-

-

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

MONSTROS DA MESOPOTÂMIA (Mitos atuais, origens ancestrais).


As pessoas têm usado por muito tempo o medo como uma ferramenta para entreter. Contos de monstros têm estado conosco desde a aurora dos tempos. Eles fazem parte das tradições de cada povo e folclore, mesmo sendo em torno de uma fogueira pré-histórica ou projetado em uma tela de cinema com som digital no século XXI, a audiência continua a mesma.

A Epopéia de Gilgamesh, vista aqui no Tablete 11, menciona vários tipos de monstros, e um velho conto sumério de Gilgamesh, que afirmar ser seu pai um Lillu, ou demônio sugador de sangue. Imagem: Saudi Aramco World.

Em todas as histórias, os monstros tomam a forma de nossos medos. Motivados sempre pelo desconhecido, seja ele apreensões sobre ruídos noturnos de uma floresta, ou preocupações sobre as intenções sinistras de corridas em terras distantes descritos por marinheiros que regressam Evidentemente, alguns monstros que primeiro se materializam em um continente remoto encontram maneiras para migrar de sua própria terra e fixar residência em um deserto perto ou terra abandonada.

Na Idade Média, os europeus acreditavam que a maioria dos monstros originados em outros continentes, e que muitas vezes ilustradava seus mapas e cartas marítimas com imagens das criaturas fantásticas destas terras semi-lendárias. No século XIII, o Mapa Mundi Hereford é um excelente exemplo: 

Imagens de corridas fabulosas e animais estão distribuídos por todo o mundo, como a Índia e Etiópia, sendo sempre exibindos como parte principal do Mapa Mundi. Na Índia vivem os seres de uma única pata, chamados Sciapodes; os Pigmeus e os Gigantes, as pessoas sem boca; o Manticore, ou o homem leão; e o Unicórnio. Norte da Índia, na Cítia e nos países vizinhos e ilhas, há cavalos com pés de homens, pessoas com orelhas longas e canibais antropófagos chamados Grotescos, no Ártico são Hiperbóreos Gigantes, e no sopé dos Cárpatos são os Arimaspos com um só olho, que foram criados segundo a lenda para lutar com os Grifons. A Etiópia é habitada por Sátiros e Faunos, por pessoas com lábios longos e outros com a cabeça em seu peito, e por Basiliscos e Formigas Garimpeiras de Ouro.

No mundo do entretenimento do século XXI, que apreciam o nosso próprio zoológico de monstruosidade, de invasores alienígenas para dinossauros, dragões, fantasmas, gigantes e robôs que funcionam com A.I (Inteligência Artificial). Algumas, como múmias do Egito, Gênios Noturnos da Arabia e seus primos, os sarcófagos, de forma clara originaram-se no Oriente Médio, que é o local mais apropriado, dado que é o lar de algumas das primeiras civilizações humanas.

Mas o que temos sobre os três mais duradouros e populares mitos atuais e difundidos em todo o mundo: o Vampiro, o Lobisomem e o Zumbi? Estes três em particular continuam a aterrorizar, emoção e intriga-nos como nenhum outro. Todos os três mitos, ao que parece, tem viajado grandes distâncias para estar conosco. Mas, em suas formas modernas, nenhum deles tem laços familiares óbvios com o Oriente Médio. Os  maldosos sangue-sugas Vampiros, e aquele que mudam sua forma em lobos os lobisomens tem sua origem no folclore da Hungria, Roménia e Grécia.  Os Zombies, classicamente considerado como corpos ressuscitados ou "mortos-vivos", derivam do Voodoo uma tradição dos descendentes de escravos da América Central.

Há evidências, no entanto, que todos os três mitos de fato surgiram a partir dos contos mais antigos do Oriente Médio. Como veremos também, ao investigar, mais de perto o mito árabe do Ghul (Ra's Al Ghul, algumas vezes escrito Rā's al Ghūl. Seu nome significa "Cabeça do Demônio" em árabe, que também é referência para o nome da estrela Algol da constelação de Perseu), que se mantém às sombras da história para nos arrastar para o seu covil mítico.

Vampiros

Vampiros, Lobisomens, Gênios, Zumbis, Vulkodlak, Qutrub, Ghoul, entre outros seres miticos.

O Vampiro é geralmente um cadáver reavivado ou melhor, um morto-vivo que mantém a sua existência por beber sangue humano. Alguns especialistas afirmam que o mito do Vampiro originou-se no antigo Egito ou na Índia, mas essas conexões são tênues.

