aspectos sobre a mentira que ocorrem nesse contexto. Em outra postagem veremos a mentira com mais detalhes.

Veremos, ainda, alguns aspectos sobre a psicopatia que podem nos interessar no que diz respeito à mentira e à análise do comportamento não verbal. 


Não estranhe os nomes utilizados na psicologia. Alguns deles têm mais de 150 anos e, àquela época, era muito comum tratar aspectos técnicos com palavras do senso comum. Então, certos conceitos psicológicos, ainda hoje, possuem significados complexos para as mesmas palavras que você conhece e usa na linguagem cotidiana. Trocando em miúdos – alguns nomes são horrorosos.


Se você tem interesse nesses assuntos, procure verificar o significado psicológico dos termos, pois eles, não necessariamente, coincidem com aqueles que as pessoas usam na Língua Portuguesa do dia a dia.

Percebo, ainda, que a preocupação excessiva das pessoas com a psicopatia e com a mentira está relacionada à repercussão das barbaridades cometidas por serial killers. Entretanto, estudos mostram que, na população em geral, as taxas dos transtornos de personalidade podem variar de 0,5% a 3% (APA, 2000; Assadi et al., 2006; Dembo et al., 2007; Elonheimo et al., 2007), lembrando que nem todos os assim chamados sociopatas matam pessoas ou trazem grandes prejuízos para os que os cercam. 


Como se define a psicopatia?

Psicopatia ou sociopatia é a forma popular para denominar o Transtorno de Personalidade Dissocial.

É um transtorno de personalidade descrito no DSM-IV-TR, caracterizado pelo comportamento impulsivo do indivíduo afetado, desprezo por normas sociais, e indiferença aos direitos e sentimentos dos outros.

Na Classificação Internacional de Doenças, recebe a denominação de Transtorno de Personalidade Dissocial (Código: F60.2).  


É um transtorno de personalidade caracterizado por um desprezo das obrigações sociais, falta de empatia para com os outros. Há um desvio considerável entre o comportamento e as normas sociais estabelecidas.

Existe uma baixa tolerância à frustração e um baixo limiar de descarga da agressividade, inclusive da violência. Existe uma tendência a culpar os outros ou a fornecer racionalizações plausíveis (usando ou não a mentira)  para explicar um comportamento que leva o sujeito a entrar em conflito com a sociedade. 


Nos casos extremos, o Transtorno de Personalidade Dissocial é caracterizado principalmente pela ausência de empatia com outros seres vivos, resultando em descaso com o bem estar do outro e sérios prejuízos aos que convivem com eles.

São comuns os relatos de sociopatas que dão conta de uma infância difícil ou de testemunhas que observaram comportamentos excessivamente agressivos e mentira patológica na adolescência. É igualmente comum que essas pessoas não tenham recebido o adequado cuidado familiar, geralmente repetindo os comportamentos violentos e abusivos a que foram submetidos. Com a passagem do tempo, o transtorno tende a se cronificar e pode causar grandes prejuízos à vida do próprio indivíduo e especialmente de quem convive com ele (Kaplan, Sadock & Grebb, 1997). 


Como se chega à conclusão de que alguém é um psicopata?

Pela descrição das características do Transtorno de Personalidade Dissocial, é possível notar a dificuldade de identificar tal transtorno, pois existem muitas situações que são “socialmente” aceitas e que se assemelham ao padrão de comportamento em que há quebra de normas sociais ou algum nível de violência. Além disso, existem outros critérios a considerar como a idade, comorbidades, entre outros que fogem ao propósito informativo desse artigo.

O instrumento auxiliar mais utilizado como guia para um diagnóstico foi desenvolvido por Robert Hare (2003). Vem sendo utilizado no Brasil e foi classificado como teste psicológico (mas, caracteriza-se como uma escala), em 2005, pelo Conselho Federal de Psicologia. Seus critérios diagnósticos abrangem aspectos afetivos, interpessoais e comportamentais em relação ao estilo de vida e às ações antissociais. Cada item é avaliado em uma nota de zero (ausente ou leve), um (moderada) ou dois (grave).  Essa avaliação é realizada por um especialista (não é um questionário respondido pelo próprio sujeito) e se baseia em entrevistas e no histórico disponível sobre a pessoa. A soma total determina o grau de psicopatia de uma pessoa.

