-

-

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Obrigado!



Como tenho realizado nos últimos quatro anos, ao termino de cada ano escrevo uma postagem em agradecimento a todos que contribuem diretamente ou indiretamente com o Construindo História Hoje. Na verdade não fazemos nada sozinhos nesta existência, sempre necessitamos de outras pessoas que com seu trabalho e apoio possibilitam o desenvolvimento de todas as atividades. Somos seres humanos e como tais seres que vivem e interagem em sociedade. Se dissermos que somos senhores absolutos de nossos feitos ou obras, estamos enganando a nós mesmos.

Nesse momento mais um ciclo completa-se e outro se inicia, o que importará não será a passagem de um ciclo para outro, mas o que temos aprendido nos diversos ciclos que anteriormente vivemos e passamos. O aprendizado adquirido a cada ciclo e a aplicação desse conhecimento no novo ciclo é que fará toda a diferença em nossas vidas e daqueles que nos cerca.

Sinceramente agradeço a todos os amigos, seguidores, visitantes, parceiros de trabalho de divulgação e a todos vocês que de uma forma ou outra ajudam a engrandecer esse humilde trabalho. Agradeço também aquelas pessoas que ainda irão conhecer esse trabalho ao quais juntos aprenderemos mais sobre nossa própria História e nosso próprio papel na História da Civilização Humana.

Que o Deus Único, abençoe, ensine e guarde a todos em nome de nosso Salvador Jesus Cristo, hoje e por todos os séculos da eternidade!

Sinceramente,

Leandro Claudir



sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Grandes civilizações da antiguidade esquecidas.

Para a infelicidade dos estudantes o típico livro de história tem um amplo espaço de tempo e espaço para abordar em apenas poucas páginas os acontecimentos da Antiguidade. Para a ignorância geral e alegria dos políticos e charlatões de plantão, para a maioria de nós, isso significa que a história antiga resume-se apenas em Egito, Roma e Grécia.

É por isso que é fácil ter a impressão de que, fora os três, o nosso mapa do mundo antigo é mais apenas um espaço em branco. Mas, na verdade, nada poderia estar mais longe da verdade. Muitas culturas vibrantes e fascinantes existiram fora desse foco estreito. Vamos preencher os espaços em branco.

Reino Aksum


Cemitério real do Reino de Aksum.

O reino Aksum (ou Axum) tem sido alvo de inúmeras lendas. Seja como a casa do mítico Prester John, o reino perdido da Rainha de Sabá, ou o lugar de descanso final da Arca da Aliança, Aksum esteve durante muito tempo na vanguarda da imaginação ocidental. O reino etíope era real, não um mito, era uma potência comercial internacional. Graças ao acesso do Nilo e rotas de comércio do Mar Vermelho, o comércio em Aksumite prosperou, e a maioria dos povos etíopes estavam sob o seu domínio.

O poder e prosperidade do Aksum permitiu-lhe expandir-se para a Arábia. No século III DC, um filósofo persa escreveu que Aksum foi um dos quatro maiores reinos do mundo, ao lado de Roma, China e Persia. Aksum adotou o cristianismo não muito tempo depois do Império Romano o fazer e continuou a prosperar no início da Idade Média. Se não fosse pela ascensão e expansão do Islão, Aksum poderia ter continuado a dominar a África Oriental.

Depois da conquista árabe da costa do Mar Vermelho, Aksum perdeu a sua vantagem comercial primária sobre seus vizinhos. Claro, Aksum tinha apenas a si mesmo para se culpar. Apenas algumas décadas antes, um rei Aksumite tinha dado asilo aos primeiros seguidores de Maomé, garantindo assim, a expansão da religião que iria desfazer o império Aksumite.

Reino de Kush


Conhecido em fontes egípcias antigas pela sua abundância de ouro e outros recursos naturais valiosos, Kush foi conquistada e explorada pelo seu vizinho do norte por quase meio milénio (cerca de 1500-1000 AC). Mas as origens de Kush se estendem muito mais profundamente com artefatos de cerâmica datados de 8000 AC  a serem descobertos na região da sua capital, Kerma, e tão cedo quanto 2400 AC, Kush ostentava uma sociedade urbana altamente estratificada e complexa apoiada pela agricultura.

No século IX AC, a instabilidade no Egito permitiu que os Kushitas recuperassem a sua independência. E, num dos maiores reveses da história, Kush conquistou o Egito em 750 AC. Durante o século seguinte, uma série de faraós Kushitas comandaram um território que ultrapassou em muito os seus antecessores egípcios. Foram os governantes Kushitas que reavivaram a construção de pirâmides e promoveram a sua construção em todo o Sudão.

