-

-

sexta-feira, 9 de março de 2012

Internacionalização da Amazônia

Não sejam ingênuos gringos! A Amazônia é nossa....não nos subestimem. A última vez que os estadosunidenses subestimaram um povo foi no Vietnã e vejam as consequências. Tiveram que abandonar o país derrotados. AQUI NÃO SERÁ DIFERENTE.

Durante debate ocorrido no mês de Novembro/2000, em uma Universidade, nos Estados Unidos, o ex-governador do Distrito Federal, Cristovam Buarque, foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia. O jovem introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro. Segundo Cristovam, foi a primeira vez que um debatedor determinou a ótica humanista como o ponto de partida para a sua resposta:

"De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Como humanista, sentindo e risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a Humanidade.

Cortaremos os dedos dos falsos ambientalistas, que invadem nossa nação com intenções excusas e destruiremos seus interesses imperialistas.

Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado.

Sodados brasileiros treinando táticas de guerrilha na selva. SELVA!!!!!!!!!!!!!!!!

Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação. Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.

Não faz muito, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA.

Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a Humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveriam pertencer ao mundo inteiro.

Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil. Nos seus debates, os atuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida.

O aviso está dado! Jamais nos curvaremos diante dos interesses estrangeiros. Aqui é terra de brasileiro, e quem dita as regras são os brasileiros. Qualquer tentativa de invasão de nossas fronteiras por quem for será considerado um ato de guerra e a nação ou nações invasoras serão consideradas INIMIGO!

Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do mundo tenha possibilidade de ir à escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar; que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa." E PONTO FINAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

(*) Cristóvam Buarque foi governador do Distrito Federal e reitor da Universidade de Brasília (UnB), nos anos 90. É palestrante e humanista respeitado mundialmente.

Você quer saber mais?

http://br.monografias.com/trabalhos/amazonia-ameacada/amazonia-ameacada.shtml

http://www.forte.jor.br/tag/amazonia/

http://www.portalbrasil.net/reportagem_amazonia.htm

Religião ou Jesus!

O nosso alvo deve ser Jesus! Existe apenas um Deus, Ele é único o criador dos céus e da terra.

Muitas pessoas trocaram de religião em busca da sua “verdade”, geralmente, porque se decepcionaram com o que vivenciaram onde estavam ou pelo que viram (e veem) através dos meios de comunicação. Eu também vejo muita coisa errada, mas na minha frente eu busco o que está na Bíblia. Se alguém me fala algo referente à religião, sem respaldo bíblico eu respeito, mas não guardo para mim. Não sigo a doutrinas impostas por homens, e sim a Bíblia.

Veja o que diz Jesus sobre a religião: “Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desses é vã”.Tiago 1:26

Uma coisa que temos que colocar no coração é que não existe ser humano perfeito, vamos encontrar erros em todos os lados que formos, mas não podemos nos espelhar, na pessoa que está fazendo errado, faça a sua parte. Em todas as religiões sempre vai existir alguém que está fazendo algo, diferente do que a palavra de Deus diz. Sejam católicos, evangélicos, budistas, hindus, muçulmanos, judeus, espíritas, entre outras religiões.

Tem gente que vive para olhar e analisar a vida dos outros, é capaz de detalhar a roupa de todos que estavam na igreja, sabe a vida de todos os vizinhos. Disse Jesus: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?Mateus 7:3

Temos que olhar para Jesus e lembrar como ele foi perfeito, como veio a terra e viveu sem pecar, de coração puro e gestos humildes. Ai sim terá forças para caminhar. A nossa religião tem que ser Jesus, a pessoa que você mais admira, pode um dia te decepcionar, mas Jesus NUNCA!

João15:17 Disse Jesus ”Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros.”

Para mim, o amor ao próximo vem em pequenos detalhes, seja simplesmente desviar de alguém, ceder à vez no trânsito, falar sempre com um sorriso, ser amável e gentil com todos na medida do possível. Fazer com os outros, o que você gostaria que fizesse com você ai não tem erro.

Conhecer a Deus transcende a qualquer entendimento, por isso, não haja com a razão, muito menos com a emoção, busque o que Deus tem para te falar, senão, você pode se tornar um religioso ou ateu.
Deus te ama e ele não está procurando que “placa de igreja” você pertence ou se você vai à igreja. Esse amor independe disso, por que você é filho. Um filho não precisa fazer nada, o pai ama independente de qualquer coisa.

Mas é importante você buscar uma igreja que se identifique para avivar a sua fé sempre que bater aquela angustia, na “casa de Deus” você encontrará conforto, mas Ele fala com você em qualquer lugar no banheiro, no carro, na sua cama!

Seja cristão “semelhante a cristo” e não religioso. Fiquem na paz!


Você quer saber mais?

http://construindohistoriahoje.blogspot.com/search/label/F%C3%89

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.