-

-

sábado, 30 de novembro de 2013

Misterioso álbum nazista de fotografias.


Há certamente muitos álbuns de fotos de líderes nazistas e muitos álbuns de fotos de vítimas dos nazistas. Mas é difícil imaginar que muitos álbuns que retratam tanto, com apenas algumas páginas.

Conhecemos pelo menos um e apareceu na cidade de Nova York. Seu criador foi capaz - aparentemente dentro de algumas semanas - fotografar Hitler como guerreou na Rússia e também fotografar algumas das primeiras vítimas daquela campanha brutal, conhecida como Operação Barbarossa, que começou há 70 anos.


Quatro páginas adiante há o próprio Hitler, esperando em uma estação de trem a chegada do almirante Miklos Horthy, regente da Hungria, com quem em breve estará de barganha na sede de guerra da Prússia Oriental conhecida como Toca do Lobo. O fotógrafo está a poucos metros de Hitler. Clique na imagem para ampliar.

Duas páginas deste álbum, na frente oriental, em 1941, são dedicadas aos prisioneiros. Alguns estão vestidos com trapos, alguns vestidos com uniformes do Exército Vermelho, alguns vestindo coletes com a estrela de Davi. Eles estão diante do que poderia ser sepulturas recém-cavadas. Em seis fotos quase íntimas, beirando o retrato, os homens olham vazios ou desafiadoramente para a câmera.


Hitler em um vagão de trem sauda e recebe saudações.

Claramente, este fotógrafo tinha muito acesso e não um pouco de talento.

Mas quem era ele? Seu álbum foi comprado em uma loja perfeitamente normal, não carrega nenhuma identificação ou inscrição. A legenda é visível em apenas em uma das fotografias.

E o que ele estava mostrando para a posteridade?


Enfermeiras saúdam Hitler. 

Em primeiro lugar, ele documentou o progresso através da Europa Oriental de um comboio de ônibus a serviço da Reichs-Autozug Deutschland, uma unidade do Partido Nazista, cuja responsabilidades incluíam a logística necessária para organizar manifestações de massa. A julgar pelas pichações escritas nas janelas do ônibus empoeirados, o itinerário global foi de Berlim-Minsk-Smolensk-Munique.  Marcos identificava ​​no álbum que o comboio fez o seu caminho através de Gdansk, na Polônia, que era então Danzig; Kaliningrado, na Rússia, que era então Königsberg, e Barysaw, Belarus.


Membro da PK faz filmagem no leste da Prússia.

Pouco do campo de batalha é visto, mas uma grande quantidade de destruição é evidente. Minsk, a capital do que era então a República Socialista Soviética da Bielorrússia caiu dentro de dias do início da Operação Barbarossa, está em ruínas. Há muitos pontos de vista sobre a paisagem, bem como imagens de camponeses.


A figura central do álbum, presumivelmente o próprio fotógrafo.


O fotógrafo é encontrado se recuperando em algum tipo de convalescença em casa. Ele possui seu prontuário até a câmera, mas é impossível de ler.


Na Baviera, vemos um pelotão de moto que parece estar encenando uma demonstração de suas proezas. 


Em Munique, o fotógrafo se reencontra com uma mulher bonita que pode, ou não, ser sua esposa. Ou irmã. Ou amante.

O álbum é de propriedade de um executivo de 72 anos na indústria da moda que vive em Nova Jersey e trabalha no distrito da moda de Manhattan. Ele emprestou ao The New York Times na esperança de que a cobertura da imprensa - e um melhor senso de proveniência do álbum - que aumentaria o seu valor. Ele gostaria de usar como um produto de venda, que ele espera ser "seis dígitos ou mais," para pagar as contas médicas e sair da dívida. Ele foi submetido à uma cirurgia e declarou falência pessoal. Nem todos os seus colegas e concorrentes sabem disso, ou que ele possui como um álbum, então ele pediu anonimato.

Ele disse que o álbum de fotos e 50 mil figurinhas de beisebol foram dadas a ele por um trabalhador braçal de seu conhecimento que tinha caído em tempos difíceis e teve de pedir dinheiro emprestado ao executivo. Os objetos totalizaram reembolso do empréstimo de dinheiro. O executivo disse que o trabalhador contou que ele havia recebido o álbum de um velho alemão, cujo gramado ele cuidava. Porque há nove fotos de Hitler no álbum de 24 páginas, todos os que lidaram com isso tinham certeza ele deve tem algum valor.


Um soldado com uma câmera passa por um tanque destruído.

"Eu sabia que tinha uma parte da história", disse o executivo, "e eu estava muito preocupado com isso cair nas mãos erradas. Mas minhas necessidades são grandes. "

Aceitamos a atribuição de detetive com o entendimento de que faríamos nossas conclusões públicas, mesmo que minaram o valor do álbum. E disse ao executivo que não iríamos perguntar a qualquer especialista para arriscar um palpite quanto ao valor monetário do álbum.

