-

-

segunda-feira, 18 de março de 2013

A Verdade Sobre o Talmud (The Truth About the Talmud) Parte II.


Primeira página da edição de Vilna do Tractate Berachot, Talmude babilônico, folio 2a. Imagem: Arquivo Pessoal.

Michael A. Hoffman II and Alan R. Critchley.

Quem já não leu ou ouviu a famosa frase do filme A Lista de Schindler de Steven Spielberg: "Quem quer que destrua a vida de um único ser humano...é como se ele tivesse destruído um mundo inteiro; e quem quer que preserve a vida de um único ser humano...é como se tivesse preservado um mundo inteiro." Está frase é falsa e não confere com o que o Talmud realmente diz, sim a algo semelhante, mas a diferença é tremenda se comparada com a versão universalista de Steven Spielberg.  No autêntico, original do texto noTalmud, está expresso:

“Quem quer que preserve uma única alma de Israel, é como se tivesse preservado um mundo inteiro".
Hesronot Ha-shas

Esse é o texto autêntico do Talmud que encoraja somente a salvação de vidas Judaicas.

Hoje estaremos dando continuidade ao nosso estudo sobre o Talmud e a ausência praticamente absoluta de relação com a Torah, que são os ensinamentos de Deus dados a Moises, que consiste em cinco livros também chamados de Pentateuco. Continuemos agora a compreender que o Talmud não passa da tradição oral rabínica Mishná transcrita que recebeu o nome de Talmud. Para uma melhor compreensão do texto aconselha-se a leitura da primeira parte: A Verdade Sobre o Talmud (The Truth About the Talmud).

Doutrina Talmúdica: Não-Judeus não são Humanos

"Também com relação ao morto, [é plausível] que fique isento, posto que depois de morto alguém é chamado corpo e não um homem (Adão). Mas por quê alguém é isento no caso dos gentios (goyim); eles não estão na categoria de homem (Adão)? Não, está escrito:

'Vós, ovelhas minhas, ovelhas do meu pasto, sois homens" (Adão); [Ezequiel 34, 31]: Vós sois homens (Adão) mas gentios (goyim) não são homens (Adão)".

Na passagem precedente, os rabis estão discutindo a porção da Lei Mosaica que proíbe aplicar o santo óleo aos homens.

O Talmud declara que não é um pecado aplicar o santo óleo aos Gentios, porque Gentios não são seres humanos (não são de Adão).

Um outro exemplo do tratado Yebamoth 61a: "Foi ensinado: E assim fez R. Simeon ben Yohai declarar (61a) que os túmulos dos gentios (goyim) não transmitem impureza levítica por um ohel [ficar de pé ou curvado sobre um túmulo], para isso é dito, 'Vós, ovelhas minhas, ovelhas do meu pasto, sois homens (Adão), [Ezequiel 34,31]; vocês são homens (Adão) mas os idólatras não são homens (Adão)."

A lei mosaica do Antigo Testamento declara que tocar num corpo humano ou no túmulo de um homem transmite impureza àqueles que o tocam. Mas o Talmud ensina que se um Judeu toca no túmulo de um Gentio, o Judeu não é tornado impuro, posto que os Gentios não são homens (não de Adão).


Do Baba Mezia 114b: "Um sacerdote Judeu estava em um cemitério. Quando perguntou por quê ele estava ali em aparente violação da lei mosaica, ele respondeu que aquilo era permissível, posto que a lei somente proíbe Judeus de entrarem em contato com os túmulos de homens (Descendentes de Adão), e ele estava em um cemitério. Por isso foi ensinado pelo Rabi Simon ben Yohai: 'Os túmulos dos gentios [goyim] não poluem. Para isso está escrito, ‘Vós, ovelhas minhas, ovelhas do meu pasto, sois homens (Adão)' (Ezequiel 34, 31); somente vós sois homens (Adão)".

