-

-

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Contragolpe cristão dentro do Terceiro Reich: bispo franciscano Alois Hudal e a trama do Vaticano para dividir o movimento nazista, infundindo a caridade cristã.



Um exemplar de Fundamentos do nacional-socialismo, de Alois Hudal, entregue a Hitler em novembro de 1936 como parte de uma conspiração pra dividir o movimento nazista. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

Em 1936 o bispo Católico Alois Hudal, com então 49 anos escreveu o livro Fundamentos do nacional-socialismo.  A primeira vista poderia parecer mais um livro dentre tantos que apoiavam e instruíam os cidadãos dentro das políticas do nacional-socialismo. O livro era apresentado com uma capa marrom estridente que lembra os uniformes das Tropas de Assalto, com seu título e autor escritos em um tom dourado atenuado em uma capa de linho. A principio parece um tratado conspiratório, assim como a fotografia brilhante em página inteira de seu autor, mal parece a imagem do artífice de uma trama do Vaticano para dividir o movimento nazista de dentro, purificá-lo das toxinas antissemitas, infundi-lo de caridade cristã e despertar em seus seguidores o catolicismo romano latente que os conspiradores tinham certeza de que jazia dormente dentro de suas almas.

O herege livro “O Mito do Século XX”.

Um plano que parecia tão ingênuo quanto ambicioso, mas por algumas horas em novembro de 1936, quando Hitler recebeu o livro, aquele plano pareceu cambalear à beira do sucesso, uma conspiração de um homem só (bispo franciscano Alois Hudal) iniciado dois anos e meio antes, na tarde de 7 de fevereiro de 1934, por um estudioso do Antigo Testamento.


Exemplar do livro O Mito do século XX de Alfred Rosenberg. Hitler certa vez descreveu o livro como algo impenetrável. Esta edição de 1940 contém o Ex-Libris de Hitler, mas não mostra sinais de ter sido lida. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

Naquela tarde especial de 1934, Hitler recebeu o cardeal Karl Joseph Schulte, , bispo de Colônia, em seu escritório na Chancelaria do Reich. O cardeal viera a Berlim para expressar sua preocupação com a agitação anticristã crescente entre os nazistas locais e, em particular, com a recente nomeação de Alfred Rosenberg como o “Ideólogo principal.” de Hitler, responsável pelo bem-estar “espiritual” do povo alemão. Agora o cardeal Karl Joseph Schulte vinha levantando a questão com o próprio Hitler. Este foi lembrado de que Shulte era responsável pelo bem-estar espiritual de 7 milhões de católicos, que inicialmente apoiaram a tomada do poder pelos nazistas e o acordo firmado com o Vaticano. Schulte disse que havia observado um aumento preocupante da retórica anticristã e anticlerical entre os líderes nazistas, tendências agravadas ainda mais pela nomeação de Rosenberg como “representante” do ensino “ideológico e espiritual”. Não apenas monitoramento do ensino Religioso violava os termos do acordo com o Vaticano, como Rosenberg era um conhecido militante crítico da Igreja, fato que ficava bem claro em seu livro o Mito do século XX.

Rosenberg estava entre os nazistas anticristãos mais militantes, seu livro O mito do século XX constituindo um compêndio de heresias, incluindo a defesa da poligamia, a esterilização forçada e a propagação do “quinto Evangelho”, que revelaria a verdadeira natureza de Jesus Cristo. De acordo com aquele “Evangelho perdido”, Jesus era revoltado contra seu próprio povo, era um profeta irado propenso a destruição. Em seu livro Rosenberg alegou que “São Pedro, agindo como um agente judeu, mudou seu nome para de Saulo para Paulo e ocultou o quinto Evangelho como meio de escravizar os povos da Europa” (A mais pura paranoia antissemita).

Rosenberg falou de uma ética cristã “judaizada” e imaginou o surgimento de uma nova religião. Com símbolos de culto voltados a soldados tombados em batalha, como símbolos do mito eterno do sangue e vontade, deram a vida pela honra do nome alemão.

E novembro de 1933, o Vaticano havia feito um protesto formal contra a inclusão do Mito de Rosenberg nos currículos escolares, mas em vão. Em janeiro o ministro da Educação prussiano incluiu o livro numa lista de títulos “recomendados” a bibliotecas escolares. Os bispos fizeram soar o alarme.

“Recentemente, soube que o livro O mito do século XX deveria ser incluído nas bibliotecas escolares das escolas de nível médio. Esse livro de Rosenberg não condiz com tal biblioteca no mínimo caberia no Index [o Index Librorum Probitorum do Vaticano, a famosa lista de livros proibidos].”

Cardeal Karl Joseph Schulte

À menção do livro de Rosenberg fez Hitler interromper Shulte.

