-

-

domingo, 10 de fevereiro de 2013

História, um acontecimento em si.




Construction History Society. Imagem: http://www.constructionhistory.co.uk/

Estava pensando em algo relevante para abordar no dia de hoje, e achei nada mais justo do que um blogue que trata da História, falar sobre as raízes que ligam o “nós humanos” com “nossas histórias de vida.” Pois todos somos sujeitos na História, todos, sem exceção alguma, pois nascemos, vivemos e durante essa vida produzimos ligações materiais e pessoais e isso nos torna humanos e então após um período morremos e deixamos um legado. Esse legado pode como os de alguns grandes homens da humanidade dos quais cito  nosso compatriota Alberto Santos Dumont perdurar para sempre ou enquanto formos à civilização que somos.

“No começo deste século, nós, os fundadores da Aeronáutica, havíamos sonhado com um futuro pacífico e grandioso para ela. Mas a guerra veio, apoderou-se de nossos trabalhos e, com todos os seus horrores, aterrorizou a humanidade.”

Alberto Santos Dumont

Nestas palavras vemos o homem histórico Santos Dumont, expressar sua insatisfação com o mal uso de seu maravilhoso invento. Muitas vezes esse é um fardo que os grandes ícones da história humana acabam carregando por décadas, séculos e quem sabe milênios após sua morte, devido a interpretações erradas de suas ideias e de seus inventos.

Outras pessoas aparentemente não deixam legado, pois após duas gerações são esquecidos em sua família. Mas será isso realmente uma verdade absoluta? Pois, ainda que seus bisnetos e tataranetos não se lembrem dele, não foi devido a ele que seus descendentes tornaram-se seres históricos capazes de criar suas próprias histórias de vida e inclusive fazer a diferença nas horas mais obscuras da história. Por isso eu sempre digo:

“Pode ser uma pequena fagulha de fogo em um pequeno pedaço de palha, mas trará suas consequências!”
Leandro Claudir

No inicio de minha vida estudantil e inclusive acadêmica, também considerava somente aqueles que deixaram seus nomes marcados na pedra ao longo de uma estrada muito movimentada, aonde todos poderiam ler e saber quem ele foi, e os seus grandes feitos para nossa vila, povo, nação etc. Mas nessa jornada em busca do conhecimento reconheci que haviam pessoas que seus nomes haviam sidos esquecidos, heróis e heroínas desconhecidos, mas mesmo que desconhecidos seus feitos não foram menores do que aqueles “escolhidos”, para serem lembrados por gerações sem fim.

Posso citar dentre esses nossos heróis anônimos, os heróis negros da Revolução Farroupilha, conhecidos como Lanceiros Negros, considerados nas palavras de Giuseppe Garibaldi:

“os maiores guerreiros de todos os tempos.”

Giuseppe Garibaldi

Giuseppe Garibaldi, foi herói da unificação italiana, que lutou ao lado dos Farrapos, e ainda disse mais a respeito de nossos Lanceiros Negros. Acompanhemos suas palavras:

“Nunca vi um corpo militar lutar com tanta bravura como os destemidos guerreiros chamados Lanceiros Negros, que lutavam sem armas de fogo, mas de posse de uma lança um pouco maior do que aquelas chamadas comuns.”

Giuseppe Garibaldi

Relembro aqui aos amigos que nós, brasileiros, não sabemos sequer o nome desses grandes guerreiros chamados Lanceiros Negros. Quando Garibaldi voltou para a Itália, levou um quadro no qual estavam os lanceiros negros e contou sobre sua bravura lutavam com lanças e não com armas de fogo. Agora faço uma pequena pergunta aos meus amigos leitores. Alguém sabe o que aconteceu quando terminou a Revolução Farroupilha com os bravos guerreiros chamados lanceiros negros? 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.