-

-

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Sociopatas/Psicopatas. Eles estão entre nós? Parte III.


Sociopatas/Psicopatas. Imagem: Filme Psicopata Americano.
Hoje estaremos dando continuidade ao nosso estudo sobre a sociopatia/psicopatia e veremos que alguns especialistas chegam a identificar diferenças entre elas. Essa postagem é de vital importância para a compreensão do último texto sobre o assunto aonde falaremos sobre as pessoas que conviveram com psicopatas, mas agora nos ateremos aos fatos referentes a este texto, aonde veremos os resultados da psicopatia para o próprio psicopata e uma tênue diferença entre sociopata e psicopata. Espero que gostem do texto, pois esse trabalho é feito com o objetivo de informar e gerar discussões sobre os mais variáveis aspectos da existência humana em sua relação direta ou indireta com a História Geral.
A psicopatia e sociopatia são ambos os transtornos de personalidade antissocial. Embora esses dois distúrbios são o resultado de uma interação entre predisposição genética e fatores ambientais, a psicopatia se inclina para o hereditária enquanto sociopatia tende para o meio ambiente.
Os psicopatas nascem com diferenças de temperamento como impulsividade, hipoativação cortical, e destemor que os levam a risco buscando comportamento e uma incapacidade de internalizar as normas sociais. Por outro lado, os sociopatas têm temperamentos relativamente normais; seu transtorno de personalidade tende a ser mais um efeito de fatores sociológicos negativos como a negligência dos pais, pares delinquentes, pobreza extrema, e elevada ou baixa inteligência.

“O Transtorno de Personalidade Antissocial resulta às vezes em atos de extremamente violência. Apesar dos psiquiatras muitas vezes considerarem e tratarem os sociopatas e psicopatas como sendo distúrbios idênticos, os criminologistas os registram como distintos por causa da diferença em seu comportamento exterior em relação a violência, pois os psicopatas possuem tendências destrutivas muito superiores aos sociopatas que tendem há surtos de violência menos devastadores para a sociedade.”
Quando fazemos uma pequena revisão na história da humanidade vemos que ela é capaz de nos revelar duas questões importantes no que tange à origem da psicopatia. A primeira delas se refere ao fato de a psicopatia sempre ter existido entre nós. Um exemplo dessa situação é destacado pelo psiquiatra americano Hervey Cleckley ao citar que o general grego Alcebíades, no século V a.C., já preenchia todos os requisitos para ser considerado um psicopata “de carteirinha.”
A segunda questão aponta para a presença da psicopatia em todos os tipos de sociedades, desde as mais primitivas até as mais modernas. Esses fatos reforçam a participação de um importante substrato biológico na origem desse transtorno. No entanto, eles não invadiam, de forma alguma, a participação significativa que os fatores culturais podem ter na modulação desse quadro, ora favorecendo, ora inibindo o seu desenvolvimento.
Isso fica claro quando observamos a prevalência de psicopatas em culturas diversas. Nas sociedades ocidentais, a conduta psicopática tem-se incrementado de maneira assustadora nas últimas cinco décadas. Cotidianamente nos deparamos com jornais e revistas que estampam homicidas cruéis assassinos em série, políticos corruptos, terroristas, pedófilos, pessoas que maltratam crianças, torturadores de mulheres, líderes religiosos inescrupulosos, estelionatários e profissionais desleais.
Devido à ação dos psicopatas as pessoas vêm adotando formas “psicopáticas” de convívio. Se isso ocorre é porque nossa sociedade está fundamentada em valores e práticas que, no mínimo, favorecem a maneira psicopática de ser e viver. De certa forma, estamos contribuindo para promover uma cultura na qual a psicopatia encontra um campo bastante favorável para florescer. Sem sombra de dúvida, o cenário social dos nossos tempos favorece o estilo de vida do psicopata. Ele reflete de forma precisa esse “novo homem”, voltado somente para si mesmo, preocupado apenas com o que é seu e desvinculado da realidade vital dos que estão ao seu redor.
A expansão da cultura moderna, repleta de traços psicopáticos, modificou de forma drástica as nossas relações familiares e sociais. Estamos perdendo o senso de responsabilidade compartilhada no campo social e o de vinculação significativa nas relações interpessoais.
Hoje, ficamos fascinados e atraídos pelos vilões e é para eles que dirigimos nossa torcida. Estamos abandonando os mocinhos e seus ideais morais de justiça e solidariedade. Os heróis do passado estão se tornando os otários dos tempos modernos. Se não tomarmos muito cuidado, acabaremos adotando a conduta psicopática como um estilo de vida eficiente para se alcançar a autossatisfação ou então como um comportamento adaptativo de sobrevivência. Precisamos rever a nossa tolerância em relação às pequenas transgressões do dia a dia, como jogar papel no chão, buzinar em frente ao hospital, cuspir nas calçadas, estacionar em locais proibidos.
Somente uma educação pautada em sólidos valores altruístas poderá fazer surgir uma nova ética social que seja capaz de conciliar direitos individuais com responsabilidades interpessoais e coletivas. A aprendizagem altruísta é a única maneira de combatermos a cultura psicopática pautada na insensibilidade interpessoal e na ausência da solidariedade coletiva.
Nossa espécie produziu tanto Napoleão como Madre Teresa. Trata-se da nossa profunda ligação com outros seres humanos. O vínculo emocional faz parte da maioria de nós, reside na mais ínfima molécula que moldou nossos corpos e cérebros, e de vez em quando somos abruptamente lembrados disso. Brotando em nossos genes e se disseminando para todas as culturas, crenças e religiões, é à sombra do sussurro de uma compreensão de que somos todos um só. E, quaisquer que sejam suas origens, essa é a essência da consciência.

domingo, 23 de junho de 2013

Psicopatas/Sociopatas. Eles estão entre nós? PARTE II.



