-

-

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Núbia (TA-SETI), a terra do arco. Parte II: Aspectos Defensivos e econômicos dos Povos Núbios.



Resto da fortaleza em Buhen, na Núbia, mandada erigir por Senusret III. Imagem: http://www.touregypt.net/

Desde cedo o Vale do Nilo estimulou o contato do Egito com a Núbia pela sua posição geográfica. Sob o Médio Império, ocupada pelos egípcios por razões econômicas e defensivas. Nossos conhecimentos a respeito da Núbia e do país de Punt baseiam-se unicamente em material arqueológico e epigráfico (desenhos murais em particular), não se tendo encontrado fontes escritas até o presente momento.

Aspectos Defensivos: Proteger a fronteira meridional contra os povos do deserto, a leste. Foram construídas fortalezas sob a XII Dinastia. A ocupação da Núbia foi concluída pelo Faraó Amósis da XVIII Dinastia. Ainda na XVIII Dinastia Tutmés III, ampliou seu domínio até a Quinta Catarata e colocou a região sob a autoridade de um Vice-Rei, “O Filho Real de Cux”. 

No Novo Império Ramsés II da XIX Dinastia inicia intensa atividade construtiva na Núbia. Constrói o Templo de Abu-Símbel.... Fortalece o sistema de Vice-Reino que agora está organizada segundo os padrões egípcios. Montou-se um sistema administrativo egípcio com escribas, sacerdotes, soldados e artesãos. Essa nova ordem resultou na completa egipcianização do país.


Ruínas das Muralhas de Buhen na Núbia. Imagem: http://www.touregypt.net/

Aspectos Econômicos: Garantir a importação dos produtos do Sul (penas de avestruz, peles de leopardo, marfim, ébano [madeira preta e resistente] e a exploração das riquezas minerais da Núbia como o ouro e outros metais preciosos. Ainda em relação aos aspectos econômicos a Núbia e o Egito demonstravam laços estreitos de intercâmbio de produtos. Um exemplo é a Argila Fóssil Amarela Núbia que os egípcios transformavam em Cerâmica Qena.

Na Núbia foram encontrados diversos produtos de origem egípcia como perolas, amuletos de ébano e marfim, incenso e objetos de obsidiana. Curiosidade: O ouro amarelo (NOUB, em egípcio); a esse respeito convém observar que pode o topônimo Núbia tem sua origem nessa palavra egípcia, mas não se sabe ao certo.



Produtos exportados para o Egito provenientes da Núbia: Penas de Avestruz, Incenso, Pele de Leopardo e Marfim. Imagem: http://www.picasaweb.google.com/


Produtos exportados para o Egito provenientes da Núbia: Ouro, Obsidiana e Madeira de Ébano. Imagem: http://www.picasaweb.google.com/

01/04/2013

Leandro Claudir é Acadêmico de História pela Universidade Luterana do Brasil, Técnico em Informática pela QI Escolas e Faculdades. Habilitado em Liderança de Círculos de Controle de Qualidade Empresarial pelo Sesi. Criador e Administrador do Projeto Construindo História Hoje. IBSN- 7837-12-38-10.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial©construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a“Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo parahttp:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 

MELLA, Federico A. Arborio. O Egito dos Faraós: história, civilização e cultura. São Paulo: Editora Hemus, 1981. pp. 218-219, 263, 270-271, 299, 411, 417, 442.

MOKHTAR, Gamal (Org.). História Geral da África. Vol. II: A África Antiga. São Paulo: Ática/Unesco, 1983. pp. 227-229, 232-233, 243, 257, 267, 277, 340.

Grande Enciclopédia Larousse Cultural.São Paulo: Enciclopédia Nova Cultura, 1999. pg. 2030.

SILVA, Alberto Costa e. A Enxada e a Lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1985.

KI-ZERBO, Joseph. História Geral da África Vol. 1: metodologia e pré-história da África. Brasília: Unesco, 2010. pp. 88, 830.







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.