“Não quero aquele livro, Rosenberg sabe disso! Eu mesmo lhe disse que não quero nenhuma relação com aquelas coisas pagã”.
Adolf Hitler

O cardeal Schulte respondeu que Hitler não podia mais falar assim sobre Rosenberg e seu livro, Herr chanceler do Reich, porque, há poucos dias o senhor nomeou oficialmente esse mesmo Herr Rosenberg como instrutor ideológico do Partido Nazista e, portanto como instrutor de grande parte do povo alemão e portanto quer goste ou não o senhor será identificado com Herr Rosenberg! Hitler respondeu que se identificava com Herr Rosenberg, mas com o autor do livro O Mito. Hitler Repetiu que sua convicção de que sua convicção de nomear Rosenberg nada tinha a ver com seu livro o Mito. O livro repetiu Hitler era assunto particular. E destacou que se alguém devia ser responsabilizado pelo livro, era a Igreja Católica, pois foram os bispos que tornaram o livro de Rosenberg tão conhecido. Sem eles, ninguém ele teria dado a menor atenção. Quando Schulte disse que Hitler estava “distorcendo” os fatos, este mudou de assunto. O encontro chegou a um final nervoso.
O Contragolpe Cristão com o livro “Fundamentos do Nacional-socialismo”.

            Em 1933, Hitler foi nomeado por Paul Von Hindenburg com o 16º chanceler da República de Weimar. Na noite de 30 de junho de 1934, numa operação conhecida como “Noite dos Longos Punhais”, Hitler mandou eliminar líderes do Partido Nazista que discordavam de suas opiniões, muitos foram presos e executados. Hitler agora detinha a autoridade absoluta, e a natureza implacável do seu regime era evidente a todos.

            Mas enquanto Hitler eliminava a dissidência em seu país e no próprio partido, a trama do bispo católico Alois Hudal para solapar a movimento nazista já estava em andamento. Na mesma tarde em que Hitler discutiu com o cardeal Schulte sobre o livro o Mito de Rosenberg, uma assembleia de cardeais conhecida como Santo Ofício se reunia em Roma para tomar uma decisão que pôs em marcha os projetos ambiciosos do bispo Hudal.

          Nas negociações com o Partido Nazista que culminaram no acordo da primavera e verão de 1933, o bispo Hudal havia identificado duas facções dentro do movimento nazista: os “conservadores” como Goering e Goebbels, preocupados principalmente com o poder político, e os “radicais” do partido, como Rosenberg, que promoviam uma ideologia ariana fanática e estranha. Completando a inclusão do livro o Mito de Rosenberg no Index, o bispo Hudal recomendou uma campanha de relações públicas para expor essas divisões e forçar Hitler a tomar partido.

            Para o bispo Hudal, a expectativa pública poderia obrigar Hitler e Von Papen a se distanciarem dos radicais e adotar plenamente os termos do acordo como parte de seu “dever com a felicidade” do povo alemão. Desse modo disse o bispo Hudal, a posição do Vaticano e de todos os jornais católicos possíveis no exterior deve ser a exigência idêntica no espírito idêntico: Von Papen e Hitler, Hitler e Von Papen! Só assim segundo Hudal um clima potencialmente benéfico pode ser criado.

            Segundo o bispo Hudal, uma vez que o movimento nazista tivesse sido polarizado, os “radicais” apartados na extrema esquerda e os “conservadores” atraídos para a ala cristã, Hudal pretendia propor um projeto teológico combinado à crença católica romana com a doutrina nacional-socialista. Hudal via grande potencial nisso.

            Se os nazistas pudessem ser persuadidos a abandonar o “antissemitismo” a favor do “antijudaismo”, ou seja, incomodar-se com a comunidade religiosa, em vez da racial, o bispo Hudal acreditava que os alemães pudessem criar uma forma catequizada de fascismo que representaria a força política e social mais poderosa da Europa: a disseminação do bolchevismo. Hudal se referiu a certa “Wermacht do espírito” e notou que o ministro do Exterior soviético, Viatcheslav Mólotov, declarara que a maior ameaça ao comunismo seria a fusão do fascismo com o catolicismo romano.

            Quando o bispo Hudal delineou sua estratégia durante uma audiência privada com Pio XI, o papa ouviu pacientemente e depois disse ao bispo austríaco que este julgara mal Hitler e seu movimento ao achar que o nacional-socialismo representava um sistema de crenças.

“Ai você cometeu seu primeiro erro bispo Hudal. Você não pode falar de nada espiritual nesse movimento. É um materialismo total.”
Papa Pio XI

Para o Papa Pio XI, não havia desejo por parte dos nazistas de entrar em acordo com o cristianismo, e nunca haveria. O movimento envia táticas e poder, não fé ou crença. No final da audiência, Pio XI informou Hudal que não acreditava na “possibilidade de uma compreensão” entre nazistas e católicos, mas desejava a Hudal “boa sorte” em sua iniciativa. Hudal ignorou o conselho papal, pois acreditava que existia dentro de Hitler ainda aquele menino que um dia recebeu lições de canto no coro paroquial de Lambach e que via na posição de pároco de aldeia o ideal de vida e que deseja no mais  a situação de abade uma grande aspiração (Estas palavras o bispo Hudal extraiu lendo Mein Kampf).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.