Dando seguimento ao nosso estudo sobre a ausência de consciência entre pessoas na espécie humana, estes denominados pela psicologia como sociopatas/psicopatas. Nesta parte estaremos nos aprofundando na tentativa de compreendermos as motivações e o modus operandi dos indivíduos aonde não está presente o sentido humano de ser e estar com seu semelhante.

Algumas pessoas nunca experimentaram ou jamais experimentarão a inquietude mental, ou o menor sentimento de culpa ou remorso por desapontar, magoar, enganar ou até mesmo tirar a vida de alguém. Indivíduos verdadeiramente maléficos e ardilosos utilizam “disfarces” tão perfeitos que acreditamos piamente que são seres humanos como nós. Eles são verdadeiros atores da vida real, a ponto de não percebermos a diferença entre aqueles que têm consciência e aqueles que são desprovidos desse nobre atributo.

Devido à falta de consenso definitivo, a denominação dessa disfunção comportamental tem despertado acalorados debates entre muitos autores, clínicos e pesquisadores ao longo do tempo. Alguns utilizam a palavra sociopata por pensarem que fatores sociais desfavoráveis sejam capazes de causar o problema. Outras correntes acreditam que os fatores genéticos, biológicos e psicológicos estejam envolvidos na origem do transtorno adotam o termo psicopata.

Seja lá como for, uma coisa é certa: todas essas terminologias definem um perfil transgressor. O que pode suscitar uma pequena diferenciação entre elas é a intensidade com a qual os sintomas se manifestam.

É importante ressaltar que o termo psicopata pode dar a falsa impressão de que se trata de indivíduos loucos ou doentes mentais. No entanto, em termos médicos-psiquiátricos, a psicopatia não se encaixa na visão tradicional das doenças mentais. Esses indivíduos não são considerados loucos, nem apresentam qualquer tipo de desorientação. Também não sofrem de delírios ou alucinações (como a esquizofrenia) e tampouco apresentam intenso sofrimento mental (como a depressão ou pânico, por exemplo).

“Ao contrário disso, seus atos criminosos não provêm de mentes adoecidas, mas sim de um raciocínio frio e calculista combinado com uma total incapacidade de tratar as outras pessoas como seres humanos pensantes e com sentimentos.” 

Os psicopatas em geral são indivíduos frios, calculistas, inescrupulosos, dissimulados, mentirosos, sedutores e que visam apenas o próprio beneficio. Eles são incapazes de estabelecer vínculos afetivos ou de se colocar no lugar do outro. São desprovidos de culpa ou remorso e, muitas vezes, revelam-se agressivos e violentos.

Os psicopatas são indivíduos que podem ser encontrados em qualquer raça, cultura, sociedade, credo, sexualidade ou nível financeiro. Estão infiltrados em todos os meios sociais e profissionais, camuflados de executivos bem-sucedidos, líderes religiosos, trabalhadores, “pais e mães de família”, políticos etc. O jogo deles se baseia no poder e na autopromoção à custa dos outros, e eles são capazes de atropelar tudo e todos com total egocentrismo e indiferença. O fenômeno da psicopatia é um enigma sombrio com drásticas implicações para todas as pessoas “de bem”, que lutam diariamente para a construção de uma sociedade mais justa e humana.

Segundo o psicólogo canadense Robert Hare, uma das maiores autoridades sobre o assunto, os psicopatas têm total ciência dos seus atos (a parte cognitiva ou racional é perfeita), ou seja, sabem perfeitamente que estão infringindo regras sociais e por que estão agindo dessa maneira. A deficiência deles (e é aí que mora o perigo) está no campo dos afetos, maltratar ou até matar alguém que atravesse o seu caminho ou os seus interesses, mesmo que esse alguém faça parte de seu convívio íntimo. Esses comportamentos desprezíveis são resultados de uma escolha, diga-se de passagem, exercida de forma livre e sem qualquer culpa.

Utilizam sem qualquer consciência, habilidades maquiavélicas contra suas vítimas, que para eles funcionam apenas como troféus de competência e inteligência.

“Passe a ler os jornais sobre esse novo prisma (a falta de consciência) e você perceberá rapidamente que a extensão desse problema é amedrontadora.”



Essa diferença entre o funcionamento emocional normal e a psicopatia é tão chocante que, quase instintivamente, recusamo-nos a acreditar que de fato possam existir pessoas com tal vazio de emoções. Infelizmente, essa nossa dificuldade em acreditar na magnitude dessa diferença (ter ou não ter consciência) nos coloca permanentemente em perigo.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Psicopatas/Sociopatas. Eles estão entre nós? Parte I.

Sociopatas/Psicopatas, eles parecem pessoas normais, mas não tem a menor empatia por seu semelhante são capazes de fazer qualquer coisa para atingirem seus objetivos e destruírem outras pessoas. Imagem: Divulgação TXT.