Ezequiel 34, 31 é alegada prova textual bíblica repetidamente citada nas três precedentes passagens do Talmud. Mas Ezequiel 34, 31 na realidade não sustenta a noção talmúdica que somente israelitas são homens. O que esses racistas rabínicos e antigentios e ideólogos têm feito em afirmar as besteiras precedentes sobre Gentios é distorcer uma passagem do Antigo Testamento a fim de justificar sua inveja cega.

Em Berakoth 58a o Talmud utiliza Ezequiel 23, 20 como prova do status sub-humano dos gentios.

Também ensina que qualquer um (até um homem Judeu) que revele esse ensinamento talmúdico sobre não-Judeus merece a morte, visto que o revelando torna os Gentios irados e causa a repressão do judaísmo.

A citação talmúdica desse versículo de Ezequiel como uma "prova textual" é enganosa, posto que a passagem não prova que os Gentios são animais. A passagem de Ezequiel diz somente que alguns egípcios tinham depravações me seu meio. Isso não prova de forma alguma ou mesmo dá a entender que os egípcios sendo referidos assim na Bíblia eram considerados animais. De novo, o Talmud falsificou a Bíblia por meio de interpretação distorcida.

Outras passagens do Talmud que expõem Ezequiel 23, 20 nesse modo racista são: Arakin 19b, Berakoth 25b, Niddah 45a, Shabbath 150a, Yebamoth 98a. Além disso, o texto original de Sanhedrin 37a aplica a aprovação de Deus somente para os salvadores de vidas Judaicas (cf. the Hesronot Ha-shas, Cracow, 1894).

Moses Maimonides: Defensor do Extermínio

Nós examinaremos agora o comentarista pós-talmúdico Rambam (Moses Maimonides). Esse reverenciado "sábio" ensinava que os Cristãos deveriam ser exterminados. Ele tem a mais alta estatura no judaísmo:

"Moses Maimonides é considerado o maior codificador e filósofo na história Judaica. Ele é freqüente e afetuosamente referido com o Rambam, depois das iniciais do seu nome e título, Rabenu Moshe Ben Maimon, "Nosso Rabi, Moses filho de Maimon." [Maimonides' Principles, edited by Aryeh Kaplan, Union of Orthodox Jewish Congregations of America,, p. 3].
Eis o que Maimonides (Rambam) ensinava concernindo a salvar a vida das pessoas, especialmente salvar as vidas dos gentios e Cristãos, ou mesmo Judeus que ousavam negar a "inspiração divina" do Talmud:

"Consequentemente, se nós vemos um idólatra (gentio) sendo eliminado ou se afogando no rio, nós não deveríamos ajudá-lo. Se nós vemos que sua vida está em perigo, nós não deveríamos salvá-lo".

O texto em Hebreu da edição Feldheim de 1981 do Mishnah Torah também declara isso.

Imediatamente depois da advertência de Maimonides que é um dever para os Judeus não salvar um gentio perecendo ou se afogando, ele nos informar sobre o dever talmúdico dos Judeus dirigido aos Cristãos, e também dirigido aos Judeus que negam o Talmud. Maimonides, Mishnah Torah, (Chapter 10), p. 184:

"É um mitzvah [dever religioso], porém, erradicar os traidores Judeus, minnim e apikorsim, e a induzi-los ao poço da destruição, posto que eles causam dificuldades aos Judeus e influenciam o povo a se afastar de Deus, como fez Jesus de Nazaré e seus estudantes, e Tzadok, Baithos, e seus estudantes. Pode o nome do mau apodrecer."

O comentário do editor Judeu acompanhando a enunciado precedente de Maimonides declara que Jesus foi um exemplo de um min (plural: minnim).

O comentário também declara que os estudantes de Tzadok eram definidos como aqueles Judeus que negam a vedade do Talmud e que sustentam somente a lei escrita (o Antigo Testamento).

De acordo com Principles, p. 5 de Maimonides, ele "despendeu doze anos extraindo toda decisão e lei do Talmud, e as dispondo em 14 volumes sistemáticos. O trabalho foi finalmente completado em 1180, e foi chamado de Mishnah Torah, ou "Código da Torah."