Nosso único interesse era em apresentar aos leitores um pouco das surpreendentes fotos e um close-up de um grande ponto de virada na Segunda Guerra Mundial e na resolução de um quebra-cabeça histórico.


Um soldado alemão caçando patos. 

"Este álbum é diferente da maioria dos outros álbuns na qualidade das fotos", disse Judith Cohen, diretor da coleção de referência fotográfica no museu. "O fotógrafo era claramente um profissional e sabia o que estava fazendo. É possível que seja um álbum pessoal de um artista PK. "





O PK, ou Propagandakompanie, foi a unidade de campo do corpo de propaganda da Wehrmacht. Assim que sozinha era uma vantagem valiosa. Mas a Sra. Cohen ofereceu uma pista ainda mais importante. Uma das fotos de prisão no álbum (Página 3 ) acabou por ser idêntica a fotografia. 1907/15 do Steven Spielberg Jewish Film Archive, na coleção de Yad Vashem , Mártires do Holocausto "e Heroes 'Remembrance Authority, em Jerusalém.

Isso identificou a localização do campo de prisioneiros em Minsk e fixou o ano de 1941. Ele estabeleceu que os uniformes vistos em alguns dos prisioneiros - incluindo a budenovka distintamente apontou ( Página 8 ) - foram os do Exército Vermelho. E ele trouxe Daniel Uziel, o chefe do coleções de fotos em Yad Vashem, na conversa.


"Era muito comum para oficiais comandantes PK ou mesmo os fotógrafos individuais para preparar álbuns de fotos privados", disse ele. "Estes foram mantidos tanto por pessoal da empresa ou foram dadas a generais, os membros do partido, etc

"A divulgação da fotografia PK após a Segunda Guerra Mundial é um tema fascinante e apenas parcialmente pesquisado," disse o Dr. Uziel. "Esta é, obviamente, um daqueles casos em que fotos da PK encontraram seu caminho para fora da fraternidade de propaganda de guerra e seus arquivos relacionados. Recentemente, soube que alguns comitês históricos judaicos ativos na Europa, imediatamente após o final da Segunda Guerra Mundial tem em suas mãos as cópias de tais fotos ".


Página 9: Em um campo de prisioneiros em Minsk. "Não há muitas fotos de prisioneiros de guerra judeus marcados", disse Daniel Uziel de Yad Vashem ", porque, geralmente, eles foram entregues à SS dentro de um curto espaço de tempo da sua marcação e foram devidamente executados."

Depois de olhar para imagens selecionadas enviadas a ele por e-mail, o Dr. Uziel disse: "Embora algumas fotos são claramente propagandístico e tiro de acordo com as orientações oficiais, a maioria das fotos são típico" campo de batalha e turismo "na natureza." Ele explicou que o imagens na vertical, cortadas de prisioneiros individuais eram padrão "retratos PK de prisioneiros de guerra soviéticos, feitas ao longo de regulamentos e pedidos específicos por parte da Wehrmacht e do Ministério da Propaganda".


"Eu diria que somente aqueles claramente marcados com o emblema amarelo são judeus", escreveu o Dr. Uziel. "Não há muitas fotos de prisioneiros de guerra judeus marcados porque, geralmente, eles foram entregues à SS dentro de um curto espaço de tempo da sua marcação e foram devidamente executados."


Minsk não era apenas a definição do campo de prisioneiros, mas também a cidade cujas ruas e edifícios bombardeados aparecem em várias fotos. Isso foi confirmado quando o professor Larry Wolff, da Universidade de Nova York, o diretor do Centro de Estudos europeus e mediterrânicos, reconheceu as torres barrocas da Santíssima Virgem Maria, Igreja Católica Romana. O drumlike Opera and Ballet Theater é um outro marco inconfundível.


Página 6:  Igreja Católica Romana Santíssima Virgem Maria, em Minsk são visíveis através dos edifícios escavado pelas bombas alemãs.

O que foi mais útil para estabelecer a datação do álbum foi o encontro entre Hitler e Horthy em setembro de 1941. Era conhecida até mesmo para o público americano através Revista Life, que publicou uma foto que parece ter sido tomada apenas alguns centímetros de distância de onde o fotógrafo PKs ficou na estação de trem onde os dois líderes se encontraram. O cenário era Ketrzyn, Polônia, em seguida, uma cidade da Prússia Oriental chamado Rastenburg, onde Hitler tinha a sede guerra conhecida como Toca do Lobo (Wolfsschanze).


Página 13: Adolf Hitler e o almirante Miklos Horthy, regente da Hungria, reuniu-se em setembro de 1941. 

