-

-

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Joseph Stalin: o "Tio Joe" da Rússia. Parte I.



 Iosif Stalin. Imagem: V. Oreshnikov.

Quando durante a Segunda Grande Guerra Mundial os Estados Unidos se virão obrigados a unir forças com um inimigo em potencial, tiveram que usar sua máquina de propaganda para conseguirem criar uma "simpatia" por parte do povo com a União Soviética e seu líder Joseph Stalin. Nesse texto trago alguns detalhes que ajudaram meus leitores a compreenderem melhor essa estranha aliança e a origem da personalidade de Stalin ou melhor "Tio Joe".

A máquina de propaganda militar dos Estados Unidos passou a se referir a Stalin como o “tio Joe” da Rússia para tornar mais palatável para o povo norte-americano a aliança que Roosevelt e Churchill fizeram com ele para lutar contra Hitler. Joe Colquhoun (1883-1946), o tio Joe original, foi um general norte-americano que comandou as forças aliadas na China, na Birmânia e na Índia durante a Segunda Guerra Mundial.

O terror, a traição, o assassinato, a morte e a destruição eram corriqueiros no governo de Stalin na União Soviética. Além de exercer a autoridade máxima da segunda nação mais poderosa do mundo e além de matar mais gente que Hitler, viveu até 74 anos. Era um homem que havia levado a União Soviética à vitória contra Adolf Hitler e a Alemanha Nazista, era um homem que tinha arrancado o país de uma economia rural para transformá-lo numa nação industrializada.

Mesmo diante de todos os fatos que ao comando de Stalin levaram a União Soviética ao auge socioeconômico, ele ainda era um déspota brutal que chegou a reescrever livros de história e a adulterar fotografias para eliminar todo e qualquer vestígio daqueles que ousavam opor-se a ele.


Joseph Stalin em meados dos anos 1950. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

Seu nome de batismo é IOSIF VISSARONOVITCH DJUGACHVILI, nasceu em 21 de dezembro de 1879 na cidade de Gori na Geórgia, no Sul da Rússia. Seu pai, VISSARION DJUGACHVILI, era sapateiro e devido à falta de sucesso na carreira se entregou ao alcoolismo. Sua mãe se chamava IEKATERINA DJUGACHVILI, trabalhava lavando e costurando para fora para ajudar em casa. Iekaterina sofria com o marido alcoólatra que a espancava regularmente, acontecimentos que não passavam despercebidos do jovem Iosif. Era uma vida precária que foi agravada pelas doenças que Iosif teve na infância:

* Varíola.

* Septicemia.

Iekaterina não tinha muito mais com que contar além das crenças religiosas para superar os tempos ruins.

* 1888 – Iosif foi matriculado na escola Ortodoxa em Gori.

*1894 – Ganhou uma bolsa de estudos para o seminário teológico ortodoxo em Ibilissi.

Foi na época que ele frequentava o seminário teológico ortodoxo que Iosif começou a se interessar por política. No quarto ano, entrou para um grupo radical chamado Mesame Dasi, que lutava pela independência da Geórgia e seguia a doutrina socialista. Devido a suas atividades nesse grupo e para desgosto da mãe Iosif foi expulso do seminário.

*1899 – Trabalha como escriturário.

*1901 – Entra para o Partido Socialdemocrata da Geórgia. Nessa época, Iosif começou a ser chamado pelo apelido de “KOBA” (INDOMÁVEL), uma referencia a um herói popular georgiano.

*1904 – Case-se com uma jovem camponesa chamada Iekaterina Svanidze. Infelizmente, a união foi breve, pois Ikaterina morreu três anos depois, deixando um filho, IÁKOV, para Stalin criar.

*1912 – Lênin, nomeia Stalin um de seus líderes para importante trabalho de propaganda clandestina. Nesse mesmo ano Stalin funda o jornal PRAVDA em São Petersburgo.

*1913 - Adota a alcunha predileta, STALIN, que significa “HOMEM DE AÇO”.

*1917 – Stalin é eleito como um dos 9 membros do Comitê Central do Partido.

*1919 – Nesse ano Stalin, entra para o POLITBURO e assume a direção do ORGBURO (Órgão com a tarefa de escolher e nomear membros para o partido). Casou pela segunda vez, agora com Nadejda Alilúieva. Ao fim do mesmo ano Nadejda deu a luz a um menino, Vassíli.


Stalin. Imagem: Pavel Filonov.

O bolchevismo, que tinha adotado uma forma de organização centralizada e extremamente disciplinada, atraiu Stalin, que o reconheceu como o caminho que o levaria ao poder. Muitos historiadores afirmam que  foi muito mais sua capacidade de organização e sua obsessão pelo detalhe, mais que seu brilho intelectual, que o aproximaram de Lênin.

Quando explodiu a Revolução Russa em 15 de março de 1917, Stalin ainda não era muito conhecido nem respeitado por Lênin ou Trótski, políticos e oradores versáteis. Um governo temporário foi estabelecido pelos Mencheviques (minoritários) sob o comando de Aleksandr Kerenski.

Em 7 de novembro de 1917, os Bolcheviques (maioritários), sob a liderança de Lênin e Trótski derrubam o governo menchevique. Trótski foi o grande homem da revolução de Outubro, embora anos mais tarde Stalin viesse a reescrever os livros de história e apresentar-se como seu principal instigador. Stalin adulterou centenas de documentos oficiais com o objetivo de se fazer passar por alguém melhor do que era de fato. Também adulterou fotografias, mandou tirar dos retratos – com ácido – muitos companheiros que havia mandado matar, e chegou a compor um retrato em que parecia ser um dos amigos mais íntimos de Lênin, pendurando a falsa fotografia dos dois na parede de sua casa de campo em Kuntsevo.

Alguns historiadores afirmam que foi exatamente o aspecto mundano do começo da carreira de Stalin que acabou por levá-lo a controlar o Partido Bolchevique, uma vez que nenhum de seu rivais o levava a sério, o que lhe permitia trabalhar em silêncio, nos bastidores, enquanto aguardava  a sua hora. Stalin nunca se desviava das políticas de Lênin, e essa política deu certo, pois em 1919, Stalin junta-se a Lênin, Kretinski na direção do partido que na época era chamado de POLITBURO.


Stalin em 1945. Imagem: Arquivo Pessoal CHH. 

Stalin preferiu continuar nos bastidores e, por isso, ficou satisfeito com a direção do ORGBURO, cuja principal tarefa era a nomeação de membros do partido. Consequentemente, Stalin começou promover o maior número possível de amigos e aliados políticos, a maioria homens de origem humilde que tinham pouca ou nenhuma instrução, pois eram mais fáceis de manipular. Stalin também refinou a capacidade de mestre da manipulação acirrando as rivalidades entre colegas, instigando-os a expulsar do partido uns aos outros.

No próximo texto darei continuidade ao nosso estudo sobre a aliança militar Soviética com os Estados Unidos e seu principal mentor.

26/04/2013

Leandro Claudir é Acadêmico de História pela Universidade Luterana do Brasil, Técnico em Informática pela QI Escolas e Faculdades. Habilitado em Liderança de Círculos de Controle de Qualidade Empresarial pelo Sesi. Criador e Administrador do Projeto Construindo História Hoje. IBSN- 7837-12-38-10.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 
Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.




Você quer saber mais? 

KLEIN, Shelley. Os ditadores mais perversos da História. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2004. pp.65-82.



































LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.