Eles acabaram sendo expulsos do Egito por uma invasão assíria, encerrando séculos de trocas culturais egípcios e Kushitas. Os Kushitas fugiram para o sul e restabeleceram-se em Meroe, na margem sudeste do Nilo. Lá, os Kushitas romperam com a influência egípcia e desenvolveram a sua própria forma de escrever, agora chamada Meroitico. A sua escrita continua a ser um mistério e ainda não foi decifrada, ocultando grande parte da história de Kush. O último rei de Kush morreu em 300 DC, embora o declínio do seu reino e as razões exatas para a sua morte permaneçam um mistério.

Reino de Yam


O Reino de Yam certamente existiu como um parceiro comercial e possível rival do Império Egípcio Antigo, mas a sua localização exacta provou ser quase tão evasiva como o da mítica Atlântida. Com base nas inscrições funerárias do explorador egípcio Harkhuf, parece que Yam era uma terra de "incenso, ébano, peles de leopardo, presas de elefante e bumerangues".

Apesar das alegações de viagens por terra superiores a sete meses de Harkhuf, egiptólogos têm colocado a terra de boomerangs apenas a algumas centenas de quilómetros do Nilo. A sabedoria convencional é que não havia nenhuma maneira de os antigos egípcios poderem ter atravessado a imensidão inóspita do deserto de Saara. Houve também alguma questão de apenas o que eles teriam encontrado no outro lado do Saara.

Mas parece que nós subestimamos os antigos comerciantes egípcios, porque hieróglifos descobertos recentemente a mais de 700 quilómetros a sudoeste do Nilo, confirmam a existência de comércio entre Yam e Egipto e apontam para a localização do Yam nas terras altas do norte do Chade. Exactamente como os egípcios cruzaram centenas de quilómetros de deserto antes da introdução da roda e com apenas burros como animais de carga, continua a ser desconcertante. Mas, pelo menos, o seu destino não está mais envolto em dúvida.

Império Xiongnu


O Império Xiongnu era uma confederação de povos nómadas que dominaram o norte da China desde o século III AC até ao primeiro século AC. Imaginem o exército mongol de Genghis Khan, mas um milénio antes... e com carros. Uma série de teorias existem para explicar as origens do Xiongnu, e ao mesmo tempo alguns estudiosos argumentam que Xiongnu podem ter sido o ancestral dos hunos. Infelizmente, Xiongnu deixou poucos registos.

O que sabemos é que os ataques de Xiongnu à China foram tão devastadores que o imperador Qin ordenou as primeiras obras de construção da Grande Muralha. Quase meio século depois, invasões persistentes do Xiongnu forçaram os chineses, desta vez sob a dinastia Han, a reforçar e expandir a Grande Muralha. Em 166 AC, mais de 100 mil cavaleiros Xiongnu avançaram até 160 quilómetros da capital chinesa antes de finalmente serem repelidos.

Foi preciso uma combinação de discórdia interna, disputas de sucessão, e conflitos com outros grupos nómadas para enfraquecer o Xiongnu o suficiente para que os chineses finalmente afirmassem alguma aparência de controle sobre os seus vizinhos do norte. Ainda assim, os Xiongnu foram o primeiro, e mais duradouro, império nómada das estepes asiáticas.

Civilização Greco-Bactria


Muitas vezes, ao narrar a vida e as conquistas de Alexandre, o Grande , deixamos de lembrar os homens que o seguiam para a batalha. O destino de Alexandre é bem documentado, mas o que dizer dos homens que sangraram pelas conquistas do jovem general? Quando Alexandre morreu inesperadamente, os macedónios não foram apenas para casa. Em vez disso, os seus generais lutaram entre si pela supremacia antes do desmembramento do império.

Seleuco I Nicator tomou para si praticamente tudo, desde o Mediterrâneo, a oeste, até ao que é hoje o Paquistão, no leste. No entanto, mesmo o império selêucida é bastante conhecido em comparação com o estado de Greco-Bactria. No século III AC, a província de Bactriana (no que é hoje o Afeganistão e o Tajiquistão) tornou-se tão poderosa que declarou a independência. Fontes descrevem uma terra rica "de mil cidades".

A localização do Greco-Bactria tornou-se um centro de fusão para uma ladainha de culturas: persas, indianos, citas e uma série de grupos nómadas contribuíram para o desenvolvimento de um reino totalmente único. Claro, a localização do Greco-Bactria e a riqueza também atraíram atenção indesejada e, no início do século II AC, a pressão dos nómadas do norte forçaram os gregos do sul.

Em Alexandria nas Amu Darya, ou Ai Khanoum como é conhecida hoje, a evidência fascinante para esta combinação radical da cultura grega e oriental foi descoberta. Durante o período de escavações, moedas indianas, altares iranianos e estátuas budistas foram encontradas entre as ruínas desta cidade decididamente grega, que era completa, com colunas coríntias, um ginásio, um anfiteatro e um templo que combina elementos gregos e Zoroastro.

