-

-

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Redescobrindo o Antigo Egito.



Bonaparte Diante da Esfinge. Imagem: Jean-Léon Gérôme, Óleo sobre tela (1868).

Quem já não imaginou como viviam os antigos egípcios? Como construíram seu império milenar? Acredito de todos pelo menos uma vez na vida, refletiram sobre esses temas, mas antes de podermos responder a essas questões temos que compreender que a civilização egípcia ficou perdida por centenas de anos. E devido a isso primeiro pensando nisso elaborei uma pequena introdução sobre a redescoberta do Egito faraônico. Ela inicia-se com duas datas precisas: 1789 e 1824. Antes disso não se sabia absolutamente nada a respeito desse período.

A primeira das duas datas (1798) corresponde à extraordinária expedição do general Napoleão Bonaparte no Egito. Com surpreendente visão de longo alcance, além de um corajoso exército, levou consigo um excelente grupo de técnico e de homens entendidos no assunto, munidos de livros, duzentas caixas de instrumentos científicos e duas tipografias completas, visto que em todo o Egito não existia nada disso. Ao todo cento e sessenta e sete “cientistas civis”, compreendendo naturalistas, botânicos, cartógrafos, engenheiros, astrônomos, geólogos, historiadores e, pelo que constam, desenhistas e arqueólogos. Esse douto esquadrão recebeu o apelido de “Asnos” [1].

Champollion e os hieróglifos

Entre os objetos recolhidos durante a expedição napoleônica havia uma estela fendida, com aparência totalmente insignificante, Deu-a casualmente a um oficial do Gênio, um tal Bouchard, que a passou a um dos “Asnos”.

Na estela três inscrições, a primeira em hieróglifo; a segunda em demótico; a terceira em grego – que indicava tratar-se de uma oferta sacerdotal feita por Ptolomeu V Epifane – constituía a chave para decifrar as duas primeiras.

Constatou-se logo que o documento era de excepcional interesse e por ordem pessoal de Napoleão a estela foi imediatamente reproduzida e litografada, sendo que depois de várias cópias foram enviadas a vários especialistas de línguas mortas.

Gastaram-se quinze anos para a interpretação de pelo menos a parte em demótico. O mérito disso cabe ao sueco J. D.Akerblad (1814). Mas os hieróglifos resistiam, inflexíveis. Como para a história, existiam apenas duas fontes de referência: a primeira eram os Hieroglyfhica, obra de Orapolo Nilótico que parece ter vivido no século IV d. C. Parecia antigo, dizia ser egípcio e portanto não havia motivo de se contestar quanto à autoria de sua obra que, no entanto, infelizmente se tornou inaceitável, embora tivesse algumas intuições certas [1].

Surgiu, posteriormente, a segunda fonte com a obra de P. Athanasius Kircher, este de indiscutível e vasta cultura; mas a sua Lingua Aegyptiaca restituta, publicada em Roma (1643), era de tal modo estranha que levou seus alunos a proclamar, e sem hesitação, que num obelisco em Roma está inciso um hino à Santíssima Trindade.


'Le Sphinx Armachis, Caire' . Imagem: Henri Béchard (1880).

Infelizmente, as dispersões destes dois ilustres estudiosos desencadearam todos aqueles que as tinham como boas. Somente a dois não atribuíram nenhum valor, desde o início. O primeiro foi oinglês Thomas Young, o qual seguiu pelo caminho certo, mas que, não encontrando, afinal, uma confirmação para o seu trabalho apenas por motivo de um erro banal de transcrição, deu-se por derrotado [1].

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

A História como veículo de construção.



Um exemplo do valor dos eventos históricos na sociedade. As primeiras ideias para construção do de um cais em Porto Alegre estruturado datam de 1833. Unindo o centro produtor regional com o maior porto marítimo do Mercosul, o Porto de Rio Grande. A conclusão geral do porto aconteceu em 1962. Imagem: Ronaldo Marcos Bastos.

O estudo da história seja ela regional nacional ou internacional é uma arma que pode ser usada para afirmar valores nas crianças e jovens ou até mesmo destruir valores e crenças em nossos futuros cidadãos.

Quando é passado para um jovem em sala de aula a história de seu país com seus heróis e seus feitos gloriosos que conduziram a sociedade a condições melhores de vida.  Esses cidadãos em construção sentirão que é parte dos acontecimentos citados, pois ele é brasileiro e se identificará com os feitos de seus compatriotas.

Ao levar questões locais da realidade de nossos cidadãos ao momento histórico que esta sendo tratado trará uma identificação pessoal com os heróis e suas lutas em suas épocas. A questão é realizarmos essa identificação com o passado por meio do presente, mas com a visão da época para os fatos. Porque não podemos olhar, por exemplo, para a década de 30 do século XX, aonde eventos como a quebra da bolsa de valores de New York levou a Grande Depressão, a revolução de 30 no Brasil encabeçada por Getúlio Vargas agitava a vida política nacional, a ascensão dos regimes fascistas na Europa que levaria a Segunda Guerra Mundial com a visão do século XXI. Agindo assim estaremos ‘pecando’ com os fatos tratados, pois agora podemos ver o todo dos eventos, mas na época tratada ninguém tinha como saber com exatidão aonde os eventos chegariam.

