-

-

terça-feira, 8 de maio de 2012

O caso "Jack, o Estripador". Parte II. Os suspeitos!


Os suspeitos.

Autor: Leandro CHH

O primeiro dos suspeitos é George Chapman, de origem polonesa, cujo verdadeiro nome é Severin Klosovski, proprietário de um salão de cabeleireiros. Chapman é parecido com o homem visto com Mary Kelly. Além disso, algumas das cartas assinadas por Jack, o Estripador, contêm expressões idiomáticas americanas, e Chapman morou durante dois anos nos Estados Unidos. Mas ele é enforcado em 1903, condenado pelo envenenamento de três de sua amantes.

Um outro é o suspeito mais famoso, O Duque de Clarence, filho mais velho do futuro rei da Inglaterra Eduardo VII. Mentalmente retardado, aos 24 anos, o duque sofre de gota e de sífilis. Ele corteja uma mendiga, o que não o impede de sentir atração por meninos. Clarence não possui disposição para nada e em 1892, deixa a lista de suspeitos após morrer de pneumonia, ou sífilis.
Entretanto, o duque costumava contar a família que ele e Jack, o Estripador eram uma só pessoa. Os companheiros de Clarence compõem um vasto leque de criminosos potenciais. O tutor do duque em Cambridge, James Stephen, é um dos suspeitos, enquanto o escudeiro é primo de dois outros suspeitos, Milis e John Druitt.

O Doutor Neil Cream, envenenou quatro prostitutas com estricnina, e ficou conhecido como o “Envenenador de Lambeth”. Por esses crimes, é enforcado em 1892. No cadafalso, suas últimas palavras para o carrasco são: Eu sou Jack, ...”. Contudo, no momento dos assassinatos, Crema estava preso em Illinois, nos Estados Unidos. Absolvido pela Justiça norte-americana em julho de 1891, está na Grã-Bretanha desde setembro. A situação complica-se quando Cream envolve no caso um sósia dele.
De fato, anteriormente, para se defender num processo de bigamia, ele afirma que, á época dos crimes, estava detido em Sydney, na Austrália. O diretor da prisão confirma que um homem com as características de
Cream esteve preso na instituição, o que basta para esclarecer as dúvidas. Obviamente, dois homens serviram-se mutuamente de álibis, e as derradeiras palavras de Cream ao carrasco teriam sido uma última demonstração de generosidade ao seu cúmplice.

De origem burguesa, Montagne John Druitt, nasce em 1857. Extremamente inteligente, obtém uma bolsa de estudos no Winchester College e, depois, em Oxford. É um estudante brilhante, popular entre os colegas, pratica remo e críquete. Em 1880, Druitt se forma, mas sua vida começa a ficar complicada. Ele inicia o curso de Direito, mas abandona a escola. Entra para a faculdade de Medicina, desiste do curso e retoma o de Direito. Trabalha numa escola para sobreviver. Em 1888, é despedido.
Homossexualidade ou conduta irresponsável? Druitt sentia que estava ficando louco como a mãe, internada para sempre num hospital psiquiátrico. Druitt foi visto pela última vez em 3 de dezembro de 1888, e seu corpo foi resgatado do Tâmisa, próximo a Londres, no dia 31. Os bolsos, cheios de pedras, não deixam dúvidas quanto ao suicídio. A morte de Druitt coincide como fim da onda de crimes, mas o fato de que jogava críquete em Blackheath na manhã da descoberta dos corpos de Mary Chapman e de Polly Nichols seria suficiente para inocentá-lo. Em março de 1889, os policiais garantem a um membro do comitê de vigilância que reclama da redução das rondas, que Jack, o Estripador, estava morto.
Segundo a polícia, o fato não fora divulgado para poupar a mãe do criminoso, que estava internada.