Império Yuezhi


Os Yuezhi são notável conhecidos por terem combatido aparentemente toda a gente. Há vários séculos, apareceram no fundo de uma série improvável de eventos significativos em toda a Eurasia. Os Yuezhi originaram-se como uma confederação de várias tribos nómadas nas estepes no norte da China. Comerciantes Yuezhi variaram ao longo de grandes distâncias para trocar jade, seda e cavalos.

O seu comércio florescente colocou-o em conflito direto com o Xiongnu, que eventualmente os forçou a deixar o comércio chinês. Os Yuezhi então rumaram para oeste, onde encontraram e derrotaram os Greco-Bactrianos - forçando-os a reagruparem-se na Índia. A migração do Yuezhi para Bactria também deslocou um povo chamado a Saka, que responderam pela ocupação de partes do Império Parta. Tribos de citas e Saka eventualmente estabeleceram-se por todo o Afeganistão.

Pelo primeiro e segundo séculos DC, os Yuezhi estavam a lutar esses mesmos citas, além da guerra ocasional no Paquistão e China. Durante este período, as tribos Yuezhi consolidaram e estabeleceram uma economia agrícola sedentária. Este império "Kushan" sobreviveu por três séculos, até que as forças da Pérsia, Paquistão e Índia, reconquistaram os seus antigos territórios.

Reino Mitanni


Escavação de Palácio Mitanni em Tell Brack. 

O reino de Mitanni existiu desde cerca de 1500 AC até ao ano de 1200 AC e consistiu no que é hoje a Síria e o norte do Iraque. Provavelmente, você já ouviu falar de pelo menos um Mitanniano, a famosa rainha Nefertiti do Egito, que nasceu princesa no estado da Mesopotâmia. Nefertiti provavelmente foi casada com o Faraó, como parte de um esforço para melhorar as relações entre os dois reinos Mitannianos.

Acredita-se ter sido indo-ariana na sua origem e a sua cultura demonstra até que ponto a antiga influência indiana penetrou na civilização primitiva do Oriente Médio. Os Mitannianos desposaram crenças hindus como karma, reencarnação e cremação, as crenças que fazem a ligação entre Mittani e Egito, tornando tudo mais intrigante. Nefertiti e seu marido, Amenhotep IV, estiveram no centro de uma revolução religiosa de curta duração no Egito, embora só possamos adivinhar quanto do que pode estar relacionado à sua origem estrangeira.

Mas Nefertiti é conhecida por ter sido muito influente, e foi muitas vezes representada em situações, como a ferir um inimigo, que eram normalmente reservada ao Faraó. Enquanto muito do acima exposto permanece especulativo, os estudiosos estão esperançosos de que as próximas escavações irão descobrir a capital Mitanniana de Washukanni e revelar mais sobre o antigo reino.

Reino Tuwana


Outros reinos não são mais perdido ou esquecidos do que Tuwana. Quando o império hitita caiu, Tuwana era uma entre um punhado de cidades-estados que ajudaram a preencher o vácuo de poder no que é hoje a Turquia. Durante os séculos IX e VIII AC, Tuwana ganhou destaque com uma série de reis, dos quais apenas alguns são conhecidos a partir de inscrições.

Tuwana alavancou a sua posição entre os Impérios Frígio e Assírio para facilitar o comércio em toda a Anatólia. Como resultado, acumulou riqueza significativa. Além da sua forte economia baseada no comércio, Tuwana parece ter possuído grandes riquezas culturais. O reino usou uma linguagem hieroglífica chamado Luwian, mas depois adotou a escrita fenícia alfabética. A posição da Tuwana como um elo entre o leste e o oeste colocaram o reino esquecido em contato com elementos da cultura grega antiga.

É possível que um resultado de toda a interação linguística em Tuwana possa ter sido a origem do alfabeto grego. Nada mal para um reino que você nunca ouviu falar. Parece que a localização central do Tuwana e a desunião da Anatólia tornou o reino propenso a invasão no início dos anos 700 AC. À medida que o Império Assírio expandiu para o oeste, ele aglutinou cada uma das cidades-estado pós-hititas ao longo do seu caminho até controlar a maior parte do Leste.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Reflexão de Natal: Construindo História Hoje.


Nasce a Luz da Verdade que brilha na escuridão dos corações humanos. 

A luz é um símbolo da vida. Ela mostra o caminho e nos dá segurança. Jesus Cristo é a luz do mundo. E neste dia de Natal temos o privilégio de ouvir mais uma vez a boa nova da vinda do Filho de Deus ao mundo, em forma humana. O apóstolo João escreveu as seguintes palavras, referindo-se a Jesus:  

“A Palavra era a fonte da vida, e essa vida trouxe a luz para todas as pessoas. A luz brilha na escuridão, e a escuridão, e a escuridão não conseguiu apaga-la”.
 (Jo 1: 4-5)  

Jesus Cristo é a luz verdadeira, a luz que veio ao mundo e ilumina todas as pessoas, Este maravilhoso registro sobre a humanação do Filho de Deus vem acompanhado de uma nota trágica: ele veio para o seu próprio país, mas o seu povo não o recebeu. Apesar de ainda hoje se repetir a mesma tragédia, existe e fantástica afirmação de que alguns o receberam e creram nele, e ele lhes deu o direito de se tornarem filhos de Deus (Jo 1:12).  