Veja alguns dos critérios da escala Hare (PCL-R): Narcisismo agressivo, sedutor ou charme superficial; Grandioso senso de auto-estima; Mentira patológica; Esperteza e Manipulação; Falta de remorso ou culpa; Superficialidade emocional; Insensibilidade / Falta de empatia; Falha em aceitar a responsabilidade por ações próprias; Agressão a animais; Impulsividade; Irresponsabilidade.


Existem “níveis” de psicopatia?

Muitos especialistas sustentam que existem graus de psicopatia. Sob esse ponto de vista, mesmo quando alguém não haja cometido algum crime bárbaro, elementos que caracterizam esse transtorno podem estar presentes. É nesses casos que a identificação da mentira mais nos interessa.

Veja algumas obras que tratam desse tema:

Snakes in Suits - Robert Hare;

Psychopaths of everyday life – Martin Kantor;

Bad boys, bad men – Donald Black;

Mask of Sanity - Hervey Cleckly 


Diversas vezes, em meus 30 anos no mundo do trabalho, me deparei com pessoas assim. Eu percebia que esses indivíduos sentiam um prazer disfarçado no sofrimento alheio. Às vezes, eu não entendia o porquê de estar ocorrendo determinada situação que me oprimia sem nenhuma necessidade. Mentira, manipulação de informações e redução desnecessária de prazos: observava isso com certa frequência.

Então percebi que a razão para esses “ataques” era me colocar em sofrimento, o que servia de contexto de alegria para essas aberrações humanas que viviam para verem os seus semelhantes sofrerem.


Normalmente, as perversidades e a mentira eram “encobertas” por regras, cumprimento de ordens e de determinações superiores, motivo pelo qual não era possível reagir objetivamente.

Aprendi então que a melhor forma de lidar com esses indivíduos doentes era não demonstrar sofrimento. Inicialmente, as maldades aumentavam (o que era esperado). Entretanto, depois de algum tempo eles “largavam do pé” e procuravam outra vítima mais responsiva que satisfizesse mais facilmente os seus desejos em observar o sofrimento.

Em que o Transtorno de Personalidade Dissocial interessa à análise da mentira e do comportamento não verbal?


Um dos principais aspectos que pode interessar a quem estuda a análise do comportamento não verbal é que o sociopata não apresenta o padrão de ansiedade e depressão, que costuma estar presente nos demais indivíduos quando do cometimento de atitudes violentas e da utilização da mentira para enganar ou esconder seus atos socialmente reprováveis.

É importante ressaltar que os indivíduos que desenvolvem esse transtorno não apresentam um déficit em termos de processamento das informações sociais, conseguindo entender e manipular os estados mentais de outras pessoas (e seus comportamentos), ainda que se mostrem indiferentes às emoções que percebem nos outros.

Eles aprendem e desenvolvem técnicas sofisticadas para realizar manipulações voltadas à obtenção de vantagens exclusivamente pessoais e não raras vezes perversas. 


O Cérebro do Psicopata


A psicopatia ou transtorno de personalidade antissocial é um dos transtornos mais devastadores que existem. Seu prejuízo se direciona, sobretudo, aos que estão próximos e que são alvos do psicopata. Seu comportamento caracteriza-se principalmente por uma propensão à desinibição, comportamento impulsivo somado à insensibilidade emocional e não percepção das consequências de seu comportamento sobre outros indivíduos (Checkley, 1941).

Estudos recentes, como os de Leistico (2008) e Walters (2003), revelam que esses indivíduos são altamente reincidentes em seus crimes, comparando com indivíduos sem o transtorno. E isso se reproduz em diversas faixas etárias, inclusive em jovens (Gretton, 2001).


Uma conclusão um tanto pessimista a qual vários estudos vem chegado é que o quadro não é revertido nem atenuado através do engajamento em terapia. Muitas vezes, ainda, os psicopatas podem se valer do discurso aprendido com o terapeuta para incrementar ainda mais suas mentiras e engodos (Garrido, 1995; Seto, 1999).

Isso indica que a necessidade de estudos na área é grande, já que a elucidação do funcionamento e das causas da psicopatia ainda não estão claros o bastante. Nesse panorama, pensando em outros transtornos também, os estudos neurológicos possibilitados pela atual tecnologia vem acrescentando muito ao corpo teórico de psicólogos e psiquiatras.