Em uma realidade presente devemos olhar para o passado de forma a nos identificarmos com os problemas que afligiam os cidadãos da época, mesmo que muitos problemas sejam semelhantes aos atuais o contexto era diferente. Exemplifico o nacionalismo para fins de um Estado forte da década de 30, onde uniformes, hinos, marchas moviam pessoas não só no Brasil, mas no mundo todo.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Como o Homo sapiens sapiens superou os outros hominídeos?



Fóssil de um Cro-Magnon (Homo sapiens sapiens) encontrado no sitio arqueológico de Mondeval Sora na Itália. Imagem: Science Photo.

Como vimos nos textos anteriores, como humanidade somos uma espécie que não possui concorrente na natureza e nem outras variedades de espécies humanas como ocorre com outros animais, mas aprendemos que nem sempre foi assim. Nas postagens “A Evolução do Homem: os primatas” e “A Evolução do Homem: a aurora da humanidade” entendemos que somente nos últimos 30 mil anos nós temos o domínio no planeta há mais ou menos cerca de 1,8 milhões de anos disputávamos o domínio no planeta com mais espécies como o Australopithecus boisei, robustus, Homo rudolfensis, Homo habilis, Homo erectus e Homo ergaster. E convivência não é a palavra mais correta a ser usada na relação que essas espécies mantinham umas com as outras. A suposição de que os "imigrantes" vindos do sul da África (Homo sapiens sapiens) teriam superado o Homo sapiens neanderthalensis na Europa e Oriente Médio por sua técnica mais avançada e sua maior inteligência é uma as suposições que possuímos acerca dessa situação estudada no texto “A Evolução do Homem: a supremacia do Homo sapiens sapiens.”.

Atualmente precisamos ver tudo isso como um processo cultural complexo, apontando as  mudanças climáticas nos últimos 40 mil anos de sua existência como um fator que possivelmente contribuiu para o desaparecimento do Homo sapiens neanderthalensis. Tais mudanças podem ter desencadeado movimentos migratórios, o que teria sido reforçado pela chegada de novos grupos humanos ao continente. Na Europa de 40 mil anos atrás viviam 250 mil pessoas no máximo, não deve ter sido muito difíceis para o novo grupo de Homo sapiens multiplicar-se e superar os "primeiros europeus [1].” O interessante é que o código genético da raça humana moderna não possui quase nenhum vestígio de parentesco com os homens e mulheres do Espécie Homo sapiens neanderthalensis.

Independente de como tenha sido, seja competindo por espaço, água ou quando possuía a mesma dieta alimentar competindo por comida, chegando a lutarem entre si pela sobrevivência da sua espécie [1]. Há diversas versões, muitas vezes contraditórias, sobre a cadeia de reações que gerou o homem, sobre o estilo de vida e comportamento dos hominídeos, de como eles e o Homo sapiens sapiens, entre 75 mil e 100 mil anos atrás teriam emigrado da África Austral para o resto do mundo, e de como interagiram com outros descendentes ou antecessores do Homo erectus dessas zonas. Vários Australopithecus conviveram, por alguns milhões de anos, com o Homo habilis e erectus. Como interagiram quando se encontravam, ninguém sabe ao certo [2].

Infelizmente, jamais será possível encontrar a verdade e os cientistas apenas podem conjecturar hipóteses, adaptadas aos achados que vão sendo descobertos, já que, como afirmou Napoleão Bonaparte (1769 - 1821).

"História,  é uma  versão de acontecimentos do passado sobre a qual algumas pessoas decidiram concordar."

Napoleão Bonaparte

As várias espécies de hominídeos que nos precederam, com diferentes graus de desenvolvimento eram mais propícios a caçarem-se mutuamente do que a terem convívios amigáveis e, ao entrarem em contato, tentavam matar os machos de outros grupos de hominídeos. Ainda hoje temos não só várias tribos humanas que lutam e matam-se mutuamente, por espaço vital [2].

As descobertas recente demonstram que o número de ossos ancestrais diretos não tem aumentado muito e essa quantidade de espécies ainda são poucas em relação ao número imenso de elos perdidos que faltam para fixar a escala evolutiva humana em uma plataforma segura onde não haverá aberturas para dúvidas.O que diferenciou o Homo sapiens sapiens foi seu maior desenvolvimento técnico desencadeado na explosão criativa do paleolítico, com o aperfeiçoamento do desenvolvimento da linguagem e a produção de ferramentas cada vez mais apurada [1].