"Aqui Horthy insistiu que a força expedicionária húngara fosse retirada do front russo, acreditando que a campanha russa tinha praticamente acabado", disse o professor Istvan Deak , da Universidade de Columbia. "Hitler deu o seu consentimento."

(Horthy e Hitler não estavam sozinhos em acreditar que a campanha estava quase no fim, no outono de 1941, depois que as tropas alemãs haviam feito progresso espetacular em seu avanço em direção a Moscou. Mas, quando o rolo compressor foi parado pela resistência dos cidadãos russos e soldados, e o inverno russo, em conjunto, a maré transformou-se  dramaticamente.)


Página 5: A linha de frente cemitério militar alemão.

Apenas alguns nomes encontram-se no disco. Entre eles estão aqueles sobre os marcadores de que o Dr. Uziel descreveu como um cemitério militar alemão padrão estabelecido perto das linhas de frente, com um edifício por trás dele, cuja modernidade e solidez sugere arquitetura soviética. Os nomes que são legíveis incluem:

Ogefr. (Corporal Senior) Gust. Dumke, Flieg. (Força Aérea privada) Fried. Gebhardt, Kf. (Driver) Kurt Henze, Gefr. (Corporal) Bernh. Klassen, Uffz. (Sargento) Albert Mann, Schtz. (Private) Fritz Wagner e Uffz. (Sargento) Albert Zimmer.

Ao longo de sete décadas,  apenas duas fotografias caíram do álbum. Uma está faltando. A outro uma foto de um grupo de 11 oficiais está solta, permitindo uma legenda levemente a lápis para ser lido, colocando-a em Bregenz, na Áustria, em 1 de Janeiro de 1942.


Este retrato de grupo foi impressa em um papel muito diferente. É a única imagem solta no álbum com uma legenda.


A parte final do álbum está centrada na Bavária, primeiro na Gebirgs-Motor-Sportschule (Mountain Motorsports Escola), na cidade de Kochel e, operada pela National Socialist Motor Corps. Em seguida, ele move-se para Munique, onde o fotógrafo vestidos em roupas civis e parece ter uma companheira ao seu lado - ou em seu visor - em todos os momentos. "Ela está fazendo o seu melhor para olhar como Marlene Dietrich", observou o professor Marvin J. Taylor , o diretor da Biblioteca Fales e Coleções Especiais na Universidade de Nova York, enquanto olhava para uma pose particularmente atraente.


Page 24: Fora da Ópera do Estado da Baviera, em Munique.


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

A origem e significado da expressão gaúcha do “Tchê”.


“Há quem goze de nosso uso do termo “TCHÊ”, ache até chulo-grosseiro este linguajar. Se soubessem a sua origem, aí abaixo relatada, talvez mudassem sua opinião.”.

Sotaques e regionalismos na hora de falar são conhecidos desde os tempos de Jesus. Todos na casa do sumo sacerdote reconheceram Pedro como discípulo de Jesus pelo seu jeito "Galileu" de se expressar.

No Brasil também existem muitos regionalismos. Quem já não ouviu um gaúcho dizer: "Barbaridade, Tchê"? Ou de modo mais abreviado "bah, Tchê"?

Essa expressão, própria dos irmãos do sul, tem um significado muito curioso.

Para conhecê-lo, é preciso falar um pouquinho do espanhol, dos quais os gaúchos herdaram seu "Tchê".

Há muitos anos, antes da descoberta do Brasil, o latim marcava acentuada presença nas línguas europeias como o francês, espanhol e o português. Além disso o fervor religioso era muito grande entre a população mais simples.

Por essa razão, a linguagem falada no dia, era dominada por expressões religiosas como: "vá com Deus", "queira Deus que isso aconteça", "juro pelo céu que estou falando a verdade" e assim por diante.

Uma forma comum das pessoas se referirem a outra era usando interjeições também religiosas como: "Ô criatura de Deus, por que você fez isso"? Ou "menino do céu, onde você pensa que vai"? Muita gente especialmente no interior ainda fala desse jeito.


Os espanhóis preferiam abreviar algumas dessas interjeições e, ao invés de exclamar "gente do céu", falavam apenas Che! (se lê Tchê) que era uma abreviatura da palavra caelestis (se lê tchelestis) e significa do céu. Eles usavam essa expressão para expressar espanto, admiração, susto. Era talvez uma forma de apelar a Deus na hora do sufoco. Mas também serviam dela para chamar pessoas ou animais.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Incrível escultura é descoberta em pirâmide maia


A descoberta foi conduzida pela equipe do arqueólogo Francisco Estra-Bellie, da Universidade de Tulane, EUA.

Arqueólogos descobriram uma incrível escultura de estuque de 1400 anos de idade vivamente decorada com imagens de deuses e governantes. Considerada uma grande obra de arte, o friso está lançando uma nova luz sobre esta cultura milenar.

