-

-

sexta-feira, 29 de março de 2013

Núbia (TA-SETI), a terra do arco. Parte I: Civilização e mitologia.


Localização da Núbia. Imagem: MOKHTAR, Gamal (Org.). História Geral da África. Vol. II: A África Antiga. São Paulo: Ática/Unesco, 1983.

A Núbia, era e é uma terra de negros. Os egípcios sempre retrataram os habitantes da Núbia com uma pele muito mais escura do que a sua. Os gregos, e posteriormente os romanos chamavam-nos de “Etíopes”, isto é “Os que possuem a Pele Queimada”. A Núbia possui uma longa história que vai de 7000 a.C à 700 d.C aproximadamente. Apartir de 7000 a.C no Período Úmido do final do Neolítico, a Núbia aparece como palco de uma cultura material comum a todo o seu território. 

Apenas por volta de 3000 a.C é que se pode perceber uma clara diferença entre a civilização do Baixo vale do Nilo egípcio, e o Alto Vale Núbio Antes do III milênio a.C, o Egito já enviava expedições à Núbia. Durante o reinado do Faraó Djer (2.900 a.C) os egipicíos já haviam atingido a Segunda Catarata do Nilo.

Localização

A Núbia por sua posição geográfica é uma encruzilhada onde se encontram elementos de diversas civilizações.A região Núbia faz parte da Bacia do Nilo que se estende da fronteira oeste-noroeste na atual Etiópia até o Egito.

Incluindo o Vale do Nilo, partes do Nilo Branco e Azul e incluía todos os seus tributários ao norte do 12° paralelo. A Núbia sempre foi um elo entre a África Central – a dos Grandes Lagos - e da Bacia do Congo – e o Mundo Mediterrâneo, devido a isso é também conhecida como “Corredor Núbio”, aonde o Nilo corre em sua direção.

Os egípcios a denominavam TA-SETI que significa “Terra do Arco”.

Crenças dos povos da Núbia

Sua vida religiosa era essencialmente local, pois cada grupo venerava o deus de seu povoado. Suas divindades eram representações de animais, plantas ou objetos. Divinizavam as forças da natureza e os elementos (animados ou não). 

Suas crenças religiosas e rituais fúnebres, testemunham um forte parentesco entre várias regiões do Nilo. Apartir da XIX Dinastia Egípcia começa um processo de completa egipcianização do país Núbio. Os nativos adotaram a religião egípcia e passaram a adorar as divindades egípcias. Os velhos costumes funerários foram substituídos por rituais egípcios.


Sebiumeker é a divindade núbia da criação. Ele usava uma coroa dupla e tinha orelhas grandes, uma característica de grandeza. Além disso, ele possuía uma barba divina. Imagem fonte: http://www.ancientsudan.org/religion_08_sebiumeker.html



Apedemak , era um deus guerreiro núbio com cabeça de leão. As vezes descrito tendo três cabeças de leão e quatro braços humanos. Imagem fonte: http://cartelfr.louvre.fr/cartelfr/visite?srv=car_not_frame&idNotice=16064


Mandulis, O Templo de Kalabsha na Núbia foi dedicado ao deus Mandulis que era uma forma Núbia de Horus. Era retratado vestindo um cocar elaborado de chifres de carneiro, cobras e plumas acima de um discos solar. As vezes aparece em forma de falcão com cabeça humana. Imagem fonte: http://www.touregypt.net/godsofegypt/mandulis.htm

Em breve Continuação na II Parte.

29/03/2013

Leandro Claudir é Acadêmico de História pela Universidade Luterana do Brasil, Técnico em Informática pela QI Escolas e Faculdades. Habilitado em Liderança de Círculos de Controle de Qualidade Empresarial pelo Sesi. Criador e Administrador do Projeto Construindo História Hoje. IBSN- 7837-12-38-10.

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 

MELLA, Federico A. Arborio. O Egito dos Faraós: história, civilização e cultura. São Paulo: Editora Hemus, 1981. pp. 218-219, 263, 270-271, 299, 411, 417, 442.

MOKHTAR, Gamal (Org.). História Geral da África. Vol. II: A África Antiga. São Paulo: Ática/Unesco, 1983. pp. 227-229, 232-233, 243, 257, 267, 277, 340.

Grande Enciclopédia Larousse Cultural.São Paulo: Enciclopédia Nova Cultura, 1999. pg. 2030.

SILVA, Alberto Costa e. A Enxada e a Lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1985.

KI-ZERBO, Joseph. História Geral da África Vol. 1: metodologia e pré-história da África. Brasília: Unesco, 2010. pp. 88, 830.







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.