Maimonides ensinou em uma outra parte do Mishnah Torah que os gentios não são humanos: "Homens somente, e não vasilhames, podem contrair impurezas por porte. ...O corpo de um gentio, porém, não conduz impureza por abrigá-lo. ...um gentio não contrai impurezas; e se um gentio toca, carrega ou abriga um corpo, ele é como alguém que não o tocou.

"E o que isso parece? É como uma besta que toca um corpo ou o abriga. E isso se aplica não à impureza do corpo somente, mas a quaisquer outros tipos de impureza: nem gentios nem gado são suscetíveis de qualquer impureza." (The Code of Maimonides, vol. 10, traduzido por Herbert Danby, Yale University Press, New Haven, 1954, pp. 8-9).

Maimonides, Mishneh Torah, Hilchot Rotze'ach 2, 11: "Um Judeu que matou um gentio justo não é executado em uma corte da lei.
Diz o Exôdo 21,14, 'No entanto, se alguém se levantar deliberadamente contra seu próximo para o matar à traição, tirá-lo-ás do meu altar, para que morra."

A citação da Lista de Schindler

O texto do Talmud (o Talmud Babilônico) do Sanhedrin 37a restringe a obrigação de salvar a vida para salvar somente vidas Judaicas.

O livro sobre censura Hebraica, escrito pelos próprios Judeus (Hesronot Ha-shas), registra que alguns textos do Talmud usam a frase universalista:

FRASE FALSA: "Quem quer que destrua a vida de um único ser humano...é como se ele tivesse destruído um mundo inteiro; e quem quer que preserve a vida de um único ser humano...é como se tivesse preservado um mundo inteiro." FRASE FALSA! ESSA É A VERSÃO HOLLYWOODIANA DO QUE REALMENTE ESTÁ NO TALMUD!

Porém, o Hesronot Ha-shas aponta que essas não são as palavras autênticas do Talmud original.

Em outras palavras, a precedente tradução universalista não é o texto autêntico do Talmud e, assim, por exemplo, essa versão universalista que Steven Spielberg em seu famoso filme, A Lista de Schindler atribuiu ao Talmud (e que se tornou o provérbio do filme nos pôsteres e em anúncios), é uma fraude e constitui propaganda tencionada a dar um disfarce humanístico ao Talmud, que é, em sua essência, literatura de ódio racista e chauvinista.

No autêntico, original texto do Talmud, está expresso que "quem quer que preserve uma única alma de Israel, é como se tivesse preservado um mundo inteiro". O texto autêntico do Talmud encoraja somente a salvação de vidas Judaicas.

Burla e Dissimulação Judaicas

A resposta dos rabis ortodoxos à documentação que diz respeito ao racismo e ódio nesses textos sagrados é simplesmente para mentir ousadamente, no cumprimento do Baba Kamma 113a do Talmud, que declara que Judeus podem usar mentiras ("subterfúgios") para driblar um Gentio.

Mentir sobre "iludir um Gentio" tem uma longa herança no Judaísmo. Tome por exemplo o debate em Paris, no século XIII, sobre o Talmud, entre Nicholas de Donin, um Judeu convertido ao Cristianismo, a quem Hyam Maccoby admite que tinha "um bom conhecimento do Talmud" ("The Jews on Trial", p. 26) e o Rabi Yehiel. Yehiel não estava sob ameaça de morte, ferimento corporal, aprisionamento ou multa. Mesmo assim, ele mentia audaciosamente durante o andamento do debate.

Quando perguntado por Donin se havia ataques a Jesus no Talmud, Yehiel negou haver qualquer coisa ali. Donin, um estudioso de Hebreu e Aramaico, sabia que isso era falso. Hyam Maccoby, um comentarista Judeu do século XX sobre o debate, defende as mentiras do Rabbi Yehiel dessa forma:

"A questão pode ser perguntada, se Yehiel realmente acreditava que Jesus não era mencionado no Talmud, ou se ele pôs isso diante de um truque engenhoso na situação desesperada em que se encontrava...Certamente teria sido perdoável ao rabi tentar alguma remissão de culpa em que ele não acreditava totalmente, para prevenir tais procedimentos tirânicos por uma cultura religiosa contra outra." (Maccoby, "The Jews on Trial", p. 28).