Humanos, que estranhos primatas. Andando sobre duas pernas, possuidores de cérebros enormes e colonizadores incansáveis de cada canto da Terra. Antropólogos e biólogos procuraram sempre entender como a nossa raça diferenciou-se tão profundamente do modelo primata. Foram desenvolvidos, ao longo dos anos, todos os tipos de hipóteses, visando explicar cada uma dessas particularidades. Um conjunto de evidências, porém, indica que essas idiossincrasias mistas de humanidade têm, na realidade, uma linha em comum: elas são, basicamente, o resultado do que Charles Darwin, chamou de seleção natural, atuando para maximizar a qualidade dietética e a eficiência na obtenção de alimentos. Mudanças na oferta de alimentos parecem ter influenciado fortemente nossos ancestrais hominídeos. Assim, em um sentido evolutivo, somos o que comemos.

Dessa forma, o que comemos é ainda uma outra forma pela qual nos diferenciamos de nossos parentes primatas. Populações de humanos contemporâneos pelo mundo afora, adotam dietas mais calóricas e nutritivas que aquelas de nossos primos, os grandes macacos.

1-Então, quando e como os hábitos alimentares de nossos ancestrais divergiram dos hábitos de outros primatas?

O tipo de ambiente que uma criatura ocupa irá influenciar a distribuição de energia entre esses componentes, em que condições mais duras representam, obviamente, maiores dificuldades. No entanto, o objetivo de todos os organismos é o mesmo: assegurar a reprodução, visando garantir, a longo prazo, o sucesso das espécies. Portanto, ao observarmos a forma como os animais se deslocam para obter a energia alimentar, podemos compreender melhor como a seleção natural produz a mudança evolutiva. As características que mais distinguem os humanos de outros primatas são, certamente, os resultados da seleção natural, agindo no melhoramento da qualidade da alimentação humana, e a eficiência com que nossos ancestrais obtiveram os alimentos [1]. Alguns cientistas sugeriram que muitos dos problemas de saúde enfrentados pelas sociedades modernas seriam consequências de uma discrepância entre o que ingerimos e o que nossos antepassados comeram.

Estudos entre populações que vivem tradicionalmente apontam que os humanos modernos estão aptos a suprir suas necessidades nutricionais usando uma ampla variedade de estratégias. Adquirimos flexibilidade alimentar. A preocupação com a saúde no mundo industrial, em que alimentos calóricos concentrados estão facilmente disponíveis, não se originam de desvios de uma dieta específica, mas de um desequilíbrio entre a energia que consumimos e a que necessitamos.O que é extraordinário em nosso cérebro grande, sob uma perspectiva nutricional, é o quanto de energia ele consome aproximadamente 16 vezes mais que um tecido muscular por unidade de peso. Porém, apesar de os humanos apresentarem, quanto ao peso corporal, cérebros maiores que os dos outros primatas (três vezes maior que o esperado), as necessidades totais de energia em repouso do corpo humano não são maiores que a de qualquer outro mamífero do mesmo porte. Usamos uma grande parte de nossa quota diária de energia para alimentar nossos cérebros vorazes. Na verdade, o metabolismo de um cérebro em repouso ultrapassa de, 20 a 25%, as necessidades de energia de um humano adulto - bem mais que os 8 a 10% observados em primatas, e que os 3 a 5% em outros mamíferos [2].


2-Além disso, quanto os humanos modernos se distanciaram do padrão alimentar ancestral?

Baseando-nos nas estimativas de tamanho corporal de hominídeos compilados por Henry M. McHenry, da University of California, em Davis, Robertson  estimamos a proporção das necessidades de energia em repouso que poderiam ser necessárias para alimentar os cérebros de nossos antigos ancestrais. Um Australopithecus típico, pesando entre 35 e 40 kg, com um cérebro de 450 cm³, teria reservado cerca de 11% de sua energia em repouso para o cérebro. Enquanto um H. erectus, pesando entre 55 e 60 kg e com um cérebro de cerca de 850 cm³, teria reservado cerca de 16% de sua energia em repouso - ou seja, cerca de 250 das 1.500 kcal diárias - para este órgão [1]. Além de todos os primatas, espécies com cérebros maiores ingerem alimentos mais ricos; os humanos são um exemplo extremo dessa correlação, ostentando o maior tamanho relativo de cérebro e a dieta mais variada. Conforme as análises recentes de Loren Cordain, da Colorado State University, os caçador-coletores contemporâneos obtêm, em média, 40 a 60% de energia da carne, do leite e de outros produtos de origem animal [2].

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

A Evolução do Homem: a supremacia do Homo sapiens sapiens.



Cro-Magnon: Representação artística à esquerda e esqueletos pertencentes  a dois sepultamentos distintos. Imagem: Arquivo Pessoal CHH.