Eles estavam explorando uma pirâmide maia que data de 590 dC, em uma área conhecida por conter outras antigas ruínas. A pirâmide está localizada perto da cidade de Holmul, na região de Petén, na Guatemala, onde a civilização maia floresceu em torno de 800 aC a 850 dC.


O friso, que mede quase 8 metros de comprimento e pouco mais de 2 metros de diâmetro, retrata um governante em cima de um espírito montanhoso.  Uma inscrição diz “A tempestade de Deus entra no céu.” Os arqueólogos dizem que a escultura está fornecendo pistas importantes sobre as mudanças no poder em grupos maias e como eles guerreavam uns contra os outros.

A escultura está tão bem preservada que muitas de suas cores originais permanecem.


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Por que os nazistas estavam interessados em uma estátua esculpida em um meteorito?




Como muitos meios de comunicação estão relatando atualmente, uma análise de uma estátua antiga descoberta pelos nazistas em 1938, mostra que ela foi esculpida a partir de um fragmento de meteorito. Datada do século XI, a impagável escultura do "Homem de Ferro" pesa 10 kg e acredita-se ser a primeira escultura de um humano em um meteorito - que colidiu com a Terra há mais de 15.000 anos atrás. É claro que os nazistas não sabia que a estátua foi feita a partir de um meteorito - então por que trazê-la para a Alemanha? E o que eles estavam fazendo no Tibete, em primeiro lugar?

De acordo com alguns especialistas, a estátua é um híbrido estilístico entre a cultura budista e pré-budista Bon que retrata o deus Vaisravana, o rei budista do Norte, também conhecido como Jambhala no Tibete. Ele também possui uma suástica aparente na frente - algo que certamente teria atraído à atenção dos nazistas que a descobriram.


A expedição de 1938 para o Tibete foi liderada pelo renomado zoólogo Ernst Schäfer. Após a guerra, Schäfer afirmou que a expedição da SS era promover suas investigações sobre a vida selvagem e da antropologia do Tibete. Os historiadores, por outro lado, suspeitam que Heinrich Himmler - Chefe da SS - apoiou a expedição por suas próprias razões.

E, de fato, ele forçou todos os arqueólogos para se tornarem membros da SS, a fim de tomar parte na expedição. Isto foi para garantir que a teoria pseudocientífica de Hans Hörbiger de "Cosmogonia Glacial" (uma teoria bizarra sugere que o gelo era a substância fundamental de todos os processos cósmicos). Além disso, ele poderia usar a expedição para promover o seu interesse no misticismo asiático.


Na verdade, Himmler, que era fascinado pelo misticismo e ocultismo, estava interessado em encontrar a prova da superioridade ariana e nórdica desde os tempos antigos. Ele suspeitava que parte dessa "prova" poderia ser encontrada no Tibete, daí a expedição. Arqueologia nazista, raramente foi realizada para fins de investigação genuína. Em vez disso, era uma ferramenta de propaganda usada para perpetuar o orgulho nacionalista alemão e fornecer justificativas científicas para a conquista.

Dezoito anos antes, o partido nazista havia adotado a suástica como sua insígnia oficial. Era um símbolo antigo, que remonta ao período Neolítico e foi descoberto pela primeira vez no Vale do Indo e Índia. Foi usado mais tarde no hinduísmo, budismo, jainismo para simbolizar boa sorte. Outros significados incluem "ser bom", "estar com eu superior", e mesmo "a eternidade."


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

As Ruínas submersas de Yonaguni


Equipe do dr. Masaaki Kimura, da Universidade de Ryûkyû, exploram o sítio arqueológico submarino. Escadarias, rampas, terraços, entalhes na rocha e outros indícios da "mão humana", como ferramentas. Yonaguni pode ser o mais antigo consjunto arquitetônico da história.

No arquipélago de Ryûkyû, a 480 km a sudoeste de Okinawa - Japão, as águas em torno da ilha de Yonaguni escondem um conjunto de misteriosas ruínas megalíticas. O território, de 28,88 km² e uma população de pouco mais de mil e setecentas pessoas, atraiu a atenção de historiadores, arqueólogos e outros cientistas quando, em 1985, um mergulhador descobriu as magníficas estruturas de pedra submersas nas águas que circundam a ilha.

Apesar de ser considerada pela maioria dos estudiosos como uma formação natural, o professor de sismologia da Universidade de Ryukyus, Masaaki Kimura, defende a hipótese de que seriam ruínas com cerca de 2.000 anos de idade.

Quando fotos do lugar foram divulgadas, imediatamente começou a polêmica sobre a origem dos terraços e escadarias. Muitos estudiosos recusaram aceitar que as ruínas sejam de construções feitas por mão humana. As formas geométricas, os ângulos muito certos, foram atribuídos a "agentes naturais". Entretanto, outros pesquisadores afirmam que o fundo do mar de Yonaguni é o túmulo de uma próspera civilização possivelmente mais antiga que Suméria, Egito, Índia ou China.