Isso é como a negação Judaica da existência dos odiosos textos do Talmud é justificada hoje em dia. Uma palavra estranha para a mentira Judaica é invocada ("remissão de culpa") e considerada "perdoável", enquanto qualquer exame detalhado dos livros santos Judaicos pelos investigadores Cristãos é caracterizado como um "procedimento tirânico".

Em 1994, Rabi Tzvi Marx, diretor de Educação Aplicada no Instituto Shalom Hartman em Jerusalém, fez uma extraordinária confissão concernindo como os rabis Judeus no passado publicaram dois conjuntos de textos: os textos autênticos Talmúdicos com que eles instruem sua própria juventude nas escolas de Talmud (yeshiviot) e versões "censuradas e emendadas" que eles disseminam aos ingênuos não-Judeus para consumo público.

DOIS CONJUNTOS DE TEXTOS TALMÚDICOS(não estou falando do Talmud Babilônico e o Talmud de Jerusalém, estou falando de dois textos do TALMUD BABILÔNICO, UM ADULTERADO PARA GENTIOS E OUTRO COMPLETO PARA JUDEUS!

1-TEXTOS TALMÚDICOS AUTÊNTICOS PARA INSTRUÇÃO DE SUA JUVENTUDE NAS ESCOLAS DE TALMUD.

2-VERSÕES CENSURADAS E EMENDADAS QUE ELES DISSEMINAM AOS IGÊNUOS NÃO-JUDEUS PARA CONSUMO PÚBLICO.

Rabi Marx declara que na versão dos ensinamentos de Maimonides publicada para consumo público, Maimonides é feito dizer que aquele que mate um ser humano transgride a lei.

Mas, Rabi Marx aponta que "...isso somente reflete o texto publicado censurado e emendado, enquanto que os manuscritos originais têm somente como 'aquele que mata um Israelita". (Tikkun: A Bi-Monthly Jewish Critique Maio-Junho, 1994).

O livro Judeu, Hesronot Ha-shas ("o qual está removido do Talmud"), é importante a esse respeito. (Cf. William Popper, The Censorship of Hebrew Books p. 59).

Hesronot Ha-shas foi reimpresso em 1989 pela Edição Sinai de Tel-Aviv. Hesronot Ha-shas é valiosa porque ela lista tanto os textos origInais do Talmud que foram posteriormente mudados ou omitidos, e os textos falisificados citados para consumo dos Gentios como autênticos.

O historiador William Popper declara que:

"Não foi sempre que longas passagens...foram censuradas...mas frequentemente palavras únicas eram omitidas...Frequentemente, nesses casos, um outro método de correção era usado em lugar da omissão--substituição".

(Cf. William Popper, The Censorship of Hebrew Books pp. 58-59).

Por exemplo, os tradutores da versão Soncino inglesa do Talmud às vezes invertem a palavra Hebraica goyim (Gentios) sob qualquer número de palavras disfarçadas tais como "pagão, Cuthean, Kushite, Egípcio, idólatra" etc. Mas essas são na verdade referências aos Gentios (todos não-Judeus). Notas de rodapé para certas passagens na tradução Soncino do Talmud declaram: "Cuthean (Samaritano) foi substituído aqui para o original goy..."

Os herdeiros dos Fariseus frequentemente negam a existência das passagens do Talmud citadas aqui, a fim de audaciosamente invocar que tais passagens são as:

"fabricações dos anti-Semitas".

Em 1994, a Senhora de 80 anos de idade Jane Birdwood foi presa e processada em uma corte criminal em Londres, Inglaterra, pelo "crime" de publicar em seu panfleto, The Longest Hatred, o verdadeiro enunciado que o Talmud contém passagens anti-Gentio e anti-Cristãs. (Ela foi acusada de violar o Ato de Ordem Pública de 1986).

