-

-

quarta-feira, 17 de abril de 2013

As diversas faces do coronelismo e suas inter-relações.



Na foto Cel. Victor Dumoncel Filho na Revolução de 1923. Imagem: AVD/SB.

O objetivo de Claudio Pereira Elmir com esse trabalho é descrever as relações coronelistas no Rio Grande do Sul, mais especificamente no Planalto Central e na Serra. Essa descrição é feita através da leitura das correspondências privadas do Coronel Victor Dumoncel Filho, recebeu entre 1930 e 1935.

O autor procurou se ocupar em um nível menos abrangente da ação política em termos geográficos, mas que possam revelar a intensidade do exercício da autoridade pessoal do Coronel com a clientela (subordinados, dependentes e agregados).

Dentre outras o autor procura analisar as relações entre o poder local e o poder estadual. Dando contornos ao poder político como aquele que deve ser visto como um espaço alargado no qual a intervenção do historiador em pesquisa deva se posicionar no sentido de multiplicar as abordagens possíveis. Mostrando-nos que a “História Política” pode ser vista num universo mais flexível de significados mais amplos.

Vemos no decorrer do texto que o autor procura mostrar que o que efetivamente garante a legitimidade da pesquisa é o tipo de pergunta a ser feita e a resposta a ser dada e isto está relacionado com a documentação manuseada. Realizando uma leitura critica das 67 cartas, que são as fontes para uma discussão teórica que contemple minimamente os conceitos na prática coronelista em análise.

Procurando sempre levar em conta a relação entre o público e o privado o autor procura não distinguir de maneira absoluta a percepção das relações sociais em visa do poder, mas sim em quem está envolvido e que papeis assumem nesse jogo político no sentido de cidadãos, pessoas ou indivíduos? Pois, o que distingue a ação conjunta política do clientelismo?

As noções de “poder simbólico” e “capital simbólico” é uma possibilidade de compreendermos a relação de poder estabelecida entre o Coronel e seus agregados segundo Pierre Bourdieu em sua obra “O Poder Simbólico” e “Coisas Ditas”. O autor tenta elucidar esses conceitos apartir dos trabalhos de Pierre Bourdieu. Não se dispondo a resolver as questões, mas senão a fazê-las urgentes de compreensão e tangíveis de participar do debate teórico.

Vemos nas palavras do autor que não é correto analisar a relação que se estabelece entre o coronel e seus dependentes apenas como uma relação vertical de dominação. Não imputando aos agentes em questão a nossa visão de entendimento do coronelismo como iguais as dos protagonistas da experiência. Existem várias formas de percebermos o Coronel e seu papel através da leitura que seus subordinados faziam de sua vivência e relações com o Coronel, aonde não podemos reduzir à expressão “troca de favores”, pois esta uniformiza em um único termo uma grande serie de situações.


Coronel Antônio Soares de Barros. Segundo Intendente de Ijuí. Imagem: AVD/SB.

Neste sentido o autor nos mostra que Pierre Bourdieu afirma que os agentes se autoclassificam, se expõem a classificação que covêm a sua posição. A percepção que o dependente do Coronel faz de si próprio um elemento que contribui para a constituição da sua sujeição, ao menos no nível do discurso. Ao mesmo tempo em que o perfil do Coronel é construído pelo dependente. A diferença entre si e do outro (Coronel e dependente) não precede da própria estrutura econômico-social na qual ambos estão inseridos. O Coronel pertence à elite estancieira de modo que concorra fortemente para que o dependente se perceba como um despossuído das virtudes que distinguem o Coronel.

Vemos ainda nas palavras do autor que a ordem social não se legitima apenas pela imposição, mas também pela aprovação por meio do silêncio dos que não a contestam. Estabelecendo o Coronel relações não só objetivas, mas também simbólicas; sendo estas, muito mais fundadas no nível pessoal e imaginário dos próprios dependentes, deslocando da ênfase do plano público para o privado, como ocorria com o Coronel Victor no Conselho Municipal de Cruz Alta que se assentava em seu poder econômico de grande estancieiro da região.

Nas palavras de Pierre Bourdieu o autor destaca que primeiro lugar “O Poder Simbólico” está fundado na posse do capital simbólico, pois este poder de impor está relacionado à autoridade social adquirida nas lutas anteriores. E em segundo lugar a eficácia simbólica depende de quanto à visão proposta esta alicerçada na realidade. O “Capital Simbólico” é um crédito acumulado do estoque de autoridade legitimada que faz a ação não parecer arbitraria. Mas nas palavras de Pierre Bourdieu, segundo o autor o poder simbólico é fruto de uma crença, de um reconhecimento tácito que não exige necessariamente a consagração oficial.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.