-

-

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Natureza Humana x Natureza Divina

"E agora devemos combater o mal, o amanhã é irreal e pode não existir, o que temos de concreto é apenas o agora..."

Todos sabemos que dentro de Nós há Adão, o homem velho, ou seja, o pecado original e Jesus Cristo, o Homem novo, ou seja, a salvação dada por sua morte na cruz e ressurreição. Dentro de nós insiste em brigar o homem velho e o homem novo, quando nos convertemos, queremos romper imediatamente com o homem velho, mas a nossa natureza humana, herança de Adão está intrínseca em nós em contrapartida, ao aceitarmos Jesus em nossa vida, somos lavados pelo sangue do cordeiro e, temos em nós o desafio de a cada dia que se passa, morrermos para o homem velho e assim como Jesus, ressuscitarmos com o homem novo, a própria cruz mostra este simbolismo onde Jesus, homem carnal das dores porém santo, renuncia do seu corpo carnal, e ressuscita-se ao terceiro dia como o homem espiritual, como Jesus não tinha pecado para renunciar, renunciou então do seu próprio corpo(Lucas9,23-26).

O apóstolo Paulo já dizia que as vezes deixamos de fazer o bem que queremos fazer para fazer o mal que não queremos fazer(rom7,15 e rom 7,19-20). Assim nós músicos, quando estamos nos palcos temos a facilidade de viver o homem novo em nós, pois o clima de oração que nos cerca nos favorece a ser assim, o problema é, como ser assim fora dos palcos? Longe dos irmãos, quando retomamos a nossa vida diária, cheia de problemas, cheia de adversidades, o mundo pertence ao maligno e a prova mais concreta é esta quando não estamos junto da igreja e dos irmãos, aí sim somos postos à prova e a força que encontramos quando estamos em Deus tem que ser a mesma quando estamos expostos ao mundo.

A primeira dica é manter-se em oração, ir à igreja e viver o Cristo

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.