Graças a Deus, isto é verdade ainda hoje! A mensagem de Natal nos anuncia esta verdade: “A luz brilha na escuridão, e a escuridão, e a escuridão não conseguiu apaga-la”. Nós podemos fazer parte daqueles que permanecem na escuridão e rejeitam a graça de Deus, a luz, e a salvação que ele oferece. Assim, a tragédia continuará, e crescerá cada vez mais.  Em Jesus Cristo, porém, Deus nos propõe a iluminação, a saída das trevas espirituais, a libertação total dos poderes escravizadores do pecado e de Satanás. Onde Cristo está ali brilha a luz, e a escuridão é desfeita!  

Quando Jesus esteve aqui no mundo, alguns o receberam e ceram nele, e ele lhes deu o direito de se tornarem filhos de Deus. Durante dois milênios se repete o mesmo milagre. Eis aí o grande motivo de júbilo, de alegria e de um Feliz Natal.


Nosso amado Salvador e Criador Jesus Cristo, hoje reina absoluto por toda a eternidade (literalmente) sobre todos os corações daqueles que pela fé fizeram-se filhos de Deus, e não somente criaturas humanas. 

Oremos: Senhor Jesus, ilumina a minha vida e permite que eu viva sempre longe das trevas do pecado. Obrigado por teres nascido e sofrido no lugar de todos nós. Abençoa o nosso Natal. Amém.


domingo, 22 de dezembro de 2013

Cidade subterrânea de Derinkuyu é um dos maiores mistérios da humanidade


Cidade subterrânea de Derinkuyu, Capadócia – Turquia.

Desde que foi descoberta de maneira casual, em 1963, a cidade subterrânea e perdida de Derinkuyu, na Capadócia, na parte oriental da Turquia, se tornou um mistério sem solução para os pesquisadores que investigam um dos achados mais enigmáticos da humanidade.

Esta cidade sob a terra tem ao menos 13 andares subterrâneos, unidos por passagens e um perfeito sistema de ventilação. Seu último piso fica a 85 metros de profundidade e acredita-se que outros andares poderão ser descobertos.

Em sua área de 400 km quadrados foram encontrados uma igreja, adegas com utensílios para fabricação de vinho, moradias, locais para armazenagem e lojas comerciais. Especula-se que o local tenha abrigado em torno de 20 mil pessoas. As pesquisas realizadas até agora indicam que a cidade foi construída há três mil anos, mas pouco se sabe sobre quem a construiu ou quais foram os motivos.

Várias histórias, contudo, surgiram em torno desta cidade, como a de que seus habitantes seriam o povo Frígio ou Hitita, ou que o local seria algum refúgio diante de uma invasão. São várias as teorias criadas, entretanto, ainda não forma encontradas evidências que as comprovem.


O que está certo é que os métodos e a tecnologia usada para a construção da cidade não correspondem com o que a humanidade possuía naquela época. Por conta disso, também aparecem pessoas que defendem que Derinkuyu possa ser obra de seres extraterrestres. Mas a pergunta ainda persiste: como naquela época foi possível construir galerias a quase 100 metros de profundidade?

Derinkuyu

Esta cidade-caverna existe desde o tempo dos hititas que expandiram-se ao longo dos séculos à medida que vários exércitos atravessavam a Anatólia Central pilhando e fazendo das pessoas suas cativas. Há 36 cidades subterrâneas na Capadócia e a mais profunda é a de Derinkuyu enquanto que a mais ampla é a de Kaymakli.

A Cidade Subterrânea de Derinkuyu localiza-se na vila com o mesmo nome, situada a cerca 40 km de Goreme (uma viagem de 30 minutos). Há cerca de 600 portas exteriores na cidade, escondidas nos pátios de casas à superfície. Esta cidade tem cerca de 85 m de profundidade. Contém estábulos, armazéns, refeitórios, igrejas, adegas, etc. À parte disto, um grande quarto, com um teto abobadado no 2º andar, era uma escola missionária e os quartos à sua esquerda eram para estudo.


Do 3º ao 4º andares a descida faz-se através de escadas verticais que levam a uma igreja em forma de cruz no andar mais baixo.

Derinkuyu possui um sistema de ventilação de 55 m de profundidade que também era usada como poço. Nem todos os andares tinham acesso a poços de água até à superfície para proteger os habitantes de envenenamento durante as invasões. Derinkuyu contém, pelo menos, 15.000 tubos de ventilação que forneciam ar fresco. A Cidade Subterrânea de Derinkuyu foi aberta aos visitantes em 1965, mas até agora menos de metade pode ser visitada.