No curso de seu julgamento Orweliano por crime de pensamento, que foi ignorado pela mídia dos EUA, um rabi foi chamado como uma testemunha de acusação. O rabi procedeu a negar de maneira direta que o Talmud contém passagens anti-Gentias e anti-Cristãs e na base do prestígio do rabi, essa mulher idosa e doente foi sentenciada a três meses de cadeia e multada no equivalente a $1,000.

Reação "Judaico-Cristã" ao Talmud

Nem os papas modernos ou os chefes modernos do Protestantismo têm insistido que os rabis do Judaísmo repudiam ou condenam o racismo no Talmud ou o ódio mortal para os Cristãos e gentios expressos em seu interior.

Pelo contrário, os chefes da Igreja têm encorajado os seguidores de Cristo a obedecerem, honrarem e apoiarem os seguidores do Talmud. Portanto, deveria ser óbvio que esses líderes Católicos e Protestantes são os piores traidores de Jesus Cristo na terra hoje.

Conferir:

 Mateus 23, 13-15; I Tes. 2, 14-16; Tito 1, 14; Lucas 3, 8-9; Ap. 3, 9.

Não-Judeus são "Refugos Celestiais"

Demais a mais, não somente Cristãos, mas não-Cristãos de todas as raças são reconhecidos como "refugos celestiais" (lixo) pelos professores do Talmud tais como o fundador do Habad-Lubavitch, Rabi Shneur Zalman.

Isso foi analisado na revista Judaica, New Republic: "...há algumas ironias poderosas no novo universalismo messiânico de Habad, em sua missão aos gentios; e certamente o mais desagradável deles relaciona-se de qualquer forma a um franco e mesmo desdém racial de Habad ao goyim.

"...teólogos Judeus medievais –mais notavelmente o poeta e filósofo Judah Ha-Levi, na Espanha do século XII e o místico Judah Loewe na Praga do século XVI –procuram definir a distinção Judaica racialmente de preferência a espiritualmente...essa...visão, de acordo com a qual há algo inato superior a respeito dos Judeus, foi reabilitada em sua mais extrema forma por Shneur Zalman de Lyady. O fundador do Hasidismo Lubavitch ensinava que há uma diferença de essência entre as almas dos Judeus e as almas dos gentios, que somente na alma Judaica pode residir uma centelha da vitalidade divina.

"Quanto aos goyim...a posição de Zalman (era que):

'Almas gentias são de uma ordem completamente diferente e inferior. Elas são totalmente más, sem qualquer redenção'.

"Conseqüentemente, referências aos gentios nos ensinamentos do Rabi Shneur Zalman são invariavelmente preconceituosos.” Sua (não-Judeus) abundância material deriva de refugo celestial. Realmente, eles mesmos derivam de refugo, o que explica o porquê deles serem mais numerosos que os Judeus, como os resíduos de debulha são em maior número que as sementes...Todos os Judeus eram bons por natureza, todos os gentios maus por natureza.

"...Demais a mais, essa caracterização dos gentios como sendo inerentemente maus, como sendo espiritualmente assim como biologicamente inferiores aos Judeus, não foi de nenhuma forma revisado no último escrito de Habad." --The New Republic, 4 de Maio de 1992. Além disso cf. Roman A. Foxbrunner, Habad: The Hasidism of Shneur Zalman of Lyady (Northvale, New Jersey, Jason Aronson, Inc., 1993) pp. 108-109.

Governo dos EUA Estende os Fundamentos das Cortes Talmúdicas

"Nosso" governo, sob os Presidentes Reagan, Bush e Clinton, proviram, sob o eufemismo de educação (por exemplo, a Resolução Conjunta da Casa 173 e a Lei Pública 102-14), um fundamento para o estabelecimento de "cortes de justiça" Talmúdicas a serem administradas pelos discípulos do sucessor Chabad de Shneur Zalman, Rabi Menachem Mendel Schneerson.
Maimonides decidiu que esta seja uma corte Judaica – ou uma corte apontada pela autoridade Judaica –que force a obediência e permita julgamento sobre os Gentios, assim como promulgar legislação pela ordem da corte para aquele propósito. Maimonides posteriormente decretou que qualquer nação não-Judaica que "não se sujeite a nossa jurisdição" (tahaht yadeinu) será alvo de guerra santa Judaica. (Cf. Hilkhot Melakhim 8:9-10; 10:11. Além disso cf. Gerald J. Blidstein, "Holy War in Maimonidean Law," in Perspectives on Maimonides [Oxford, England: Oxford Univ. Press, 1991].