“Dedico essa sequencia de postagem a todas as pessoas de bem que lutam e acreditam em um mundo mais justo e menos violento.”

A gente resiste muito a acreditar na existência do MAL enquanto prática humana! Mas ele está ai, vizinho, rondando cada um de nós, e a gente nem se dá conta! O que assusta nessas pessoas é que  elas parecem tão comuns, tão gente igual à gente. E no entanto, a incapacidade de ter empatia pelo outro revela claramente que elas não são como a gente: psicopata não tem semelhante. Ele nem sabe o que é isso. Essa sequencia de postagens que começo hoje nos fará descobrir que estamos sempre correndo o risco de ser a próxima vítima. Mas, ao mesmo tempo, nos dá as únicas armas possíveis para nos defendermos deles: a possibilidade de reconhecê-los para sair de perto! Tenho por interesse tirar o psicopata que você imagina, aquele assassino sanguinário que você vê nos filmes hollywoodianos, onde o senso comum o confina, para mostrar que a maioria deles não chega ao assassinato, ainda que todos vivam a matar: sonhos, esperanças, a confiança que os outros depositam neles. A boa notícia é que eles são uma proporção muito pequena da população, de modo que podemos continuar apostando na humanidade!

Esses “predadores sociais” com aparência humana estão por ai, misturados conosco, incógnitos, infiltrados em todos os setores sociais. Por esse motivo, é natural que você esteja agora se perguntando, de forma íntima e angustiada, se as pessoas com as quais convive ou que fazem parte do seu mundo são dotados de consciência ou não. 

Por isso nesse exato momento proponho um passeio mental. Pare e pense:

Nos seus vizinhos;

Nos professores de seu filho;

Nos jovens nas escolas onde estuda;

Nos trabalhadores da sua rua;

Nos amigos dos seus amigos;

Nos líderes religiosos;

Nos políticos de sua nação;

Será que todos, sem exceção, são dotados de consciência? Entre homens e mulheres 4% da população apresentam esse lado sombrio da mente. Destituídos de compaixão, culpa ou remorso!

Se puder, tente imaginar como seria não ter consciência, culpa nem remorso independente do que fizesse, não se sentir de forma alguma tolhido pela preocupação com o bem-estar de estranhos, amigos ou mesmo parentes. Imagine ser capaz de desconhecer a noção de responsabilidade, salvo como um fardo que os outros aparentemente carregam sem questionar. 

Acrescente a capacidade de esconder das pessoas o fato de que a estrutura psicológica delas é radicalmente diferente da sua. Como todos erroneamente pressupõem que a consciência é um atributo universal dos seres humanos, esconder que você não a possui exige pouquíssimo esforço. O sangue-frio que corre em suas veias é tão bizarro, tão completamente alheio à experiência dos outros, que eles nem sequer suspeitam de seu transtorno. E ainda mais é provável que sua estranha vantagem sobre a maioria das pessoas, mantidas na linha pela consciência, jamais seja descoberta.

Imagine ser capaz de não se perturbar por aquela incômoda voz interior que impede outras pessoas de fazer qualquer coisa para alcançar o sucesso. Se necessário, não hesitará em manipular aqueles que confiam em você, tentar acabar com colegas poderosos ou influentes e passar como um trator por cima de grupos de pessoas mais fracas. Não importa qual for a sua ocupação, você manipula e intimida seus subordinados da maneira mais frequente e ultrajante possível sem que corra o risco de ser demitido ou responsabilizado. Deixar os outros tremendo significa ser poderoso.

A ausência de culpa foi, na verdade, o primeiro distúrbio de personalidade reconhecido pela psiquiatria e os termos usados para defini-lo ao longo do tempo. Segundo, o atual Manual diagnóstico e estatístico de distúrbios mentais DSM-IV-TR, da Associação Americana de Psiquiatria, o diagnóstico clínico do “Transtorno da Personalidade Antissocial” deve ser cogitado quando um indivíduo apresentar, no mínimo, três das sete características a seguir:

1- Incapacidade de adequação às normas sociais;

2- Falta de sinceridade e tendência à manipulação;

3- Impulsividade, incapacidade de planejamento prévio;

4- Irritabilidade, agressividade;

5- Permanente negligência com a própria segurança e a dos outros;

6- Irresponsabilidade persistente;

7- Ausência de remorso após magoar, maltratar ou roubar outra pessoa.

       A combinação de três desses “sintomas” é suficiente para levar muitos psiquiatras a considerarem o individuo ausente de consciência ou sociopata (psicopatia).

Seria difícil de refutar a observação de que indivíduos totalmente livres do estorvo de uma consciência às vezes obtêm dinheiro e poder, pelo menos por algum tempo. Um número excessivo de capítulos no livro da história da humanidade, de suas primeiras linhas aos acréscimos mais contemporâneos, está organizado em torno dos grandes sucessos de invasores militares, conquistadores, magnatas sem escrúpulos e construtores de impérios. Esses indivíduos já morreram há muito tempo ou são demasiadamente privilegiados para serem avaliados de maneira que agradaria a um psicólogo clínico. No entanto, com base em determinados comportamentos bastante conhecidos e largamente documentos, concluímos, que um bom número deles não possuí qualquer senso de obrigação baseado em vínculos emocionais com os outros. Ou seja, alguns deles eram, e são sociopatas (psicopatas).

