-

-

domingo, 4 de novembro de 2012

O Nacionalismo de Plínio Salgado e sua Visão do Modernismo. Parte I.


Semana da Arte Moderna de 1922. Imagem: Capa do Livro, O Pensamento Nacionalista no Modernismo Brasileiro de Rodrigo Rodrigues.

“Aprimora-te na arte de bem falar; bem escrever a tua língua; um povo que perde a tradição da palavra, acaba perdendo todas as tradições, poorque o idioma vernáculo é oi veículo da História e o instrumento intelectual da sustentação da personalidade de uma Pátria”.

Plínio Salgado

O primeiro período modernista, correspondente às primeiras décadas do século XX, foi profundamente marcado por uma necessidade de renovação nas artes brasileiras, as quais sofreram grande influência da vanguarda europeia, principalmente com o Futurismo, Dadaísmo e o Surrealismo.

De início, estas influências tiveram mais destaque nas artes plásticas com Tarsila do Amaral, cuja exposição realizada em São Paulo entre 1917 e 1918, após uma viagem feita pela Europa e aos Estados Unidos, de onde absorveu a arte de vanguarda, resultou em num artigo do jornal “O Estado de São Paulo”, escrito por Monteiro Lobato com o título de “Paranoia ou Mistificação”. A severa crítica de Monteiro Lobato revelava seu repúdio à influência da arte estrangeira, conforme se pode ler no artigo:

”(...) exposições públicas, gambumbadas pela imprensa e absorvidas por americanos malucos, não há sinceridade nenhuma, nem nenhuma lógica, sendo mistificação pura”.

Monteiro Lobato

Após a violenta crítica , Tarsila teve muitos de seus quadros devolvidos, sofreu duras provações, até se unir com outros artistas de semelhantes aspirações, entre eles estavam: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Di Cavalcanti e outros. Estes, por sua vez, uniram forças com o escultor Vitor Brecheret, que mais tarde conquistou, até mesmo, os elogios de Monteiro Lobato.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.