As primeiras criaturas que realmente se encaixam na descrição moderna de Vampiros aparecem em escritos sobreviventes do Crescente Fértil, em textos da Assíria, no norte e dos impérios acadiano e babilônico, no sul, bem como em documentos da civilização Mesopotâmica e Suméria.

Assíria, ficava às margens do rio Tigre, no que é hoje o norte do Iraque e partes da Síria, sua civilização perdurou de 2400-600 aC e foi governado a partir de sua capital Assur (ou Ashur). O assírios adotaram crenças de seus antecessores sumérios, incluindo a crença em duas classes de demônios com o vampirismo como caracteristica básica: a Ekimmu e o Utukku

O Ekimmu eram os espíritos furiosos de pessoas mortas, mas insepulto, rondando a terra até que encontrar descanso em um local sob a terra, uma característica do vampiro tradicional.

Um Utukku é as vezes difícil de distinguir do Ekimmu, mas geralmente era o espírito de uma pessoa falecida que havia sido enterrado, e esquecido, não foi honrado com as ofertas em seu sepultamenteo e túmulo pelos familiares ou entes queridos. Como resultado, o Utukku retorna do inferno para assombrar quem ele encontra, buscando o sustento de suas vítimas. Como o Vampiro da Europa Oriental, esta criatura é um Caçador persistente que é muito difícil desalojar. Às vezes, o Utukku são também bebedores de sangue, enquanto em outras vezes absorvem a força da vida humana. São na maioria das vezes malévolos, mas a ocasiões, aonde  eles podem ser aliados dos humanos, como ocorre com o Ea-Bani (um Utukku amigo dos humanos), amigo de Gilgamesh.

 Lilith, o "demônio da noite", muitas vezes retratada como um passaro em especial uma coruja.

Uma descrição muito viva de um grupo de benevolentes e malevolos, Vampiros Utukku, são conhecidos como os Sete Espíritos, sua lenda surge aproximadamente à 3000 anos atrás nos encantamento encontrados em tabletes cuneiforme na Assíria:

“Sete são eles!
Eles não se preocupam com nada,
Eles moem a terra como milho;
Eles não possuem piedade,
Eles odeiam a humanidade;
Eles derramam o sangue humano como chuva,
Devorando sua carne [e] sugando suas veias ....
São demônios repletos de violência,
Incessantemente devorando sangue.”

O tradutor R. Campbell Thompson, uma autoridade em mitologia semitica, diz que a "predileção por sangue humano é uma crença presente em mitos semiticos”. ​​E de acordo com todas as tradições que tratam sobre vampiros medievais, sua base foi sempre os Sete Espíritos afirma Thompson. Elas estão presentes e aparecem no decorrer da história, em terras palestinas e em magicas escritas em siríaco. 
Um escrito sírio desde os tempos cristãos cita o Sete Espíritos, dizendo:

"Vamos, logo para que possamos comer carne com nossas, e para que possamos rastejar sobre sobre nossas mãos, e possamos o beber sangue."

Mas os encantamentos assírios e seus sucessores deixam claro que o vampirismo era apenas uma característica desses demônios que também viajaram com tempestades, como demônios do vento, e que comiam carne, como Ghuls árabes.

Na antiguidade os Sete Espíritos eram conhecidos como “os sugadores de sangue” ou  “Vampiro demôniaco” da Suméria. Um manuscrito escrito pelos reis das dinastias da Suméria, datando de cerca de 2400 aC, afirma que o pai do herói sumério Gilgamesh era na verdade um demônio Lillu. Este Lillu foi um dos quatro demônios da classe de Vampiros: 

Os outros três Lilitu eram (que se manifesta na tradição hebraico depois como Lilith), a versão feminina do demônio vampiro; Ardat Lilli (ou serva de Lilitu), que visita os homens durante a noite e são fecundadas por eles e depois as Ardat Lilli geram uma raça de crianças fantasmagóricas, e Irdu Lilli (contraparte masculina da Ardat Lilli), que visitava as mulheres à noite e engrávida as mesmas. 

Lilitu acreditava-se ser um Vampiro, bonito promíscuo, semelhante a algumas versões literárias do século 21, gostava de sangue de crianças, e adolescentes. Os Sumérios, Babilônicos e, eventualmente, Hebreus adotaram versões dessas lendas e tradições semelhantes desenvolvidas no norte da Mesopotâmia.