Vítimas.
No decorrer das investigações, aparece também um conceituado médico, Dr. Lees, pertencente ao círculo próximo á rainha Victoria. Lees afirma à polícia ter tido três visões premonitórias dos crimes, e chegou a descrever a roupa do assassino. No início, os agentes de polícia escutam o médico por educação, mas, quando ele faz referências as orelhas decepadas, ficam atentos, pois ninguém havia comentado esse fato. Lees conduz os policiais à casa de William Gull, também frequentador do palácio de Buckingham como médico da rainha e do príncipe de Gales. A filha de Gull afirma aos inspetores que, vitimado por um ataque em 1887, o pai regularmente assume um comportamento violento. A casa é revistada e os policiais encontram no guarda-roupa um terno de Tweed e uma capa que correspondem à descrição feita por Lees. O médico não consegue explicar por que suas roupas estão sujas de sangue.
Convencido do poder de suas relações pessoais, Gull inicialmente não se preocupa. Morre em 29 de janeiro de 1890. 
Corria também uma outra versão: Gull encobria a algum membro da família real, pois, debilitado psiquicamente, não possuía condições de cometer os assassinatos.

Finalmente, Rasputin, o polêmico bruxo da corte do czar Nicolau II, da Rússia, entra no caso. Um manuscrito, intitulado Les Grands Criminels Russes (Os Grandes Assassinos Russos), é encontrado num cofre na casa de Rasputin, após ele ter sido assassinado pelo príncipe Félix Yussupov. O documento aponta um médico, o Doutor Konovalov, como o verdadeiro Jack, o Estripador. Konovalov frequentemente exibia impulsos homicidas e, por conta disso, a Okhana, polícia secreta czarista, o teria mandado para Grã-Bretanha. Assim, Konovalov teria sido o sósia de Klosovski – Chapman.

Mais tarde, as suspeitas atingem um certo Michael Ostrog, que seria Konovalov, um médico considerado louco, que conseguiu se livrar de várias condenações. Ostrog tem a reputação de bater em mulheres e de nunca se separar de seus instrumentos cirúrgicos. Um homem com as características de Ostrog foi assassinado num asilo para loucos, logo após a morte de uma mulher em Petrogrado. Por coincidência, essa mulher foi morta a volta de Konalov à Rússia.

Frank Milles, é pintor e viveu por algum tempo com o poeta Oscar Wilde. Eles se separaram em 1881. Milles é um exibicionista que gosta de chamar a atenção das prostitutas. Artista talentoso, é internado num hospital para doentes mentais em dezembro de 1887. A data de morte de Milles é motivo d e de dúvida: pode ter sido em março: pode  ter sido em março de 1888 ou em julho de 1891, e essa divergência muda tudo. Como vimos, o primo de Milles era escudeiro do Duque de Clarence e os dois homens se conheciam. Quais seriam as relações entre eles? Mistério.

Voltemos à associação Druitt, Clarence, Miles, Stephen. O destino deste último lembra o de Druitt. Após mistério acidente, no qual fere a cabeça, enlouquece.  É o que se conclui a partir dos fatos relatados por sua ilustre prima, a romancista Virginia Wolf. Stephen, o filho de célebre magistrado, passa a se dedicar à poesia, na qual deixa transparecer a raiva contra as mulheres. Misoginia extrema ou furor causado pelo fim de sua relação com Clarence
, enviado pela família a um regimento de hussardos? Em razão desses transtornos psicológicos, Stephen teria consultado um médico... o doutor Gull. No fim de 1891, Stephen é internado num asilo e morre em 3 de fevereiro do ano seguinte.

COPYRIGHT – DIREITOS AUTORAIS.
Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Autor: Leandro CHH

Você quer saber mais?


SCHMIDT, Paulo. Jack, o Estripador: A verdadeira História, 120 anos depois. São Paulo: Geração Editorial, 2008.

ROLAND,Paul. Os Crimes de Jack, o Estripador. São Paulo: Editora Madras, 2010.

CORNWELL, Patrícia. Retrato de Um Assassino – Jack , o Estripador. Lisboa: Editorial Presença, 2003.

HARRINSON, Shirley. O Diário de Jack, o Estripador, Lisboa: Editorial Presença, 1999.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.