Em 1997, dr. Masaaki Kimura, professor da Universidade de Ryûkyû, PHD em geologia marinha, publicou A Continent Lost In The Pacific Ocean, onde defende a teoria da civilização submersa; no mesmo ano, uma equipe da universidade empreendeu estudos no sítio arqueológico.


A Okinawan Rosseta stone, com símbolos que foram encontrados gravados nas pedras das ruínas submersas. A Okinawa Roseta é um achado arqueológico de Okinawa.

Em 04 de maio de 1998, partes da ilha e das ruínas foram sacudidas por um terremoto. Depois do abalo, foram realizadas filmagens submarinas. Constatou-se que haviam surgido novas estruturas de forma similar aos zigurats da Mesopotâmia. Estes seriam, então, os edifícios mais antigos do mundo. Foram encontradas marcas nas pedras que evidenciam o trabalho feito nelas, inclusive  entalhes. Também foram achadas ferramentas e uma pequena escadaria. A hipótese de formação natural em Yonaguni tornou-se, então, pouco plausível.



Polêmica

Assim que imagens do sítio submerso foram divulgadas, começou a polêmica sobre a origem dos terraços e escadarias. Muitos estudiosos recusaram aceitar que as ruínas sejam de construções feitas por mão humana. As formas geométricas, os ângulos muito certos, foram atribuídas a "agentes naturais". Entretanto, outros pesquisadores afirmam que o fundo do mar de Yonaguni é o túmulo de uma próspera civilização possivelmente mais antiga que Suméria, Egito, Índia ou China.


Dr. Masaaki Kimura, professor da Universidade de Ryûkyû, PHD em geologia marinha, publicou A Continent Lost In The Pacific Ocean, em obra publicada em 1997 defende a teoria de que os monumentos pertencem a uma civilização antiga.

Em 04 de Maio de 1998 um terremoto atingiu parte das Ilha e ruínas de Yonaguni, o abalo revelou novas estruturas de forma similar aos zigurats da Mesopotâmia. Estes seriam, então, os edifícios mais antigos do mundo. Foram encontradas marcas nas pedras que evidenciam o trabalho feito nelas, incluse entalhes. Também foram achadas ferramentas e uma pequena escadaria. A hipótese de formação natural em Yonaguni tornou-se, então, pouco plausível.


Há 6 mil anos, as ruínas eram terras emersas, ligadas ao continente. A elevação do nível dos mares ao longo de eras fez submergir territórios como os da costa de Yonaguni. Os estudos geológicos calcularam a idade destes monumentos como tendo 11.000 anos de idade, o que os colocaria como uma das edificações mais antigas do planeta.

O Enigma da Face

Submersa, 18 metros abaixo da superfície, surge uma cabeça megalítica, um rosto de pedra gasto pela erosão das águas que faz lembrar as cabeças de pedra de outros lugares antigos: Moais, no Pacífico; La Venta, Golfo do México.


domingo, 24 de novembro de 2013

Socialismo é bom?


Ta certo que o capitalismo não é lá essas coisas, mas veja como esse professor de economia convenceu seus alunos que o socialismo não funciona.

Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira.

Esta classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.

O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.” Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e, portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “A”.

Depois de calculada a média da primeira prova todos receberam “B”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.

Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como um resultado, a segunda média das provas foi “D”. Ninguém gostou.


Depois da terceira prova, a média geral foi um “F”. As notas não voltaram a patamares mais altos, mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina… Para sua total surpresa.

sábado, 23 de novembro de 2013

"É possível acreditar em Deus usando a razão", afirma William Lane Craig.


William Lane Craig: "Sem Deus, não é possível explicar a existência de valores e deveres morais objetivos"

O filósofo e teólogo defende o cristianismo, a ressurreição de Jesus e a veracidade da Bíblia a partir de construção lógica e racional, e se destaca em debates com pensadores ateus

"Se você acha que a religião é um conto de fadas, não acredite. Mas se o cristianismo é a verdade — como penso que é — temos que acreditar nele independente das consequências. É o que as pessoas racionais fazem, elas acreditam na verdade. A via contrária é o pragmatismo. 'Isso Funciona? Não importa se é verdade, quero saber se funciona'"

Quando o escritor britânico Christopher Hitchens, um dos maiores defensores do ateísmo, travou um longo debate nos Estados Unidos, em abril de 2009, com o filósofo e teólogo William Lane Craig sobre a existência de Deus, seus colegas ateus ficaram tensos. Momentos antes de subir ao palco, Hitchens — que morreu em dezembro de 2011. aos 62 anos — falou a jornalistas sobre a expectativa de enfrentar Craig.

