-

-

quarta-feira, 25 de julho de 2012

A enfermeira Erna Flegel, conta como foram as últimas horas de Hitler.



Erna Flegel com 93 anos, segurando um quadro da época que serviu na Cruz Vermelha alemã durante a Segunda Guerra Mundial. Imagem: Agência EFE.

Uma enfermeira da Cruz Vermelha Alemã que acompanhou o ditador Adolf Hitler nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial rompeu pela primeira vez seu silêncio para relatar as últimas horas dele e de seus colaboradores.
 
Em entrevista publicada pelo jornal britânico The Guardian, Erna Flegel, 93 anos, afirma, entre outras coisas, que tentou convencer a mulher do ministro da Propaganda do Terceiro Reich, Joseph Goebbels, a não deixar que os seis filhos do casal morressem.

"Eu queria que ela tivesse levado da cidade (Berlim) pelo menos um ou dois de seus filhos", mas Magda Goebbels se negou. "Eu pertenço ao meu marido. E meus filhos pertencem a mim", respondeu a mulher.
 
Eram crianças encantadoras, diz a enfermeira. Segundo ela, o próprio Hitler tinha muito carinho pelas crianças, tomava com elas chocolate quente e deixava que elas usassem sua própria banheira.
 
Magda Goebbels, que Flegel descreve como uma mulher inteligente, tolerava sem reclamar as conhecidas e freqüentes infidelidades de seu marido.
 
Em relação a Hitler, Flegel afirma que o Führer se sentiu profundamente abatido depois que o exército soviético chegou ao centro de Berlim e ele viu claramente que a Alemanha tinha perdido a guerra.
 
"Hitler não precisava de cuidados especiais. Eu estava ali exclusivamente para cuidar dos feridos. Ele tinha envelhecido muito nos últimos dias e dava a impressão de ser um homem 15 ou 20 anos mais velho", lembra.
 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.