Muitas das tradições na literatura hebraica primitiva, incluindo o folclore de monstro, são derivados da mesma forma de crenças que as da Mesopotâmia. Embora alguns estudiosos têm afirmado que não há qualquer vestígio de Vampiros na literatura judaica em seu alvorecer, mas isso não é exato. O livro de Provérbios (30:15) se refere a um "Cavalo Sanguessuga" ou Sanguessuga (alukah hebraico): "O Cavalo-Sanguessuga tem duas filhas, chorando: Me dá, Me dá". Estudioso do Velho Testamento T. Witton Davies, afirma que esta criatura não é uma Sanguessuga comum, mas sim "provavelmente um demônio vampiro ou sugador de sangue", e ele observa que vários outros estudiosos proeminentes apoiam esta interpretação. 

Uma tradução bíblica, da versão revista, oferece uma nota marginal de "Sanguessuga", que afirma: "Ou, Vampiro." The International Standard Bible. 

A Enciclopéida Judaica algo semelhante a um vampiro destina-se à luz da semelhança entre Alukah a palavra hebraica ' e o Aluqah árabe ", o que significa Vampiro do sexo feminino. Na verdade, a Enciclopédia Judaica de 1906 declara que o Alukah "é" nada menos que o Vampiro devorador de carne dos árabes .... Ela foi proferida na mitologia judaica como o demônio do mundo inferior ... e os nomes de suas duas filhas têm com toda a probabilidade, como nomes de familiares de doenças temidas, foram eliminados. "

Outro demônio popular é o Vampiro Lilith, da mitologia hebraíca, que o resgatou o mito emprestado dos mesopotâmicos. As primeiras lendas judaicas dizem que Lilith foi a primeira mulher do primeiro homem, Adão, criado do barro ao invés da costela de Adão, como Eva foi mais tarde. Segundo alguns relatos, Lilith se recusou a ser subserviente a Adão, e ela o abandonou ao longo da costa do Mar Vermelho, onde ela convivia com vasto número de demônios (ou gênios) e crianças. Ela própria ‘evoluiu’ para um Demônio da Noite com um ódio permanente para com as crianças humanas. Segundo a lenda ela vêm à noite para sugar o sangue das crianças. Ela também foi por vezes retratada como um pássaro, muitas vezes como uma coruja.

Um retrato xilogravura datado de 1491 mostra o Prínicipe da Transilvânia Vlad Tepes III, cuja crueldade na luta contra os otomanos lhe rendeu o apelido de “O Empalador”. O "Conde Drácula" foi criado em 1897 pelo autor irlandês Bram Stoker.
Imagem: Saudi Aramco World.

São estes os primeiros Vampiros orientais relacionadas com o Vampiro mais humano como o europeu, a criatura folclórica popularizado em 1897 pelo romance, Drácula de Bram Stoker? Poderia tais crenças ter encontrado seu caminho para a Europa Oriental? Se considerarmos que a Grécia antiga pode ter sido a porta de entrada para a migração de uma riqueza de idéias e lendas da Mesopotâmia. Há evidências crescentes de que a Grécia sofreu uma infusão rica na mitologia e no folclore do Oriente Médio entre os séculos XII aC e IX. Charles Penglase, autor de Mitos Gregos e Mesopotâmicos, argumenta que os hinos homéricos e os poemas de Hesíodo, escrito no século VII aC, mostram influências dos mitos e crenças religiosas da antiga Mesopotâmia: "mesopotâmica material religioso e mitológico poderia ter chegado a Grécia em períodos anteriores, mas a influência aparente nesses trabalhos parece ser o resultado de contatos no período de intensa interação no primeiro milênio aC, a partir de meados do século IX aC. O tempo micênica tarde antes do final do século XII aC também foi sugerido por alguns como uma época de influência, devido aos inúmeros contactos entre Mycena na Grécia e o Oriente Médio. "

Os gregos desenvolveram a sua própria versão do Vampiro-demônio da Mesopotâmia Lilitu, que eles chamavam de Lamia. Nomeado para um demônio nascido na Líbia, que aterrorizou a Europa, o Lamia tinha o corpo, a face e parte superior de uma mulher e uma cauda de serpente. Lamias poderia se disfarçar de mulheres humanas. Eles devoravam crianças e minavam a força vital dos homens. Lamias tornou-se um campo do folclore grego e se espalhou para outras terras européias, incluindo a França, onde um Lamia chamado Melusine magicamente escondido rabo de uma serpente azul-e-branco, se casou com um nobre francês e, reaproveitado como uma "fada da água," tornou-se parte da tradição lendária colorido da Europa.