Chegamos na terceira e última parte do estudo sobre A Evolução do Homem. Até agora vimos na primeira parte: A Evolução do Homem: os primatas (Leia aqui), a origem comum entre os Símios ou macacos antropomórficos muito próximos evolutivamente dos humanos e suas variedades dentro da Superfamília Hominoidea. Estudamos suas distintas classificações entre Símios e Pró-símios e os principais membros de cada família respectivamente. Já durante a segunda parte de nosso estudo: A Evolução do Homem: a aurora da humanidade (Leia aqui), nos localizamos no tempo e no espaço, para compreendermos a evolução dos Hominídeos, dentro dos períodos históricos. Entendendo-se dessa forma as três divisões da Pré-história no Paleolítico: o Paleolítico Inferior, Médio e Superior.  Estudamos o surgimento dos primeiros Australopitecinos e sua respectiva evolução para o Homo habilis, Homo erectus e consequentemente para o Homo sapiens neanderthalensis. Vemos suas respectivas indústrias líticas bem como sua formação biológica até o pensamento simbólico do Homo sapiens neanderthalensis. Daremos continuação ao nosso estudo que concluíra nossa reflexão sobre nossas origens com o surgimento do Homo sapiens sapiens na África e sua migração para todo o restante do mundo. Lembrando! Não deixem de ler os dois primeiros artigos, pois eles concluem o raciocínio para uma melhor compreensão dessa conclusão.

Paleolítico Superior

Iniciou por volta de 35 mil anos antes do presente (A.P) e estende-se até cerca de 10 mil A.P, quando ocorre a transição Neolítica. Do ponto de vista biológico, encontramos o Homo sapiens sapiens.  Com relação à tecnologia lítica encontramos uma grande diversidade de indústrias que marcam uma nova forma de produzir instrumentos [1].

Na história das civilizações europeias, o Paleolítico Superior aparece como um fenômeno brutal, rápido, profundo e definitivo. Após dois séculos de pesquisas, uma coincidência marcou esta ruptura; o aparecimento de uma nova forma anatômica humana e um novo comportamento. Está coincidência é indicativa de uma migração de populações vindas de fora. Tal fenômeno foi universal e ocorreu em toda a humanidade, depois que ela se originou mas, nesse caso [2]:

“(...) possuindo um aspecto particular devido à ausência de uma transição lenta.”

No Paleolítico Superior tratamos com um fenômeno de ordem histórica (deslocamento de um povo), biológica (modificações anatômicas secundárias) e antropológica: a adaptação de manifestações culturais a seus novos contextos geográficos (a arte rupestre por exemplo).

Cro-Magnon (Homo sapiens sapiens)

Tradicionalmente, associamos esse período ao Homem de Cro-Magnon (variável europeia do Homo sapiens sapiens advindo da África) que foi parcialmente contemporâneo do Homo sapiens neanderthalensis (Gênero humano distinto com um ancestral comum com o Homo sapiens sapiens, o Homo erectus). Antes do Cro-Magnon já haviam sido descobertos restos humanos modernos associados ao Paleolítico Superior, com a forma Homo sapiens neanderthalensis [2].

As características gerais do Cro-Magnon (Homo sapiens sapiens) são uma grande estatura, superior a 1,65 m e um crânio do tipo ‘evoluído’, uma fronte direta com face alta e plana, um queixo saliente e uma redução alveolar, além de uma caixa craniana alta, com uma capacidade de volume idêntica a atual, entre 1.500 cm³ e 1.750cm³ [3].

Com podemos ver as diferenças são, portanto, bastante claras em comparação com os neanderthalensis (ver A Evolução do Homo: a aurora da humanidade) e no entanto, ambos foram parcialmente contemporâneos. Podemos mostrar que houve uma evolução autônoma entre as populações humanas da África que migraram há mais ou menos 45 mil anos atrás para a Europa (Cro-Magnon) e os Neandertais que já habitavam a Europa desde 300 mil anos atrás. Dessa forma chegamos a conclusão que as formas modernas humanas são de origem africana. Houve um constante influxo de origem externa e a dissociação necessária, fora da Europa, entre as conquistas culturais e a forma anatômica neste momento crucial da história da humanidade.

Indústrias Líticas

Foi no Paleolítico Superior que o homem ocupa todos os continentes, chegando inclusive a América. A partir desse período, o lascamento atinge seu mais alto grau de desenvolvimento técnico, baseando-se fundamentalmente na retiradas de lascas através da preparação do núcleo e do plano de percussão [1].

Indústria Aurignacense: as datas mais antigas estão por volta de 44 a 40 mil anos A.P.

Indústria Gravettiense: estende-se a partir de 28 até cerca de 20 mil anos A.P.

Indústria Solutrense: estende-se a partir de 20 até cerca de 15 mil anos A.P.

Indústria Magdalenense: estende-se a partir de 15 até cerca de 10 mil A.P.

Dentre a grande gama de artefatos produzidos por estas industrias líticas citamos os raspadores, destinados ao trabalho com pele; os buris, utilizados para o trabalho com o material ósseo e os furadores para material duros, como sementes ou osso (as peles são perfuradas com a ajuda de furadores em osso). Temos também as lâminas, facas e pontas de projéteis, feitas de material ósseo [2].

