-

-

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Joseph Stalin: o “Tio Joe” da Rússia. PARTE II.



Winston Churchill (esquerda), presenteando Joseph Stalin com a Espada de Stalingrado, em reconhecimento da posição heroica do povo soviético na vitória da batalha de Stalingrado, dezembro de 1943.

Nessa postagem estaremos dando continuidade aos estudos históricos sobre esse emblemático personagem da História russa e as pretensões em comum que ele compartilhava com os países do ocidente. Adentraremos em sua carreira política e seu modus operandi como político comunista. Stalin foi para as pessoas de sua época e sua nação uma figura de dupla personalidade político-social: em uma viam o homem que tirou a Rússia da simples produção agrícola para um país altamente industrializado, mas também viam o homem que desconfiava de todos ao seu redor e não possuía nenhum remorso em matar, tortura ou exilar quem se opôs a suas ideias.


Fome que matou milhões de russos no processo de coletivização das fazendas 1. Imagem: http://veja.abril.com.br/

Em 1922, talvez percebendo que Stalin fosse uma força a ser considerada e achando que a melhor coisa a fazer era manter os inimigos perto de si, Lênin o nomeou secretário-geral do partido. Foi um erro fatal, mas antes que pudesse corrigir a situação ele sofreu uma série de derrames. Isso deu a Stalin a oportunidade pela qual sempre havia esperado e, com Lênin incapacitado, assumiu rapidamente o controle do partido.

Finalmente Lênin, ao se dar conta de que se havia equivocado ao pensar que Stalin poderia ser um bom líder conseguiu ditar uma carta a uma de suas secretárias. Ele pretendia que essa declaração fosse lida em voz alta durante o próximo congresso do partido, mas, como quis o destino, ele sofreu uma hemorragia cerebral fatal no dia 21 de janeiro de 1944. Stalin adiou imediatamente o congresso e desapareceu com o documento.

Nesse interem, instigou a remoção de praticamente todos os que estavam em seu caminho, até mesmo Trótski (que foi deportado e depois assassinado), Zinóviev e Kámeniev (ambos expulsos do partido e depois assassinado), bem como Bukhárin.


Fome matou milhões de russos no processo de coletivização das fazendas 2. Imagem: http://veja.abril.com.br/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.