E, como não entendemos esses indivíduos, com sua psicologia nos é estranha, quase nunca os reconhecemos e os detemos até que tenham prejudicado a humanidade de formas inimagináveis. Imagem: Divulgação TXT.

Para piorar a situação, conquistadores cruéis e grandes imperadores em geral são admirados por seus contemporâneos e durante a vida costumam ser vistos como modelos para toda a raça humana. Sem dúvida, inúmeros meninos mongóis do século XIII foram ninados à noite com as histórias do destemido Gêngis Khan, e hoje nos perguntamos qual dos heróis modernos que elogiamos para nossos filhos acabará lembrado pela história como um interesseiro inescrupuloso. Gêngis Khan foi excepcional entre os tiranos sociopatas. Desde que começaram a documentar guerras atividades e projetos de genocídio, os historiadores têm observado com frequência que um determinado tipo de vilão catastrófico e amoral parece renascer constantemente na raça humana. Nem bem nos livramos de um, outro surge em algum lugar do planeta. Do ponto de vista genético populacional, é provável que exista alguma verdade nessa lenda. E, como não entendemos esses indivíduos, com sua psicologia nos é estranha, quase nunca os reconhecemos e os detemos até que tenham prejudicado a humanidade de formas inimagináveis.

Teólogos e cientistas também concordam que há dois erros humanos que costumam contrariar a nossa natureza em geral benevolente.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Vikings, muito antes de Colombo!


Além de aterrorizar a Europa, os vikings descobriram o caminho para a América e criaram as primeiras colônias em nosso continente. Conheça a saga desses guerreiros do mar. A colônia de Anse-aux-Meadows, descoberta em 1960 na costa leste do Canadá, abrigava três casas, além de oficinas, forjas e fornos. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

Numa época em que a América do Norte ainda era dominada pelos povos indígenas, alguns colonos europeus caminhavam pelas matas quando avistaram um grupo grande de nativos. Rapidamente, alteraram seu trajeto para evitar o confronto. Mas uma jovem gestante, de nome Freydis, foi contra. Fugir era indigno. O certo era atacar os índios. Freydis foi ignorada pelos homens do grupo, mas isso não diminuiu seu furor. Ela deixou à mostra um seio para ressaltar seu sexo, pegou uma espada e partiu para a briga. Os índios, que nunca haviam visto - quanto mais combatido - uma mulher branca, grávida, armada, perigosa e seminua, ficaram perplexos e mudaram de rumo.
A história acima faz parte das "Sagas", registros de feitos heróicos dos vikings escritos na Islândia entre os séculos 12 e 14. Até o século 20, os historiadores pensavam que os relatos das escaramuças com os "skræling" (como os índios são chamados no texto) fossem fictícios. Compreensível, já que os autores estavam mais preocupados em criar lendas do que em registrar fatos. Eis que, em 1960, o dinamarquês Helge Instad encontra na Terra Nova, no Canadá, os restos de um assentamento viking do ano 1000. Ficou provado que, quase 500 anos antes de Colombo, outra cultura européia havia alcançado a América. Os contatos entre índios e vikings são o tema de "Desbravadores", que estreou nos cinemas em outubro. Embora ficcional, o filme deixa no ar questões importantes. Por que os vikings foram os primeiros europeus a chegar à América? Por que não permaneceram? E o que essa aventura representa para nós?
Essa colônia montada pelos vikings na América do Norte marcou o ponto mais extremo de uma viagem que começou no século 2, quando tribos germânicas ocuparam as regiões menos frias da Dinamarca, da Suécia e da Noruega. Nos 600 anos seguintes, esses povos permaneceram relativamente isolados do resto da Europa, desenvolvendo características que, entre os séculos 8 e 10, levaram ao movimento de expansão conhecido como Era Viking.

Os vikings viviam em pequenos reinos, e a sociedade se dividia em três classes principais: abaixo de todos, escravos e servos; acima deles, os homens livres, dedicados à agricultura e à pecuária; no topo da pirâmide, aristocratas com funções administrativas, militares e religiosas - os escandinavos foram pagãos até o século 11. O comércio era muito importante para esses "fiordes-estado": navios escandinavos iam até portos da Irlanda e da Europa Ocidental para trocar peles e marfim por ouro, cobre e estanho.
Não há um consenso do porquê (explosão populacional, embargo comercial, superioridade tecnológica, honra), mas o intercâmbio pacífico ficou para trás em 793, quando os "homens do norte" desandaram a atacar mosteiros no litoral britânico, alvos fáceis e lucrativos. Os guerreiros chegavam pelo mar e não mostravam nenhuma piedade cristã com os monges, matando quem se metesse no caminho, saqueando as capelas em busca de riquezas e vendendo os sobreviventes como escravos.