O fogo foi intensamente utilizado nestas técnicas e completamente dominado. Encontrou-se uma espécie de ‘isqueiro’ feito de blocos de marcassita percutida, lamparinas (depressões com marcas de queima) na rocha, traços de resina queimada e modelagem em terra cozida.

Alimentação

O Cro-Magnon baseava sua alimentação principalmente na caça, a dieta alimentar no Paleolítico Superior foi progressivamente complementada com a pesca e posteriormente com a coleta intensiva de mariscos. A coleta de vegetais não poderia ser um aporte calórico substancial em razão do ambiente generalizadamente frio que reinara na Europa.

As armas mais frequentemente empregadas na caça, são o uso esporádico do arco, ao lado do uso sistemático da azagaia e do propulsor. Outra arma típica usada apartir da propulsão eram os arpões, que foram usados na pesca bem como na caça de pequenos mamíferos [1].

Modos de Vida

O habitat propriamente dito, consiste em uma estrutura de proteção (frio, vento, umidade) de natureza variada, segundo os recursos naturais locais. Os abrigos ou as entradas das cavernas foram intensamente utilizados. As cabanas para moradia são reconhecidas pelos traços que deixaram, em arcos e círculos vazios, junto aos vestígios observados sobre o solo. Estima-se que havia grupos nômades com habitats diversificados de caça com em torno de 50 a 100 pessoas. Os grandes grupos sociais, com estrutura mais complexa e flexível, organizam encontros periódicos para fins de intercâmbio ( de bens, esposas, informações) [3].

Religião

Presente desde o Paleolítico Médio, os traços de religiosidade são extremamente ricos e variados no Paleolítico Superior. A Arte Rupestre, suporte evidente dos ritos religiosos, opera sobre um mundo de preocupações espirituais coerentes, significativas, extremamente variadas de acordo com os grupos étnicos, mas toda elaborada e estruturada. As mitologias explicativas de mundo foram criadas, instituídas e difundidas pelos caçadores paleolíticos, se expressando sob a forma de imagens monumentais, que deveriam reger os comportamentos cotidianos e refletir nos valores, mentalidades e regras sociais [2].

Homo sapiens neanderthalensis versus Homo sapiens sapiens. O que houve?

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

A Evolução do Homem: a aurora da humanidade.



Australopithecus afarensis. (Lucy). Imagem: Museu Nacional de Antropologia da Cidade do México.

Na postagem anterior iniciamos um estudo sobre as origens do gênero humano com bases nas recentes descobertas sobre a evolução dos hominídeos. Nosso primeiro objetivo foi delinear o motivo da aceitação de uma origem comum entre símios antropomórficos e hominídeos (do gênero Homo). Neste texto veremos os eventos evolutivos e as espécies hominídeas presentes em cada momento do desenvolvimento do gênero Homo. Para uma introdução mais especifica sobre este texto sugiro a leitura do primeiro trabalho, A Evolução doHomem: os primatas. Na postagem anterior poderão ter uma visão mais especifica de como avançamos para este estudo e desse modo facilitar a compreensão dos temas abordados agora.

Nesse presente momento temos que nos localizar no tempo para podermos avançar em nossa jornada rumo as descobertas do fenômeno evolutivo dos hominídeos. Devemos entender que a Pré-história foi dividida em três períodos principais no Paleolítico: Paleolítico Inferior, Paleolítico Médio, Paleolítico Superior. O Paleolítico é o período da Pré-história que vai de mais ou menos 2,5 milhões de anos até 10 mil anos atrás.

Vejamos então uma breve descrição destes três períodos principais no Paleolítico:

1-Paleolítico Inferior: mais antiga subdivisão do Paleolítico e período mais antigo da Pré-história do gênero Homo, vai de 2,5 milhões de anos até cerca de 300 mil anos atrás.

2-Paleolítico Médio: é o espaço temporal mais restrito dentro do Paleolítico. Compreende um espaço temporal, cultural e geográfico que fica entre 300 mil e 30 mil anos atrás.

3-Paleolítico Superior: o seu início se dá por volta de 30 mil antes do presente e estende-se até cerca de 10 mil antes do presente, quando ocorre a transição neolítica. Do ponto de vista biológico encontramos o Homo sapiens sapiens [1].

Nesse momento analisaremos o Paleolítico Inferior aonde estão presentes os primeiros hominídeos que temos conhecimento, como o Homo habilis e alguns contemporâneos Australopitecineos até o Homo sapiens neanderthalensis. Não se tem ao certo um marco para o inicio do Paleolítico Inferior, as datas variam entre 2,5 milhões de anos atrás para o continente africano (Olduvai) e 1,6 milhões em Israel (sítio Obeida).

Australopithecus

Sua presença remonta aos 3,5 milhões de anos atrás (m.a.a), possuía cerca de 1 metro de altura, com postura ereta e membros superiores mais compridos em relação aos inferiores, cabeça pequena com projeção facial, seu palato era muito pouco profundo, caninos muito pequenos, o tamanho de seus cérebros era algo em torno de 550 e 600 cm³ (c.c), mãos capazes de uma preensão precisa. Sua presença está restrita unicamente ao continente africano [1] [4].