"Posso dizer que meus colegas ateus o levam bem a sério", disse. "Ele é considerado um adversário muito duro, rigoroso, culto e formidável", continuou. "Normalmente as pessoas não me dizem 'boa sorte' ou 'não nos decepcione' antes de um debate — mas hoje, é o tipo de coisa que estão me dizendo". Difícil saber se houve um vencedor do debate. O certo é que Craig se destaca pela elegância com que apresenta seus argumentos, mesmo quando submetido ao fogo cerrado.

O teólogo evangélico é considerado um dos maiores defensores da doutrina cristã na atualidade. Craig, que vive em Atlanta (EUA) com a esposa, sustenta que a existência de Deus e a ressurreição de Jesus, por exemplo, não são apenas questões de fé, mas passíveis de prova lógica e racional. Em seu currículo de debates estão o famoso químico e autor britânico Peter Atkins e o neurocientista americano Sam Harris (veja lista com vídeos legendados de Craig). Basta uma rápida procura no Youtube para encontrar uma vastidão de debates travados entre Craig e diversos estudiosos. Richard Dawkins, um dos maiores críticos do teísmo, ainda se recusa a discutir com Craig sobre a existência de Deus.

Em artigo publicado no jornal inglês The Guardian, Dawkins afirma que Craig faz apologia ao genocídio, por defender passagens da Bíblia que justificam a morte de homens, mulheres e crianças por meio de ordens divinas. "Vocês apertariam a mão de um homem que escreve esse tipo de coisa? Vocês compartilhariam o mesmo palco que ele? Eu não, eu me recuso", escreveu. Na entrevista abaixo, Craig fala sobre o assunto.

Autor de diversos livros —  entre eles Em Guarda – Defenda a fé cristã com razão e precisão (Ed. Vida Nova), lançado no fim de 2011 no Brasil, — Craig é doutor em filosofia pela Universidade de Birmingham, na Inglaterra, e em teologia pela Universidade de Munique, Alemanha. O filósofo esteve no Brasil para o 8º Congresso de Teologia da Editora Vida Nova, em Águas de Lindóia, entre 13 e 16 de março. Durante o simpósio, Craig deu palestras e dedicou a última apresentação a atacar, ponto a ponto, os argumentos de Richard Dawkins sobre a inexistência de Deus.

Perfil

Nome: William Lane Craig

Profissão: Filósofo, teólogo e professor universitário na Universidade de Biola, Califórnia.
Nascimento: 23 de agosto de 1949

Livros destacados: Apologética Contemporânea – A veracidade da Fé Cristã; Em Guarda, Defenda a fé cristã com razão e precisão; ambos publicados no Brasil pela editora Vida Nova.

Principal contribuição para a filosofia: Craig foi responsável por reformular o Argumento Cosmológico Kalam (variação do argumento cosmológico que defende a existência de uma primeira causa para o universo) nos seguintes termos: 1) Tudo que começa a existir tem uma causa de existência. 2) O universo começou a existir. 3) Portanto, o universo tem uma causa para sua existência.

Informações pessoais: William Lane Craig é conhecido pelo trabalho na filosofia do tempo e na filosofia da religião, especificamente sobre a existência de Deus e na defesa do teísmo cristão. Escreveu e editou mais de 30 livros, é doutor em filosofia e teologia em universidades inglesa e alemã e desde 1996 é pesquisador e professor de filosofia na Universidade de Biola, na Califórnia. Atualmente vive em Atlanta, nos EUA, com a esposa. Craig pratica exercícios regularmente como forma de combater a APM (Atrofia Peronial Muscular) uma doença degenerativa do sistema nervoso que lhe causou atrofiamento dos nervos das mãos e pernas. Especialista em debates desde o ensino médio, o filósofo passa a maior parte do tempo estudando.

Por que deveríamos acreditar em Deus?

Porque os argumentos e evidências que apontam para a Sua existência são mais plausíveis do que aqueles que apontam para a negação. Vários argumentos dão força à ideia de que Deus existe. Ele é a melhor explicação para a existência de tudo a partir de um momento no passado finito, e também a para o ajuste preciso do universo, levando ao surgimento de vida inteligente. Deus também é a melhor explicação para a existência de deveres e valores morais objetivos no mundo. Com isso, quero dizer valores e deveres que existem independentemente da opinião humana.

Se Deus é bondade e justiça, por que ele não criou um universo perfeito onde todas as pessoas vivem felizes?

Acho que esse é o desejo de Deus. É o que a Bíblia ensina. O fato de que o desejo de Deus não é realizado implica que os seres humanos possuem livre-arbítrio. Não concordo com os teólogos que dizem que Deus determina quem é salvo ou não. Parece-me que os próprios humanos determinam isso. A única razão pela qual algumas pessoas não são salvas é porque elas próprias rejeitam livremente a vontade de Deus de salvá-las.

