-

-

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Luís XIV e o Estado todo-poderoso

O Rei-Sol colocava o destino da França e a perenidade da função real acima de sua própria pessoa. Seu reino foi o apogeu da monarquia absoluta.


Reunido com os secretários e conselheiros, Luís XIV toma ele mesmo todas as decisões, de 26 de fevereiro a 23 de abril de 1672, óleo sobre tela, Escola Francesa, 1672.

A morte de Jules Mazarin em 9 de março de 1661 marca o nascimento do absolutismo de Luís XIV. O próprio rei anunciou a morte do cardeal na manhã seguinte. Ele reuniu todos os oito ministros, que esperavam ansiosamente o nome do sucessor de Mazarin. Para surpresa geral, o rei voltou-se para o chanceler Séguier e declarou solenemente: “Senhor, eu lhe pedi que se reunisse com meus ministros e secretários de Estado para dizer que até agora eu deixei o falecido senhor cardeal conduzir os assuntos de Estado; já é hora que eu próprio governe. Vocês me auxiliarão com seus conselhos, quando eu lhes pedir.” Note-se que ele nunca pronunciou a famosa frase “O Estado sou eu”; não passa de uma lenda. Em seguida, proibiu os ministros de expedir qualquer coisa sem sua ordem.

Para Luís XIV, a monarquia só podia ser absoluta. Sua mãe inculcou-lhe o gosto pela grandeza real e por uma etiqueta rígida e lhe transmitiu profundos sentimentos religiosos. Mazarin lhe dispensou uma educação política prática, fazendo-o assistir aos conselhos desde a idade de 12 anos. Com a morte de seu mentor, instaurou-se uma monarquia administrativa, dirigida pelo ministro Jean-Baptiste Colbert. O rei viu aí o meio de restaurar sua autoridade e, assumindo a direção, inserir-se no projeto do cardeal Mazarin.

Luís XIV dirigia a França com menos de 50 mil agentes reais. Entre eles, os ministros e seus gabinetes, os conselheiros de Estado, os mestres de solicitações, os intendentes e seus funcionários e os magistrados. Todos lhe deviam fidelidade, dedicação e eficiência. No alto da administração, um chanceler, responsável pela Justiça, um controlador-geral dirigindo as Finanças e quatro secretários de Estado encarregados da Guerra, da Marinha, dos Assuntos Estrangeiros e da Casa do rei.

A mudança teve um quê de continuidade. Mazarin deixou ao rei, com 23 anos, sua equipe de brilhantes colaboradores: Le Tellier (Guerra), Lionne (Assuntos Estrangeiros), Fouquet (Finanças), ao lado de quem o cardeal colocou um homem seu, Jean-Baptiste Colbert, que substituiu Fouquet a partir de setembro e depois se tornou o controlador-geral das Finanças reais em 1665. Era então ministro de Estado e acumulava cargos: fazia sozinho o trabalho de seis ministros! Esses homens talentosos, provenientes da burguesia do comércio ou da toga, formavam clãs familiares cujas rivalidades eram úteis ao rei.

Era tempo de colocar o reino em movimento, em todos os domínios. O controle dos corpos intermediários do Estado e a vigilância da administração provincial se impunham. O instrumento da reforma escolhido por Luís XIV e Colbert foi a Câmara de Justiça de novembro de 1661, cujos trabalhos duraram até 1669. Foram emitidas muitas condenações contra financistas acusados de desonestidade. Nas províncias, os intendentes inspecionavam e controlavam, repartiam a talha (impostos) e verificavam as dívidas das paróquias. Os governadores de província viam seu poder se reduzir. Os parlamentares deviam apenas registrar as decisões re-ais. O soberano trabalhava sem descanso, consagrando mais de oito horas por dia aos assuntos do reino. Sua dedicação e sua coragem surpreenderam seus contemporâneos. Quando Colbert lhe perguntou se ele devia fazer relatórios longos ou curtos, o rei respondeu: “Longos; o detalhe de tudo.”

Durante seu reinado, participou de todos os conselhos, decidindo soberanamente sobre a política que cada ministro deveria seguir. Esses costumes não eram novidade, sobretudo depois de Francisco I e de Henrique IV, mas Luís XIV organizou, hierarquizou e conduziu a especialização dos conselhos, fixou os dias de sessão e retomou de uma vez por todas o próprio mecanismo do regime. Contudo, seu governo permaneceu coletivo.

As relações com seus ministros eram muitas vezes tempestuosas. Luís XIV deixou em suas memórias apreciações muito pessoais sobre eles: “Não temos nada a ver com anjos, mas com homens a quem o poder excessivo dá quase sempre alguma tentação de usá-lo”. Desconfiava muito também dos prelados e pessoas da Igreja: “Tenho uma regra (...) a de jamais colocar um eclesiástico em meu Conselho, e menos ainda um cardeal”.

Soberano absoluto, Luís XIV não governou sozinho. Os órgãos governamentais estavam fechados a sua volta. No alto figurava o Conselho de Estado, o órgão do governo onde eram abordados “os assuntos de maior importância”. Tratava-se nele, em pequeno comitê, dos grandes assuntos internos ou externos do reino. Até 1661, encontravam-se ali príncipes, duques e marechais. Agora, o rei convocava alguns colaboradores escolhidos com todo cuidado, nunca mais de cinco membros, que, sozinhos, tinham o título de ministros de Estado: o chanceler, o superintendente das Finanças e os quatro secretários de Estado.

O Conselho de Estado privado, sob a presidência do rei, era essencialmente composto por magistrados. Reuniu mais de 30 conselheiros que faziam os julgamentos e 80 referendários que preparavam os dossiês. Reunindo-se toda segunda-feira na sala do Conselho, era encarregado de regulamentar os litígios judiciários. Havia também outras instâncias de decisão, de importância secundária.

No Conselho das Finanças, onde Colbert era a viga mestra desde 1661, discutiam-se os impostos e a divisão da talha. Desse órgão se originou, em 1664, o Conselho do Comércio, estabelecido pelo próprio Luís XIV. Toda uma burocracia! A maioria dos conselheiros que a compunham era oriunda da nobreza togada ou da burguesia. Todos muito cônscios de seus direitos. Um contemporâneo os descreveu ironicamente: “Os que ocupavam seus lugares eram como pequenos deuses colocados entre o conselho ordinário, que comparavam à natureza humana, e os ministros que eles olhavam como os deuses da terra”.

Texto: DIMITRI CASALI é historiador, escritor e autor de dezenas de trabalhos sobre Luís XIV e o Antigo Regime.

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 


(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(COMUNIDADE DE NOTÍCIAS DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL ASK)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL STUMBLEUPON)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(REDE SOCIAL INSTAGRAM)

(ALBUM WEB PICASA)

(REDE SOCIAL FOURSQUARE)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL BEHANCE)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(REDE SOCIAL MYSPACE)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)

(BLOGUE LIVE JOURNAL LEANDRO CLAUDIR)

(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(BLOGUE BLOSPOT CONTATO)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL FACEBOOK LEANDRO HISTORIADOR)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR GERAL) 

(MARCADOR PESSOAL) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.