Conhecemos cinco espécies principais de Australopitecineos [4]:

1-Australopithecus afarensis.

2-Australopithecus africanus.

3-Australopithecus anamensis.

4- Australopithecus garhi.

5- Australopithecus sediba.

A questão mais controversa dentro dessa periodização é a inclusão de uma espécie de hominídeo contemporâneo, mas mais evoluído, aos últimos Australopitecinos, ao qual foi dado o nome de Homo habilis, inclusive classificando-o como um gênero biológico. Esta espécie foi responsável, aparentemente, pela produção da primeira cultura material, sendo esse um dos critérios fundamentais de sua inserção no gênero humano. [2]

Homo habilis

Os primeiros vestígios de sua presença têm a idade de cerca de 2,5 milhões de anos, e durante algum tempo foi contemporâneo aos Australopitecions. Sua descoberta deu-se em Olduvai, na Tanzânia, está forma antiga de hominídeo foi classificado como um novo gênero e espécie: Homo habilis (com sua variedade contemporânea o Homo rudolfenses). Suas principais características são o aumento da capacidade craniana para até 770 cm³ (c.c). Seu peso médio está me torno de 50 kg. 


Crânio de Homo habilis. Imagem: Smithsonian Institution.

Sua face se apresentava pouco projetada e arcada supraorbitária é reduzida, possuindo uma dieta adaptada a alimentação onívora. Seu andar era similar ao do homem moderno e sua dispersão é restrita ao continente africano. Apresenta juntamente com seus fósseis instrumentos feitos de pedra (o nome dado a esta industria é Olduvaiense) [1],[2]. Como podemos ver através da produção da industria lítica Olduvaianense, o Homo habilis foi o primeiro a produzir uma cultura sistemática.

Homo erectus

Surgido entre 2,1 e 1,9 milhões de anos atrás. Essa espécie apresentava uma estatura entre 1,5 e 1,70 m. Era maior e mais pesada que o Homo habilis e com uma capacidade craniana entre 1.000 e 1.300 cm³, um aumento da Carena Sagital e ressalto Supraorbitário. Sua alimentação é basicamente onívora.[1] O Homo erectus foi à espécie do Gênero Homo que deu inicio a migração da África para o restante do mundo. Apresentando grande dispersão territorial, são encontrados fósseis na África (2,1 m.a.a), Ásia (1,8 m.a.a) e Europa (1,6 m.a.a). O Gênero Homo erectus apresentava uma grande variabilidade morfológica.Durante um longo período que engloba o PLEÍSTOCENO INFERIOR E MÉDIO, o Homo erectus distribui-se por uma ampla área [3]. 


Homo erectus. Imagem: Museu Nacional do Quênia.

Novas técnicas de lascamento surgiram como a confecção do biface mais precisa dando origem ao “machado de mão”, está indústria é denominada Acheulense [2]. A própria tecnologia de produção de artefatos, sobretudo os líticos, é bastante homogênea. Na Europa há 1,6 milhões de anos encontramos uma variante morfológica de características mais modernas, onde o mais conhecido é chamado Homo heidelbergense [1], datando em 650.000 anos. As diversificações e evoluções regionais europeias são oriundas de migrações de grupos de Homo erectus vindas da Ásia (especialmente) e da África (secundariamente) e que irão convergir para o Homo sapiens neanderthalensis [4].

domingo, 17 de fevereiro de 2013

A Evolução do Homem: os primatas.



Proconsul africanus. Imagem: Arquivo pessoal CHH.

Recentemente fui questionado por alguns amigos sobre a origem da Espécie Humana e sua similaridade com os símios ou "macacos antropomorfos" que correspondem à designação ampla na zoologia para as espécies da ordem dos primatas atuais e extintos muito próximos evolutivamente dos humanos. Dentre estás espécies posso citar; os gorilas, chimpanzés, bonobos, e orangotangos (chamados grandes símios) e os gibões. Junto com nos humanos pertencem à superfamília Hominoidea. Diante dessa dúvida achei interessante escreve uma postagem abordando os principais temas dessa questão símios e humanos.

Existem características bem marcantes nos primatas que são inter-relacionadas como o fato de ser placentários e mamíferos, sua capacidade craniana é percentualmente ligada ao tamanho de seus corpos.  As capacidades olfativas e sensório-motoras são bem desenvolvidas, seus olhos estão presentes na face possibilitando a estereoscopia (É um fenômeno natural que ocorre em muitos animais com dois pontos de visão para se obter informações do espaço tridimensional, através da análise de duas imagens obtidas em pontos diferentes e também no ser humano, quando uma pessoa observa em seu redor uma cena qualquer) [1]. Nas mãos a presença o polegar opositor facilita a habilidade de utilizar ferramentas para suas tarefas. Nos primatas, a combinação de polegares opositores, unhas curtas e longos e preênseis dedos é herança da prática ancestral de se agarrar em galhos, e permitiu, em parte, que alguns animais desenvolvesse a capacidade de braquiação (se locomover de galho em galho só com os braços)[2]. Nas fêmeas a presença das mamas esta na parte frontal do peito, aonde apoia em seus braço e/ou pernas seus filhotes recém-nascidos. Possuidores de uma capacidade de dissimulação entre si e com outras espécie se destaca como um ser astuto com uma dieta alimentar muito variada.