A biologia do psicopata

Esses estudos vem sugerindo que a psicopatia, de fato, possui um substrato neural caraterístico (Blair, 2006; Kiehl, 2006) e também um forte componente hereditário (Larsson, 2006).

Os estudos do cérebro desses sujeitos antissociais acrescentam muito aos modelos teóricos que explicam o transtorno, mas mesmo com essas evidências, a complexidade delas acaba guiando os estudos a várias conclusões diferentes – e complementares em muitos casos – sobre a sua causa. Entre as inúmeras teorias, destacarei as dos já citados Blair e Kiehl (Para ter um panorama geral dos outros modelos, ver Anderson & Kiehl, 2012).

A participação da amígdala

Blair enfatiza bastante a participação da amígdala no comportamento. Esta é uma estrutura que se localiza no sistema límbico do cérebro, área mais antiga evolutivamente falando e que se relaciona com respostas bem primitivas do organismo, no que tange à sobrevivência.

Como já foi mencionado em outros artigos no Ibralc, o medo é uma emoção intimamente ligada à essa região, relacionando-se às respostas do organismo frente a estímulos ambientais ameaçadores. Também está relacionada à expressão de outras emoções.


Imagem: Amígdalas em vermelho.

Exames de ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês) vêm mostrando que realmente há um funcionamento anormal na hemodinâmica da amígdala (Kiehl, 2001). Ao que tudo indica, a estrutura no cérebro dos psicopatas funciona diferente numa série de situações.

Foi relatado, por exemplo, num estudo, que a amígdala possui uma ativação muito inferior ao nível normal quando esses indivíduos visualizam imagens que indicam violação de regras morais (Harenski, 2010) ou mesmo de imagens chocantes, como amputações (Harenski, 2009).

No que concerne às expressões faciais, o mesmo ocorre. Num estudo de 2009, por exemplo, Dolan demonstrou que, através da fMRI, indivíduos que se encaixam no critério para a psicopatia revelam uma expressão amigdalítica muito mais baixa que a do grupo controle ao observar expressões faciais de medo.

Boccardi (2011) ano passado teve um estudo publicado, no qual encontrou indícios de que essa baixa expressão da estrutura estaria relacionada à reduzidos níveis de massa cinzenta no local; em outras palavras, a região basolateral da estrutura teria um tamanho significativamente diminuído nos indivíduos estudados, o que resultava em déficits em seu funcionamento.

O curioso – e coerente com outros estudos na área – é que o núcleo basolateral é exatamente a área que mantém conexões com o córtex orbitofrontal, no córtex pré-frontal. Estima-se, atualmente, que a interação entre as duas áreas esteja relacionada à “atualização” do reforço de certos comportamentos relacionados à detecção de ameaças (Phelps & LeDoux, 2005).


Imagem: O córtex pré-frontal – O que nos torna humanos.

Outra área que tem destaque na condição da psicopatia é o córtex pré-frontal. Essa região localiza-se bem atrás da nossa testa e olhos, e está relacionada à uma diversidade de comportamentos tipicamente humanos: tomada de decisão, controle de impulsos (e emoções), racionalidade (apesar de não ser somente essa região ativadas nesses momentos) e etc.

Antes de ferramentas de alta tecnologia serem disponibilizadas para experimentos científicos, já cogitava-se fortemente a hipótese de esse local estar relacionado aos comportamentos dos psicopatas pelo fato de lesões resultarem em comportamentos impulsivos semelhantes aos desses indivíduos (Anderson et al, 2000).

Um caso clássico na literatura médica é o do mineiro Phineas Gage, que ao socar uma barra de ferro contra um buraco cheio de pedras e pólvora – era assim que se abriam minas para se explorar metais preciosos e carvão, no século XIX –  teve a ferramenta arremessada contra seu rosto, perfurando um dos olhos e o córtex pre-frontal, consequentemente.


Córtex pré-frontal destacado

A partir desse dia, Gage nunca mais foi o mesmo. De trabalhador exemplar em comportamento, disciplina e eficiência, passou a ser preguiçoso, relaxado, desbocado e desrespeitoso. Na vida conjugal, de marido fiel e atencioso, virou um relapso parceiro, que traía a esposa e dava em cima de todas as mulheres que via.

