-

-

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Dicas de Leitura: História Geral da África II. A África antiga.


Está dica vai para os amigos que são fãs da história da África antiga em particular do Egito antigo. Neste livro encontraremos inúmeras revelações ocultas do público em geral pelo interesse de poucos em colocar o culturalmente rico continente africano em um nível inferior aos demais.

Durante muito tempo, mitos e preconceitos de toda espécie ocultaram ao mundo a verdadeira história da África. As sociedades africanas eram vistas como sociedades que não poderiam ter história. Apesar dos importantes trabalhos realizados desde as primeiras décadas deste século por pioneiros como Leo Frobenius, Maurice Delafosse e Arturo Labriola, um grande número de estudiosos não africanos, presos a certos postulados, afirmavam que essas sociedades não podiam ser objeto de um estudo científico, devido, sobretudo, à ausência de fontes e de documentos escritos. De fato, havia uma recusa a considerar o povo africano como criador de culturas originais que floresceram e se perpetuaram através dos séculos por caminhos próprios, e que os historiadores são incapazes de apreender a menos que abandonem certos preconceitos e renovem seus métodos de abordagem.

A situação evoluiu muito a partir do fim da Segunda Guerra Mundial e, em particular, desde que os países africanos, tendo conquistado sua independência, começaram a participar ativamente da vida da comunidade internacional e dos mútuos intercâmbios que a justificam. A partir de então, um número crescente de historiadores tem-se empenhado em abordar o estudo da África com maior rigor, objetividade e imparcialidade, utilizando com as devidas precauções fontes africanas originais.

Sobre a obra:

Nesse contexto, a História Geral da África, em oito volumes, cujas edições originais estão sendo publicadas pela Unesco e que a Editora Ática apresenta agora em português, é de indiscutível importância.

Os especialistas de vários países que trabalharam nesta obra dedicaram-se, de início, a lançar-lhe os fundamentos teóricos e metodológicos. Tiveram o cuidado de questionar as simplificações excessivas provenientes de uma concepção linear e restritiva da história universal e de restabelecer a verdade dos fatos sempre que necessário e possível. Esforçaram por resgatar os dados  históricos que melhor permitissem acompanhar a evolução dos diferentes povos africanos em seus contextos socioculturais específicos.

Esta História Geral traz à luz tanto unidade histórica da África quanto suas relações com os outros continentes, especialmente com as Américas e o Caribe. Durante muito tempo, as manifestações de criatividade dos descendentes de africanos nas Américas foram isoladas por certos historiadores num agregado heteróclito de africanismos; desnecessário dizer que tal não é a atitude dos autores desta obra.

Aqui, a resistência dos escravos deportados para a América, a “clandestinidade” política e cultural a participação constante e maciça dos descendentes de africanos nas primeiras lutas pela independência nas Américas, assim como nos movimentos de libertação nacional, são entendidas em sua real significação: foram vigorosas afirmações de identidade que contribuíram para forjar o conceito universal de Humanidade...

Outro aspecto ressaltado por esta obra são as relações da África com o sul da Ásia através do oceano Índico, assim com as contribuições africanas às outras civilizações por um processo de trocas mútuas.

Avaliando o estado atual de nossos conhecimentos sobre a África, propondo diferentes pontos de vista sobre as culturas africanas e oferecendo uma nova leitura da história, a História Geral da África tem a indiscutível vantagem de mostrar tanto a luz quanto a sombra, sem dissimular as divergências de opinião que existem entre os estudiosos.

Sobre o Coordenador do Volume:

G.Mokhtar nasceu no Egito, é arqueólogo; autor de diversas publicações sobre a história do antigo Egito; ex-diretor do Serviço de Antiguidades do Egito.


Outros volumes da coleção História Geral da África:

VOLUME I
Metodologia e Pré-história da África. Coordenador: J. Ki-Zerbo.

VOLUME II
A África antiga. Coordenador: G. Mokhtar.

VOLUME III
A África do século VII ao século XI. Coordenador: M. El Fasi.

VOLUME IV
A África do século XII ao século XVI. Coordenador: D. T. Niane.

VOLUME V
A África do século XVI até XVIII. Coordenador: B. A. Ogot.

VOLUME VI
A África do século XIX até 1880. Coordenador: J. F. Ade Ajavi.

VOLUME VII
A África sob dominação estrangeira, 1880-1935. Coordenador: A. Adu Boahen.

VOLUME VIII
A África a partir de 1935. Coordenador: A. A. Mazrui.


Lembrando aos amigos do Construindo História Hoje, para não esquecerem de enviar suas dicas de leitura para serem publicadas no Marcador DICAS DE LEITURA.

Leandro Claudir

COPYRIGHT ATRIBUIÇÃO - NÃO COMERCIAL © 

Copyright Atribuição –Não Comercial© construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Atribuição-Não Comercial.  Com sua atribuição, Não Comercial — Este trabalho não pode ser usado  para fins comerciais. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes e seus atributos de direitos autorais.



Você quer saber mais? 

G. Mokhtar (Org.). História Geral da África II: África Antiga. São Paulo: Ática/Unesco, 1983.


























LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"O Homem inventou a máquina. A máquina, agora, quer fabricar homens. E se um dia saírem homens do ventre das usinas, também os úteros das mulheres gerarão homens-máquinas, sem coração, sem afeto, meros aparelhos de produção..."

Plínio Salgado.