A Romênia tem algumas das tradições mais ricas sobre vampiros na Europa Oriental. Sua cénica região central, Transilvânia, delimitada por montanhas dos Cárpatos, no leste e sul, foi o cenário para o Drácula de Bram Stoker. Conde Drácula, interpretado na versão cinematográfica em 1931 por Bela Lugosi, foi vampirizado em uma nova edição de  Stoker em uma pessoa real: Vlad Dracula III da Transilvânia, que viveu de 1431-1476. Um nobre Wallachian que travou guerra contra os turcos otomanos, ele ficou conhecido como "Vlad, o Empalador" pelas  execuções, muitas por empalamento, ele deve ter empalado perto de 20.000 soldados turcos, mas ninguém jamais sugeriu que ele bebeu o sangue.

A Romênia pode ter absorvido algumas das suas tradições de vampiros a partir de fontes greco-romanas, que por sua vez, tinha tomado a partir do Oriente Médio. No coração da Romênia está, a Transilvânia, que fez parte da Grécia e foi influênciada pelo Reino Trácio de Dacia de 86 aC e então parte do Império Romano 106-271 ce.

Faz sentido que o nome romeno para o vampiro é Strigoi, derivado de strix, a palavra grega e romana para "coruja". No folclore grego e romano, a Strix era um pássaro do mal, capaz de mudar de forma, que se alimentavam de carne humana e bebia sangue humano. Sua natureza exata permanece um mistério, mesmo para especialistas da história natural, como Plínio, o Velho, mas parece ser outro exemplo de influência mesopotâmica, dado que Lilitu-Lilith era um Vampiro e, às vezes retratada como uma Coruja

No Museu Britânico, em um baixo-relevo conhecido como o Relief Burney, uma imagem de Lilitu da antiga Babilônia aparece, muitas vezes apelidada de "A Rainha da Noite": uma figura humana feminina com asas de pássaro, penas e garras nos pés.

Alguns vampiros também pode ter entrado através da Europa Oriental através das invasões turcas. Na Hungria, por exemplo, a crença em vampiros é dito que datam a partir do século XII, aonde citam um demônio chamado Izcacus, ou bebedor de sangue. A origem desta palavra remonta antes dos húngaros chegarem na Europa e na Ásia Central, em 895 d.C. O especialista em cultura turca, Wilhelm Radloff diz que a palavra tem suas raízes no turco antigo, que os húngaros encontrados durante o século VIII em regiões entre a Ásia e a Europa utilizaram. A migração das tribos turcas pode ter levado outros povos  a adquirirem seu mito dos Vampiros entre as populações assentadas nas regiões Oeste e Ásia Central que tinham sido influenciados pelos assírios e seus sucessores.

Lobisomem

Lobisomem, Lamia, Vulkodlak e Qutrub, vários nomes um mito. Imagem: Saudi Aramco World.

O primeiro conto literário conhecido de um ser humano transformado em um lobo aparece no épico sumério de Gilgamesh, provavelmente a mais antiga história escrita na Terra, que remonta mais de quatro milênios. Originalmente escrito em escrita cuneiforme em 12 tabletes de argila, é a história de Gilgamesh, rei de Uruk, no que é hoje o Iraque. No conto, Gilgamesh é cortejada pela deusa Ishtar, mas ele a rejeita e ela lembra do destino trágico de seus amantes anteriores:

“Você amou o pastor, o pastor mestre,
Que apresentava  a você continuamente
pão cozido em brasa,
E que diariamente abatia para você um garoto.
No entanto, você o feriu, e transformou-o em um lobo,
Então, seus próprios pastores agora perseguiam-no
E os seus próprios cães agarram em suas canelas.”

O assiriologista Julius Oppert afirma que a crença no lobisomem era uma parte da antiga Assíria  e de sua visão do mundo. Mais tarde, a crença generalizada em lobisomens pode ter contribuído para um transtorno psiquiátrico no rei Nabucodonosor II, que reinou a partir de 605-562 aC, tempo em que ele destruiu o primeiro Templo em Jerusalém e construiu os Jardins Suspensos da Babilônia, uma das originais "sete maravilhas do mundo antigo." Ela também aparece, a partir do livro bíblico de Daniel, que Nabucodonosor sofria de que os especialistas psiquiátricos Harvey Rosenstock, MD, e Kenneth R. Vincent, Ed.D.,  descrevem como “depressão que se deteriorou ao longo de sete anos em uma psicose franca, momento em que ele imaginou-se um lobo. "

Este é mais amplamente conhecido como Licantropia ("wolfman-ism"), ou delírios de ser um animal selvagem (geralmente um lobo), e é um transtorno que tem sido registrada desde a antiguidade. Entre as primeiras descrições médicas é de um grego bizantino Paul de Aegina, um médico conceituado do final do século VII, que o descreve com referência ao mito grego em que Zeus virou rei Lycaon da Arcádia em um lobo feroz.