Podemos dizer com alto grau de certeza que a lesão prejudicou a capacidade de inibir impulso, tornando o homem alguém totalmente diferente do que era antes. E é exatamente esse o comportamento típico dos psicopatas, apesar de haver um espectro nos níveis de falta de controle sobre os impulsos, claro.

De forma muito interessante, um estudo Koenigs e seus colegas, em 2007, revelou que uma área específica do córtex pré-frontal está especialmente afetada no transtorno: a porção ventromedial. Essa região, segundo o estudo, está relacionada com as decisões morais utilitaristas (Bentham, 2004).  

De forma simplificada, essa filosofia moral baseia-se na princípio de que qualquer ato moral deve ser definido como tal baseado na consequência do mesmo, isto é, sacrificando um em nome de dois, por exemplo. E essa moralidade fria e calculista está bem presente na mentalidade dos psicopatas, bem mais racionais que “emotivos”, digamos assim.

A psicopatia e a dissociação entre as realidades


Como BTK conseguiu durantetanto tempo ficar incognito na sociedade? Simples: o mesmo não passava, aparentemente, de mais um morador, pai de família, religioso e socialmente agradável, entretanto, como alguém aparentemente sem empatia pelo próximo, consegue criar este tipo de estrutura social? Talvez esta estrutura fizesse parte de sua “camuflagem”.

Segundo Ilana Casoy, “para parecer um ser humano normal e misturar-se às outras pessoas, o serial killer desenvolve uma personalidade para consumo externo, ou seja, um fino verniz de personalidade completamente dissociado do seu comportamento violento e criminoso. A dissociação não é anormal, todos nós temos um comportamento social mais “controlado” do que aquele que temos com nossos familiares mais íntimos.”

Entretanto, para os psicopatas, esta dissociação entre a realidade e suas fantasias é bem mais ampla. Interessante trazer uma narrativa encontrada no livro “Meu vizinho é um psicopata”, da Martha  Stout, Ph.D., em seu capítulo 4, onde a mesma narra a história de uma psicóloga, de 34 anos, bonita, bem vestida e que dirigia uma BMW, e que era extremamente querida no hospital em que trabalhava, mas que escondia uma outra faceta: menosprezava seus colegas de trabalho e manipulava todos ao seu favor.

Como se isto não bastasse, a mesma sabotou o trabalho de uma colega psicóloga, que após um longo tratamento de um paciente paranoico ( o qual pensamentos aterradores o assaltavam ), teve uma brusca recaída após ser informado que sua psicologa de confiança o deixaria, e que o mesmo seria tratado por outro profissional. Toda esta movimentação foi feita apenas para sabotar o trabalho de sucesso da “colega”, pois o paciente era filho de alguém influente dentro do hospital, e que com certeza, um bom tratamento traria frutos para o hospital, bem como para a psicóloga.

Após inúmeras “sabotagens”, descobriram que a tal psicologa não tinha registro e muito menos diploma de doutorado como alegava, apenas o fato de que aos 22 anos formou-se em psicologia em sua cidade natal. Observem então que nem todos os casos de psicopatia estão associados à crimes em série, mas à satisfação por menorizar o próximo, efetuar crimes financeiros – vide caso Bernard Madoff  e sua pirâmide financeira – e torna-se usurpador da vida alheia, tudo isto apenas por puro prazer.

Como os psicopatas estão presentes no nosso cotidiado?

Déborah Pimentel, em seu artigo “A psicopatia da vida cotidiana”, nos informa que “nem sempre os psicopatas são identificados, depende muito do grau de psicopatia, se baixa, moderada ou grave. Muitas vezes, convive-se com eles no cotidiano, pois nem todos se transformam em marginais ou assassinos, e levam uma vida aparentemente normal, exercendo seu grande poder de sedução, manipulando, traindo, tirando vantagens e fragilizando os mais vulneráveis, em relacionamentos predatórios com quem cruzam pelo caminho e que podem tornar-se presas fáceis do seu gozo perverso”.

Interessante a colocação de Renato Sabbatini e Silvia Helena Cardoso, em seu artigo “Sociopatas: Predadores Humanos”, os quais dizem que: “Os sociopatas tem problemas legais e criminais, frequentemente manipulam os outros em proveito próprio, dificilmente mantém um emprego ou um casamento por muito tempo, eles têm inteligência normal ou acima do normal e, em geral, não tem nenhuma ansiedade, depressão, alucinações ou outros sintomas e sinais indicativos de neurose, pensamento irracional ou doença mental.”