Essas cortes estão para ser congregadas alegadamente sob as "Leis de Noé" (proscrições contra a idolatria supostamente baseadas no pacto com Noé). Os presidentes e o Congresso dos EUA encorajaram a adoção das Leis de "Noé" como interpretadas pelo Chabad-Lubavitch Grande Rabi Schneerson.

Prof. Easterly da Centro de Direito da Universidade do Sul, um expert legal Judeu, comparou essa lei Pública 102-14 aos "primeiros raios do amanhecer" que "evidenciam o surgimento de um sol ainda não visto."

A Encyclopedia Judaica encara um regime de Noé como uma possível ordem mundial imediatamente precedente ao reino universal do Talmud.

Há que ser entendido que nós não estamos lidando com o Noé da Bíblia quando a religião do Judaísmo se refere a "lei de Noé", mas a lei de Noé conforme entendida e interpretada pelo sistema absoluto de falsificação que constitui o Talmud.

Sob as falsificadas leis de Noé do Talmud, a adoração de Jesus é proibida sob pena de morte, posto que tal adoração de Cristo é condenada pelo Judaísmo como idolatria. Ao mesmo tempo, várias fomas de incesto são permitidas sob o entendimento Talmúdico do código de Noé. (Enziklopediya Talmudit, note 1, pp. 351-352).

Além do mais, todos os não-Judeus teriam o status legal de ger toshav ("residente estrangeiro," cf. Alan Unterman, Dictionary of Jewish Lore and Legend [London: Thames and Hudson, 1991], p. 148), mesmo em sua própria terra; como por exemplo na Palestina ocupada onde Khazares mais recentemente chegaram da Rússia tiveram um direito automático à habitação e cidadania, enquanto dois milhões de refugiados Palestinos que ou fugiram ou foram expulsos pelos Israelenses, são proibidos em retornarem.

O status de residente estrangeiro foi claramente delineado nos artigos dos estudiosos nas principais publicações Judaicas. Por exemplo, o Professor Mordechai Nisan da Universidade Hebraica, baseando sua exposição em Maimonides, declarou que um não-Judeu permitido a residir em uma terra dominada pela lei Judaica "deve aceitar pagar um imposto e sofrer a humilhação da servidão."

Se Gentios se recusam a viver uma vida de inferioridade, então isso sinaliza sua rebelião e a necessidade inevitável de guerra Judaica contra sua completa presença. [Cf. Mordechai Nisan, Kivunim (publicação oficial da Organização Mundial Sionista), Agosto de 1984, pp. 151-156].

Em um simpósio ("A Autonomia para Estrangeiros Residentes é Possível?") organizada pelo Ministro da Educação Israelense Shulamit Aloni, o Rabi Chefe de Israel Shlomo Goren repetiu o ensinamento Talmúdico sobre estrangeiros residentes: que o Judaísmo proíbe "garantir quaisquer direitos nacionais" a eles. Ele decidiu que tal "Autonomia é equivalente a uma negação da religião Judaica." (Nadav Shraggai, Ha'aretz, 14 de Outubro de 1992).

Subvenções dos contribuintes norte-americanos ao assim-chamado "Museu do Holocausto dos EUA" em Washington, D.C., é ainda um outro indicador do gradual estabelecimento de uma religião de estado Judaica nos EUA. Esse "museu do Holocausto" exclui qualquer referência aos holocaustos perpretados pelos Comunistas Judeus contra os Cristãos na Rússia e Leste Europeu, de 1917 em diante.