Como o Vampiro, o Lobisomem parece ser uma lenda que migrou do Oriente Médio para a Grécia, onde ela surgiu nas formas econtradas do mitos greco-romanos. De acordo com a versão mais popular, repetida por Ovídio e outros autores greco-romanos:

“Zeus visitou Arcadia em forma humana e jantou com o Rei Lycaon. O rei duvidou de sua visita era Zeus e tentou testar sua divindade , servindo-lhe um jantar de carne humana. Zeus puniu Lycaon transformando-o em um lobo.”

Plínio, em sua História Natural, relata outra história grega antiga sobre um homem da família de Anteu.

“Um homem da família de Anteu foi escolhido por sorteio e levado a um lago em Arcadia. Lá, ele pendurou suas roupas em uma árvore e nadou. Quando chegou ao outro lado, ele foi transformado em um lobo, e ele vagou nesta forma por nove anos, vivendo com matilhas de lobos. Após os nove anos se passarem, se ele não tivesse atacado nenhum ser humano, ele estava livre para nadar de volta e retomar a sua forma humana.”

Situado em Arcadia, pois é, este conto pode conter ecos da história de Lycaon. Heródoto escreveu sobre lendas de lobisomens em suas histórias, contando sobre uma tradição entre os Neuri, um povo eslavo, possivelmente, a nordeste da Cítia que adotaram costumes citas.

"Parece que essas pessoas praticam magia", escreveu ele, "pois não é uma história atual, entre os citas e os gregos que uma vez por ano todos os Neurian se transformam em um lobo por alguns dias, e depois se transforma em um homem novamente. "comentários Heródoto:" Eu não acredito neste conto, mas todos dizem a mesma coisa, eles dizem, e até mesmo juraram que é a verdade".

O rei Nabucodonosor II da Babilônia pode ter sofrido de um distúrbio psiquiátrico conhecido como crença licantropica, aonde a pessoa crê que é um animal selvagem, principalmente um lobo. 

O artista e poeta Inglês William Blake imortalizado agonia do rei por volta de 1805. Imagem: Saudi Aramco World.


José Denizard Macedo de Alcântara, presente!*


José Denizard Macedo de Alcântara. Imagem:Sigma Reluzente.

José Denizard Macedo de Alcântara nasceu em Crato, no dia 1° de setembro de 1921. Iniciou seus estudos no Externato Santa Inês e no Ginásio do Crato para depois os concluir no famosíssimo Liceu do Ceará, em Fortaleza. Foi Contador pela Academia de Comércio do Ceará e Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará, de que foi, depois, livre-docente de Geografia Econômica.

Lecionou em diversas instituições da capital cearense dentre elas, Escola Preparatória de Cadetes, depois Colégio Militar do Ceará; Instituto de Educação; Faculdade Católica de Filosofia; Escola de Serviço Social; Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Ceará.

Cultor do Tradicionalismo monáquico-católico e fiel à Doutrina do Sigma de Plínio Salgado, foi vereador por Fortaleza pelo Partido de Representação Nacional - PRP nos anos 40. Excelente ensaísta, conferencista e professor, dedicou-se também ao jornalismo, à História e à Geografia. Foi membro da Sociedade Cearense de Geografia e História, do Instituto do Ceará e da Academia Cearense de Letras, onde ocupou a cadeira de n° 34.

São obras de sua autoria: A Universidade na Defesa Nacional; Fundamentos da Administração Cearense; A Conjuntura Histórico-Geográfica da Industrialização Brasileira; Racionalização da Competência Administrativa do Município; Geografia da América; Cultura e Universidade; Vida do Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro; Ascensão e Declínio do Magistério Brasileiro; Ensino de Filosofia no Ceará e Retrato da História da Independência.

Faleceu em 12 de novembro de 1983, tendo um de seus últimos desejos, o de ver uma bandeira do Império sobre seu esquife (vide testamento), atendido por amigos monarquistas e familiares.

Em sua memória foi nominada uma escola municipal, localizada no bairro Quintino Cunha, em Fortaleza. Em Crato existem uma rua e uma das cadeiras do Instituto Cultural do Cariri que levam seu nome.

Abaixo, fotocópia de trecho do testamento de José Denizard Macedo de Alcântara.

*Guinardo Garcia Studart Filho, Secretário Geral da FIB-CE.

Fontes pesquisadas:













Você quer saber mais?






LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.