Enfim, os psicopatas estão aí, sabem o que estão fazendo, mas não sentem nenhum tipo de culpa, mesmo distinguindo o que é certo e errado.

 Inimigo intimo.

Psicopatia e o Caso BTK


Em 1974 Dennis Rader, um tranquilo funcionário público municipal, iniciava uma carreira assustadora de assassinatos em série. Auto-intitulado BTK (Bind-Torture-Kill) que quer dizer “Subjulgar-Torturar-Matar”, o assassino desafiava as autoridades policiais com pistas e cartas endereçadas à mídia, além de reivindicar autorias de crimes e criar uma atmosfera de terror e medo na pequena Winchita, criando um jogo (termo muitas vezes descrito pelos próprios investigadores, conforme vídeo a seguir) de gato e rato com a polícia. 


Mais velho de todos os irmãos e filho de William Elvin Rader e Dorothea Mae Cook. Quando criança, costumava torturar animais. Em 1957, foi confirmado como membro – e lider – da Igreja Lutherana. Casou-se com Paula Dietz e teve dois filhos. Se graduou como Bacharel em Administração.

Pode ter matado pelo menos 10 pessoas e fazia de seus crimes verdadeiras alegorias de crueldade e loucura. Ele mandava muitas cartas à policia e meios de comunicação pública, dizendo como eram seus crimes e como os fazia, descrevendo-os friamente: demonstrando uma estrutura extremamente narcisista e seu prazer pelo “jogo” com as autoridades policiais.

Pausa temporária nos crimes.

Depois de 1991 seus crimes cessaram, não se sabe a razão de Rader ter parado de matar a partir desta data, ele começou a trabalhar como “Homem da Carrocinha” e usava armas com tranquilizantes para pegar os cachorros das ruas, inclusive se envolvendo em alguns problemas com donos de alguns cachorros que sumiram de certas residências. Dennis Rader foi preso em 26 de fevereiro de 2005, pelo Chefe de Polícia de Winchita, Norman Willians, quando, friamente e sem arrependimentos, assumiu ser BTK.

Previna-se contra psicopatas


Seria possível anteciparmos a ameaça de um psicopata? Isto é, poderíamos saber que se trata de um desses predadores sociais antes que eles mostrem suas garras?

Os filmes e a literatura sobre o assunto nos mostram que os indivíduos portadores de traços de personalidade antissocial costumam ser muito sedutores à primeira vista. Rapidamente eles atraem a atenção e engambelam os outros em seus planos que só visam beneficiar a si mesmos.

O sofrimento resultante disso, claro, é muito grande, tanto pelo fato de suas vítimas descobrirem a enganação quanto pelos próprios danos diretamente causados, que podem ser relacionados a falsificações, roubos ou até mesmo morte.

Por isso, técnicas que possibilitassem a todos terem noções básicas e eficientes de como identificar um psicopata antes que ele causasse danos irreparáveis teriam enorme valor. Desse modo, resolvi buscar em pelo menos uma base de dados (diretórios onde podemos pesquisar por artigos científicos) sobre a existência de estudos relacionados a esse tema.

Achei apenas um, do ano passado (2011), feito por Nicholas S. Holtzman, da Washington University. O pesquisador trabalhou não só com psicopatia, mas com dois outros tipos de personalidade: narcisista e maquiavélica.

Tentativas de prevenção

A pergunta feita no início do texto não é muito original, pois vários estudos parecem ter empreendido esforços nessa direção (Back et al. 2010; Fowler, Lilienfeld & Patrick, 2009). Todavia, o ponto fraco desses estudos é que todos se focaram na vestimenta dos indivíduos testados.

 As roupas, por serem um traço estilístico muito manipulável e mutável, acabam não sendo um indicador tão eficiente dos traços de personalidade. Assim, o ideal seria ter algum que fosse mais difícil de ser burlado. E, como você já deve estar desconfiando, um dos melhores que podemos pensar são as expressões faciais.

 Um melhor indicador

O artigo se refere, mais especificamente, à estrutura craniofacial, que pode trazer preciosas informações sobre esses três tipos de personalidade. E essa tríade possui algumas características fundamentais em comum, que podem ser medidas, como o hábito de manipular os outros e usá-los com fins exploradores.