Os primatas são classificados em Pró-símios e símios. Os Pró-símios são uma forma mais primitiva, originários da Europa e América do Norte. Com focinhos alongados, cérebro pequeno e longa cauda. São pequenos e de grandes olhos, habitam florestas densas em locais escuros, inclusive de hábitos noturnos. Rápidos e discretos são bons em fuga, mas pouco especializados [3].

Encontramos atualmente três famílias de Pró-símios:

1-Lemures: são os mais primitivos estão limitados a regiões tropicais e possuem hábitos especialmente noturnos.

2-Lorsideos: vivem na África central, na Índia, Siri Lanka e Indonésia.

3-Tarsídeos: vivem na Malásia e Indonésia. Possuem cabeça arredondada com grandes olhos e características graciosas.

Os Símios, formam uma super-família com duas famílias bem distintas: os Platarríneos, com narinas afastadas, de tamanhos pequenos e de cauda preênsil. Estão atualmente limitados ao México e Brasil. Os Catarríneos, são a segunda família de símios. Não possuem a cauda preênsil, e o maxilar está restrito a 32 dentes. Sua área de extensão está restrita ao velho mundo [2].

Durante o OLIGOCENO (40-30 m.a.a [milhões de anos atrás]), a mais ou menos 38 milhões de anos Antes do Presente (A.P ou B.P before present) uma Época dentro do Período TERCIÁRIO surgiram os Branisella, uma espécie de Platarríneo como os do novo mundo. Seis gêneros são conhecidos atualmente na América do Sul. São espécies frugivaras com 36 dentes e narinas afastadas e caudas longas [2].

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Arqueólogos descobrem templo de 5 mil anos no sítio arqueológico de El Paraíso no Peru.




 Templo no sítio de El Paraíso. Imagem: IG Notícias.

A cada dia que passa novas descobertas revelam que o continente americano possuiu uma atividade urbana extremamente organizada e muito mais antiga do que acreditávamos até recentemente. As descobertas em El Paraíso, o maior sítio arqueológico no centro do Peru, somente veem para corroborar e comprovar a veracidade das teorias já existentes de uma América tão avança ou mais do que o chamado Velho Mundo, em se tratado de período histórico.

O que tivemos na América foi um declínio muito rápido, após uma lenta ascensão de civilizações evoluídas tanto na arquitetura, arte, agricultura, urbanismo, política e tantas outras características que eram tidas como originárias do chamado Velho Mundo.

Arqueólogos ligados ao Ministério da Cultura peruano, durante trabalhos de conservação no local do sítio em nome do Ministério da Cultura, se depararam com uma estrutura de areia e pedras escurecidas, ruínas do que teria sido um antigo templo da Era Pré-Cerâmica (3500 a.C. e 1800 a.C). Segundo os arqueólogos, a descoberta sugere que as comunidades que viviam na região durante esse período eram mais interconectadas do que se acreditava anteriormente.

"Ela confirma que a região em torno de Lima foi um foco de atividade das civilizações do território andino, o que demonstra sua importância religiosa, econômica e política". [1]

Vice-ministro da Cultura do Peru, Rafael Varo.

A estrutura no sítio arqueológico de El Paraíso, perto de Lima, incluiria local para oferendas cerimoniais. Os arqueólogos responsáveis pela descoberta dizem que o templo pode ter até 5 mil anos.

Vista frontal do templo. Imagem: Rádio Voz da Rússia.

A arquitetura do templo era baseada em um edifício retangular de 6,82 metros de comprimento e 8,04 metros de largura. No centro do mesmo, havia uma estrutura usada para manter uma fogueira, provavelmente em oferendas cerimoniais (animais provavelmente eram sacrificados e depois tinham a carne queimada, pois acreditavam que a fumaça levava o sacrifício até os deuses).

"A fumaça era usada pelos sacerdotes para se comunicar com os deuses". [2]

Marco Guillen, coordenador da equipe de arqueólogos.

Segundo o coordenador da equipe de arqueólogos Marco Guillen, que fez a descoberta, a principal característica da religião dos antigos habitantes do local seria o uso do fogo, que queimava no centro dos seus templos.

 Arqueologos durante as escavações. Imagem: Boas Notícias. Um mundo em crescimento.

Porque os Integralistas não cantam a segunda parte do Hino Nacional Brasileiro (continuação)



"De pé altivamente em gesto esplêndido." Imagem: Arquivo CHH.