Expansão Viking na Europa. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.
Após os primeiros sucessos, os ataques cresceram em quantidade e tamanho. "As primeiras expedições contra mosteiros indefesos podiam ser feitas com 20 guerreiros. Já as grandes, contra cidades como Paris, podiam reunir 200 navios", diz o historiador Johnni Langer, principal estudioso do tema no Brasil. Essas expedições de saque eram chamadas "viks", que deu origem ao termo "viking".
"O excesso de saques numa mesma região forçava a busca de alvos cada vez mais distantes", diz Langer. Cada povo seguiu sua rota (ver "Mapa dos tesouros", à direita). Os da Dinamarca e da Noruega se voltaram para o Ocidente, conquistando parte da Inglaterra e da Irlanda e saqueando sucessivamente França, Península Ibérica, norte da África, Itália e Grécia. Enquanto isso, os suecos foram para oeste: detonaram os países bálticos, desceram a bacia do rio Dnieper pelo Leste Europeu até o Mar Negro e atingiram as rotas comerciais árabes. Os guerreiros vikings causaram forte impressão entre as tribos eslavas do Leste Europeu. O suficiente para que elas, que os chamavam de "rus", fizessem deles seus chefes. Dessa mistura eslavo-normanda nasceria a Rússia.
 A América dos Vikings

Por um desses acasos da história, as duas correntes de pilhagem migratória, a do Oeste e a do Leste, acabaram se reencontrando no século 9, nas vizinhanças do Império Bizantino. Para desespero de Bizâncio, que passou a ser vítima de saques constantes e quase foi conquistada. 
O segundo momento da expansão viking é marcado pelo estabelecimento de colônias. A partir de 860, noruegueses começaram a se estabelecer na Islândia, então uma ilha deserta. Nessa época, o líder Harald Cabelos Finos estava em franca campanha militar para tornar-se o único monarca norueguês. Descontente com essa unificação forçada, boa parte da população decidiu lançar-se ao mar. Em 930, a Islândia já contava com 30 mil habitantes. Isso levou, naturalmente, a um esgotamento das terras disponíveis para agricultura.

domingo, 16 de junho de 2013

O Revisionismo do Holocausto


Manifestação relacionando o Governo Israelense ao Governo Nazista. Imagem: http://www.thestar.com/news/insight/article/742965%E2%80%93a-case-for-letting-nature-take-back-auschwitz

“Sim, não é verdade. Mas em minha imaginação era verdade.” [Herman Rosenblat]

 O especialista judeu para Auschwitz, Robert Jan van Pelt, gostaria de ver destruídas as ainda existentes provas de Auschwitz. Aparentemente a pressão do mundo islâmico, diante do excelente relatório de Germar Rudolf, torna-se maior a cada dia que passa. Van Pelt gostaria de evitar a todo custo tal investigação oficial. Ele declarou isso em entrevista a um jornal canadense – THE STAR, sugerindo a demolição de todas as ruínas de Auschwitz-Birkenau. Somente o prédio do Stammlager deveria ficar em pé, sobre o qual o próprio van Pelt já afirmara em seu livro “Auschwitz: 1270 até hoje”, que lá nunca aconteceu qualquer “gaseamento”.

Robert Jan van Pelt também gostaria que não fosse mais realizado qualquer laudo científico sobre a sede do Holocausto-profissional. E isso, embora o teto das ruínas ainda exista. E este deveria mostrar o “azul cianídrico” e poderíamos mensurar ainda no reboco das paredes os subprodutos das reações com o gás venenoso (cianureto contido no fumigante Zyklon-B).

O que é inacreditável e equivale a algo sensacional é a declaração de van Pelt no STAR, onde ele disse que nossos conhecidos testemunhos sobre Auschwitz não possam ser comprovados criminalmente (investigação forense). Devido a uma declaração deste porte, inúmeros pesquisadores do Holocausto foram/estão jogados por anos nas masmorras. Em 2009, por exemplo, Horst Mahler foi preso e deve cumprir uma pena de mais de 12 anos. Aqui as passagens mais importantes de Robert Jan van Pelt na entrevista ao STAR:

Robert Jan van Pelt é arquiteto e especialista sobre Auschwitz. Ele declarou:

"Afirmo que 99% daquilo que sabemos sobre Auschwitz não podem ser comprovados através da ciência. Nosso conhecimento é parte do conhecimento herdado… Neste sentido, eu não acredito que o Holocausto seja algo fora do comum. No futuro, quando lembrarmos o Holocausto, nós o faremos da forma que é feito com a maioria das coisas do passado. Nós relacionaremos nosso conhecimento à literatura e aos depoimentos das testemunhas… Nós tivemos muito sucesso em lembrar o passado desta forma. [...] Colocar o Holocausto em uma categoria separada e exigir que mais provas materiais sejam fornecidas, significa de fato nos curvarmos diante dos negadores do Holocausto, onde estaríamos disponibilizando um tipo de prova especial’.” 
The Star, Canadá, 27/12/2009.

O maior genocídio da história mundial deve permanecer segundo, van Pelt, sem comprovação criminal e ao invés disso, melhor seria se apoiar nos conhecidos testemunhos dos ex-prisioneiros de Auschwitz.Estes testemunhos, caro leitor, cada um de nós deveria conhecer. O livro de Jürgen Graf – “Auschwitz: confissões dos assassinos e testemunhas do Holocausto” – apresenta um relato ímpar sobre o tema.