O foco do museu é quase inteiramente sobre o sofrimento Judeu. Holocaustos perpretados pelos Israelenses contra Árabes no Líbano e Palestina desde 1948 não estão em parte alguma a serem encontrados nas exposições do "Museu do Holocausto" dos EUA que funciona mais como uma sinagoga do que repositório de informação histórica objetiva.

É através de emergência rápida desse ostensivamente secular, mas totalmente penetrante "Holocaustianismo"através do que a religião do Judaísmo está ganhando enorme poder e influência como supremo etos da humanidade de o credo do Povo Santo de Deus.

A Lei Judaica Requer que os Cristãos sejam Executados

Os "estudiosos da Torah" de Israel decidiram que:

"A Torah sustenta que o justo de todas as nações tem lugar no Mundo Vindouro. Mas nem todos os religiosos Gentios merecem a vida eterna pela virtude de observar sua religião...E enquanto os Cristãos geralmente aceitam a Bíblia Hebraica como verdadeiramente de Deus, muitos deles (aqueles que aceitam a assim-chamada divindade de Jesus) são idólatras de acordo com a Torah, puníveis pela morte, e certamente não gozarão o Mundo Vindouro."

Superstições Judaicas

Não é por nada que a edição autorizada do Talmud é conhecida como Talmud Babilônico. Como os Cristãos iludidos pelos seus pregadores e papas Judaizantes estão cada vez mais consultando fontes rabínicas Judaicas para um entendimento "puro" do Antigo Testamento, eles estão inconscientemente consultando as ciências ocultas.

“Judaísmo é a religião dos Fariseus e o patrimônio da Babilônica, de onde as tradições Talmúdica e Kabbalísticas do Judaísmo derivam no final das contas.“

O outro livro sagrado do Judaísmo Ortodoxo, a Kabbalah, é preenchido com ensinamentos astrológicos, descoberta da sorte, gematria, necromancia e demonologia.

A fotografia na capa dessa cópia permanente mostra um Judeu ortodoxo executando um ritual para transferir seus pecados à galinha que ele está agitando sobre sua cabeça. Isso é superstição perniciosa.

Além do mais, a "Estrela de David" Israelense, é na verdade nada disso, mas particularmente um hexagrama oculto, um yantra da andrógino, que se tornou associado aos Khazares na Boêmia do século XIV. (O mal denominado "estado de Israel" foi fundado em 1948 em uma aliança entre Comunistas Judeus e Sionistas ateístas, com crucial reconhecimento da ONU fornecido pelo ditador Comunista Joseph Stalin).

Cristãos poderiam buscar abrir o olho para visitar uma área Judaica Hassídica durante o "Purim" e observar a grotesca, cambalhota tipo Halloween. Embora o festival do Purim use o Livro de Ester como seu suposto texto de prova, na prática a celebração Judaica do Purim é um pouco mais do que um Bacanal (cf. "Superstitions said legacy from Jewish ancestors," Canadian Jewish News, 16 de Novembro de 1989, p. 58).

Rabis ortodoxos estabelecem maldições, lançam feitiços e imaginam que têm poderes maiores do que Deus, derivados de seu estudo do Sefer Yezriah, (um livro de mágica Kabbalística). Cristãos estão comerciando com o paganismo Babilônico quando eles cedem aos rabis do Judaísmo.

Cristianismo é a única religião verdadeira da Bíblia. Foi fundada por Israelitas que aderiram à Torah (Pentateuco) e que reconheceram no evangelho da salvação através da graça de Cristo, o cumprimento do Antigo Testamento. São os seguidores de Jesus que constituem a nação santa e o sacerdócio real (I Pedro 2, 9).

Autores: Michael A. Hoffman II and Alan R. Critchley

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 

HOFFMAN II, Michael A. ; CRITCHLEY, Alan R.  Judaism's Strange Gods. Idaho: Independent History and Research, 2000. 

Ha'aretz, "Israel's Leading Daily Newspaper," Shevat 25, 5760 (1º de Fevereiro de 2000).


































LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.