Duvida-se que as cidades subterrâneas tenham sido usadas como colónias permanentes, ou até para estadias longas, mas foram, claramente, construídas para aguentar ataques e suportar um grande número de pessoas e os seus animais domésticos, durante largos períodos de tempo. A organização urbana era muito complexa e era, provavelmente, um trabalho em curso constante.


Possuem extensas passagens, túneis, poços e corredores que ligam os quartos das famílias e os espaços comunitários onde as pessoas se encontravam, trabalhavam e rezavam. As cidades estavam completas, com chaminés para a circulação do ar, nichos para candeeiros a óleo, lojas, reservatórios de água e zonas onde os mortos podiam ser depositados até as condições à superfície permitirem o seu enterro. Muito importantes eram as portas em forma de mó, desenhadas para bloquear os corredores em caso de ataque, que só se podiam mover de um dos lados.


A Maravilhosa Cidade Subterrânea

Muitas cidades antigas se desenvolveram na superfície, algumas com construções que resistem até hoje, mas Derinkuyu é quase um formigueiro, com vários andares subterrâneos, o que a torna ainda mais misteriosa...Então convido vocês, meu caros Atormentados, a conhecerem comigo essa cidade, que parece ter saído de algum filme do Indiana Jones.

Sua origem é controversa, alguns arqueólogos datam suas origens por volta do ano 4 000 a.C., outros defendem que suas origens são ainda mais remotas, por volta do ano 9 000 a.C., embora a datação por carbono-14 realizada em esqueletos do cemitério paleolítico-cristão situado nessa cidade datam do ano 1 800 a.C.. Estima-se que a cidade começou a ser abandonada por completo por volta do século VIII.


A cidade é formada por 20 níveis, embora apenas 8 estejam abertos a visitação pública. Neles podem-se encontrar vários artigos de “luxo” para uma cidade debaixo da terra, como: cisternas para armazenagem de azeite de oliva, armazéns de alimentos, cozinhas com sistema de dispersar fumaça de forma que não fosse notada na superfície, bares, poços de água, templos de culto, estábulos e até 52 tubos formando um incrível sistema de ventilação para que o ar entrasse e percorresse todos o níveis, até aos mais inferiores!

A temperatura ambiente sempre gira em torno dos 13°C, independente da temperatura que faça na superfície (originando uma das teorias de sua origem, que poderia ter servido de refúgio, durante alguma era glacial).


Escavada em rocha vulcânica, foram usados sistemas engenhosos para bloquear a entrada de intrusos, como portas em forma de rodas esculpidas de uma rocha de consistência mais dura. Tal sistema pressupõe que provavelmente essas cidades também foram construídas como cidades de defesa.


Foram descobertas mais de 600 saídas à superfície e se calcula que essa cidade poderia abrigar até 100.000 habitantes possuindo também um túnel com aproximadamente 8 km de extensão que a conecta com outra cidade subterrânea de Kaymakl. A maior dessas cidades subterrâneas foi descoberta em 2007, em Gaziemir, no distrito de Güzelyurt, pertencente a uma antiga rota da seda, permitindo aos viajantes descansar em uma cidade-fortaleza sob o solo.

A Descoberta

Em 1963, um habitante de Derinkuyu (na região da Capadocia, Anatolia central, Turquía), ao derrubar uma parede de sua casa, descobriu assombrado que por detrás da mesma se encontrava uma misteriosa habitação que nunca havia visto; esta habitação levou-o a outra e esta a outra e a outra… Por casualidade havia descoberto a cidade subterrânea de Derinkuyu, cujo primeiro nível foi escavado pelos hititas cerca de 1400 a.C.

Os arqueólogos começaram a estudar esta fascinante cidade subterrânea abandonada. Conseguiram chegar aos 40 m de profundidade, acreditando-se contudo que chegue aos 85 metros. Atualmente já se descobriram 20 níveis subterrâneos. Só podem ser visitados os oito níveis superiores; os restantes estão parcialmente obstruídos ou reservados aos arqueólogos e antropólogos que estudam Derinkuyu. A cidade foi utilizada como refúgio por milhares de pessoas que viviam no subsolo para se proteger das frequentes invasões que sofreu a Capadócia, nas diversas épocas da sua ocupação, e também pelos primeiros cristãos.


Os inimigos, conscientes do perigo que corriam ao introduzir-se no interior da cidade, geralmente tentavam que a população viesse à superfície envenenando os poços.

O interior é assombroso: as galerias subterrâneas de Derinkuyu (onde há espaço para, pelo menos, 10.000 pessoas) podiam refugiar-se em três pontos estratégicos deslocando portas circulares de pedra. 

Estas pesadas rochas que encerravam as entradas impediam a invasão dos inimigos. Tinham de 1 a 1,5 metros de altura, uns 50 centímetros de espessura e um peso de até 500 quilos.