Logo propondo boicote ao Estado de Israel devido ao massacre do povo palestino nas mãos do Exército israelense. Imagem: http://krycek10.blogspot.com.br/2012/11/o-revisionismo-do-holocausto.html

O que para a maioria das pessoas comuns possa parecer impossível é de fato realidade: ao longo do processo de Auschwitz em Frankfurt (50/Ks 2/63), que durou muitos anos, nunca houve uma autópsia sequer, nem investigações forenses da arma do crime, embora o tribunal tenha acompanhado os relatos das testemunhas em Auschwitz e tenha visitado o local. Uma investigação forense não foi exigida pela justiça, mas esta reclamou no veredicto que tal investigação não foi apresentada:

“Outra dificuldade foi que as testemunhas – compreensivelmente – puderam fornecer somente em raros casos detalhes precisos sobre locais e época de determinados acontecimentos. [...] Pois falta ao tribunal quase todas as possibilidades disponíveis de um processo criminal comum para formar um quadro fiel dos reais acontecimentos na época do assassinato. Faltam os cadáveres das vítimas, os protocolos das autópsias, laudos de peritos sobre a causa mortis e o horário das mortes; faltam as pistas dos assassinos, das armas do crime e assim por diante. Uma comprovação dos testemunhos foi somente possível em casos raros.” 

Veredicto de Auschwitz 50/Ks 2/63, página 109.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Palestina: O Holocausto Invisível!

Escrito por Mary Sparrowdancer.
Traduzido por Antonio Celso Barbieri.
Ao celebrarmos 40 anos da “ocupação” militar ilegal de lares e terras Palestinas, talvez seja o momento para o mundo dar uma boa olhada em Israel e seu campo experimental de guerra que, se faz de estado religioso precisando de proteção. O mundo inteiro tem até medo de questionar as atividades do estado de Israel ou, fazê-lo prestar contas perante as leis internacionais de proteção aos direitos humanos. Já é tempo do mundo passar algumas horas com os refugiados palestinos invisíveis. Os palestinos são uma nação de vítimas. Uma nação, quase por 60 anos, brutalmente “ocupada” contra a sua vontade e transformada num Holocausto Zionista até o presente.
“Ocupação” é uma palavra higiênica que, parece que ninguém quer questionar ou importar-se. A verdade é que a palavra “ocupação” ou “terra ocupada” não serve nem para começar a contar a história total do que foi feito contra os palestinos. Para que possamos melhor compreender este assunto, precisamos voltar até o ano de 1948, o ano em que Israel declarou-se um estado dentro da nação Palestina e depois, retroceder ainda mais no tempo para ver como tudo isto foi orquestrado.
Entretanto, primeiro imagine Católicos Romanos ou Batistas Sulistas declarando-se como sendo um estado dentro dos Estados Unidos, no qual eles apenas reconhecerão os direitos humanos dos membros da sua religião, tomarão posse dos direitos pertencentes à outros sobre casas, terras, pomares, propriedades e água e depois, seus residentes que moravam dentro e em torno deste novo estado criado sejam expulsos com uso de força. Uma situação como esta nunca seria permitida nos Estados Unidos porque é uma situação claramente ilegal.
A criação de um país para os Zionistas não aconteceu do dia para a noite. Israel não passou à existir subitamente em 1948. Na verdade, seu planejamento foi, na Inglaterra, rascunhado e aperfeiçoado em vários documentos desde o começo de 1900. Em 2002 numa entrevista concedida à BBC News, Jack Straw, o prévio Secretário do Exterior, culpou o “passado imperial britânico” pelo presente conflito Árabe-Israelense.
Foi em 1917 através da “Declaração de Balfour” que a Inglaterra “deu” a terra dos palestinos para os Zionistas. (1) (2)
Poderíamos dizer que Israel nasceu como resultado de explosivos. No começo de 1900, o doutor Chaim Weizmann descobriu um jeito de usar fermentação industrial para fazer um explosivo chamado cordite (também conhecido como “pólvora sem fumaça”). Esta descoberta provou ser de uma ajuda imensa para os esforços de guerra e, quando Chaim Weizmann foi perguntado de que forma ele queria ser compensado pelos serviços prestados ao Reino Unido respondeu “Existe somente uma coisa que eu quero, uma nação para o meu povo”. Ele queria especificamente a Palestina. Logo depois, a Declaração de Balfour seria escrita e o Doutor Weizmann acabaria eventualmente sendo o primeiro presidente do novo estado chamado “Israel”. (3)
Com a Declaração de Balfour, uma nação prometeu à outra nação que ainda não existia uma terra que já era habitada por uma terceira nação. Esta terceira nação não foi consultada. Balfour mais tarde escreveria “na Palestina nós não consultamos e nem fizemos algum tipo de plebiscito para saber o desejo dos habitantes deste país” e mais tarde escreveu sobre a Palestina “O Zionismo, seja certo ou errado, bom ou ruim, esta arraigado numa tradição muito antiga, nas necessidades presentes, nas esperanças futuras, de muito maior importância do que os desejos e preconceitos dos 700.000 árabes que agora habitam esta terra antiga”.
Lorde Balfour com seus preconceitos pessoais, colocou a caneta no papel e arruinou a vida do o que são hoje milhões de seres humanos. Ele aparentemente falhou em não perceber que muitos palestinos tinham vivido na Palestina, nas suas terras ancestrais, por 1.000 anos ou até mais. Dando os lares ancestrais dos palestinos para os Zionistas e Judeus vindos dos outros países, dando aos Judeus imigrantes uma casa nova se desejassem, tornou todos os palestinos em refugiados em sua própria terra. A revolta e desespero em relação à uma atitude tão desumana resultou em 60 anos de violência através da Palestina. Violência esta que o mundo não sabe nada à respeito porque o problema palestino continua grandemente invisível para nós. (4)
Depois de Israel em 1948 ter declarado-se um estado dentro da Palestina e o conseqüente conflito que se seguiu, o Conde Folke Bernadotte, um diplomata suíço, foi enviado para tentar estabelecer normas de justiça que resultasse em paz para a região. Isto é o que Bernadotte disse sobre Israel: “Um estado judeu chamado Israel existe dentro da Palestina e não existe boas razões para assumirmos que ele continuará a existir.” Ele então criou um plano que limitaria as fronteiras entre Israel e Palestina e que também permitiria que os refugiados palestinos que fugiram dos militares israelense bem armados, retornassem para suas casas. Depois de escrever o plano, o Conde foi emboscado e assassinado pelos revoltados terroristas Zionistas. (5)
Muito do que tem acontecido no Oriente Médio tem sido censurado pela imprensa controlada pelo estado. A censura tem sido pesada e, a verdade raramente achou caminho até o público. Por causa disto, foi inevitável que alguns jornalistas frustrados se reunissem e criassem uma imprensa professional e independente chamada Al-Jazeera onde pudessem mostrar o que eles estavam observando sem nenhuma censura. Al-Jazeera não busca aprovação dos Estados Unidos, Israel ou Inglaterra antes de publicar suas matérias, comentários e documentários. Ela tem apresentado uma grande quantidade de material fotográfico cobrindo a agressão militar dos Estados Unidos e Israel. Este material é tão embaraçoso que os escritórios árabes e viaturas da Al-Jazeera, muito embora sejam claramente marcados e pintados, tem sido bombardeados e metralhados pelos aviões Norte Americanos e tanques Norte Americanos e Ingleses. (6) (7) (8)
Na Al-Jazeera, num recente debate no seu programa Inside Story, centrado num “relatório condenatório” escrito pela Anistia Internacional relativo aos 40 anos de ocupação militar ilegal da Palestina, a Anistia relatou uma grande quantidade de violações de direitos humanos assim como, violações de leis internacionais cometidas por Israel. No programa, o jornalista da Al-Jazeera, Darren Jordan perguntou: “Porque a comunidade internacional não faz mais para ajudar a terminar com todo este sofrimento?” Infelizmente a simples resposta foi de que, na maior parte, a comunidade internacional não sabe nada à respeito do sofrimento porque, a maioria dos países estão recebendo informação através de uma imprensar controlada pelo estado. Nos não temos recebido notícias corretas sobre Israel por quase 60 anos. (9)

