-

-

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Mussolini e o fascismo italiano


Benito Mussolini, 1922. Imagem: A Itália Fascista de Martin Blinkhorn.

A 3 de janeiro de 1925, Mussolini executou o movimento que finalmente transformaria seu regime numa autêntica ditadura. Num discurso proferido na Câmara, num tom desafiador, declarou que assumia total responsabilidade por tudo o que acontecera até então: “Se o fascismo tem sido uma associação de delinquentes, então eu sou o chefe dos delinquentes!” Chegara o momento de acabar com todas as restrições e através da força conseguir resolver uma dura batalha entre “dois elementos irredutíveis”.

Os atos seguiram-se imediatamente a essas palavras: dissolução das organizações “subversivas”; fechamento dos clubes de oposição; buscas e prisões; o progressivo cerceamento da liberdade de imprensa; aumento das verbas destinadas à repressão pela polícia e às atividades da milícia fascista. Em seguida, em novembro de 1926, a liberdade recebeu seu golpe de misericórdia. Usando como pretexto um atentado contra a vida de Mussolini, cujas circunstâncias permaneceram envoltas em mistério, o governo adotou uma série de medidas que assinalaram o fim de qualquer atividade política independente que ainda existisse na Itália. Todos os partidos e associações que desenvolviam atividades consideradas contrárias ao regime foram dissolvidos. Os poucos jornais que ainda não se tinham aliado ao governo fora fechados. Os deputados “aventinos” foram expulsos do Parlamento.

Hitler: personalidade e maneira de agir.


Adolf Hitler, 1933. Imagem: Hitler de Joachim Fest.

Em sua primeira fotografia como chanceler, na presença do presidente, o marechal de campo Von Hindenburg, Hitler parece rígido, inibido e humilde. [...]

Mas por trás dessa máscara ocultava-se um calculismo frio. Penetrou no rebanho como um lobo em pele de cordeiro.

Sabia perfeitamente como atuar de acordo com sua audiência: na presença de banqueiros falava de um modo; quando na companhia de soldados, de outro; quando estava com operários industriais, utilizava uma linguagem diferente da empregada com os camponeses. Quando desejava atingir determinado objetivo, utilizava vários recursos: um olhar inspirado e o charme austríaco, ataques de choro e ameaças de suicídio, tempestades de fúrias e transigência, monólogos sem fim e crueldade deliberada. Era astuto, perspicaz, ardiloso, habilidoso e extremamente desonesto – a amoralidade personificada.

Enquanto os capitães de indústrias, os banqueiros, os JUNKERS e o EXÉRCITO eram enganados por sua duplicidade, as MASSAS confiantes que votavam em Hitler não tomavam conhecimento do lado medíocre, repulsivo e cômico de sua imagem. Parecia, para milhões, o salvador, cuja conduta selvagem e cujos sons guturais vazios de sentido os levavam a um estado de êxtase. Sua maneira simples de vestir-se, sua abstinência e seu celibato elevaram-no às mais altas esferas.

Hitler chegou ao poder devido à sua habilidade oratória. Sentia instintivamente as necessidades das massas; antes de começar a falar sentia a atmosfera e a disposição da audiência. Suas explosões emocionais eram cuidadosamente planejadas. Muitas vezes conseguia transformar uma audiência hostil numa multidão de seguidores devotados.

Mesmo depois de conquistar o poder supremo, Hitler não abandonou a oratória. Necessitava de contato permanente com as massas. Confrontar-se com dezenas e centenas de milhares de pessoas, sozinho e isolado numa imensa plataforma, equivalia a uma purificação. Precisava dessa atmosfera teatral para afirmar-se, deixava-se levar pela intoxicação das massas. [...]

Hitler tinha certa dificuldade em entrar em contato com as pessoas. Embora estivesse sempre cercado delas, sentia-se sozinho. Não tinha verdadeiros amigos – Rohm, seu amigo íntimo, foi executado a seu mando - , evitava o relacionamento familiar e, durante os doze anos que esteve no poder, só teve uma amante que escondia dos olhos do mundo e mantinha aprisionada como se fosse um pássaro na gaiola. Não possuía o menor senso de humor. Estava sempre posando como ditador, dos pés à cabeça. As MASSAS, o viam apenas como ele desejava ser visto; era terminantemente proibida a publicação de fotografias consideradas desfavoráveis.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.