-

-

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Resgate da Cabeça. Poema épico do viking Egil Skallagrimsson.

Desenho de Egil em um manuscrito do século XVII da Saga de Egil.

Poema escrito por Egil Skallagrimsson filho do viking Skalla-Grímr e de Bera (nascido na Islândia no povoado de Borg em 910 – 990 dC), um anti-herói escandinavo conhecido pelo nível de sua brutalidade até mesmo para um viking. Para exemplificar esse guerreiro berserker (Homem Fera) matava homens como pobres moscas no campo de batalha. E na falta de uma espada ou outra arma, Egil pulava no pescoço do inimigo, arrancando-lhe a carne e o sangue com seus dentes.

Apesar de ser o mais cruel dos guerreiros bárbaros, no entanto, por mais bizarro e contraditório que pareça, foi também um célebre poeta viking, um Skald (denominação dada aos membros de um grupo de poetas da corte dos líderes da Escandinávia e Islândia durante a era Viking que compunham e apresentavam suas interpretações sobre aspectos que, hoje, é conhecido como poesia nórdica antiga.) - massacrava e recitava poesias, antes, durante e depois de suas carnificinas. Abaixo descrevo um poema escrito por ele em louvor ao Rei Erik, o vermelho.

Egill em holmgang, em combate com Berg-Önundr; pintura de Johannes Flintoe.

Resgate da Cabeça

1. Por mar ao oeste fui,

E de Odin obtive

O sumo da poesia

Assim sempre tenho feito

Em meu navio carreguei

Quando nele embarquei

Fardos de poesia

Já o gelo s fundia.

2. Hospedagem o rei me concedeu,

Devo louvá-lo eu:

De Odin trago hidromel

Na Inglaterra agora é sorvido

Ao rei elogiei,

Na verdade cantei.

Uma canção de louvor preparei,

Se está a ouvi-la rápido.

3. Agora o rei recebe

O poema que cede

O poeta, o recita

Se o silêncio suscita

Conhecidas do senhor

Suas lutas e seu ardor

Odin foi expectador

Dos mortos e do fragor.

4. As espadas soavam

Escudos golpeavam

Feroz luta surgiu

Quando o rei atacou

Então se ouvia

O Sangue corria

Das armas o estrondo

Como ondas rompendo.

5. Uma trama de lanças

Lá se lança

Golpeiam com pujança

Chocam sem erro

De sangue já pleno

Estão os terrenos

As ondas serenas

As bandejas pretas.

6. Os homens caíam,

Os dardos lhes feriam.

Grande fama ganhava

Erik e se agraciava.

7. mais fatos contarei,

Das mortes direi,

Mais longa é minha história

De sua grade memória.

Sua fama se acresce,

Assim orei a merece,

Rompe-se o ferro fiel

Sobre o azul do broquel.

8. Quebrou-se o aço

Contra o ferro arremesso,

A ponta ensanguentada

Chocou contra outra espada

A que pende do talim

Matou a tantos ali,

De Odin os guerreiros

No jogo morreram.

9. Grande fama ganhava

Quando o dardo soava.

A espada talhava,

E Erik se agraciava.

10. Tingiu o rei a espada

De sangue, devorada

Por corvos, era achada

A carne destroçada

Por lobos, e a lança

A Hel guerreiros lança,

Da Escócia o adversário

Nutre assim o sanguinário.

11. Devora da ferida

O néctar da vida

Nos mortos aninha

A boca avermelhada,

O corvo voava

Bebia sangue carminado,

O lobo desgarrava

A carne que sangrava.

12. Ficou alegre isso é certo

O assassino esperto.

Ao lobo entrega o morto,

Junto ao mar aberto.

13. Despertava o guerreiro

O proprietário do aço

Do escudo a beira

Rachou-se primeiro,

As bordas se quebraram

Os gumes cortavam,

Os dardos voavam

Quando ao arco esticavam.

14. O dardo voador

Adiante flutuou

O arco esticado

Ao lobo alegrou

As ânsias de Hel

Venceu o guerreiro fiel,

O arco estalou

Os gumes golpeando.

15. O rei esticou seu arco

Nas sendas do barco.

As flechas voaram,

Ao lobo alimentaram.

16. Ainda mais contarei,

Aos homens direi

As façanhas do rei,

Componho com ardor.

Regala ardente ouro,

Reparte seu tesouro,

A ele se deve louvar,

Governar sem poupar.

17. Os braceletes divide,

Seus presentes não mede,

Não ama a avidez,

Reparte sem mesquinhez.

Abundante tesouro

Possui peças em ouro,

Sempre alegra o marinheiro

Com o metal verdadeiro.

18. Seu escudo defende

Da lâmina que brande,

De sua mão o desprende

Erik, o excelente.

Sei muito bem como era,

Aqui, lá onde impera,

Pelo mar se tem sabido

Que sua fama tem crescido.

19. Ante o rei tenho cantado

Os versos que tenho formado,

De coração tenho falado,

Atento me tem escutado,

Com minha boca recitei

Um poema que imaginei

De Odin o hidromel,

Ao guerreiro fiel.

20. Ao rei devo exaltar,

Recitar sem errar,

Em casa de senhores

Bem sei cantar louvores.

Agora desde o peito

Ao rei um canto tenho feito.

Disse assim meu poema,

Houve atenção suprema.

Estátua de Egil Skallagrimsson em uma praça na Islândia. Na Islândia existe até um dia de celebração a sua memória, 9 de dezembro. Ele é considerado um herói nacional.

Tradução de Ariadne Guedes.

Você quer saber mais?

Seganfredo, Carmen; Francini. A. S. Fúria Nórdica: Sagas Vikings. Porto Alegre, Editora Artes e Ofícios, 2011.

http://www.olgerdin.is/

http://www.sacred-texts.com/neu/egil/index.htm

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.