 Distinções-chave também ocorrem: maquiavélicos são mais introvertidos e causadores de intrigas, narcisistas costumam ser mais egoístas e psicopatas são mais imprudentes e exibem tendências a cometer crimes. Apesar desses elementos, as semelhanças torna coerente a abordagem dessa tríade de forma unida no estudo.


Metodologia

Resumidamente, a metodologia usou dois tipos de abordagem. A primeira foi o uso de diversos questionários para avaliar os traços desses três tipos de personalidade. O segundo – o que também foi apontado como uma inovação desse estudo – foi o relatório por pares (peer-report), em que os voluntários da primeira amostra, eram incumbidos de recrutarem por e-mail outras pessoas para o experimento. Os indivíduos recrutados também respondiam a uma série de perguntas que tinham o mesmo fim das da primeira fase (para mais detalhes, consulte o artigo como na referência no fim do texto).

 Várias fotos eram tiradas desses voluntários, que apresentavam face neutra. A partir daí, elas eram separadas de acordo com o estereótipo de face atribuído a cada personalidade em estudo anterior (Penton-Voak, Pound, Little & Perrettm 2006). Não ficou claro no artigo se as fotos eram manipuladas de alguma forma para que a estrutura craniofacial ficasse mais perto do que era desejado em cada caso.

Um resgate do século XIX?
Pode ser que o leitor possa ter feito alguma relação com antigas disciplinas do século XIX e início do XX, como a Frenologia e com os estudos do italiano Cesare Lombroso.

Resumidamente, na abordagem da frenologia acreditava-se que cada área cerebral seria responsável por uma característica da personalidade. E isso levou à crença de que era possível avaliar mesmo realizar um teste e montar um perfil do indivíduo, baseando-se nas ondulações do crânio. Essa relação era possível para alguns estudiosos da época porque acreditava-se que quanto mais de determinada característica uma pessoa tivesse, mais aquela área cerebral crescia. E esse crescimento do tecido cerebral empurraria o crânio, produzindo os “calombos”. Tal abordagem foi muito criticada na época mesmo, pois muitos neurologistas não viam como um tecido tão frágil como o cerebral poderia empurrar um osso tão resistente quanto o crânio. Mas mesmo assim, por razões mais socio-culturais do que científicas mesmo, a idéia ficou bem famosa.

Outro elemento poderoso foi a abordagem de Lombroso. O italiano acreditava que através da anatomia poderíamos conhecer a personalidade das pessoas. Assim, popularizou-se a anatomia do assassino, por exemplo, em que supercilhos grandes, face angulosa e queixo pronunciado, por exemplo, era sinal de agressividade.

Tais conhecimentos hoje se provaram incorretos, então, caso o leitor faça alguma relação entre esses estudos antigos e o usado como base deste texto, saiba que não é o caso. O presente estudo é pioneiro e no próprio artigo é dito que para que ele seja levado mais à sério pela comunidade científica, é preciso que ele seja replicado por outros pesquisadores e etc.

E a Fisiognomia?
Em relação à essa técnica, não existe muitos comentários a serem acrescentados. Um dos principais aspectos que distinguem-na do estudo de Nicholas S. Holtzman é que essa disciplina não é uma ciência. A ausência da aplicação desse método faz com que ela seja relacionada Muitas vezes à astrologia e outras atividades sem o crivo científico. E, de fato, ela guarda algumas semelhanças, como sua origem milenar e tentativa de observação holística do ser humano. O holismo ttenta analisar o ser humano em seu aspecto global, sem que haja o reducionismo tipicamente científico. Porém, esse reducionismo é necessário ao se querer analisar um fenômeno e elaborar meios para testar as conclusões de tal estudo. Sem isso, temos resultados indesejáveis numa pesquisa, como o seguimento de determinada interpretação com base em argumentos de autoridade como o de “é uma técnica milenar” ou “ah isso foi dito por tal pessoa importante”.

Muitas vezes – e isso vale para fisiognomia, astrologia, grafologia, tarô e até mesmo, dizem alguns, para algumas técnicas projetivas e expressivas da psicologia – um mesmo elemento é interpretado de modos diferentes por dois especialistas. Links sobre a fisiognomia: Entrevista no Programa do Jô   e um site sobre o assunto.

Recomendo a leitura do artigo O estudo da linguagem corporal é uma ciência? para quem se interessar mais por essa história de se alguma coisa é ciência ou não.

O resultado e além

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.