De cidades subterrâneas desta zona já falava o historiador grego Jenofonte. Na sua obra “Anábasis”, ele explicava que as pessoas que viviam na Anatolia haviam escavado suas casas no sub-solo e viviam em alojamentos suficientemente grandes para albergar uma família, seus animais domésticos e armazém de alimentos.


Nos níveis recuperados, encontraram-se estábulos, comedouros, uma igreja (de planta cruciforme de 20 por 9 metros, com um teto de mais de 3 metros de altura), cozinhas (todavia já enegrecidas pelo fumo das fogueiras que acendiam para cozinhar), prensas para o vinho e para o azeite, tabernas, cantinas, uma escola, numerosas habitações e até um bar. A cidade beneficiava da existência de um rio subterrâneo; tinha poços de água e um magnífico sistema de ventilação. (Encontraram 52 poços de ventilação que assombraram os engenheiros da atualidade).

O Enigma

Até hoje, ninguém sabe exatamente como esse complexo subterrâneo foi construído e pra que servia exatamente. Teóricos auternativos defendem que a cidade é muito mais velha do que se imagina e foi criada por uma civilização humana antiquíssima que posteriormente teria a abandonado. Por seguinte, a cidade teria sido encontrada por moradores e reutilizada. 


Aruma-Mazda

Os construtores das cidades subterrâneas eram descendentes dos Aquemênidas do Zoroastrismo, uma das mais antigas culturas do globo, que influenciou Hinduísmo, Judaísmo e Cristianismo. Nesta religião, o profeta Imah foi instruído que construísse um refúgio abaixo da Terra, Deus dos céus, Aúra-Masda. Uma história muito parecida com a de Noé na Bíblia Hebraica. Porém, agora Imah deveria proteger o povo de uma terrível Era do Gelo. E a última Era do Gelo, segundo cientistas se iniciou em 18000 a.C. e terminou 10000 a.C.


Seria então nesta época que foi feita a cidade de Derinkuyu para que se protegessem de um terrível e longo inverno?

Como não existem testes de Carbono com pedras e areia, não se pode calcular a idade da cidade. Mas se a cidade for mesmo a que Aúra-Masda pediu que fosse construída, quem na realidade seria Aúra-Masda? Seria ele um ser sobre-humano? Podemos então supor que ele poderia ter trazido a tecnologia para fazer as cidades abaixo da terra? Não poderia ser, na verdade, de outro mundo?

Realmente a região é impressionante. Tamanha complexidade é equiparável aos maiores monumentos de nossa história, como as pirâmides do Egito e o Stonehenge. Aliado ao fato da cidade ser extremamente antiga, e a impossibilidade de concebermos sua construção, seria mais um caso de uma hipotética intervenção de outras tecnologias alheias a terrestre. Dadas as parcas ferramentas e recursos de antigamente, tal cidade adquire um aspecto ainda mais fascinante e intrigante. Outro caso fascinante, que assusta tanto como nos atrai.


A superfície Capadócia, na Turquia, é de uma beleza única, mas seu subsolo também guarda grandes surpresas. São mais de 100 cidades subterrâneas, das quais apenas 37 já foram abertas. Elas surgiram entre os Séculos VI e VII, quando exércitos persas e árabes invadiram a região e os cristãos bizantinos que viviam no local se viram obrigados a fugir através de túneis secretos. 

Essas cidades subterrâneas, declaradas Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1985, nunca foram usadas como moradias permanentes, eram habitadas por algum tempo quando os cristãos precisavam se esconder da perseguição religiosa. Períodos esses que chegavam a quatro meses debaixo da terra.  As mais conhecidas são Derinkuyu, a mais profunda, e Kaymaklı, a maior delas.

Visitei a cidade subterrânea de Derinkuyu, onde viveram cerca de 10 mil pessoas ao mesmo tempo. Ela tem 85 metros de profundidade, mais de 600 portas que ligam as casas aos pátios, e era formada por cavernas, estábulos, armazéns, refeitórios, igrejas, escolas, quartos e adegas.

Nem todos os andares tinham acesso a poços de água, que não ficavam perto da superfície para evitar envenenamento durante as invasões. A ventilação chegava por meio de um poço de 55 metros e vários de tubos que fornecem ar fresco até hoje. Você pode estar no último subsolo que sentirá a brisa que vem do exterior. Existem também espécies de exaustores naturais que funcionavam para extrair a fumaça do preparo dos alimentos das profundezas desta cidade subterrânea.


Percorrer os túneis sem fim de Derinkuyu dá uma sensação um tanto quanto claustrofóbica. Muitas vezes é preciso subir ou descer escadarias agachado. Não é à toa que algumas pessoas do meu grupo desistiram e esperaram o resto da turma em um dos bares do lado de fora da cidade.

Mas é interessantíssimo andar por esses corredores que ligavam os quartos às áreas comunitárias, onde as pessoas se encontravam para conversar, trabalhar, estudar ou rezar.