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Dez curiosidades que você desconhecia sobre 'Che' Guevara


'Che' Guevara preso na Bolívia em 8 de outubro de 1965 e executado no dia seguinte por crimes contra o Estado e povo boliviano. Imagem: Arquivo Pessoal CHH

Ele é amado e odiado. Ele é o comunista que fez maior sucesso comercial no mundo capitalista e um dos assassinos mais brutais na história recente. Che Guevara se tornou um herói apenas por ter sido um mártir. Fora isso, a visão histórica de Guevara é repleta de assassinatos e execuções sumárias.  Em 1959, Che promulgou cerca de 400 (ou mais) sentenças de morte, os chamados "justiçamentos", contra adversários do novo regime. De acordo com O Livro Negro do Comunismo, ocorreram 14.000 execuções por fuzilamento em Cuba até o final de década de 1960. Mesmo depois da revolução cubana, o país é uma ditadura.

1.Para os cubanos, Che Guevara é um amado herói nacional. As crianças todas as manhãs começam o dia na escola falando “Seremos como Che”. Na Argentina, há escolas com o seu nome, inúmeros museus tentam preservar sua memória e, em 2008, foi inaugurada uma estátua de bronze em sua homenagem em Rosario, sua cidade natal. Para alguns fazendeiros na Bolívia, Ernesto foi santificado, eles o chamam de Santo Ernesto e rezam para ele (rezam para uma pessoa que morreu ateu).

2.O conhecido ícone gráfico de alto contraste estampado com o rosto de Che Guevara é uma das imagens mais objetivadas e mercantilizadas. Ela é encontrada em camisetas, bonés, pôsteres, tatuagens, contribuindo, ironicamente, com o consumo. A foto original foi tirada pelo fotógrafo Alberto Korda.

3.Depois de executado, teve suas mãos amputadas por um médico do exército. Apesar de os oficiais bolivianos não revelarem se seu corpo foi enterrado ou cremado, suas mãos foram preservadas. Os membros foram então mandados a Buenos Aires para identificação e então para Cuba.

4.Che Guevara foi pai de cinco filhos. Com sua primeira esposa, Hilda Gadea, ele teve uma filha nascida no México em 15 de fevereiro de 1956. Os outros quatro filhos eram de sua segunda esposa, Aleida March.

5.Em 1964, Guevara fez um discurso para as Nações Unidas em Nova Iorque, nos EUA. No discurso, ele condenou a segregação racial do país.