O Integralismo trata com respeito profundo o nosso Hino Nacional. Assim, na segunda Parte continuamos perfilados até o término, mas, não a cantamos.
Está nos Protocolos e Rituais da AIB e nos 30 anos que estou no Movimento sempre os Companheiros seguiram tal regra.

Não cantamos a segunda parte do Hino Nacional por não concordarmos com a presença do termo “Deitado” em uma das máximas nacionais que é o Hino Nacional, ao qual deve exaltar seu povo e sua pátria e não utilizar  de palavras que denigrem ou desrespeitem a mesma.

Segundo sabe-se por fontes integralistas que pertenceram ao PRP, o próprio Plínio Salgado chegou a cogitar um projeto de lei que infelizmente não sabemos se chegou a ser apresentado. O Chefe Nacional Plínio Salgado, tinha esta proposta para mudar a letra para:


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Renúncia do Papa Bento XVI. Demonstração de fraqueza ou humildade?


Papa Bento XVI, durante o anúncio de sua renúncia.  Imagem: http://www.acidadevotuporanga.com.br.

Hoje trago um tema que tem sido uma avalanche de informações na mídia. A recente renúncia do Papa Bento XVI, o Bispo de Roma da Igreja Católica Romana. Foi algo que pegou todos os católicos e inclusive membros de outras denominações cristãos, que veem na figura do Papa, um baluarte do cristianismo mundial, pois além de sacerdote Cristão o Papa é um grande mediador de causas internacionais e um líder respeitado por diversas nações inclusive não cristãs que veem nele a figura de um justo representante do Estado do Vaticano, a menor nação do mundo, mas com um poder de influência incrível.

Embora diante da surpresa dos fiéis pelo mundo, desde que foi eleito em 19 de abril de 2005, sabia-se no Vaticano que seu papado seria curto devido à idade avançada de Joseph Alois Ratzinger, foi eleito como o 265º Papa com a idade de 78 anos e três dias.
O anuncio de sua renúncia foi feito nesta segunda-feira (11 de fevereiro de 2013) oficialmente que renuncia ao Pontificado por sua "idade avançada". Ele disse que ficará no posto até 28 de fevereiro, quando será convocada nova eleição.

A tradição dita que os papas devem ficar no posto até a morte. Mas Bento XVI, que completará 86 anos em abril, disse que lhe falta vigor "tanto do corpo como do espírito" para continuar no cargo, e que tem consciência da "seriedade" do seu ato. Em suas próprias palavras vemos a humildade e respeito pela responsabilidade que lhe cabe. Vemos pois, sua demonstração de sabedoria, ao mostrar que os líderes devem fazer o melhor para seu povo e não ficar apegados a cargos políticos por interesses pessoais, dessa forma Bento XVI, deu um exemplo aos governantes das diversas nações, um exemplo de desapego a ser seguido por cada cristão seja lá aonde estiver, Cristo deve estar acima de qualquer obra, então lemos:

“Após ter examinado perante Deus reiteradamente minha consciência, cheguei à certeza de que, pela idade avançada, já não tenho forças para exercer adequadamente o ministério petrino. Sou muito consciente que este ministério, por sua natureza espiritual, deve ser realizado não unicamente com obras e palavras, mas também e em não menor grau sofrendo e rezando.”

Papa Bento XVI, Bispo de Roma da Igreja Católica Romana, 11 de fevereiro de 2013, Vaticano.

Quando anunciou sua renúncia, Bento XVI, afirmou que não tem mais forças para continuar. Na terça-feira (12 de fevereiro de 2013), o Vaticano confirmou que o papa usa um marca-passo há dez anos. E foi confirmado que Bento XVI se submeteu a uma cirurgia para trocar o aparelho há cerca de três meses. O irmão dele, Georg Ratzinger, disse que o papa estava considerando a renúncia há alguns meses porque sentia dificuldades para andar. Seu médio o advertiu a não fazer viagens transatlânticas e diminuir o ritmo.

“No entanto, no mundo de hoje, sujeito a rápidas transformações e sacudido por questões de grande relevo para a vida da fé, para conduzir a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma que eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o ministério que me foi encomendado.”

Papa Bento XVI, Bispo de Roma da Igreja Católica Romana, 11 de fevereiro de 2013, Vaticano.

Para aqueles que consideram um ato de fraqueza a renúncia do Papa é porque não acompanharam seu papado, não possuem a menor ideia da quantidade de responsabilidades que cerca um homem que gere a maior religião cristã do mundo. Que possuí certa de dois bilhões de fiéis espalhados pelos quatro cantos da terra. Que além de cuidar da vida espiritual e material da Igreja, realiza o trabalho mediador e evangelístico pelo mundo com diversas atividades. Isso tudo para um homem de 86 anos. Para um jovem no auge da juventude já seria uma tarefa terrivelmente desgastante, imagine para um senhor entrando na casa dos noventa anos? 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.