Alguns cientistas argumentam que o livre-arbítrio não existe. Se esse for o caso, as pessoas poderiam ser julgadas por Deus?

Não, elas não poderiam. Acredito que esses autores estão errados. É difícil entender como a concepção do determinismo pode ser racional. Se acreditarmos que tudo é determinado, então até a crença no determinismo foi determinada. Nesse contexto, não se chega a essa conclusão por reflexão racional. Ela seria tão natural e inevitável como um dente que nasce ou uma árvore que dá galhos. Penso que o determinismo, racionalmente, não passa de absurdo. Não é possível acreditar racionalmente nele. Portanto, a atitude racional é negá-lo e acreditar que existe o livre-arbítrio.

O senhor defende em seu site uma passagem do Velho Testamento em que Deus ordena a destruição da cidade de Canaã, inclusive autorizando o genocídio, argumentando que os inocentes mortos nesse massacre seriam salvos pela graça divina. Esse não é um argumento perigosamente próximo daqueles usados por terroristas motivados pela religião?

A teoria ética desses terroristas não está errada. Isso, contudo, não quer dizer que eles estão certos. O problema é a crença deles no deus errado. O verdadeiro Deus não ordena atos terroristas e, portanto, eles estariam cometendo uma atrocidade moral. Quero dizer que se Deus decide tirar a vida de uma pessoa inocente, especialmente uma criança, a Sua graça se estende a ela.

Se o terrorista é cristão o ato terrorista motivado pela religião é justificável, por ele acreditar no Deus ‘certo’?

Não é suficiente acreditar no deus certo. É preciso garantir que os comandos divinos estão sendo corretamente interpretados. Não acho que Deus dê esse tipo de comando hoje em dia. Os casos do Velho Testamento, como a conquista de Canaã, não representam a vontade normal de Deus.

O sr. está querendo dizer que Deus também está sujeito a variações de humor? Não é plausível esperar que pelo menos Ele seja consistente?

Penso que Deus pode fazer exceções aos comandos morais que dá. O principal exemplo no Velho Testamento é a ordem que ele dá a Abraão para sacrificar seu filho Isaque. Se Abraão tivesse feito isso por iniciativa própria, isso seria uma abominação. O deus do Velho Testamento condena o sacrifício infantil. Essa foi uma das razões que o levou a ordenar a destruição das nações pagãs ao redor de Israel. Elas estavam sacrificando crianças aos seus deuses. E, no entanto, Deus dá essa ordem extraordinária a Abraão: sacrificar o próprio filho Isaque. Isso serviu para verificar a obediência e fé dele. Mas isso é a exceção que prova a regra. Não é a forma normal com que Deus conduz os assuntos humanos. Mas porque Deus é Deus, Ele tem a possibilidade de abrir exceções em alguns casos extremos, como esse.

O sr. disse que não é suficiente ter o deus certo, é preciso fazer a interpretação correta dos comandos divinos. Como garantir que a sua interpretação é objetivamente correta?

As coisas que digo são baseadas no que Deus nos deu a conhecer sobre si mesmo e em preceitos registrados na Bíblia, que é a palavra d’Ele. Refiro-me a determinações sobre a vida humana, como “não matarás”. Deus condena o sacrifício de crianças, Seu desejo é que amemos uns ao outros. Essa é a Sua moral geral. Seria apenas em casos excepcionalmente extremos, como o de Abraão e Isaque, que Deus mudaria isso. Se eu achar que Deus me comandou a fazer algo que é contra o Seu desejo moral geral, revelado na escritura, o mais provável é que eu tenha entendido errado. Temos a revelação do desejo moral de Deus e é assim que devemos nos comportar.

O sr. deposita grande parte da sua argumentação no conteúdo da Bíblia. Contudo, ela foi escrita por homens em um período restrito, em uma área restrita do mundo, em uma língua restrita, para um grupo específico de pessoas. Que evidência se tem de que a Bíblia é a palavra de um ser sobrenatural?

A razão pela qual acreditamos na Bíblia e sua validade é porque acreditamos em Cristo. Ele considerava as escrituras hebraicas como a palavra de Deus. Seus ensinamentos são extensões do que é ensinado no Velho Testamento. Os ensinamentos de Jesus são direcionados à era da Igreja, que o sucederia. A questão, então, se torna a seguinte: temos boas razões para acreditar em Jesus? Ele é quem ele diz ser, a revelação de Deus? Acredito que sim. A ressurreição dos mortos, por exemplo, mostra que ele era quem afirmava.

Existem provas que confirmem a ressurreição de Jesus?