6.Em junho de 1953, Che se formou em medicina. Ele se interessava, particularmente, pela lepra.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

A verdadeira Bandeira de Israel: Hexagrama ou “Estrela de Davi” versus o Sagrado Menoráh?


Qual simbolo é historicamente ligado ao judaísmo bíblico? O Menoráh Sagrado, citado nas Escrituras ou o Hexagrama? Um símbolo pagão sem conexão com o povo judeu! Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

A Menorá do Templo Sagrado

O símbolo da Menorá de sete braços em semicírculo é um dos mais conhecidos no mundo judaico. A Torá traz um indício bem claro. No livro do Êxodo (25:32) estão detalhadas as instruções para a confecção da Menoráh:

O verdadeiro simbolo do judaísmo bíblico: o Menorah. Imagem: Arquivo Pessoal CHH

"Seis hastes saem de seus lados: três hastes do candelabro do primeiro lado e três hastes do candelabro do segundo lado."

A Menorah significa candelabro. Presume-se que a primeira Menorah tenha sido feita para o Tabernáculo no Deserto pelo artista e artesão Bezalel, obedecendo as instruções de Moisés. Na Menorah há 7 lumes de lâmpadas, uma haste central e 03 braços que saem de cada lado.



Se seguissem as instruções de Deus está deveria ser a Bandeira do Estado de Israel. No centro estaria o mais sagrado símbolo do judaísmo. A Menorah que ilumina todas as nações com a Luz do Único Deus. Arquivo Pessoal. CHH.
O Livro Sagrado afirma que a forma, o desenho e os detalhes da Menorah foram inspirados por revelação do céu. Na Menoráh, como já afirmamos havia sete braços ao todo: uma haste central e três braços que saíam de cada lado. Cada um dos sete tinha uma tigela para o óleo, que era retirada diariamente pelos sacerdotes para limpeza e recomposição do óleo. Ela era impressionantemente grande, de ouro puro e de desenho altamente decorativo.
Naturalmente, o fogo e a iluminação sempre tiveram papel muito importante nos ritos religiosos.
Quando o Templo foi destruído, a Menorah tornou-se o principal símbolo artístico e decorativo da fé judaica.
Porém a Menorah também tem um significado oculto como já afirmamos. Pareceu-nos bastante claro que o Candelabro é um Simbolograma da Criação. Pesquisando o Livro Sagrado sobre o assunto, encontramos em Êxodo 25: 31/40:
"O Senhor disse a Moisés: Farás um candelabro de ouro puro, e o farás de ouro batido, com o seu pedestal e sua haste. ...seis braços sairão dos seus lados, três de um lado e três do outro . . Estes braços formarão um todo com o candelabro, tudo formando uma só peça de ouro batido . . .Cuida para que se execute este trabalho segundo o modelo que te mostrei no monte".
O texto mostra claramente que o candelabro é apenas uma imagem, uma sombra das realidades celestiais, como foi revelado a Moisés quando estava para construir o tabernáculo.
Originalmente era um objeto constituído de ouro batido, maciço e puro, feito por Moisés para ser colocado dentro do Santo Lugar átrio intermediário entre o Átrio Exterior do Santuário e o Santo dos Santos - juntamente com o Altar de Incenso e a Mesa dos Pães da Proposição. Diz-se que simboliza os arbustos em chamas que Moisés viu no Monte Sinai

A primeira Menorah foi feita obedecendo a instruções minuciosas do Eterno. Na Menorah, há sete braços ao todo: uma haste central, e três braços que saiam de cada lado. Naturalmente, o fogo e a iluminação sempre tiveram um papel muito importante.

A Menoráh podia ser visto como ocupando o papel mais central de todos os vasos sagrados, pois é o símbolo da luz - e os sábios se referem a Jerusalém como "a luz do mundo" .

Uma razão para isso é a luz da Menoráh, irrompendo de dentro do santuário. Para acender a menorá era como um ato espiritual, bem como a iluminação.  Assim, os sábios ensinam que as janelas nas paredes do santuário foram construídas de forma diferente do que qualquer outra janela no mundo. Estes foram apenas o oposto de janelas normais, qual é normalmente considerada a função da Janela?

Para deixar a luz entrar. Mas dentro dessas janelas, estavam em ordem, a fim para deixar a luz sair para fora - para difundir a luz espiritual que emana do Templo, da Menoráh para o mundo. 

As janelas do Santuário permitiam que a luz especial saísse da Menoráh para espalhar-se pelo mundo, partindo de dentro do salão sagrado.

O Hexagrama ou “Estrela de Davi”.
Uma das teorias que visa dar sem embasamento histórico confiável origem ao hexagrama dentre o povo judeu, faz alusão ao nome do Rei Davi. Segundo a tradição judaica, o nome Davi era escrito com apenas três letras no alfabeto hebraico: dalet, vav e dalet. A primeira e última letra (dalet), possui uma forma semelhante ao triângulo. 
O hexagrama, um simbolo de crenças pagãs instituído no meio do judaísmo. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.
Um "hexagrama" um simbolo composto por 6 partes. os hexagramas são usados na religiao para representar algum sentido, ou podem ser usados para transmitir qualquer mensagem em forma de simbologia.
Um hexagrama é uma forma geométrica que é uma estrela de 6 pontas, composta por dois triângulos equiláteros. A interseção é um hexágono regular.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.