Existe inclusive uma igreja neste subterrâneo da Capadócia em formato de cruz, onde os cultos eram celebrados. É quase impossível acreditar que milhares de pessoas viveram ali durante meses, sem ver a luz do sol.


A Cidade Subterrânea de Derinkuyu foi aberta aos visitantes em 1965, mas até agora menos de metade pode ser visitada.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

A colônia grega de Khersones na Táurica (Crimeía)


Era chamada Táurica (Chersonesus Taurica ou Scythica) pelos antigos gregos e romanos, seu nome atual deriva-se do seu nome tártaro Qırım, através do grego: Κριμαια (Krimaia). Os primeiros habitantes de quem se têm resquícios autênticos foram os Cimerianos, que foram expulsos pelo Citas durante o século VII a.C.. Uma pequena população que se refugiara nas montanhas ficou conhecida posteriormente como os Tauri. Neste mesmo século, os antigos colonos gregos começaram a ocupar a costa, isto é, Dórios de Heracleia em Quersoneso, e Jônios de Mileto em Teodósia e Panticapaeum (também chamado Bósforo).


Dois séculos mais tarde, (438 a.C.) o archon, ou líder, dos Jônios assumiu o título de rei do Bósporo, um Estado que manteve relações importantes com Atenas, fornecendo àquela cidade trigo e outros produtos. O último destes reis, Perisades V, sendo pressionado pelos Citas, pediu proteção a Mitrídades VI, rei do Ponto, em 114 a.C.. Depois da morte de seu protetor, seu filho Farnaces, como recompensa pelo auxílio dado aos romanos na guerra contra o próprio pai, recebeu em 63 a.C. de Pompeu o reino do Bósporo. Em 15 a.C., foi mais uma vez devolvido ao rei do Ponto, mas daí em diante acabou mantendo-se um território tributário de Roma.


Chersonese, Chersonesos, Cherson, Khersones, mas o mais conhecido em todo o mundo como Quersoneso, foi uma das mais proeminentes colônias gregas, fundadas a cerca de 2.500 anos atrás, e que atualmente se converteu em um desses locais turísticos que não podemos deixar de visitar quando estivermos a passeio nestas terras.

No entanto, considerando o império grego e o território que chegou a ocupar, é temos que destacar em primeiro lugar que este lugar, famoso por seus sítios arqueológicos, não se encontra na Grécia, mas sim na Ucrânia, em particular na costa do Mar Negro nos arredores de Sebastopol na Criméia.

Com o tempo, essas terras estavam nas mãos do que é atualmente a superfície da Ucrânia, país que conseguiu explorá-las especialmente a partir dos descobrimentos de sítios arqueológicos de 1827, embora até então dependiam do governo russo, como parte da URSS, e que depois de algumas décadas, especialmente desde a queda do comunismo, foram abertos para as pessoas de todo o mundo dispostas a visitá-los.


A primeira coisa a notar, neste contexto, é que os edifícios que se encontram aqui, em muitos casos, apenas em restos, contam com a particularidade de possuir influências das culturas grega, romana e bizantina, de modo que suas formas e desenhos são praticamente impossíveis de encontrar em outros lugares do mundo, embora entre todos eles, se destaque especialmente um anfiteatro romano e um templo grego.


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Mammon, Parte V: metáfora para o espírito materialista advento do século XIX.


Pintura 1909 A adoração de Mammon por Evelyn De Morgan.

Mammon que na maioria das vezes personificado como uma divindade, e, por vezes incluídos nos sete príncipes do inferno (Lúcifer, Asmodeus, Belzebu, Mammon, Belphegor, Azazel e Leviathan).

Os estudiosos não concordam sobre a etimologia do nome, mas a teoria de que Mammon deriva do latim tardio Mamom, e do grego "μαμμωνάς", siríaco Mamona ("riquezas"), aramaico mamon ("riquezas, dinheiro"), A palavra grega para "Mammon", "μαμμωνάς", ocorre no Sermão da Montanha (durante o discurso sobre a ostentação) e na parábola do Injusto (Lucas 16:9-13). A Versão Autorizada mantém a palavra siríaca; John Wycliffe usa riqueza.

Os cristãos começaram a usar o nome de Mammon como um pejorativo, um termo que foi usado para descrever a gula e o ganho mundano injusto na literatura bíblica. Ele foi personificado como um deus falso no Novo Testamento. {Mt.6.24; Lk.16.13} O termo é frequentemente utilizado para referir-se ao materialismo excessivo ou ganância como uma influência negativa.

Mammon de Collin de Plancy do Dictionnaire Infernal

“Não podeis servir a Deus e a Mammon (Um nome próprio)." - Mateus 6:19-21,24 (KJV)
Durante a Idade Média, Mammon era comumente personificado como o demônio da gula , riqueza e injustiça . Assim, Pedro Lombardo (II, dist. 6), diz:

"As riquezas são chamados pelo nome de um demônio, ou seja, Mammon, por Mammon é o nome de um demônio, que pelo significado de riquezas é chamado de acordo com a língua sírios."

