-

-

segunda-feira, 19 de março de 2012

Os mais perversos da história: Pol Pot, o arquiteto de um genocídio.

Pol Pot em uma das poucas fotografias.

Autor: Leandro CHH do Blog Construindo História Hoje.

 
Pol Pot foi um líder que não mostrou misericórdia para com seu povo. Foi responsável pela morte de 2 milhões de pessoas, um terço da população de seu país, o Camboja. Durante quatro anos, torturou e matou cambojanos de fome. Homens, mulheres, crianças e bebês muitas vezes foram brutalmente agredidos com martelos e enterrados vivos.

Nascido em Saloth Sar em 1925, foi criado numa próspera fazenda de arroz ao norte de Phnom Penh, num Camboja governado pelos franceses. Nunca trabalhou em um campo de arroz, nem conhecia bem a vida na aldeia, pois aos seis anos de idade foi mandado para a capital para se tornar monge.

Em 1949 Pol Pot foi estudar em Paris depois de ganhar uma bolsa para aprender radioeletricidade. Ali seu racismo inato encontraria expressão no comunismo extremista. 

Durante os anos que Pol Pot estudou em Paris , o Partido Comunista era o partido stalinista mais linha-dura da Europa Ocidental. Também absorveu a filosofia de outro estudante cambojano de esquerda, Khieu Samphan, segundo o qual, para fazer uma verdadeira revolução rural, o Camboja precisava regredir à economia camponesa – sem cidades, indústrias, moeda ou educação.

Depois da faculdade em Paris, Pol Pot voltou ao Camboja cheio de ideais revolucionários e entrou para o Partido Comunista clandestino, que fazia oposição ao monarca apoiado pelos franceses, o rei Sihanouk, e ao presidente Lon Nol. Em dois anos ele foi nomeado secretário-geral do partido e, para não ser capturado pelas forças governamentais, fugiu para as montanhas, com seus quadros agora fortemente armados, e pregou sua doutrina revolucionária para as tribos enquanto travava uma feroz guerrilha. Desde o início da década de 1970, Pol Pot e seu grupo, conhecido

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.