-

-

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Cota social para alunos de escola pública nas faculdades


Cotas Sociais Sim! Imagem: Construindo História Hoje.

A Presidente da República já sancionou o Projeto de Lei da Câmara que assegura metade das vagas por curso e turno das Universidades Federais a estudantes que tenham feito o ensino médio na rede pública. No Distrito Federal, desde 2004 a Lei 3.361, já garante, no mínimo, 40% das vagas em universidades públicas distritais para alunos vindos de escolas públicas.

Podemos comemorar está vitória, pois já há médicos formados pela Faculdade de Enfermagem do DF Fepecs) garantidos por essa lei.

 “A visão é fazer justiça social e ao mesmo tempo trabalhar projetos que valorizassem a escola pública e trouxesse ascensão social e profissional a esses alunos”.
“Estão nas escolas públicas pessoas que não têm renda suficiente para pagar escolas da rede privada. Estamos abrindo uma porta e possibilitando uma ascensão de classes”. 

O Fracasso do Sistema Educacional Brasileiro


O desrespeito do Governo Federal com o Ensino Público no Brasil. Imagem: Virtual Udesc.

por Fábio Oliveira Inácio

O ensino brasileiro vive um momento preocupante, diversas crianças e adolescentes completam o Ensino Fundamental sem saber ler nem escrever, a qualidade do ensino público está péssima e proliferam no país universidades particulares que são verdadeiras fábricas de diploma.

O problema dos alunos que não sabem ler e nem escrever no Brasil é gravíssimo, técnicos do Ministério da Educação afirmam que em certas regiões 75% dos alunos da quarta série não leem e nem escrevem. O sistema de avaliação do Ensino Básico (SAEB) mostrou que no ano de 1999 apenas 10% dos alunos da quarta série aprendem matemática satisfatoriamente. Com relação à língua portuguesa apenas 42% dos estudantes têm um desempenho considerado regular.

O reflexo da precariedade do ensino foi mostrado no PISA – Programa Internacional

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.