-

-

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Catarina de Médici era realmente maquiavélica?


Ela não mediu esforços para se manter no poder: manipulou os filhos, conspirou e, pior de tudo, contribuiu para o massacre de protestantes, certo? Errado!

A regente, mãe de três reis da França, pregava uma política de tolerância e de pacificação religiosa. Florentina, filha de Lourenço II de Médicis, desposou muito jovem o filho de Francisco I, o futuro Henrique II. Na morte de seu marido, num torneio, em 1559, enquanto o luto real era marcado pelo branco, ela decidiu vestir somente preto, daí a alcunha “viúva negra”. A partir de então, ocupou um lugar preponderante nos destinos do reino.

O breve reinado de seu filho Francisco II testemunhou a eclosão dos problemas religiosos e o recurso à violência para solucioná-los. Perante um partido católico intransigente, que desejava erradicar o protestantismo, Catarina se posicionou, com o chanceler Michel de L’Hospital, ao lado do partido dos políticos que buscavam, antes de tudo, manter a coesão do Estado e a autoridade monárquica. A morte de Francisco II em 1560 e a menoridade de Carlos IX permitiram que se tornasse regente, tomando as rédeas do poder. Desde então, ela multiplicou os atos de conciliação. Os Estados Gerais foram convocados em Orléans e, em 1561, deu-se o colóquio de Passy, afim de tentar reconciliar os reformados e os católicos. Em 17 de janeiro de 1562, ela chegou a promulgar um edito autorizando a liberdade de culto aos protestantes, desde que suas cerimônias se realizassem fora das cidades.

Essa política de concórdia fracassou diante da intransigência dos dois partidos. A primeira guerra religiosa eclodiu com o massacre de Wassy, em 1562 – e foi seguida de sete outras até 1598. Catarina de Médicis tentou restabelecer a paz para salvaguardar a herança de seus filhos e a unidade do reino, objetivo alcançado em 1563, com o edito de Amboise, que autorizou o culto protestante e estipulou que ninguém deveria ser perturbado por suas opiniões religiosas. Esse edito de paz servirá de modelo a todos os que seriam assinados em seguida: os conflitos, contudo, não cessaram. As tréguas foram alternadas com períodos de tensão e guerras abertas. Foi durante uma delas, na noite de 23 a 24 de agosto de 1572, que aconteceu o Massacre de São Bartolomeu, que deveria visar somente os chefes protestantes. Viu-se no episódio a mão de Catarina, ainda que as responsabilidades não estejam claramente determinadas.

Assim nasceu, ainda durante a vida de Catarina, a lenda de uma mulher austera, maquiavélica, que não recuava perante nada para se manter no poder. Essa italiana, que conservara ainda um sotaque muito pronunciado, seria para sempre considerada uma estrangeira, favorável demais aos protestantes para os católicos e não tolerante o bastante para os reformados. 

Foi, porém, uma das maiores mecenas da história da França. Promoveu festas suntuosas, protegeu os artistas – Ronsard, Montaigne... –, mandou construir o castelo das Tulherias. Introduziu na França o garfo, o sorvete e a técnica de montar tendo as duas pernas do mesmo lado do cavalo.

O fim da dinastia de Valois, em 1589, não permitiu sua reabilitação. A Revolução Francesa não mediu esforços para denegrir Catarina de Médicis e, através dela, a monarquia, exemplo seguido pelos republicanos. Os romancistas eternizam essa imagem deformada, notadamente Alexandre Dumas, com A rainha Margot, ou Balzac, que assinou uma biografia falsamente histórica da personagem.

Texto: Olivier Tosseri

COPYRIGHT © 

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.

Você quer saber mais? 



(COMUNIDADE CHH NO DIHITT)

(COMUNIDADE DE NOTÍCIAS DIHITT)

(PÁGINA NO TUMBLR)

(REDE SOCIAL ASK)

(REDE SOCIAL VK)

(REDE SOCIAL STUMBLEUPON)

(REDE SOCIAL LINKED IN)

(REDE SOCIAL INSTAGRAM)

(ALBUM WEB PICASA)

(REDE SOCIAL FOURSQUARE)

(ALBUM NO FLICKR)


(CANAL NO YOUTUBE)

(MINI BLOGUE TWITTER)

(REDE SOCIAL BEHANCE)

(REDE SOCIAL PINTEREST)

(REDE SOCIAL MYSPACE)

(BLOGUE WORDPRESS HISTORIADOR NÃO MARXISTA)

(BLOGUE LIVE JOURNAL LEANDRO CLAUDIR)

(BLOGUE BLOGSPOT CONSTRUINDO PENSAMENTOS HOJE)

 (BLOGUE WORDPRESS O CONSTRUTOR DA HISTÓRIA)

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O CAPITALISMO) 

 (BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O COMUNISMO) 

(BLOGUE BLOGSPOT DESCONSTRUINDO O NAZISMO)

 (BLOGUE WORDPRESS CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(BLOGUE BLOSPOT CONTATO)

 (REDE SOCIAL FACEBOOK CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE)

(REDE SOCIAL FACEBOOK LEANDRO HISTORIADOR)

(REDE SOCIAL GOOGLE + CONSTRUINDO HISTÓRIA HOJE) 

(MARCADOR DICAS DE LEITURA) 

(MARCADOR GERAL) 

(MARCADOR PESSOAL) 

(MARCADOR ARQUEOLOGIA) 

(MARCADOR ÁFRICA)

(MARCADOR ANTIGUIDADE)

(MARCADOR PERSONAGENS DA HISTÓRIA) 

(MARCADOR HISTÓRIA DO BRASIL) 

(MARCADOR FÉ) 

(MARCADOR COMUNISMO) 




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.