Piers Plowman, também considera Mammon como uma divindade, Nicholas de Lyra (comentando a passagem de Lucas), afirma: "Mammon est nomen daemonis" (Mamon é o nome de um demônio).
Albert Barnes, em suas Notas sobre o Novo Testamento afirma que Mammon era uma palavra siríaca para um ídolo adorado como o deus das riquezas, semelhante a Plutão entre os gregos, mas ele citou nenhuma autoridade para a instrução.

Nenhum vestígio, no entanto, de qualquer deus sírio desse nome existe, e a identificação literária comum do nome com um deus da cobiça ou avareza provável é que Spenser's A rainha das fadas, onde Mammon supervisiona uma caverna de mundana riqueza. Milton 's Paradise Lost descreve um anjo caído que valoriza os tesouros terrestres sobre todas as outras coisas. Mais tarde, ocultistas, como Jacques Collin de Plancy do Dictionnaire Infernal descrever Mammon como embaixador do Inferno para a Inglaterra.

Para Thomas Carlyle em Passado e Presente, o "Evangelho de Mammonism" tornou-se simplesmente uma personificação metafórica para o espírito materialista do século XIX.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Mammon, Parte IV: descrição e conceito!


Mammon é um termo, derivado da Bíblia, usado para descrever riqueza material ou cobiça, na maioria das vezes, mas nem sempre, personificado como uma divindade. A própria palavra é uma transliteração da palavra hebraica "Mammon", que significa literalmente "dinheiro". Como ser, Mammon representa o terceiro pecado, a Ganância ou Avareza, também o anticristo, devorador de almas, e um dos sete príncipes do Inferno. Sua aparência é normalmente relacionada a um nobre de aparência deformada, que carrega um grande saco de moedas de ouro, e "suborna" os humanos para obter suas almas. Em outros casos é visto com uma espécie de pássaro negro (semelhante ao Abutre), porém com dentes capazes de estraçalhar as almas humanas que comprara.

Na era pré-cristã, conforme sabemos, eram cultuados muitos deuses. Mammon, contudo, não era o nome de uma divindade e sim um termo de origem hebraica que significa dinheiro, riqueza, ou bens materiais. Jesus, no Evangelho, utiliza a palavra quando afirma que não é possível servir simultaneamente a Deus e a Mammon (Lucas as 16:13 ). A palavra, no texto original, também é citada no Evangelho de Mateus:

"Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam, mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem traça nem ferrugem corroem e onde ladrões não minam nem roubam: Para onde está o teu tesouro, aí estará o seu coração também."


"Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas." (Mateus 6:19-21,24)

Desta forma Mammon acabou por tornar-se, ao longo da história, e devido as diversas traduções da Bíblia, a representação de uma divindade maligna ou demônio.

O dicionário Webster da língua inglesa define "Mammon" ou "Mann" ou "Matmon" ou "Mammonas" ou "Matmel" como:

Mammon, Parte III: a economia segundo Mammon!




Humanos subservientes aos pés de Mammon!

De início vamos entender algo muito importante: Na versão bíblica Revista e Corrigida o v. 24, está assim:

“Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mammon”

Quem é Mammon? Jesus usou essa palavra do aramaico, para designar uma entidade que existe no reino espiritual, adorado como “deus das finanças”. Como toda entidade, o ataque não é direto, ele opera de maneira encoberta, pelo engano. Se ele fosse aparecer diretamente para as pessoas, revelando sua identidade, poucos se submeteriam a ele. A principal tática de Mammon é que o dinheiro contem poderes inerentes. Tais como:

“O dinheiro compra tudo”

“As pessoas são valorizadas e honradas, pelo que tem”.

 “O dinheiro em si não bom nem mau; é apensas perigoso; já o amor por ele pode tornar-se maléfico; com o dinheiro o homem pode fazer muita coisa boa e muita coisa ruim. Com o dinheiro pode-se praticar o bem e o mal”

O dinheiro não tem poder, o poder está no espírito de Mammon, que está por trás do dinheiro. Quando Jesus disse que ambos, Deus e Mammon, não poderiam ser servidos, Jesus não falou a respeito de uma proibição, mas de uma impossibilidade de fazer tal coisa. Ele não está afirmando que “Seria errado tentar servir ambos”, Ele diz: “É impossível”.

“Pois o amor ao dinheiro é uma fonte de todos os tipos de males. E algumas pessoas, por quererem tanto ter dinheiro, se desviaram da fé e encheram a sua vida de sofrimentos”
I Timóteo 6:10

“Mammon prende o rico com medo de perder o que teme o pobre, pelo medo de faltar provisão”.

Você entende agora, porque o dinheiro exerce tanto poder sobre a vida das pessoas? Porque por trás dele, existe um deus que quer ganhar, prender, escravizar o ser humano. Um “rival” de Deus.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.