Temos boas bases históricas. A palavra ‘prova’ pode ser enganosa porque muitos a associam com matemática. Certamente, não temos prova matemática de qualquer coisa que tenha acontecido na história do homem. Não temos provas, nesse sentido, de que Júlio César foi assassinado no senado romano, por exemplo, mas temos boas bases históricas para isso. Meu argumento é que se você considera os documentos do Novo Testamento como fontes da história antiga, — como os historiadores gregos Tácito, Heródoto ou Tucídides — o evangelho aparece como uma fonte histórica muito confiável para a vida de Jesus de Nazaré. A maioria dos historiadores do Novo Testamento concorda com os fatos fundamentais que balizam a inferência sobre a ressurreição de Cristo. Coisas como a sua execução sob autoridade romana, a descoberta das tumbas vazias por um grupo de mulheres no domingo depois da crucificação e o relato de vários indivíduos e grupos sobre os aparecimentos de Jesus vivo após sua execução. Com isso, nos resta a seguinte pergunta: qual é a melhor explicação para essa sequência de acontecimentos? Penso que a melhor explicação é aquela que os discípulos originais deram — Deus fez Jesus renascer dos mortos. Não podemos falar de uma prova, mas podemos levantar boas bases históricas para dizer que a ressurreição é a melhor explicação para os fatos. E como temos boas razões para acreditar que Cristo era quem dizia ser, portanto temos boas razões para acreditar que seus ensinamentos eram verdade. Sendo assim, podemos ver que a Bíblia não foi criação contingente de um tempo, de um lugar e de certas pessoas, mas é a palavra de Deus para a humanidade.

O textos da Bíblia passaram por diversas revisões ao longo do tempo. Como podemos ter certeza de que as informações às quais temos acesso hoje são as mesmas escritas há 2.000 anos? Além disso, como lidar com o fato de que informações podem ser perdidas durante a tradução?

Você tem razão quanto a variedade de revisões e traduções. Por isso, é imperativo voltar às línguas originais nas quais esses textos foram escritos. Hoje, os críticos textuais comparam diferentes manuscritos antigos de modo a reconstruir o que os originais diziam. O Novo Testamento é o livro mais atestado da história antiga, seja em termos de manuscritos encontrados ou em termos de quão próximos eles estão da data original de escrita. Os textos já foram reconstruídos com 99% de precisão em relação aos originais. As incertezas que restam são trivialidades. Por exemplo, na Primeira Epístola de João, ele diz: “Estas coisas vos escrevemos, para que o vosso gozo se cumpra”. Mas alguns manuscritos dizem: “Estas coisas vos escrevemos, para que o nosso gozo se cumpra”. Não temos certeza se o texto original diz ‘vosso’ ou ‘nosso’. Isso ilustra como esse 1% de incerteza é trivial. Alguém que realmente queira entender os textos deverá aprender grego, a língua original em que o Novo Testamento foi escrito. Contudo, as pessoas também podem comprar diferentes traduções e compará-las para perceber como o texto se comporta em diferentes versões.

É possível explicar a existência de Deus apenas com a razão? Qual o papel da ciência na explicação das causas do universo?

A razão é muito mais ampla do que a ciência. A ciência é uma exploração do mundo físico e natural. A razão, por outro lado, inclui elementos como a lógica, a matemática, a metafísica, a ética, a psicologia e assim por diante. Parte da cegueira de cientistas naturalistas, como Richard Dawkins, é que eles são culpados de algo chamado ‘cientismo’. Como se a ciência fosse a única fonte da verdade. Não acho que podemos explicar Deus em sua plenitude, mas a razão é suficiente para justificar a conclusão de que um criador transcendente do universo existe e é a fonte absoluta de bondade moral.

Por que o cristianismo deveria ser mais importante do que outras religiões que ensinam as mesmas questões fundamentais, como o amor e a caridade?

As pessoas não entendem o que é o cristianismo. É por isso que alguns ficam tão ofendidos quando se prega que Jesus é a única forma de salvação. Elas pensam que ser cristão é seguir os ensinamentos éticos de Jesus, como amar ao próximo como a si mesmo. É claro que não é preciso acreditar em Jesus para se fazer isso. Isso não é o cristianismo. O evangelho diz que somos moralmente culpados perante Deus. Espiritualmente, somos separados d’Ele. É por isso que precisamos experimentar Seu perdão e graça. Para isso, é preciso ter um substituto que pague a pena dos nossos pecados. Jesus ofereceu a própria vida como sacrifício por nós. Ao aceitar o que ele fez em nosso nome, podemos ter o perdão de Deus e a limpeza moral. A partir disso, nossa relação com Deus pode ser restaurada. Isso evidencia por que acreditar em Cristo é tão importante. Repudiá-lo é rejeitar a graça de Deus e permanecer espiritualmente separado d’Ele. Se você morre nessa condição você ficará eternamente separado de Deus. Outras religiões não ensinam a mesma coisa.

A crença em Deus é necessária para trazer qualidade de vida e felicidade?

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.