-

-

segunda-feira, 12 de março de 2012

A bandeira Integralista e o Sigma. Nenhuma relação com simbologia nazista.

A bandeira do Movimento Integralista é simbolizada por uma bandeira azul e branca com as seguintes características: em campo azul real, uma esfera branca, ao centro da qual se destaca um Sigma maiúsculo em cor preta.

O azul da bandeira simboliza a atitude do pensamento integralista. Evoca distâncias, mostrando que o Integralismo não se submete aos limites políticos que nos têm amesquinhado, mas tem um grande ideal que é a integridade do Brasil e a projeção de seu respeito e grandeza entre os povos do Universo.

A esfera branca mostra a pureza de sentimentos e a sinceridade dos propósitos integralistas.

A cor branca é ainda a resultante da mistura de todas as cores, e o Sigma nela inscrito significa, como está dito acima, é a integralização de todas as Forças Sociais na suprema expressão da Nacionalidade.

Cada sub-divisão do movimento contava com símbolos próprios, como por exemplo, os plinianos (os grupos de juventude), cuja bandeira era similar à oficial, porém, com um cruzeiro do sul atrás do sigma. Gostaria que o leitor frisasse bem esses símbolo, pois atualmente grupos de cunho neonazista têm adulterados símbolos integralistas para parecerem com símbolos nazistas e um deles é o da Juventude Pliniana, que aparece como uma bandeira da marinha de guerra nazista. UM ABSURDO!!! A simbologia integralista é 100% nacional e isso incomoda a muitos principalmente por pregarmos a mestiçagem das etnias que compõem o Brasil e o cristianismo como base familiar.

O que e o Sigma?

O Sigma é o sinal simbólico do Movimento Integralista . É uma letra grega que corresponde ao nosso "S" sinonimo de soma. É usada para indicar a soma dos finitamente pequenos e também era a letra com a qual os primeiros cristãos da Grécia indicavam o nome de Cristo (Soteros).

O símbolo lembra que o nosso movimento tem o significado de integrar todas as forças sociais do país na suprema expressão da nacionalidade, seja você negro, branco, pardo ou indígena, a nossa luta é para implantar o estado integral.

Neonazismo e nazismo na rede. O que fazer?

Se você viu algum dos símbolos que seguem abaixo em algum site ou blog. Denuncie, pois o uso desses símbolos são proibidos em nosso território nacional. São símbolos de ódio! Símbolos que pregam o ódio contra negros, amarelos, pardos etc. Símbolos que dizem...se você não for branco você não presta para nada, ENTÃO UNA-SE A NÓS INTEGRALISTAS NA LUTA CONTRA ESSAS ATROCIDADES.....NAZISMO NUNCA MAIS!!!!!!!

Denuncie! Nazismo é crime! ESSES SÍMBOLOS NÃO TÊM NENHUMA RELAÇÃO COM O MOVIMENTO INTEGRALISTA E NUNCA TIVERAM!

Abaixo seguem os links das principais instituições governamentais e ongs, aonde você pode denúnciar sites e blogs de cunho neonazista.

Estou colocando os principais links das páginas oficiais do movimento integralista nas quais poderam encontrar informações sobre as origens do movimento e juntamente segue os principais e-mails da direção da FRENTE INTEGRALISTA BRASILEIRA.

Você quer saber mais?

http://denuncia.pf.gov.br/

http://www.safernet.org.br/site/

https://denuncia.uol.com.br/

http://www.dpf.gov.br/

Conheça realmente o Integralismo!

http://www.integralismo.org.br/

http://www.integralismo.org.br/?cont=786&vis=

http://acaodosblogsintegralistas.blogspot.com/

http://noticiasdosigma.blogspot.com/

Informações para envio de correspondências:

Caixa Postal 1156, São Paulo - SP - CEP 01032-970

Presidência Nacional

presidencia@integralismo.org.br

Conselho Diretivo Nacional

cdn@integralismo.org.br

Diretoria Administrativa Nacional

adm@integralismo.org.br

Secretaria Nacional de Doutrina e Estudos

doutrina@integralismo.org.br

Secretaria de Expansão e Organização

exp@integralismo.org.br

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.